EDITORIAL

Póvoa de Lanhoso
fomenta a igualdade

Paulo Monteiro
P‘Portugal +igual’ é o nome da Nova Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação (ENIND) que é apresentada no próximo dia 16 de Abril no Theatro Club, e que conta com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro. São vários os momentos e participações nesta acção que a Póvoa de Lanhoso - mais concretamente a autarquia - abraçou e que tem desenvolvido importantes contributos na área. Aliás, já no passado dia 23 de Março a autarquia assinalou o Dia Municipal para a Igualdade. Dia escolhido por ser esta a data apontada pelos historiadores como a do início da Revolução da Maria da Fonte. Na altura, desde o presidente aos funcionários da câmara deixaram mensagens numa tela, alusiva ao tema e que, juntamente com outras, vão fazer parte de mais um grande momento que está marcado para Novembro. De 19 a 25 desse mês a Póvoa de Lanhoso recebe a VIII Semana Municipal para a Igualdade. Iniciativas que são de louvar e que têm recebido elogios de todo o país. Um trabalho notável e que deve continuar a ser apoiado.
E já que estamos a falar em igualdade... na Póvoa de Lanhoso existem várias associações que precisam do seu apoio. Uma delas, tem feito um trabalho notável no apoio aos invisuais. Falo naturalmente da  Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga, criada a 19 de Janeiro de 1996 e actualmente presidida por Domingos Silva. Foi juntamente com Luísa Maria Rodrigues Sousa Dias e Manuel Santa Cruz Oliveira, o responsável por criar esta associação há 22 anos e que muito e bom trabalho tem feito em prol dos invisuais do distrito e que tem sido fortemente elogiado. Por isso quando falamos em Igualdade podemos também ter um gesto simples mas que pode ajudar muita gente. Esse gesto simples é inscrever-se como sócio da AADVDB. Eu já o fiz. E você de que está à espera? Vamos ajudar os bons exemplos desta terra...

Praça Eng. Armando Rodrigues vai ser valorizada

Centro da vila 
vai ganhar novo pulsar

Já iniciaram as obras de remodelação e valorização da mais emblemática praça da Póvoa de Lanhoso – a Praça Eng. Armando Rodrigues. Os trabalhos iniciaram a 26 de Março e obrigaram ao corte de circulação, até 15 de Maio, num dos traçados da praça. O objectivo primeiro desta intervenção, de acordo com a autarquia, é responder às urgentes necessidades que actualmente se verificam e potenciar um novo fôlego de desenvolvimento e urbanidade no local historicamente mais representativo e emblemático da Póvoa de Lanhoso.
“Tivemos a preocupação de não desvirtuar a identidade desta praça, realizando uma intervenção que pretende, acima de tudo, melhorar o conforto de quem a usa e os espaços pedonais. As praças têm de estar preparadas para as pessoas, porque são pontos de encontro. É isso que vamos fazer, permitindo também uma maior área para o comércio. No fundo, estamos a dar mais vida a este espaço público central, que já carecia de um melhoramento”, refere o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva.
A Requalificação da Praça Eng.º Armando Rodrigues e envolvente é, no essencial, constituída por uma intervenção de natureza infra-estrutural que tem por objecto a Praça Engenheiro Armando Rodrigues e envolvente (Rua D. Elvira Câmara Lopes e Largo Barbosa e Castro).
Os principais trabalhos a levar a cabo são ao nível de arruamentos e passeios, iluminação, rede de águas pluviais, espaços verdes e rega. Está ainda prevista a criação de palco na Praça e de um passadiço sobre o ribeiro do Pontido.
Este é um projecto promovido pelo Município da Póvoa de Lanhoso e co-financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte - NORTE 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, que conta com um investimento elegível de 658.691,91€, ao qual corres-ponde a comparticipação comunitária de 85% no valor de 559.888,12€.

Taíde

Comunidade celebrou a Páscoa

Dos mais pequenos aos mais velhos, todos se uniram na celebração da Páscoa. Paróquia, Junta de Freguesia, Escuteiros, Centro Social e outras instituições da terra estiveram de mãos dadas nas celebrações pascais. O Lava-pés, a Via Sacra e a Bênção do Lume Novo foram alguns dos momentos das celebrações pascais. No centro Social de Taíde, os mais velhos recriaram a Via Sacra, com a Crucificação de Jesus. No terreiro das Músicas, foram colocados três símbolos pascais: a Cruz de Cristo, o Cordeiro e o Círio Pascal, construídos pelos elementos das várias associações da freguesia. Na Bênção do Lume Novo, que decorreu na Igreja Paroquial São Miguel de Taíde, as crianças da Catequese e seus pais participaram na Vigília Pascal.

Visita aos Paços do Concelho

Póvoa de Lanhoso mantém vivas 
tradições pascais

Na manhã de domingo, os Paços do Concelho da Póvoa de Lanhoso abriram as portas para receber a visita pascal. O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva, recebeu o arcipreste, Armindo Gonçalves, assim como as diferentes cruzes, que, ao longo do dia de Páscoa, percorreram a paróquia de Nossa Senhora do Amparo – Póvoa de Lanhoso.
“Esta é uma tradição que queremos manter, assim como outras, o que demonstra acima de tudo o nosso respeito por esta festividade assinalada pela comunidade católica”, referiu o presidente da Câmara Municipal, Avelino Silva, à margem desta recepção, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, onde também marcaram presença os vereadores Gabriela Fonseca e André Rodrigues.
O autarca referia-se também à exposição de arcos de Páscoa elaborados pelos utentes dos Centros de Convívio da Póvoa de Lanhoso, em exposição no Jardim António Lopes, no coração da vila povoense, e à Queima do Judas. Neste último caso, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso foi uma das entidades que apoiaram esta iniciativa da Junta de Freguesia da Póvoa de Lanhoso, que reuniu uma enorme moldura humana, no largo em frente ao edifico da Câmara Municipal, para assistir à leitura do testamento e à queima do Judas, num momento que contribui para a divulgação e para a continuidade desta tradição pascal.

Póvoa de Lanhoso

‘Queima do Judas’ 
atrai cada vez mais público

A Queima do Judas, com a Leitura do Testamento, são motivos de atracção no Domingo de Páscoa e traz cada vez mais povoenses aos Paços do Concelho. A organização está a cargo da Junta de Freguesia da Póvoa de Lanhoso, com a colaboração da Câmara Municipal, que promove este espectáculo pelo quarto ano consecutivo. Mais uma vez, foram muitos os que ali se concentraram para assistir a um espectáculo, encenado por Maíra Ribeiro, directora artística do Theatro Club.
Este ano, e como explica Maíra Ribeiro, o espectáculo trouxe aos Paços do Concelho a Genesis, a história da criação do Mundo, pelo facto de a Queima do Judas, apesar de ser um evento profano, estar directamente ligado a uma cultura religiosa. Da criação à destruição do mundo. Assim foi o cenário criado, mostrando aos presentes aquilo que o homem desvalorizou e destruiu.
 Todos participaram, desde crianças das oficinas do Theatro Club aos utentes do Centro de Convívio. Participaram no espectáculo da Queima de Judas cerca de 60 povoenses.

Moure

Compasso pela mãos dos Anjos

Neste ano, acompanha-dos pelo padre Elias Amaral, a família Anjos levou o compasso pascal a todas as habitações da freguesia de Moure. Gilberto Anjos, presidente da União de Freguesias de Águas Santas e Moure, transportou a Cruz Pascal, levando a mensagem de Cristo Ressuscitado a todos os moradores. Ao seu lado, o pai António, assim como os irmãos Ricardo e Leia, a esposa e os filhos.
Mesmo debaixo de chuva, a boa-disposição foi a nota dominante. Em cada habitação, Gilberto Anjos e a esposa ofereceram como lembrança uma caneca, assinalando a época pascal, embelezada com desenhos da autoria dos filhos Guilherme e Gustavo.
A Nuno Coelho, filho de um dos seus grandes amigos, Fernando Coelho, coube a tarefa de levar a campainha, anunciando a chegada do Compasso Pascal. Páscoa é tempo de celebrar a Ressurreição de Jesus mas é também tempo de convívio das famílias. De vários pontos do país, e também do estrangeiro, foram vários os que se deslocaram até Moure para acompanhar as celebrações pascais.

Investimento de 3,7 milhões de euros

Água vai chegar 
a 90% do concelho

Fruto de um investimento de mais de 3,7 milhões de euros, o abastecimento de água da rede pública vai chegar a 90% do concelho. Os trabalhos iniciaram em Fevereiro   e decorrem ao longo de 15 meses. Neste momento, as obras decorrem nas freguesias de Serzedelo, Oliveira, Covelas, Brunhais, Espe-rança e Santo Emilião.  
Na sua deslocação às obras que decorrem em Oliveira e Serzedelo o presidente da Câmara, Avelino Silva,  Muni-cipal considerou que “estas obras perturbam o quotidiano das pessoas, mas são obras absolutamente fundamentais para todos”.
A autarquia avança que estas intervenções fazem parte da empreitada designada  “Fecho das Redes de Abaste-cimento de Água dos Subsistemas da Agere/Ponte do Bico, Andorinhas e Rabagão e das redes de águas residuais dos Subsistemas da Bacia do Ave e de Serzedelo”, que tem um valor de adjudicação superior a três milhões e 700 mil euros (3.752.487,96€). Segundo os mesmos, esta empreitada engloba as obras que materializam as cinco candidaturas que a Autarquia viu aprovadas pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, que permitirá o financiamento a 85% das despesas elegíveis através do fundo de coesão.

Pinheiro - Serra do Carvalho

Viaturas ‘pararam’ 
depois de abastecer

Cerca de uma dezena de automóveis avariaram depois de abasteceram gásoleo no  posto de abastecimento localizado na Estrada Nacional 103, no lugar de Pinheiro, na Serra do Carvalho. Tudo aconteceu na manhã de sexta-feira, dia 6 de Abril. Pela manhã, foi possível avistar algumas viaturas paradas ao longo da via.
Alguns dos lesados apresentaram denúncia no Livro de Reclamações daquele estabelecimento. A GNR foi chamada ao local, que, por sua vez, solicitou a presença de técnicos da Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, que é a entidade supervisora para o sector. Dos depositos de gasóleo foram retiradas amostras de combustível, tendo os mesmo sido selados.
Um dos lesados é Manuel Pereira da Silva, emigrante na Suíça e com residência em Galegos, Póvoa de Lanhoso.
Manuel Silva veio com a família à terra natal passar a Páscoa. O regresso à Suíça aconteceu nesta segunda-feira mas viu-se impedido de o fazer na sua viatura, tendo sido obrigado a fazer o regresso de avião. Naquela manhã, pelas 8.30 horas, dirigiu-se ao posto de abastecimento na EN. Foi-lhe dito que não havia gasóleo simples, pelo que abasteceu com gasóleo aditivado.  Iniciou a marcha e um pouco mais à frente o carro deixou de andar, descreveu, testemunhando que o mesmo aconteceu a outras pessoas. Ao seu lado parou uma outra viatura, um Audi, também na mesma situação.
Algumas das viaturas ficaram para-das no meio da estrada e outras nem das bombas de gasolina saíram, refere o lesado.Esta situação aconteceu a quem abasteceu gasóleo.
A viatura de Manuel Silva, um Mercedes 220 CDI, de matrícula suíça, foi rebocada, naquela manhã, para a Mercedes, em Braga, onde permanece para ser inspeccionada, revelou o proprietário. Daqui a algum tempo, Manuel Pereira da Silva terá que regressar novamente à Póvoa de Lanhoso para levar de volta o seu automóvel.
As férias de Páscoa trouxeram despesas acrescidas a Manuel Pereira da Silva, uma vez que se viu obrigado a comprar passagens de avião para os três adultos e uma criança.
Estão em causa milhares de euros de prejuízos.

Fontarcada

Mulher que motivou buscas 
foi encontrada em Braga

Residente em Fontarcada, uma mulher de 30 anos esteve desaparecida, no sábado, dia 7 de Abril, durante mais de 14 horas. Foi encontrada, pelas 22 horas, em S. Victor, tendo sido encaminhada para o Hospital de Braga.
Durante o dia, tinha sido dado o alerta do seu desaparecimento, que levou as autoridades a fazer deligências  no terreno para a tentar localizar.
Segundo foi possível apurar, a mulher, de nacionalidade kosovar, saiu de casa de ma-nhã e não regressou. Mãe de quatro filhos, deixou o telemóvel em casa.
Face ao sucedido, as crianças foram encaminhadas para uma instituição de acolhimento, já que o pai foi recentemente vítima de um acidente de trabalho que o feriu com gravidade. Nas buscas no terreno estiveram militares da GNR, do Destacamento Territorial da Póvoa de Lanhoso e do Destacamento de Intervenção do Comando Territorial de Braga.
A pedido da GNR, durante a tarde, as buscas foram reforçadas por cerca de uma dezena de operacionais dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso apoiados por três veículos, mas foram desmobilizados ao final da tarde, confirmou o comandante da corporação, António Veloso.  Finalmente, ao início da noite a mulher de 30 anos acabou por ser encontrada  em Braga, dando por finalizada a operação de buscas do seu desaparecimento.

S. João de Rei

GNR deteve cinco pessoas 
e resgatou sete trabalhadores

Cinco pessoas foram detidas e sete trabalhadores foram resgatados pela GNR da Póvoa de Lanhoso, numa operação que envolveu dezenas de militares. Tudo aconteceu na manhã de terça-feira, dia 3 de Abril, com a GNR a dar cumprimento a mandados de busca emitidos pelo Tribunal da Póvoa de Lanhoso. Para além de uma quinta, em S. João de Rei, as buscas decorreram ainda em Montalegre e Braga, numa operação que envolveu mais de cinquenta militares dos postos da GNR do Destacamento Territorial da Póvoa de Lanhoso.
Da operação resultou a detenção de cinco pessoas, três homens e duas mulheres: um casal de S. João de Rei, assim como um outro casal e o seu filho, de Montalegre.
Sobre os detidos, que aguar-dam julgamento em liberdade, recaem as suspeitas de escravatura e tráfico de seres humanos. Presentes ao Tribunal da Póvoa de Lanhoso, às  duas mulheres e ao jovem foi aplicado o Termo de Identidade e Residência, sendo que os dois homens mais velhos ficam obrigados a apresentações bi-semanais, estando proibidos de contactarem entre si, de contactarem os ofendidos e impedidos de sair do concelho onde residem sem autorização.
Da exploração agrícola de S. João de Rei, foram resgatados três trabalhadores na terça-feira, tendo outros quatro sido retirados do local no dia anterior pela GNR. Os sete trabalhadores, com idades entre os 40 e os 75 anos, estão colocados em instituições de acolhimento do distrito. Uma das pessoas, a pedido da GNR, foi transporada ao Hospital de Braga. Do local, foram levados vá-rios documentos e algumas armas, sendo que algumas delas estão inoperacionais. Os documentos pessoais dos trabalhadores estariam alegadamente na posse do casal detido. Há quem aponte as condições deploráveis em que viviam os trabalhadores.
Rapidamente, a notícia das buscas  espalhou-se pela população. Alguns populares mostraram-se surpreendidos. “Coitado. Ele até ajudava os coitadinhos”, considerou um morador do baixo concelho.

Prova foi apresentada

Póvoa de Lanhoso recebe 
1.º Granfondo RP/Boavista

A Póvoa de Lanhoso vai ser palco, a 27 de Maio, do 1.º GranFondo RP/Boavista, num evento que conta com a parceria da Câmara Municipal e pretende assumir-se como um grande encontro dos amantes do ciclismo de competição e de lazer. Num percurso de 115 Km, com saída, e chegada, da Avenida 25 de Abril, na vila da Póvoa de Lanhoso, os participantes atravessam os concelhos de Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho, Montalegre, Fafe e Cabeceiras de Basto.
Na apresentação da prova, o vereador do Desporto, André Rodrigues, considerou que “este evento irá engrandecer ainda mais o calendário desportivo da Póvoa de Lanhoso, diversificando-se agora para o ciclismo. Pretendo, neste mandato, passar uma mensagem de abertura à população, um sinal claro de que contamos com todos para que estas iniciativas sejam constantes. Queremos que todos sem excepção pratiquem  desporto”. “A Póvoa de Lanhoso é um concelho que se considera amigo do desporto. Temos óptimas condições para a prática de diversas modalidades desportivas. Esperemos que este evento seja o primeiro de muitos, com a dimensão crescente que lhe pretendemos dar mas nunca deixando morrer aquilo que é o nosso desporto e as nossas raízes desportivas”, acrescentou André Rodrigues.
“A Póvoa de Lanhoso vai receber mais uma grande actividade desportiva, a autarquia não poderia deixar de apoiar o seu primeiro Granfondo. O nosso concelho tem excelentes condições para a prática de actividades desportivas e em particular ao nível do ciclismo”, referiu o presidente da Câmara, Avelino Silva, evidenciando que “estes eventos são um importante contributo para a dinamização do comércio e da pequena economia local, dando vida ao centro da vila e a todos os agentes turísticos do concelho”.
José Santos, director desportivo do RP/Boavista, deu nota das excelentes relações com a Câmara Municipal e considerou que, do ponto de vista técnico, o evento poderá rivalizar com o que se melhor se faz em Portugal a este nível, reunindo os ingredientes necessários para que seja um prova agradável na vertente competição e lazer. Atrair entre 250 a 300 participantes é o objectivo da organização.
Rui Sousa, que terminou no ano passado a sua carreira no ciclismo, ao serviço do RP/Boavista, ano em que venceu a 6.ª etapa em Fafe, é o padrinho do evento, envergando o dorsal número 1, numa prova onde estarão presentes nomes como Tiago Sousa e outras figuras ligadas ao passado do ciclismo como Joaquim Andrade, Celestino Oliveira e Marino Fonseca.

EDITORIAL

Festas de S. José:
para todos e com todos

Manuela de Freitas Costa

As Terras da Maria da Fonte viveram, de 10 a 19 de Março, as suas festas concelhias, num programa que enalteceu a história, os costumes e as vivências dos povoenses, numa aliança do profano com o religioso.
O programa, voltado para várias idades, contou com um momento especial dedicado aos mais pequenos e suas famílias, o ‘Mundo da Sara’, num espectáculo infantil que trouxe as famílias aos festejos do santo padroeiro. Neste ano, a chuva marcou presença em vários dias
da festa e obrigou ao adiamento de várias actividades, uma delas o Cortejo Histórico e Religioso, que sai à rua no dia 25 de Abril, com
os povoenses a encarnar os vários personagens da história de Portual, num momento que contará com mais de 600 participantes. Tal com em anos anteriores, a procissão de S. José foi um dos momentos mais concorridos. Aqui, S. Pedro juntou-se à festa e trouxe sol à tarde do feriado municipal. Pelas ruas da vila, desfilaram 33 andores, vários quadros bíblicos e mais de cem figurantes. Das várias paróquias vieram os andores dos santos padroeiros, que dão uma majestosidade ainda maior ao cortejo religioso e atraem cada vez mais visitantes ao concelho. No principal dia dos festejos, não podemos esquecer as actividades que deram origem aos festejos, como o Concurso Pecuário e a Feira Franca. Numa outra vertente, destaque para uma jovem designer povoense que brilhou no último Portugal Fashion, que decorreu
de 22 a 24 de Março. Maria Meira Magalhães foi uma das vencedoras do concurso Bloom, para descoberta de novos talentos no mundo da moda. E como diz o poeta, o sonho comanda a vida. Assim foi com Maria Meira, que concretizou o sonho de pequena e levou bem longe o nome da Póvoa de Lanhoso. Como última nota, destaque para
o excelente trabalho desenvolvido pelo Agrupamento Gonçao Sampaio, bem patente na última mostra educativa, que deu palco aos jovens alunos e assumiu-se como um momento ímpar para trazerem a público os seus talentos
e aptidões.

Festas de S. José

Multidão assistiu à procissão

Com 33 andores, adornados a flores naturais, e mais de cem figurantes, a procissão de S. José, no dia 19 de Março, assume-se, cada vez mais, como um dos momentos altos dos festejos ao padroeiro do concelho, atraindo às Terras da Maria da Fonte uma verdadeira multidão. Depois da chuva, que brindou os festejos deste ano, a tarde do feriado municipal foi bafejada pelo sol e uma verdadeira multidão marcou presença na vila para assistir à passagem do cortejo religioso.
Alzira Silva é natural da Póvoa de Lanhoso e reside há várias décadas no Porto, cidade para onde foi servir, ainda pequena, com apenas 10 anos. É presença assídua nas festas concelhias e, mesmo ao longe, acompanha as notícias da terra que a viu nascer através do Jornal Maria da Fonte.
“Vou lendo as novidades e vi o programa deste ano. Era para vir ao cortejo mas foi adiado devido à chuva. Assim, vim à procissão. É sempre um momento muito bonito e é bom ver os andores das paróquias na festa de todos os povoenses”, referiu.
Casimiro Martins e Adélia vieram de Sobradelo da Goma para assistir à procissão. Gostam de ver a procissão e rever amigos que vão encontrando. Consideram este um momento bonito que traz muita gente das freguesias.
Para além do clero, a Assembleia e Câmara Municipal, Juntas de Freguesia, assim como as associações e confrarias do concelho, marcaram presença com as suas bandeiras e os seus representantes. O andor da S. José, transportado em ombros pelos bombeiros, que fizeram também guarda de honra, encerrou o desfile religioso.

Chuva e frio não foram amigos dos feirantes

Valeu o sol do feriado municipal

Festa que é festa tem farturas, doces e pipocas, tem carrinhos de choque e cadeirinhas, tem um sem número de vendedores, onde não falta a roupa, o calçado, os sacos e as carteiras, e tem os comes e bebes. Assim foi no S. José da Póvoa de Lanhoso, cujas festividades decorreram de 10 a 19 de Março e que este ano ficaram marcadas pela chuva que se fez sentir durante praticamente todos os dias.
Aos comerciantes, valeu o contributo de S. Pedro, na tarde de segunda-feira, dia 19 de Março, com o bom tempo a atrair muita gente à vila para apreciar a procissão de S. José.
Muitos dos feirantes presentes nas festividades queixaram-se de que a chuva e o frio atrapalhou o negócio. “As pessoas já andam com pouco dinheiro na carteira. Se juntarmos a isso a chuva e o frio, tudo fica mais complicado. Espero que o sol se mantenha e que venha muita gente à festa”, referiu um comerciante, ao início da tarde de segunda-feira, pedido esse que foi atendido por S. Pedro, que trouxe sol no encerramento das festas de S. José.
Pedro Freitas, de Fafe, foi um dos vendedores mais procurados. Vêm às festas do concelho há cerca de 6 anos e consigo trazem uma grande variedade de enchidos e presunto. O salpicão e o presunto, e o chouriço corrente, são os mais procurados.
“O S. José não é o mesmo de outros anos por causa do tempo, que tem prejudicado. Para nós, os melhores dias são o dia do cortejo e o dia da procissão. Este ano, o cortejo foi adiado. O sol vai-nos ajudar a vender”, referiu este vendedor.
Doces da romaria  muito procurados
Nos doces tradicionais, os charutos, as cavacas e os doces brancos continuam a ser os mais procurados. Neste ramo, as vendas foram-se mantendo, apesar das pessoas levarem menos quantidade que há anos atrás. Para levar um saco de charutos, os visitantes tinham que desembolsar 2,50 euros, já os doces brancos custavam 4 euros o quilo, num valor que se mantém há vários anos.

Pais, avôs e crianças vibraram com espectáculo

‘O Mundo da Sara’ encantou

Vieram as crianças, os pais e, em muitos casos, os avós. Este ano, a autarquia apresentou, na tarde de sábado, dia 18, um espectáculo dedicado aos mais pequenos: O Mundo da Sara. Com a chuva a ameaçar, foi preparada uma tenda gigante, que foi pequena para acolher as crianças e suas famílias.
Ao som das músicas da Sara, os mais pequenos vibraram. Mas não foram só os mais pequenos pois mui-tos pais já ficaram fãs do musical e trautearam, de fio a pavio, as músicas da Sara.
Residente na vila da Póvoa de Lanhoso, Eugénia Gomes trouxe a filha Diana ao espectáculo. Aos ombros da mãe, a Diana ia espreitando e apreciando as músicas apresentadas pela Sara.
“Foi a Diana que pediu para vir. Gosta muito do ‘Mundo da Sara’, Canal Panda, SIC júnior e Disney Chanel. Adora mesmo. Estou a gostar muito e ela também. Já encontrou aqui muitos amigos. Acho que é uma iniciativa de louvar que se devia repetir mais vezes”, referiu Eugénia Gomes.
Cristina Ribeiro, também ela residente na vila, trouxe as filhas Beatriz e Bruna. “Foi a Bruna que pediu para vir. Para elas é bonito. Gosta das músicas da Sara. Acho que é uma boa iniciativa. Pena é que com tanta gente, não se consegue ver muito bem”, referiu também Cristina Ribeiro.

Escola EB 2,3 Prof. Gonçalo Sampaio

Requalificação e modernização
cada cada vez mais perto

Foi dado mais um passo para as obras de requalificação da Escola EB 2,3 prof. Gonçalo Sampaio: a assinatura do contrato de empreitada.
“Esta é mais uma excelente notícia para a Póvoa de Lanhoso e vem responder a anseios legítimos e antigos de toda a comunidade, o que nos deixa felizes”, refere o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva.
As obras, de acordo com a autarquia, devem arrancar nas férias de Verão. A intervenção, urgente, já há muito que é reclamada pelos responsáveis daquele estabelecimento de ensino.
A operação ‘Requalificação e Modernização das Instalações da Escola Básica Gonçalo Sampaio’ foi candidatada e aprovada no âmbito do Programa Operacional  Regional do Norte – Norte 2020. Esta operação visa realizar obras de requalificação e modernização nos blocos, A, B, C, D e E no prazo de 12 meses após a adjudicação da empreitada. O investimento total elegível da operação é de 2.500.000€, financiados a 85% pelo FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Mostra Educativa

Alunos mostraram talentos

A Mostra Educativa do Agrupamento Gonçalo Sampaio, que decorreu de 20 a 23 de Março, ficou marcada por exposições, visitas de Estudo, Ateliers, Oficina de mecânica, Workshops, desfiles, caminhada, visitas guiadas, desfile das regiões francesas, Supertmatik, workshop de reiki, marcha da limpeza e showcooking. Ao longo dos vários dias, ficaram em evidência as aptidões e os talentos dos jovens alunos. No pavilhão gimnodesportivo, os visitantes puderam apreciar, de entre outras, a confecção de sabonetes, demonstração de robótica, numerologia, jogo da glória, desporto adaptado, exposição têxtil, de entre outras. À sede do agrupamento vieram grupos de alunos do pré-escolar e primeiro ciclo dos vários centros escolares que integram aquele agrupamento.
A entrega de prémios do concurso ‘Os padrões na arte da tua localidade’ e o anúncio dos 25 trabalhos apurados para a fase final do projecto ‘Prevenção de Incêndios protecção da natureza’ foram os momentos que marcaram o encerramento da Mostra Educativa, na manhã de sexta-feira, dia 23 de Março. Cândida Francisca Lopes Carvalho, Ana Pereira e Filipa Pereira Silva foram as três primeiras classificadas no concurso ‘Os padrões na arte da tua localidade’, às quais se juntaram cinco menções honrosas.

‘A Escola está a mudar’
Traçando um balanço muito positivo do evento, e destacando os grande envolvimento dos docentes daquele estabelecimento de ensino, Luísa Rodrigues Sousa Dias, presidente do Agrupamento Gonçalo Sampaio, assumiu que a interacção entre os alunos do pré-escolar e primeiro ciclo com os alunos do 2.º e 3.º ciclo são momento valiosos e a privilegiar.
“A escola está a mudar e a escola está a mudar, na minha opinião, para seguir o caminho que já devia estar a seguir há uns anos. A escola, tal como ela estava concebida não respondia, de forma alguma, a um público alvo que são os nossos alunos, que têm uma imensidão de dispositivos a que podem recorrer para obter informação. E, nós, ou efectivamente revoluciona-mos a forma como trabalhamos com eles em contexto de escola ou a escola começa a ser desmotivante para esta nova geração”, esclarece a directora do Agrupamento Gonçalo Sampaio.
“A escola está a mudar e se a escola está a mudar, nós temos que mudar e agarrar projectos que, de alguma forma, alterem as práticas,  embora conscientes que estamos a mexer com a nossa zona de conforto”, assume.
“Sem os professores, nada disto será possível. A minha felicidade de hoje é, precisamente, porque verifico que os professores estão receptivos, a aderir, independentemente de estarem tão sobrecarregados de trabalho e é isso que também me move a continuar a apostar e a caminhar com eles na mudança. a escola tem que mudar, tem que inovar. As práticas têm que ser alteradas”, assume.
“Há trabalhos que já são feitos em contexto familiar, entre encarregados de educação e alunos porque as aprendizagens não são só na escola. As aprendizagens também podem ser realizadas em contexto familiar sendo que a escola depois terá a função de fazer a análise conjunta com os alunos de tudo aquilo que eles trazem para a escola para os conseguir levar até à nossa missão, que é chegar ao final da escolaridade obrigatória e respeitar o perfil do aluno. Esse perfil traz um enfoque muito grande naquele que tem sido de há uma longa data a esta parte o princípio deste agrupamento, o aprender e ser. Ninguém consegue, no futuro, ser um cidadão de qualidade, ter intervenção assertiva e mudar uma sociedade que está decadente se cumulativamente  ao conhecimento científico não for uma boa pessoa”, aponta aquela responsável.

Ambiente

Defesa da floresta 
une alunos e GNR

Cerca de 70 alunos participaram, no dia 22 de Março, numa caminhada promovida pelo  Destacamento Territorial da GNR da Póvoa de Lanhoso, através do SEPNA - Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente. De entre os participantes, marcaram presença alunos dos clubes de floresta da Escola EBI do Ave e da Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, assim como ligados ao projecto Eco-escolas de ambos os estabelecimentos de ensino.
Finda a caminhada, que teve o seu início no centro da vila e culminou no Castelo de Lanhoso, os jovens participantes deixaram a sua marca, plantando algumas árvores, num momento que contou com a presença de Avelino Silva, presidente da Câmara. André Rodrigues, vereador da Juventude e Desporto,  associou-se à caminhada.
Para Ana Isabel Fonseca, professora na EBI do Ave,  em Taíde, são necessárias mais iniciativas como esta para que os mais pequenos percebam a importância da floresta e das árvores na vida de todos nós.
“A preservação da floresta é essencial. O ano passado foi um ano de flagelo. Este país está a precisar que os mais pequenos acordem os mais crescidos, que, às vezes, se esquecem destes bens essenciais”, referiu aquela docente.

Concurso do Portugal Fashion

Maria Meira Magalhães 
foi uma das vencedoras

O nome da Póvoa de Lanhoso brilhou na passerelle do Portugal Fashion, evento que decorreu de 22 a 24 de Março. O segundo dia do evento de moda ficou marcado pela final do Concurso Bloom, cuja vitória pertenceu à jovem povoense Maria Meira Magalhães, numa competição destinada à caça de novos talentos da moda nacional.
O gosto pelos desenhos relacionados com a moda, e segundo contam os pais Isaura e Manuel Magalhães, surgiu desde pequena mas foi no 7.º anos de escolaridade que Maria Meira Magalhães teve a certeza que era no mundo da moda que queria estar. Objectivo traçado, foi iniciado um caminho que levaria à vitória no Concurso Bloom.
“Esta área sempre me fascinou. Quando era pequena fazia roupas para as barbies com a minha irmã. A minha mãe também sempre teve o ‘bichinho’, gosto e jeito para fazer roupas. Neste colecção, ela esteve sempre presente. Quando chegou a altura de escolher a universidade, escolhi a Escola Superior de Artes e Design porque era uma universidade de renome e sabia que esta participava muitas vezes no Portugal Fashion. Então, com este objectivo de vir um dia a participar neste evento entrei e batalhei para tal. No meu último ano da licenciatura a minha professora aconselhou-me a participar no Bloom Contest do Portugal Fashion. Candidatei-me à primeira fase, onde tinha de enviar um dossier com a colecção. Nesta primeira fase, passaram 12 pessoas. Na segunda fase tive de confeccionar um dos coordenados apresentados e apresentar ao júri do Bloom e na última fase passaram oito finalistas, onde confecciona-mos todos os coordenados e apresentamos no primeiro dia do Portugal Fashion onde eu e a Mara. “Quando anunciaram o meu nome, eu estava lá atrás, nos bastidores, encostada à parede e nem me mexi”, explica, revelando que tudo parecia ter saído de um sonho, um sonho verdadeiramente real foi o nome da jovem povoense correu mundo fora.
Dar-se a conhecer enquanto designer de moda é o objectivo, estando prevista a sua participação nas próximas edições do Portugal Fashion, sendo a próxima já em Outubro. O sonho é possuir uma marca própria e vingar no mundo da moda.
Para a colecção apresenta-da, Maria Meira inspirou-se nas obras de Shai Langen, um artista plástico que transforma e modela o corpo humano de uma forma performativa e intuitiva, recorrendo a experiências e ao uso de materiais diferentes, como a pasta de papel de parede e tinta acrílica.

Louredo

Senhora da Alegria 
a 1 de Abril

O levantamento do arco, no domingo, dia 1 de Abril, a partir das 17 horas, é um dos momentos  mais aguardados das festas em honra de Nossa Senhora da Alegria, que decorrem em Louredo, de 1 a 3 de Abril. Após este momento, segue-se a leitura do testamento e a queima do Judas. À noite, a partir das 21.30 horas, atenções voltadas para a actuação do cantor Jorge Amado.Na segunda-feira, dia 2, a partir das 9 horas, realiza-se a visita pascal na freguesia, com a celebração da missa cantada, às 15.30 horas, seguida da pro- cissão. Terminadas as cerimónias religiosas, segue-se o folclore, com actuação do Rancho Folclórico Maria da Fonte. À noite, a partir das 21 horas, a música é trazida pela banda Impaktus. O último dia dos festejos, na terça-feira, dia 3 de Abril, é preenchido, a partir das 20 horas, com os jogos tradicionais.

Taíde

Bombeiros em acção dupla

Um homem, de cerca de 40 anos, foi resgatado, em estado de hipotermia e hipoglicemia, pelos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso. Tudo aconteceu no domingo, dia 18 de Março, por ocasião das festas de S. José. O homem, residente na vila, foi um dos participantes no passeio de BTT.
Ao final da tarde, o pai, estranhando a sua ausência, deslocou-se junto da organização para alertar que o filho ainda não tinha regressado a casa. Accionados os meios, Bombeiros e GNR partiram para o terreno, para a zona de Quintela, onde o mesmo tinha sido avistado pela última vez. A busca foi acompanhada pelo presidente da Câmara e pelo vereador do Desporto.
Iniciadas as buscas, pelas 17.45 horas, rapidamente os soldados da paz resgataram o betetista que, por precaução, foi conduzido pelos Bom-beiros ao Hospital de Braga.

Viatura caiu ao rio
Foi um dia de sorte para um jovem de 21 anos, residente no concelho. Na madrugada de domingo, dia 25 de Março, a viatura em que seguia entrou em despiste e só parou no fundo do rio Vides. Tudo aconteceu pelas quatro horas, no lugar de Quintela, em Taíde, tendo o jovem conseguido sair pelo seu próprio pé. A viatura ficou submersa.
O jovem conseguiu sair e vir até à estrada pedir ajuda. Para o local, os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso fizeram deslocar cinco homens e duas viaturas. No local, os soldados da paz assistiram o jovem, tendo-o imobilizado e transportado ao Hospital de Braga.

EDITORIAL

O que significa ser 
da Póvoa de Lanhoso?

Rui Miguel Graça
Em vésperas das festas de S. José a Póvoa de Lanhoso foi assolada por um incêndio que não deixou praticamente ninguém indiferente. Na madrugada do dia 2 de Março, o restaurante situado no Monte Pilar, próximo do Castelo, um local emblemático do concelho, ficou reduzido a cinzas.
As imagens da tragédia, reproduzi-das na nossa página da rede social Facebook espalharam-se pelos quatro cantos do mundo, com um número recorde de partilhas, visualizações e comentários. Dessa propagação, ergueu-se uma onda solidária no sentido de ajudar à reconstrução de um edifício centenário, edificado no século XVIII. Já não é a primeira vez, nem será a última, que a Póvoa de Lanhoso dá o exemplo no capítulo da solidariedade e, acredito que este será mais um dos exemplos que vai perdurar na história.
Para o concelho é simbólico que o façam, enche esta comunidade de orgulho e demonstra, mais uma vez, a sua forma de estar na vida. Fazê-lo em período das festas concelhias ainda dá mais significado, ainda torna esse ADN povoense mais especial.
Acrescido a esse facto, diga-se que a acção de reflorestação promovida no último fim-de-semana é mais uma peça nessa forma de estar na vida, tal como o cheque entregue pelos representantes da Prozis à Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga. São estes factos que fazem olhar para as gentes da Póvoa de Lanhoso com um carinho especial, que fazem Ruy de Carvalho afirmar alto e bom som que ama a Póvoa de Lanhoso.

PS: Modificámos o nosso grafismo, sem alterar a identidade do jornal. Esperemos que seja do vosso agrado, já que foi feito a pensar nos nossos leitores e nos nossos assinantes.

Festas de S. José

Plantar o orgulho concelhio

O mau tempo  que se fez sentir levou ao cancelamento de várias actividades que marcavam o arranque das festas em honra de S. José. O concurso de Pesca, a caminhada de S. José, a Prova de Atletismo, o Mercado da Terra e o Cortejo Etnográfico foram cancelados.
Das várias actividades previstas, apenas se realizou o Passeio TT, que este ano teve como novidade, no final, uma Super-Especial, na Avenida 25 de Abril, o Concurso de Tiro aos Pratos, o Festival de Natação e a abertura da exposição “Um (outro) olhar sobre a arte sacra concelhia”.
Muito concorrido, o Passeio TT, organizado pelo TT Lanhoso, foi mais uma vez marcado pelo sucesso, dada a excelente organização. Descobrir o concelho e viver momentos de grande adrenalina andaram de mãos dadas.
No Campo de Tiro, em Oliveira, o Clube de Caçadores organizou mais uma prova de tiro aos pratos, realizada nos dias 10 e 11 de Março. Saiu vencedor do XIX Grande Prémio de Tiro aos Pratos, com 25 pratos, Sérgio Campos, logo seguido de Alberto Dourado e Paulo Moreira, com 24 pratos. Sete atiradores - José Esteves, Ricardo André, Paulo Mucha, Peres Campos, José Maria Oliveira, Paulo Barbosa e Marcelo Morais conseguiram 23 pratos.
Os cinco melhores classificados do concelho foram: Manuel Magalhães (21 pratos), Nuno Abreu (20 pratos), António Fernandes (19 pra-tos), João Fernandes (16 pra-tos) e António Oliveira (15 pratos).
Programa variado
Uma das novidades das festas deste ano acontece na tarde de Sábado, dia 17 de Março, com o espectáculo ‘O Mundo da Sara’, num momento dedicado aos mais pequenos. O evento acontece num recinto coberto, na Praça Engenheiro Armando Rodrigues. A entrada é livre.
Mas a festa não acontece só a partir de sábado. Na sexta-feira, os mais jovens têm uma noite dedicada a elas, a chamada ‘Noite da Juventude’, com HMB, Ian Meerut, Meninos do Coro e Eazy.
A ‘Noite Solidária’, no Domingo, dia 18, a chamada ‘Noitada de S. José’, traz às festas do concelho um Tributo a António Variações e a actuação de José Cid.

Exposição de Arte Sacra

Peças que espelham a fé 
dos antepassados povoenses

Abriu no passado sábado, dia 10 de Março, na galeria do Teatro Clube, encontrando-se patente até ao dia 19, uma exposição de arte sacra na qual são apresentadas peças vindas de várias paróquias do concelho, bem como da Real Irmandade de Nossa Senhora de Porto d’Ave, da Confraria do Pilar e da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso.
As peças expostas referem-se a um período compreendido entre os séculos XIV e XX, podendo ser apreciadas imagens, alfaias, ex-votos, cruzes e bandeiras processionais, relicários e paramentos, bem como outras de menor importância artística mais de enorme relevo histórico como as varas de juízes das irmandades ou os lampiões de procissão feitos em madeira chapeada nos quais ardiam velas de gordura.
Para o historiador José Abílio Coelho, comissário da exposição, estas peças “são muito mais do que a beleza que nos mostram, pois devemos procurar interpretar, também, o que esteve por detrás da construção de cada uma delas, entender as razões pelas quais foram mandadas fabricar, o que ia no coração de cada homem ou mulher que fez promessa da sua oferta para alcançar uma graça imediata ou garantir mais tarde um lugar no paraíso, junto de Deus”.
 José Abílio Coelho falou também nas diferenças seculares entre o litoral e o interior rural do país que, sendo sempre assim notadas, se esbateram bastante na arte cristã, pois não é difícil encontrar-se no país profundo peças, muitas peças, que nada ficam a dever às encomendadas para as igrejas ou irmandades das grandes cidades.
Na abertura da mostra, o edil, Avelino Silva, reconhecendo o valor das peças expostas, referiu a importância da arte sacra como “uma das grandes riquezas do concelho da Póvoa de Lanhoso, legado que queremos seja salvaguardado e valorizado pois é dele e de outras riquezas históricas e patrimoniais que podemos fazer no futuro a base de um circuito de promoção cultural e turística deste nosso concelho”. Para Avelino Silva, a Póvoa de Lanhoso, mesmo sendo um município de baixa densidade populacional, possui uma grande variedade de sítios e de riquezas culturais que podem, se bem estruturados e divulgados, alavancar o necessário crescimento turístico e, por arrastamento, o crescimento geral do próprio concelho, como tudo fará para que aconteça.
A exposição encontra-se aberta todos os dias das 9 às 12.30 horas e das 14 às 18 horas, até dia 19 de Março.

Empresa entregou cinco mil euros

Prozis solidária 
com deficientes visuais

Instalada no Parque Industrial de Fontarcada, a Prozis, líder europeia em suplementação e alimentação funcional, não descura a componente social, apoiando as instituições do concelho. Uma empresa com uma forte ligação à comunidade onde está inserida. No Verão passado, procederam à entrega de cerca de seis mil garrafas de água aos Bombeiros da  Pó-voa de Lanhoso.  Na passada segunda-feira, Paula Milhão e Sérgio Faria, responsávéis da empresa, visitaram a sede da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga (AADVDB) e levaram consigo um apoio de cinco mil euros, que será canalizado para o pagamento da aquisição de uma carrinha de 7 lugares, recentemente adquirida pela  instituição. Ali, os responsáveis da Prozis visitaram as instalações da AADVDB e ficaram a conhecer o trabalho que ali se desenvolve, em prol da melhoria da qualidade de vida dos portadores de deficiência visual.
No decurso da visita, Domingos Silva, presidente da direcção, explicou que a AADVDB recebe utentes de vários pontos do distrito, para participar nas actividades que ali são desenvolvidas e conviver. Recorde-se que a aquisição da carrinha contou com o apoio da Segurança Social e da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
O calendário solidário, apresentado no no final do ano pela AADVDB foi oferecido aos elementos das Prozis, que ficaram, dessa forma a conhecer a iniciativa que reuniu portadores de deficiências visual e atletas de culturismo,alguns dos quais representados pela Prozis.
“A nossa política é a de ajudar as pessoas que ajudam outras. A nossa vertente é sempre a de 'excede-te a ti mesmo'. Por isso, nesta associação vemos pessoas que se excedem a si mesmas todos os dias, que é a base da nossa empresa. A actividade da vossa entidade é ajudar os outros a serem melhores todos os dias. Aquilo que procuramos fazer no sítio em que estamos é procurar entrelaçar com a comunidade. A nossa seriedade é dar à comunidade aquilo que ela nos dá ”, re-feriu Sérgio Faria, da Prozis.
“A Prozis tem um valor de potenciar as pessoas que se excedem todos os dias para alcançar a missão a que se propõem. A vossa instituição é o maior exemplo da concretização deste valor. Muito obrigado pelo bem que fazem à comunidade. Felicidades para a vossa instituição e aqui estaremos sempre entrelaçados”, escreveu ainda aquele responsável, juntamente com Paula Milhão, no livro de honra da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga.

Concurso Nacional de Teatro

‘Brincadeiras’ brilha 
em noite de gala  

Das mãos de Ruy de Carvalho, o Grupo D’Artes e Comédias do Grupo Desportivo e Cultural do Banco de Portugal recebeu o prémio para a melhor produção, naquela que  foi a Gala de Encerramento da 14.ª edição do Concurso Nacional de Teatro, realizada a 3 de Março. O troféu mais cobiçado da noite foi arrecadado pela ‘Brincadeiras’. A esta distinção, junta-se, também, o prémio para Melhor Desenho de Luz, Melhor Sonoplastia, Melhor Cenografia, Melhor Interpretação Secundária Masculina, Melhor Interpretação Principal Masculina e Melhor Encenação.
As cerimónias integraram também a entrega do Prémio Ibéria, à peça 'Cásina', do GAT Grupo Alhama de Teatro (Corella – Navarra), assim como o Prémio Prestígio/Personalidade, da Fundação Inatel, a João Barros.
Para além de arrecadar o prémio Ruy de Carvalho, a produção vencedora irá ser apresentada no Teatro da Trindade, em Lisboa, em data a definir, e, em Setembro, no Fórum Permanente de Teatro, organizado pela Federação Portuguesa de Teatro. De entre as várias distinções, destaque para a ‘prata da casa, com à peça ‘António, Um Nome – dois Mundos’, apresentada pela Associação Sócio-cultural dos Funcionários da Câmara da Póvoa de Lanhoso, a receber o prémio de ‘Melhor Guarda--Roupa’.
Uma noite de gala, que reuniu o melhor teatro amador do país. Ruy de Carvalho carimbou a ouro a cerimónia de entrega de prémios.
À chegada ao Theatro Club, o consagrado actor manifestou a sua alegria por voltar à Póvoa de Lanhoso. “É sempre com muita alegria e com muito orgulho que cá venho. É uma instituição que muito estimo e, sobretudo, é aquilo que eu amo, que é o teatro, pois eu sou actor. Quem ama aquilo que eu amo, tem que ser amado por mim”, referiu o consagrado actor, destacando a importância de existir um concurso como este, promovido pela Câmara Municipal, em parceria com a Federação Nacional de Teatro e Fundação Inatel.
O evento contou com momentos musicais, por um quinteto da Banda Musical de Calvos. Por ocasição dos discursos, Tânia Falcão, presidente da Federação de Teatro, de entre outras considerações, deu conta da enorme qualidade dos grupos presentes no evento, considerando os mesmos como 'embaixadores da cultura'.

Centro Escolar de Monsul

Autarquia refuta ilegalidades

ACâmara de Póvoa de Lanhoso refutou qualquer ilegalidade no procedimento relacionado com “trabalhos a mais” na empreitada da construção do Centro Escolar de Monsul, sublinhando que agiu “em  respeito do superior princípio da prossecução do interesse público”. A Câmara refere que o procedimento adoptado “não produziu qualquer prejuízo para o município da Póvoa de Lanhoso, nem tão-pouco gerou qualquer benefício ilegítimo”.
“Limitou-se, antes, a suprir erros e omissões do projecto, tudo em respeito do superior princípio da prossecução do interesse público, pelo que falece um dos elementos do tipo subjetivo do ilícito imputado, a saber: a intenção de causar prejuízo a outra pessoa ou ao Estado ou de obter para si ou para outra pessoa benefício ilegítimo”, acrescenta.
Diz ainda que já foi pedida a abertura de instrução, para tentar evitar que o processo vá a julgamento.
A Câmara reage, assim, ao facto de o Ministério Público (MP) ter acusado o anterior presidente, Manuel Baptista, de um crime de falsificação de documento.
Pelo mesmo crime, foram igualmente acusados uma técnica superior do município e duas pessoas ligadas à empresa construtora.
De acordo com a acusação, no decurso das obras o empreiteiro constatou que os solos tinham uma “tensão de rutura inferior à prevista no caderno de encargos, o que implicava a realização de trabalhos não previstos e o paga-mento de custos acrescidos pelo município”.
O MP considera indiciado que o então presidente da Câmara “ordenou o prosseguimento da obra e a realização de tais trabalhos, resolvendo, mais tarde, forjar integralmente um procedimento para dar aparência de legalidade a uma despesa que assumira em nome do município de modo irregular, sem suporte, deliberação ou procedimento prévio”.
“Dando concretização a esta resolução, o arguido, com a colaboração de uma arguida, técnica superiora do município, e em conluio com o outro arguido e a outra arguida, ligados à empresa construtora, ordenou a abertura de um procedimento concursal de ajuste direto da obra, já feita”, acrescenta a acusação.
Para o efeito, “simulou convite à empresa que a tinha    realizado e esta apresentou proposta do valor já previamente combinado e prosseguiram em conjunto com este simulacro, forjando todos os elementos do mesmo, nomeadamente auto de receção provisória datado de 28 de Novembro de 2011 e auto de exame da obra”.
A Câmara refuta ilegalidades, sublinhando que, detetada a necessidade de trabalhos que não constavam no caderno de encargos inicial, “a decisão era entre parar a obra, não cumprindo os prazos da candidatura bem como a abertura do ano lectivo, ou avançar com os trabalhos”.

Póvoa de Lanhoso

Povoenses querem 
ajudar na reconstrução

Na madrugada de sexta-feira, dia 2 de Março, o restaurante situado no alto do Monte do Pilar, próximo do Castelo, ficou reduzido a cinzas, devido a um incêndio que ali deflagrou.
Restam as paredes, e pouco mais, do edifício, que é propriedade da Confraria de Nossa Senhora do Pilar. As imagens da tragédia sensibilizaram os povoenses,  não só no concelho como espalhados pelos quatro cantos do mundo, que se mostram disponíveis para ajudar a reconstruir o centenário edifício.
“Este edifício foi construído no início do século XVIII, há pois mais ou menos 300 anos.
Quando Francisco Craesbeeck, juiz no tribunal de Guimarães que corregia também a Póvoa de Lanhoso, aqui veio e recolheu notas para o seu manuscrito Memórias Ressuscitadas da Província de Entre Douro e Minho, anotou a existência deste edifício, dizendo que ficava perto dele a capela de S. Paio do Monte do Pilar”, refere o historiador José Abílio Coe-lho. Os prejuízos, ainda não contabilizados, são elevados, como explica Carlos Leite, juiz da Confraria do Pilar.
Uma vez que a reconstrução do edicio envolve somas elevadas, a Confraria do Pilar abriu uma conta solidária, que fica disponível para todos aqueles que queiram contribuir para a obra. Porém, toda a ajuda é bem-vinda, seja ela monetária, em materiais ou até mão-de-obra, podendo os interessados em colaborar contactar o padre Armindo Ribeiro Gonçalves ou os elementos da Confraria. Previsto está também a realização de um peditório.
Recorde-se que o edifício, assim como o seu recheio, não estava coberto pelo seguro. A chamada 'caixa negra' do sistema de vigilância permitiu verificar que se tratou de um curto-circuito, na sala do restaurante, que se iniciou pela 1.10 horas, com o alerta a chegar aos bombeiros pela 01.49 horas. O telhado, com ripas em madeira, a juntar ao tecto e mobiliário, também em madeira, levaram a uma rápida progressão das chamas, que pouco mais deixou que as paredes em pedra, apesar da pronta intervenção dos bombeiros voluntários da Póvoa de Lanhoso.
Durante a semana, membros da Confraria, apoiados por colaboradores da autarquia, procederam à remoção dos escombros, para que, logo que seja possível, se retome a reconstrução do imóvel.
A tragédia foi aproveitada pelos 'amigos do alheio', que levaram um armário em madeira, o único que escapou às chamas, fios de cobre, dos cabos do ar condicionado, estroncadas máquinas registadoras antigas que apenas serviam de decoração, entre outros bens. Até parte das canhotas, que estavam armazenadas no exterior, foram roubadas.

Vilela

Sabrina Fonseca 
na frente da Associação Juvenil

Sabrina Fonseca sucede a João Barroso na presidência da Associação Juvenil de Vilela. O acto eleitoral aconteceu a 5 de Março, com os responsáveis a felicitar os eleitos, fazendo votos de um óptimo trabalho e agradecendo aos anteriores dirigentes pelo dinamismo que trouxeram à freguesia de Vilela, assim como a dedicação e trabalho desenvolvido em prol da referida associação.
Na hora da saída, e usando as redes sociais, o presidente cessante referiu, de entre outras considerações que foi uma associação que viu crescer, que ajudou a crescer e que sempre serviu com espírito de missão.
“Foram anos de luta, entrega, trabalho e pensando sempre nos mais novos que daqui a uns anos são o futuro da freguesia.
Foram anos fantásticos que tive o prazer de liderar esta Associação, ao qual fomos mais uma vez uma referência no concelho com a inclusão de um novo conceito desta vez com um grupo de precurssão que veio revolucionar e para ficar um novo conceito na Póvoa de Lanhoso”, referiu João Barroso.

Monsul

Renovação das cartas 
é o serviço mais procurado

A funcionar no edifício da sede da Junta de Freguesia de Monsul, o Espaço do Cidadão tem sido mais procurado para o processo de renovação da carta de condução. Num local central para os habitantes do baixo concelho, o Espaço Cidadão é um ponto de atendimento que reúne serviços de diferentes entidades da administração central num único balcão. A funcionar desde o início de Fevereiro, os interessados podem ali renovar ou fazer alterações à carta de condução, alterar a morada do cartão de cidadão, solicitar o cartão europeu de seguro de doença, solicitar documento para pagamento de IUC, apresentar despesas junto da ADSE, entre muitos outros assuntos.

S. João de Rei

Sãozinha lembrada 
no Dia da Mulher

A Junta de Freguesia de S. João de Rei prestou homenagem, no dia 8 de Março, a Maria da Conceição Esteves de Oliveira, a ‘Sãozinha’, como carinhosamente era tratada por todos, a primeira mulher a ocupar um cargo político naquela freguesia. A homenagem aconteceu por ocasião do Dia Internacional da Mulher, com esta a estender-se a todas as senhoras da freguesia. Lutadora e guerreira, com o pulso forte de uma gigante e, ao mesmo tempo, um coração maior do que ela mesma.
Nascida a 22 de Março de 1943, na Casa da Lage, no lugar de Requeixo, em S. João de Rei, a ‘Sãozinha’ foi professora primária, tendo ensinado as primeiras letras aos alunos de Pinheiro, em Vieira do Minho, Monsul e S. João de Rei, tendo permanecido nesta última até à sua aposentação. Presidiu à Assembleia de Freguesia em 1997, tendo-se mantido no cargo durante 12 anos. Casada com o escritor António Celestino, era, e como descreve a Junta de Freguesia, uma “mulher guerreira, de pulso firme e ao mesmo tempo com um coração maior do que ela mesma. Personalidade forte, única e sempre dona de uma sensatez admirável”. Veio a falecer em 2016, a 25 de Setembro, Dia do Concelho.

Boccia

Domingos Vieira 
é campeão regional

O atleta povoense Domingos Vieira, que enverga a camsiola do Sporting de Braga, sagrou-se campeão regional de Boccia, na classe BC4. A prova, a 2.ª volta do Campeonato Regional de Boccia, decorreu em Felgueiras, nos dias 10 e 11 de Março, e Domingos Vieira não deu margens aos seus adversários, ficando em primeiro lugar nas duas voltas do campeonato, sagrando-se, dessa forma, campeão regional.
Os responsáveis da secção de boccia do clube dão nota de que “o atleta arsenalista, e da selecção nacional, demonstrou que está a fazer excelentes provas, de forma regular e consistente, importante para a sua chamada às provas de relevo internacional a ocorrerem na presente época”. Desta forma, Domingos Vieira conseguiu o apuramento directo para o campeonato nacional.

EDITORIAL

Criar comunidade

Manuel de Freitas Costa
Cem novos postos de trabalho é o que pretende criar uma nova empresa têxtil, do grupo Valérius, que está a fixar-se na Póvoa de Lanhoso. O início da laboração está previsto para o final de Março. Uma boa notícia para o concelho e para as suas gentes. A empresa ficará instalada no espaço onde, há anos, laborou a Filobranca. Neste momento, decorrem obras nas instalações e está em curso o processo de recrutamento, nas áreas da costura e embalagem.
Numa outra vertente, na Póvoa de Lanhoso, desde Novembro de 2014 que um grupo de jovens finalistas universitários procura promover a mudança e contribuir para um mundo melhor e mais justo. Para prosseguir o objectivo. Criaram a Gen Mundus, uma organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD).
Nesta edição, damos a conhecer o trabalho desta ONGD que, neste ano, extravasa a sua actividade além-fonteiras, alargando o seu trabalho aos países africanos de língua oficial portuguesa e a Timor Leste. Será, pois, um trabalho desenvolvido da Póvoa de Lanhoso para o mundo.
De entre as actividades desenvolvidas, não podemos deixar de realçar as tertúlias intituladas ‘Conversas para a Mudança’, num projecto para o desenvolvimento e promoção humana, o apoio às vítimas de incêndios, com a angariação de bens para apoiar as vítimas de Figueiró dos Vinhos e, mais recentemente, em Janeiro, a 1.ª Corrida Solidária São Silvestre, em parceria com o CAPA – Clube de Adopção e Protecção de Animais. Tudo isto assente numa base de voluntariado. Um exemplo de força de perseverança de um grupo de jovens povoenses que dispõe do seu tempo livre para trabalhar em prol de um objectivo comum: promover a mudança.
É desta forma que um concelho cresce, que estreita laços e cria comunidade. Abrindo novos horizontes na área do emprego, fortalecendo o tecido que existe e criando novos postos de trabalho. É algo que trará maior qualidade de vida à comunidade povoense, para além da possibilidade de criação de emprego indirecto.
O voluntariado também é outra forma de criar comunidade. Esta Organização, a Gen Mundus, tem feito um trabalho muito bom no concelho, estreitando laços entre os povoenses e além fronteiras. É assim que se constrói um concelho.

AVELINO SILVA CONSIDERA “UMA BOA NOTÍCIA PARA O CONCELHO”



Nova empresa têxtil 
cria 100 postos de trabalho

A Póvoa de Lanhoso vai acolher mais um investimento com a instalação de uma empresa têxtil do grupo Valérius, que criará 100 postos de trabalho. Prevê-se que a mesma entre em laboração no final do próximo mês de março.
“Esta é uma boa notícia para o concelho. A Póvoa de Lanhoso atravessa um momento muito positivo com a instalação de novas empresas, com a criação de emprego que vem minimizar problemas sociais”, refere o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Avelino Silva está a acompanhar de perto o processo, no âmbito do apoio que a autarquia concede habitualmente às empresas que se pretendem instalar na Póvoa de Lanhoso. Avelino Silva visitou as instalações, que estão em obras, na freguesia da Póvoa de Lanhoso.
A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso está ainda a colaborar no âmbito do processo de selecção e recrutamento bem como na resolução de problemas ao nível do estacionamento. “A autarquia só pode ter uma postura de colaboração, sendo parceira destes investidores na resolução de situações que seja necessário ultrapassar. Estamos convencidos de que a política de incentivos fiscais do município, o trabalho que fizemos na classificação do concelho como de baixa densidade bem como todo o trabalho realizado pelo Gabinete de Promoção do Desenvolvimento Económico do município têm sido factores importantes para crescermos do ponto de vista económico”, acrescenta o presidente da Câmara Municipal.
As candidaturas, nas áreas da costura e embalagem, devem ser entregues no Gabinete de Inserção Profissional da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, localizado nas instalações de Banco de Voluntariado (junto ao Pavilhão 25 de Abril), na Vila da Póvoa de Lanhoso.
Com sede em Barcelos, o grupo têxtil Valérius investe agora na Póvoa de Lanhoso.

E.B 2,3 Professor Gonçalo Sampaio


Escola humanista e inclusiva

Na escola E. B. 2,3 Professor Gonçalo Sampaio, os princípios da inclusão, autonomia e liberdade norteiam a actividade diária deste estabelecimento de ensino. Aqui, a escola é de todos e é para todos. Exemplo disso, é o trabalho desenvolvido por um grupo de alunos do 7.º ano, que  construíram jogos didácticos para os colegas da educação especial.
Utilizando materiais recicláveis, os alunos do 7.º anos conceberam e criaram jogos didácticos. A Directora do Agrupamento, Luísa Rodrigues, esteve ao seu lado, valorizando e incentivando o seu trabalho.
O projecto de intervenção social por eles levado a cabo integrou as acções do Apoio Tutorial Específico. Esta medida de promoção do sucesso,  implementada desde o ano lectivo anterior, tem entre outros objectivos o de ensinar a planear: pedir aos alunos que identifiquem diferentes formas de planear (estratégias gerais) e, depois, como abordar uma determinada tarefa. Foi este o primeiro passo do projecto que se iniciou com uma entrevista à professora  da Educação Especial. Com a conversa, este grupo de alunos percebeu os temas que os professores  pretendiam trabalhar com os alunos de Educação Especial bem como os seus interesses. As cores primárias e as regras básicas de segurança rodoviária foram os temas apontados. A  partir daí iniciaram-se os processos de pesquisa e de planeamento de jogos didácticos que trabalhassem esses temas e que estivessem adaptados ao público a que se destinavam.
O Cláudio, o Sérgio, o Francisco, o Nuno e o Tiago trabalharam, ao longo do primeiro período, na construção destes jogos : dois jogos para trabalhar as cores (bolas, etiquetas e pinos) e um jogo para trabalhar algumas regras simples de segurança rodo-viária (um circuito, com sinais e passadeiras onde os carros e os peões devem circular cumprindo as regras).
Foi com empenho e entusiasmo que se dedicaram ao projecto. Ao longo das sessões  viveu-se um ambiente de aprendizagem que permitiu o desenvolvimento de competências pessoais e sociais: a autonomia, a criatividade, a capacidade empreendedora, o trabalho colaborativo e o sentido estético, entre outros.
Perceber que num mundo global é fundamental valorizar a diferença, ter capacidade de iniciativa e de participação positiva, foi outro dos objectivos .
“A escola deve preparar os alunos para um mundo novo, onde o imprevisto e a complexidade  serão uma constante. Ensinar a olhar à sua volta, a identificar oportunidades de actuação, desenvolvendo competências que lhes permitam dar o seu contributo para o bem estar dos outros e para um mundo melhor, re-ferem os responsáveis.
Agir local para pensar global. Os alunos envolvidos perceberam a importância do seu pequeno contributo na concretização de momentos de alegria e felicidade dos seus colegas.
O próximo passo será organizar uma sala para o Apoio Tutorial Específico. Para tal, este grupo de alunos está já a preparar um projecto que vai apresentar ao Orçamento Participativo Escolar.

organizada pelo município

Festa de Carnaval juntou 
mais de 350 seniores

Mais de 350 utentes de IPSS’s e Centros de Convívio da Pó-voa de Lanhoso participaram na Festa de Carnaval para seniores, organizada pela Câmara Municipal, cujo tema foram as ‘profissões’.
O presidente da Câmara não faltou, cumprimentando individualmente as pessoas e agradecendo a presença de todos. “Quero que tenham um Carnaval com muita alegria!”, afirmou Avelino Silva, que, de entre outros aspectos, referiu que a área social é muito importante para a Câmara Municipal e deu a entender que, nos próximos meses, haverá novidades quanto a novos benefícios.
A tarde contou com um desfile e com animação do Palhaço Palhinhas. Não faltou a boa disposição nem a animação nem o tradicional baile de Carnaval. Os utentes das entidades participantes apresentaram-se vestidos a rigor, com fatos confeccionados, em alguns casos, nas próprias instituições. Os próprios técnicos e técnicas das entidades participantes e da organização (Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso) usaram disfarces. Marinheiros, hospedeiras, médicos, mecânicos, cozinheiros, carpinteiros e trolhas foram algumas das profissões apresentadas pelos mais velhos.








Santa Casa da Misericórdia

Emoções foram 
o mote do desfile

As ‘emoções’ tomaram de assalto a vila, na tarde de sábado, dia 10 de Fevereiro, em mais um desfile de Carnaval da Santa Casa da Misericórdia, que trouxe às principais artérias da vila  os utentes das valências de saúde, sénior e infância.
A estes, juntaram-se colaboradores e elementos do grupo de pais das valências de infância, bem como entidades parceiras convidadas. Desfilando pela vila, levaram às ruas muita festa e animação.