ESPECIAIS FREGUESIAS

EDITORIAL

Póvoa de Lanhoso 
é concelho empreendedor

Paulo Monteiro
Já o tenho dito várias vezes e em crónicas anteriores de que o Minho é o grande motor e impulsionador da economia do nosso país. O distrito de Braga, principalmente, tem sido um grande responsável pela criação de empregos e graças a muitas das novas empresas que têm apostado na nosso região. Um núnero muito considerável de multinacionais têm apostado na nossa região e com muito sucesso.
Ora, a Póvoa de Lanhoso não foge à regra e é, segundo os últimos dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística o concelho mais empreendedor, do Norte do país, com 18 empresas criadas por cada 10 mil habitantes.
O assunto acabou mesmo por ser alvo e um estudo feito esta semana pelo ‘Jornal de Notícias’ que chegou à conclusão de que a região Norte foi a que mais empresas deu a ganhar ao pais em 2016.
O Norte viu nascer 11586 entidades do género, e perdeu 10315, o que dá um saldo positivo de 1271, caso único no país. Só para termos a noção de quanto a região Norte tem sido importante para o desenvolvimento económico do país basta ver que o segundo melhor saldo positivo pertence ao Algarve, com 81... muito longe do Norte. Isto para já não falar (mas para comparar...) do pior desempenho que pertence à região de Lisboa com um saldo negativo de 2961.
Mas os números do concelho da Póvoa de Lanhoso ganham ainda mais importância se fizermos uma análise global... se o factor população for tido em conta, a Póvoa de Lanhoso continua no pódio e ocupa um excelente segundo lugar a nível nacional só perdendo o primeiro lugar para Beja que é quem mais empreendeu em 2016 com 23,4 empresas ganhas por cada 10 mil habitantes. Segue-se a Póvoa de Lanhoso  com com menos cinco empresas e meia ganhas.
E voltando às multinacionais, o concelho vai ganhar com o Solar Transparency, um projecto a instalar na Póvoa de Lanhoso, de energia fotovoltaica e que representa um investimento a rondar os 25 milhões de euros, para além da criação de muitos postos de trabalho.
Mais uma vez a Póvoa de Lanhoso a contribuir para um melhor desempenho da nossa economia uma vez que esse contributo se soma aos contributos de outros concelhos vizinhos e que, todos juntos, são uma importantissima mola de desenvolvimento económico do nosso país. Ganha a Póvoa. Ganhámos todos.
E é sempre bom receber excelentes notícias, vindas de fora, quando estas dizem respeito a este concelho e ao seu desenvolvimento.

Segundo dados do INE é o concelho mais empreendedor do Norte do país

São criadas 18 empresas     
por cada dez mil habitantes

Segundo os dados mensais do Instituto Nacional de Estatística, relativos à criação e dissolução de pessoas colectivas e entidades equiparadas, no Norte do país, a Póvoa de Lanhoso é o concelho mais empreendedor, com 18 empresas criadas por cada 10 mil habitantes.
“O ano 2016 fica marcado pelo aumento significativo da criação de postos de trabalho, muito fruto do crescimento e instalação de empresas na Póvoa de Lanhoso. Os dois principais parques industriais estão totalmente comprometidos para projectos empresariais, destacando-se as novas empresas em Mirão e o crescimento exponencial da Prozis”, refere o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Manuel Baptista sublinha ainda a aprovação, no ano passado, de um projecto pioneiro a nível mundial na área da energia fotovoltaica, num investimento total de cerca de 24 milhões de euros. “A autarquia intermediou junto do Governo e do Portugal 2020 no sentido de trazermos para o nosso concelho o projecto Solar Transparency, que para além dos valores envolvidos irá criar centenas de postos de trabalho. Isto mostra o quanto estamos empenhados em atrair o máximo de investimento possível para a Póvoa de Lanhoso”, refere o presidente da Câmara Municipal. Este trabalho da autarquia passa ainda pela criação de medidas fiscais e administrativas apelativas à fixação de empresas.
Só o Gabinete de Promoção de Desenvolvimento Económico do Município da Póvoa de Lanhoso apoiou a criação de 13 novas empresas no concelho, em 2016. Estes projectos conseguiram financiamento de diferentes programas, num valor total de 223.802.00€.
O “Bem me Quero” é o mais recente projecto aprovado e em pleno funcionamento na Póvoa de Lanhoso. Trata-se de um centro de treino promovido por dois empreendedores povoenses, que pretendem ser referência ao nível do treino funcional e de outras modalidades ligadas ao desporto e ao bem-estar.
“A aposta da autarquia no apoio aos empresários e empreendedores é fundamental para fixar os nossos jovens. O maior apoio social que pode ser garantido às famílias é o acesso ao mercado de trabalho, evitando as respostas sociais que desejamos que sejam apenas temporárias”, acrescenta Manuel Baptista.

Filigrana de Portugal

Póvoa de Lanhoso e Gondomar 
rumo à certificação

Filigraneiros da Póvoa de Lanhoso e de Gondomar bem como a associação ‘Portugal à Mão’  reuniram na Adere-Minho – Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, em Braga, com o objectivo de apresentar a versão final do caderno de especificações que unificará a definição de filigrana, sendo esta, e por isso, uma peça essencial no âmbito da certificação da “Filigrana de Portugal”.
“Este é o culminar do primeiro passo que vai permitir certificar e elevar a Filigrana”, salienta o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues. “Os nossos agra-decimentos ao Município de Gondomar por esta parceria e aos nossos artesãos pelo seu envolvimento e empenho neste projecto”, destaca ainda o mesmo responsável.
Este processo arrancou no passado mês de Março, com a assinatura de um protocolo de colaboração e compromisso mútuo, como pedra basilar de todo este processo, entre a Póvoa de Lanhoso e Gondomar, dois concelhos de arte-sãos e mestres da arte da filigrana por excelência, que irá visar num futuro cada vez mais próximo a “promoção conjunta de uma candidatura a Património da Humanidade”. A “Filigrana de Portugal”, marca registada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, propriedade de ambos os municípios, abre portas para o tão acalentado sonho de levar a filigrana, como técnica específica, registada e regulamentada, além-fronteiras.

Candidatura à Câmara Municipal

Lúcio Pinto quer
ser alternativa independente

Uma “alternativa independente” é o que propõe Lúcio Pinto ao avançar com a candidatura à presidência da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso para as eleições autárquicas de 1 de Outubro que marca, também, o ‘corte’ com o Partido Socialista (PS) em que militava há quase 30 anos.
Lúcio Pinto escolheu um local emblemático do concelho - a envolvente do Castelo de Lanhoso - para anunciar, ontem, a sua candidatura liderando uma lista independente em resposta “ao apelo e sentimento que tantos e tantos povoenses vinham e vêm manifestando” e corporizando “um movimento político inédito no concelho da Póvoa de Lanhoso” explicou aos jornalistas.
O candidato independente assume o distanciamento do PS e revelou que, anteontem, transmitiu ao presidente da Federação Distrital do partido a sua desfiliação, uma decisão que tomou “com pena” e com “a mágoa de terminar perto de 30 anos de militância”.
É o próprio a revelar que estava afastado da militância activa há mais de cinco anos e a reconhecer que “o PS da Póvoa de Lanhoso poderia ter tido outra atitude”, mas dá o o momento como ultrapassado e garante que a sua candidatura independente “não é na óptica de um ex-socialista” e que não está contra o PS nem contra nenhum outro.
Questionado pelos jornalistas se chegou a ser sondado pelo PS para as próximas eleições autárquicas, Lúcio Pinto responde que não e diz mesmo que, hoje, não abdicaria da candidatura independente se lhe fosse proposto ser o candidato do PS.
Quanto à motivação para regressar às lides políticas, Lúcio Pinto afirma que a candidatura independente “é a resposta ao apelo sistemático que foi recebendo” e que “aceita o desafio de discutir o desenvolvimento do concelho”.
O candidato apresentou-se sem convidados, sem bandeiras e sem cartazes, mas assegura que esta “não é candidatura de um homem só” e dá conta que tem recebido, nos contactos até agora desenvolvidos, apoio e compromisso de todos quadrantes políticos.
Lúcio Pinto mostra-se ciente das dificuldades e do caminho a percorrer, mas também consciente de que “o momento certo para avançar e que este é o projecto certo para o concelho”.

Eleições autárquicas

Frederico Castro 
quer criar 500 empregos

Depois de ter encabeçado a candidatura, em 2013, à presidência da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Frederico Castro é novamente o candidato do Partido Socialista às próximas autárquicas, que se realizam a 1 de Outubro.
Frederico Castro, actual vereador do PS na Câmara Municipal, terá pela frente Avelino Silva, candidato do PSD, e Lúcio Pinto, que se apresenta como candidato independente. Os dados estão lançados.
Licenciatura em Ciência Política e Administrativa, Frederico Castro, empresário, de 40 anos, foi indigitado pela Comissão Política do Partido Socialista da Póvoa de Lanhoso, após votação secreta e por unanimidade, como candidato a Presidente da Câmara Municipal.
A criação de 500 novos postos de trabalho num mandato é a grande aposta de Frederico Castro. Se vencer as próximas autárquicas, Frederico Castro dá uma grande prioridade à rede de saneamento. Privilegiar políticas de envelhecimento activo, com o alargamento e enriquecimento da oferta da rede de centros de convívio do concelho, são outras das apostas. Em 2013, o PS elegeu três vereadores: Frederico Castro, Fátima Moreira e Lídia Vale.

No dia 14 de abril de 1845

António Lopes nasceu há       
172 anos na Póvoa de Lanhoso

Consta do livro de assentos de batismo da freguesia de Fontarcada, arciprestado da Póvoa de Lanhoso, referente a 1845 que, às sete horas da tarde do dia 14 de abril desse mesmo ano nascera, naquela mesma paróquia, um indivíduo do sexo masculino a quem foi dado o nome de António Emílio. Era filho natural de Maria da Conceição (em documentos futuros será sempre referida como Maria da Purificação) e neto materno de José Miguel Fernandes e de sua mulher, Henriqueta Rosa Soares. O seu batismo teve lugar na paroquial de Fontarcada no dia 15 de abril, sendo padrinhos António Filipe Alves Vieira, cirurgião e morador na vila da Póvoa, e Emília Rosa, irmã da mãe do batizado e moradora no lugar da Quintã.
José Miguel Fernandes, seu avô materno era dono da Casa da Oliveira de Cima, no lugar de Pomarelho, onde a mãe do recém-nascido dera à luz. Proprietário agrícola de algum significado e homem de certo destaque social e político no meio, encontramo-lo, no ano seguinte de 1846, aquando da revolta da Maria da Fonte, nas crónicas de Azevedo Coutinho como “comissário da junta de saúde”, cargo que apenas lhe podia caber se pagasse um impostos de um determinado valor. Diz Azevedo Coutinho no seu folhetim ‘História da Maria da Fonte’ que José Miguel Fernandes “pôde, com as mais sensatas reflexões, dissuadi-las do intento” (falava do primeiro motim de Fontarcada), adiantando o cronista que “Este homem era bem quisto da gente da freguesia, pela sua honradez e cordura; e por isso as mulheres respeitaram-no e desistiram do seu propósito”. Também a nome do padrinho escolhido para o recém-nascido nos monstra ser a família bem relacionada na vila, já que António Filipe Alves Vieira, da família Lisboa, era não apenas cirurgião, mas chegou mesmo a ser presidente da câmara pela mesma altura.
Quando o menino nasceu seus pais ainda não eram casados, como se percebe pelo assento de batismo. Viriam a consorciar-se pouco tempo depois, tendo o casal gerado mais, pelo menos, quatro filhos e três filhas. Ser mãe solteira era, à época, bastante comum. Muitas parturientes nesse estado abandonavam depois os seus filhos à Roda (os chamados “expostos”), mas esta mãe amou profundamente o seu filho primogénito, dando-lhe toda a proteção que podia. Por isso, uma profundíssima ligação entre ambos durou até à morte da mãe, em agosto de 1910.
Quando esta casou com o pai do seu filho, Miguel José Lopes, natural e residente em S. Gens de Calvos, foi com ele habitar nessa freguesia. O seu António passava temporadas com os pais e outras com a tia e madrinha Emília Rosa, nas terras que esta possuía no lugar da Quintã de onde se deslocava também amiudadas vezes a Pomarelho. Pelo que antes se disse, conclui-se rapidamente que o rapazinho não nasceu miserável, nem sequer pobre, como tantas vezes se quis fazer crer. Era de família remediada quer por parte da mãe, quer pela do pai.
Entre Pomarelho, Calvos e Quintã gastou os seus anos de meninice. Não conseguimos apurar como, nem com quem, mas sabemos que aprendeu a “ler, a escrever e a contar”, ferramentas indispensáveis para, como aconteceu com tantos outros jovens do noroeste português, especialmente nos três últimos quartéis do século XIX, quando emigrou para o Brasil, se poder empregar no comércio.
Em 1852, contando 12 anos de idade (grande parte dos que abalavam para o outro lado do Atlântico partiam antes dos 14 anos para evitarem o recenseamento militar), embarcou no cais do rio Douro, numa barca batizada de “Leal”, tendo chegado ao Rio de Janeiro quarenta e um dias depois da partida.
No Brasil casou e enriqueceu, pelos negócios e pelo casamento. Mas o amor à terra natal nunca o abandonou. Pelos quarente anos e depois de quase três décadas de trabalho no Rio de Janeiro, voltou a Portugal e comprou casa na sua terra.
O resto é por demais conhecido: António Lopes – cujo 172º aniversário do nascimento hoje se comemora – foi o maior benemérito que a Póvoa de Lanhoso conheceu ao longo da sua história contemporânea.

Ao prolongamento de pré-escolar

Câmara Municipal 
entregou material lúdico

Puzzles coloridos, construções e jogos para desenvolvimento da motricidade são alguns dos materiais que estão a ser entregues pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso aos jardins-de-infância da educação pré-escolar, para apoio ao prolongamento de horário.
A entrega simbólica, do material lúdico e pedagógico, realizou-se junto da Escola EB1 da vila,  a 3 de abril, através da Vereadora da Educação da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Gabriela Fonseca. Ali, serão abrangidas cerca de 30 crianças.
“De vez em quando é necessário enriquecer a sala das actividades de animação e apoio à família por forma a substituir o material que se desgasta e dotar o espaço com novos materiais que contribuam para o desenvolvimento intelectual e físico das nossas crianças. É o que estamos a fazer”, explica a Vereadora da Educação, Gabriela Fonseca. Este equipamento vem reforçar a componente de apoio à família, na vertente da realização de actividades de animação sócio-educativa, aumentando a qualidade educativa de todo o tempo em que a criança está no prolongamento.
“O material novo vai permitir substituir outro, reforçar o apetrechamento destas respostas e incentivar, sobretudo, o desenvolvimento da chamada motricidade fina (trabalhos de movimentação com dedos e mãos) nas crianças. A estes aspectos, junta-se a componente da novidade, que suscita a curiosidade e a vontade de explorar por parte das crianças. De lembrar que as actividades de animação e apoio à família (AAAF) têm como grande objectivo o fruir. Estas crianças, de entre outras actividades, usufruem também de natação, música e expressão física e motora”, refere a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.

Fontarcada

Doze anos de prisão 
por matar sogra à paulada

O homem que matou a mãe da ex-companheira à paulada       foi condenado a 12 anos de cadeia. Recorde-se que tudo aconteceu a 18 de Fevereiro de 2016, quando um homem, de 69 anos, residente em Travassos, foi detido por suspeita de ter assassinado, à paulada, a mãe da ex-companheira.  A idosa, de 87 anos, residente na Travessa de S. João, em Fontarcada, foi encontrada inconsciente, e com graves ferimentos na cabeça, por uma vizinha, na sua residência. Assistida pelos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso e pela equipa médica da VMER de Barcelos, a idosa veio a falecer no local.
No dia seguinte à ocorrência dos factos, a Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, anunciou a detenção de um homem, de 69 anos, residente em Travassos, ex-companheiro da filha da vítima, por suspeita de autoria do crime. Presente a tribunal, ficou em prisão preventiva.
Segundo o “Maria da Fonte” apurou na ocasião, o suspeito e a filha da vítima estavam separados há algum tempo, tendo ambas as mulheres regressado à habitação da vítima, em Fontarcada. Emília Alves tinha fracturado uma perna neste mês de Fevereiro e encontrava-se sozinha quando tudo aconteceu. Foi encontrada por uma vizinha, que ali se deslocou a pedido da filha.
Segundo notícias vindas a público, “o colectivo de juízes deu como provado que o arguido teve intenção de matar mas que se enganou no alvo, já que pensaria que estava a agredir o alegado amante da ex-companheira”.
“O arguido estava acusado de homicídio qualificado, mas o tribunal condenou-o por homicídio simples, considerando que não houve premeditação e que não agiu por motivo fútil. Para o tribunal, na origem do crime estiveram os ciúmes do arguido”, referem as notícias. O homem negou a intenção de matar. Foi também condenado a pagar 80 mil euros de indemnização à família da vítima.

Póvoa de Lanhoso recebeu ‘Rescue day’

Maior evento internacional 
de salvamento do planeta

As mais avançadas técnicas de salvamento e desencarceramento foram dadas a conhecer no passado fim-de-semana, 8 e 9 de Abril, naquele que foi o maior evento internacional de salvamento e desencarceramento. O Rescue Day, promovido pela Interfire, Weber Rescue Systems e Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, contou com a colaboração da Câmara Municipal.
Os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso foram os escolhidos para a organização deste evento, que se realiza pela primeira vez a nível nacional. Ao todo, oito bancas de formação, 120 formandos e um grupo de formadores portugueses e alemães de grande qualidade. Bombeiros de todo o país marcam presença no evento, iniciado na manhã de ontem.
O evento integrou oito bancas de formação, alusivas às novas tecnologias, elevação de emergência de tractores agrícolas, Sobe e Desce – Técnica Combinada para Encarcerados Tipo II, Segurança e Estabilização de Emergência, Desencarceramento em veículos pesados, viaturas capota-das/Tombadas lateralmente, acidente com separador auto-estrada e trauma. A excelente caracterização das “vítimas” transporta os presentes para um cenário “quase real”.
A vinda para a Póvoa de Lanhoso de um evento de carácter internacional é um motivo de orgulho para toda a organização, naquele que é o concretizar de um sonho de há vários anos, como explicou uma responsável da Interfire.
Na abertura do Rescue Days, na manhã de Sábado, dia 8 de Abril, no Fórum dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, Fernando Matos, da Interfire, referiu a “alegria enorme por ver tanta gente, conseguir juntar tanta gente e de vários pontos do país”, agradecendo a colaboração dos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso e da Câmara Municipal.
“Sem eles isto não era possível. Foi muito importante toda a ajuda. Foram fantásticos”, disse Fernando Matos, referindo-se aos bombeiros da Póvoa de Lanhoso.
Já o responsável da Weber, Reiner Antritter, destacou o enorme empenho e trabalho de todos os que integraram a organização. “Sintam-se orgulhosos por participar no primeiro Rescue Day a acontecer em Portugal. Aproveitem esta oportunidade porque ela é única”, referiu.
António Veloso, comandante dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, deu nota das muitas horas de trabalho na organização do evento, para que todos possam tirar o maior proveito das técnicas que são partilhadas ao longo dos dois dias, agradecendo à autarquia, às empresas do concelho e a todos os Bombeiros que estiveram envolvidos na organização.
A mesa de honra contou, para além dos nomes acima referidos, com a presença do representante da direcção dos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso, Albano Fonseca; do Representante de Federação dos Bombeiros do Distrito de Braga, Bruno Alves; do Comandante do DTER da GNR da Póvoa de Lanhoso, Ricardo Lopes; da Comandante Operacional distrital de Braga, Marina Esteves; do presidente da Junta de Freguesia da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva, e do presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista.
O autarca da Póvoa de Lanhoso destacou que a formação é importante, dado a evolução dos equipamentos e realçou que a Póvoa de Lanhoso é uma terra acolhedora, sempre de portas abertas para eventos como este.

Aniversário do Desportivo da Goma

Equipa de triatlo é a aposta

O aniversário do Desportivo da Goma, a 1 de Abril, ficou marcado pela apresentação da equipa de triatlo, composta por 14 atletas, um deles, Adelino Soutinho, um filho da terra, bem conhecido dos povoenses. Refira-se que o triatlo integra três modalidades: natação, bicicleta e corrida e é desporto olímpico desde 2002.
Aproveitar a beleza e o potencial da Barragem da Andorinha e toda a sua área envolvente é um dos objectivos da direcção do Desportivo da Goma, presidida por Aristides Costa. De 2001 a 2013, Aristides Costa presidiu à Junta de Freguesia de Sobradelo da Goma. Já nessa ocasião, enquanto autarca, defendia um plano de desenvolvimento para o local, aproveitando o excelente espelho de água das Andorinhas e todo o potencial do espaço.
“O desporto é uma alavanca fundamental para fomentar aquele espaço magnífico para as práticas desportivas ao ar livre”, explica Emanuel Matos, seccionista do Desportivo da Goma e elemento da equipa de Triatlo.
O Desportivo da Goma organiza este ano, o Trial das Andorinhas (2.ª edição), numa prova que decorre a 4 de Junho. A esta, junta-se, também, e uma prova de triatlo, a 30 de Julho, naquela que é a terceira edição, e a Subida a Nado da Barragem da Ando-rinha, prevista para 10 de Setembro.
Emanuel Matos explica que, em 2015, a prova de triatlo contou com 50 participantes, passando, em 2016, a contar para o campeonato regional, num ano em que participaram 120 a 130 atletas.
“Este ano, contamos trazer mais gente. A prova continua a contar para o campeonato regional. Queremos cimentar e implementar aqui o triatlo de uma forma mais consistente e, provavelmente, por-que temos todas as condições, trazer uma prova do nacional. Queremos fazer as coisas bem feitas”, refere o seccionista Emanuel Matos. Criar uma escola de triatlo é também um projecto para o futuro.
Esta é a primeira equipa de triatlo do concelho e a segunda equipa a surgir no distrito de Braga. Metade dos atletas, são estreantes na modalidade. A ideia é cimentar e criar união na equipa. Os resultados têm sido muito positivos, nas três provas já disputadas em duatlo. Nos próximos tempos, seguem-se também provas de triatlo.
No dia 8, decorreu a 3.ª prova do Circuito Regional Norte de Duatlo, em Lamego, com o GDG/IVL a estar representado por 7 atletas. Por equipas, a formação povoenses alcançou o quarto lugar, cimentando a sua 3.ª posição no campeonato regional norte.

SUPLEMENTO


EDITORIAL

O orgulho concelhio

RUI MIGUEL GRAÇA
Oconcelho da Póvoa de Lanhoso está em festa. Por estes dias decorrem as festividades em honra do padroeiro, S. José, naquele que é o momento de exaltação concelhia e que deixa os povoenses todos orgulhosos de pertencerem a este terriório.
Aliás, este tipo de eventos, para além dos momentos de animação, servem para mostrar o que de me
Nesta edição, o jornal Maria da Fonte apresenta um suplemento de doze páginas totalmente direcionado às festas concelhias da Póvoa de Lanhoso. Um trabalho que visa representar tudo o que se realiza ao longo destes dias, culminando neste domingo, dia do Pai, dia de S. José.
lhor a Póvoa de Lanhoso tem, bem como enaltecer a sua história e identidade. As festas concelhias são um palco priviligiado para fazer perdurar no tempo a história e o legado dos antepassados, exemplo disso é o tema escolhido para o cortejo histórico e etnográfico, que trouxe às ruas da vila a vida e obra do grande benemérito António Ferreira Lopes. Se as gerações mais antigas têm bem presente o passado, certo é que nas mais novas há a tendência de o esquecer, o que não é o caso neste tema em questão, já que tem havido um trabalho importante por parte das entidades, concretamente da Santa Casa da Misericórdia, que tem levado junto dos mais novos tudo o que se refere ao legado de António Lopes. O cortejo etnográfico, promovido pela Câmara Municipal, foi ainda  umas das faces mais visíveis desta projecção, já que os quadros apresentados retrataram toda a sua vida. Retrataram-no para todas as gerações, inclusivamente para aqueles que, por estes dias, visitaram as terras da Maria da Fonte. E, nesse aspecto, o concelho saiu à rua para demonstrar todo o labor e preparação de vários meses. As actividades desportivas, as cerimónias religiosas, a gastronomia, a exaltação das tradições são razões de sobra para evidenciar toda a riqueza da Póvoa de Lanhoso.

PARA O MUNICÍPIO OS EMPRESÁRIOS SÃO “PILARES FUNDAMENTAIS” AO DESENVOLVIMENTO

Novas empresas em Mirão

O Parque Industrial de Mirão prepara-se para acolher três novas empresas.  Flight Dynamics, Amplobjectivo e Luxury Clovers são as empresas que escolheram a Póvoa de Lanhoso para instalar a sua actividade. Projecção e construção de aeronaves, recolha e tratamento de resíduos e construção de casas modulares são as áreas de actuação das referidas empresas. No dia 3 de Março, Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, deu as boas vindas aos empresários de três entidades que estão em fase de instalação, no Parque Industrial de Mirão.“Para a autarquia os empresários são pilares fundamentais no desenvolvimento do concelho. Por esse motivo trabalhamos diariamente para os apoiar na sua instalação, minimizando as dificuldades de contexto normalmente associadas. Esta iniciativa de boas vindas é apenas um momento simbólico revelador de que estamos ao lado dos empresários”, referiu o autarca.No mercado desde 2009, a Flight Dynamics, é especializada em projectar e construir aeronaves.
Neste momento, tem em mãos o projecto CROSSOVER (1.ª aeronave), que está pronto para ir para o mercado. SPEEDSTER é um projecto com cerca de dois anos, trata-se de uma aeronave com uma linha muito desportiva, que está perto da fase de construção.A Amplobjetivo, que foi pensada para fazer a diferença no setor de recolha e tratamento de resíduos, nomeadamente aos resíduos plásticos e papel em que, actualmente, os geradores desses resíduos têm de pagar para os depositar.
Na Amplobjetivo esse serviço irá ser gratuito. Outra vertente, e talvez a mais importante, será a busca contínua de resíduos sólidos que possam ser seleccionados com destino à exportação.A Luxury Clovers – Lda. dedica-se à construção de casas modulares, encontrando-se a trabalhar, nesta primeira fase, no mercado francês. O processo envolve a preparação e montagem de estrutura metálica; a impermeabilização e isolamento térmico acústico; os acabamentos de paredes exteriores; a aplicação de caixilharias; pichelaria e eletricidade; acabamentos de paredes interiores e pisos; cozinhas, instalações sanitárias e equipamentos. Encontra-se em fase de recrutamento de profissionais de diversas áreas: serralheiros, picheleiros, pintores e ajudantes de construção civil.

CONTE - CONCURSO NACIONAL DE TEATRO

“Só os amadores conseguem 
manter viva esta chama
maravilhosa que é o teatro”

O consagrado actor Ruy de Carvalho marcou presença, na noite de sábado, dia 4 de Março, na Gala de Encerramento do CONTE – Concurso Nacional de Teatro, um evento que decorreu na Póvoa de Lanhoso, numa parceria da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Federação Portuguesa de Teatro e Fundação Inatel.
“Cada vez tenho mais orgu-lho em ser amador profissional. Sou profissional de teatro mas sou amador no coração. Amo aquilo que faço e sofro por aquilo que faço. Só os amadores conseguem manter viva esta chama maravilhosa que é o teatro”, disse o patrono do CONTE, que, recentemente, completou o seu 90.º aniversário.
‘Palco de Babel’, do Grupo Dramático e Recreativo da Retorta, conquistou o Prémio Ruy de Carvalho, entregue ao Melhor Espectáculo. Iniciado a 28 de Janeiro, o CONTE contou com nove peças a concurso.
“O CONTE é muito mais do que um concurso de teatro, é um projecto de promoção, divulgação, defesa e valorização do teatro não profissional, que muito contribui para a formação e desenvolvimento sociocultural das comunidades”, referiu o vereador da Cultura da autarquia da Pó-voa de Lanhoso, André Rodrigues, dando conta do grande histórico de tradição tea-tral da Póvoa de Lanhoso, assim como da aposta do município na formação de crianças e jovens.
“Nove espectáculos, com companhias de todo o país, que evidenciaram um aperfeiçoamento da qualidade cénica e estética que reforçou a fidelização dos públicos proporcionando-lhes uma grande satisfação na fruição dos espectáculos. Uma forte razão para o Município se orgulhar em receber nesta belíssima sala de teatro os agentes culturais que se dedi-cam à arte de Talma”, salientou ainda o vereador da Cultura.
Tânia Falcão e Carla Raposeira representaram a Federação Nacional de Teatro e a Fundação Inatel, respectivamente.
“A Federação Nacional de Teatro tem tentado congregar todos os grupos de teatro associativo, para que se juntem à nossa causa. Juntos seremos mais e juntos teremos voz”, destacou Tânia Falcão, da Federação Nacional de Tea-tro, vincando que “o maior prémio é o aplauso do público, que nos dá ânimo, coragem, espírito de sacrifício, entrega, para continuar”.

PROGRAMA ‘CIDADE AMIGA DAS CRIANÇAS’

Assembleia de Crianças
e Jovens debateu direitos


O Salão Nobre dos Paços do Concelho da Póvoa de Lanhoso recebeu, no dia 6 de Março, uma Assembleia de Crianças e Jovens, iniciativa inserida no âmbito do ‘Programa Cidade Amiga das Crianças’ da UNICEF e do projecto ‘Tecer a Prevenção’ da CPCJ local.
‘Os Direitos das Crianças e Jovens’ foi o tema em debate e permitiu aferir se aqueles conhecem os seus direitos, se acham que estão ou não a ser respeitados e se consideram que o município da Póvoa de Lanhoso, através da sua actuação, respeita os mesmos.
“Com esta actividade pretendemos promover a educação para a cidadania, estimulando a participação activa, esclarecida e crítica das crianças e jovens, auscultar a juventude e potenciar a participação dos mais jovens na vida da comunidade, nomeadamente no que lhes diz respeito”, referiu a vereadora da Educação da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Gabriela Fonseca, que acompanhou toda a sessão, em que participaram alunos do 5º ao 12º anos, incluindo o ensino profissional.
Esta assembleia de crianças e jovens permitiu ainda ao município auscultar os mais novos e acolher as suas sugestões, no sentido de melhorar práticas.
Assembleia-geral nos Bombeiros

Os associados da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso estão convocados para reunirem em Assembleia-geral, sessão ordinária, no próximo dia 30 de Março de 2017, às 21 horas, no Salão Nobre do Quartel - Sede, com os seguintes pontos de ordem de traba-hos: apreciar, discutir e votar o Relatório de actividades e Contas do exercício social de 2016, bem como o Parecer do Conselho Fiscal; e informações e comunicações de interesse institucional.
Não havendo à hora designada o quórum estatutariamente exigido para deliberar em primeira convocação, a Assembleia Geral reunirá em segunda convocação, no mesmo local e com a mesma Ordem de Trabalhos, às 21H30, deliberando, então, com qualquer número de Associados presentes (artigo 42.º dos Estatutos).
Os documentos em apreço no ponto 1 da Ordem de trabalhos podem ser consultados na Secretaria da Associação Humanitária nos cinco dias úteis anteriores ao da data da ora convocada reunião magna, como refere o presidente da Assembleia Geral, dr. Rui Rebelo.

Luís Soares nomeado 2.º comandante dos Bombeiros
Os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso ficaram a conhecer, no dia 3 de Março, o seu novo segundo comandante: Luís Soares.
Indicado pelo Comandante, António Veloso, e nomeado pela Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, Luís Soares,  actualmente a exercer o papel de Adjunto de Comando será o novo 2.º Comandante. Refira-se que Luís Soares integra os bombeiros povoenses desde o dia 3 de Agosto de 1983, percorrendo a carreira de bombeiro até ao patamar mais elevado, o de Chefe. O eterno ‘chefe 14’, como refere fonte dos bombeiros, abraçou o papel de adjunto de comando, no ano de 2014, também naquela altura indicado pelo então 2.º comandante, e actual Comandante, António Veloso.
“Inicia agora esta nova etapa, que sem dúvida alguma enfrentará  com o maior empenho e dedicação como já tem vindo a ser característica sua”, referem os Bombeiros.

Pelo seu empenho, dedicação e entrega

Padre Luís Fernandes
homenageado pelo Rotary


No âmbito da homenagem ao profissional, o Rotary Club da Póvoa de Lanhoso, presidido por Magda Taxa, promoveu uma cerimónia de reconhecimento ao padre Luís Peixoto Fernandes, pároco de Garfe e presidente da direcção dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso.
Como explicou a presidente do Rotary, a homenagem pretendeu dar um pequeno contributo de reconhecimento, pelo empenho, dedicação e entrega do Padre Luís a diversas causas que abraçou no concelho, dinamizando diversas actividades de carácter social e cultural, dignas de registo e reconhecimento.
A cerimónia decorreu no dia 7 de Março, no Hotel Rural Maria da Fonte e contou com a presença de diversos elementos do clube rotário, assim como de amigos e familiares do homenageado.
Por ocasião dos discursos e depois de relembrar todos aqueles que o ensinaram a ser homem, nomeadamente os saudosos pais e irmãos, o padre Luís Peixoto Fernandes agradeceu a todos aqueles que o ajudaram a trilhar o seu caminho, dividindo com eles o reconhecimento que lhe foi prestado pelos rotários da Póvoa de Lanhoso.
Residente em Taíde, a dr.ª Antónia Pereira, destacou o dinamismo, o empenho e o entusiamo do sacerdote. “Nunca deixou e ter tempo para as pessoas, mesmo as mais humildes”, recordou.
Domingos Silva, presidente da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga, realçou o “excelente homem, um homem nobre, um homem que faz bem aos outros, um homem de solidariedade”.
Em nome do provedor Humberto Carneiro, Agostinho Vieira, administrador do Hospital António Lopes, agradeceu ao homenageado toda a colaboração, enquanto elemento dos corpos gerentes da Santa Casa.
Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal, abordou os 12 anos de relacionamento institucional, destacando a humildade e o trabalho desenvolvido pelo Padre Luís.

Taíde

Feira Franca dos 25 em Quintela

De 24 a 26 de Março, o lugar de Quintela, em Taíde, acolhe as festividades em honra de Nossa Senhora da Graça, também conhecidas por ‘Feira dos 25’. O programa prevê, no dia 24, Sexta-feira, a partir das 20h30, a missa, seguida da procissão de velas. À noite, às 21h30, a animação está a cargo da orquestra ‘Sirilanka’. Uma sessão de fogo encerra o primeiro dia de festa.
No Sábado, dia 25, principal dia dos festejos, às 9 horas, tem início a Feira Franca dos 25 de Quintela, com o concurso pecuário a decorrer a partir das 10.30 horas. A entrega de prémios está marcada para as 11.30 horas.
De tarde, a partir da 15.00 horas, celebra-se a missa em honra de Nossa Senhora da Graça, seguin- do-se, às 15.30 horas, a procissão. A Grande Corrida de Cavalos acontece a partir das 16.30 horas, nas modalidades: passo travado/garrano marcado e  passo travado/trotador francês.  Maria Celeste, Pedro Malheiro e outros amigos trazem os cantares ao desfio aos festejos, a partir das 20.30 horas, num momento que se adivinha bem animado. 
O último dia dos festejos, Domingo, dia 26, fica marcado, a partir das 15 horas, pela actuação do Rancho Folclórico de Porto d’Ave, da freguesia de Taíde.  Uma sessão de fogo, às 17 horas, encerra as festas deste ano.

No pré-escolar

Câmara e Santa Casa
trabalham Igualdade de Género


No decorrer do projecto inovador e pioneiro que a autarquia da Póvoa de Lanhoso em parceria com a Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso estão a desenvolver, crianças do Jardim de Infância S. Gonçalo visitaram distintos contextos de trabalho, sendo o objectivo desconstruir pré-conceitos que, ao longo do projecto ‘Cidadania, Igualdade e Direitos Humanos’, foram revelando.
O projecto desenvolve-se no quadro do SIGO – Serviço para a Promoção da Igualdade de Género da autarquia povoense. Após três sessões em contexto de sala, nas quais foram debatidas as questões de género na vertente das actividades realizadas em contexto doméstico assim como das profissões, foi possível apurar que as crianças têm em si incorporados estereótipos de género, atribuindo tarefas domésticas e actividades profissionais exclusivamente a determinado género – feminino ou masculino.
Para tentar desconstruir estas ideias preconcebidas e fomentar a igualdade de participação e partilha de tarefas, na manhã da passada sexta-feira, dia 10 de Março, realizou-se uma visita a uma lavandaria – as  crianças consideravam que engomar e tratar da roupa eram tarefas desempenhadas por mulheres; a um alfaiate – do diagnóstico resultou que as crianças consideravam que quem costura ou cose roupa são mulheres; e à Guarda Nacional Republicana – as crianças associavam a força de autoridade a homens. Não foi possível, de forma empírica, demonstrar que mulheres também podem desempenhar actividades ligadas à construção civil, uma actividade à qual as crianças ligaram aos homens.

Acções junto da população

SIGO sensibiliza sobre
violência contra idosos


O SIGO – Serviço para a Promoção da Igualdade de Género, res-posta inserida nos Serviços de Ação Social e Saúde da Autarquia da Póvoa de Lanhoso, realizou duas sessões de sensibilização no âmbito da Cidadania e Direitos Humanos, ligadas à temática da Prevenção da Violência contra Idosos/as. De lembrar que o SIGO tem uma vertente de intervenção e outra de prevenção, sendo nesta última que realiza várias acções na área da Cidadania e Direitos Humanos. Neste contexto, se por um lado, são promovidas distintas acções, por outro lado, outras são realizadas por solicitação de entidades externas, tendo sido este o caso, em duas sessões realizadas nas instalações do Espaço Jovem, a solicitação do Centro Social e Paroquial de Monsul. Em cada uma das acções estiveram presentes 24 seniores do baixo concelho que, de forma extremamente atenta e participativa, tornaram as sessões mais interessantes e produtivas.
Podemos concluir que os actos de violência já vão sendo percepcionados pelas pessoas com mais idade, à excepção de alguns que são exercidos em termos psicológicos e que têm a ver com a autonomia individual e capacidade intelectual.

ESPECIAL FREGUESIAS




EDITORIAL

Campeões

RUI MIGUEL GRAÇA
A  festa do 21.º aniversário da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga teve como momento alto a homenagem ao seleccionador nacional de futebol e campeão europeu Fernando Santos. Um campeão entre campeões...
O trabalho realizado pela Associação, ao longo de mais de duas décadas, conta com momentos de enorme destaque em prol de os cidadãos deficientes visuais do distrito e, ao mesmo tempo, de proximidade e ligação à própria sociedade. Nesse capítulo, mérito para Domingos Silva, o rosto principal da Associação, que tem feito um trabalho gigantesco, mas muitas vezes ingrato. A necessidade de depender dos outros, dos apoios, da solidariedade alheia  e muitas vezes dos mais desconhecidos, torna o seu papel (e também daqueles que o acompanham nesta luta) ainda mais importante.
Actualmente a Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga carece de uma carrinha de transporte de sete lugares. A Segurança Social e a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso já deram o sim a este repto. No total estão garantidos sete mil euros, contudo ainda não estão atingidos os 21 mil euros necessários para concretizar este anseio.
A presença de um seleccionador nacional campeão europeu na Póvoa de Lanhoso é um momento histórico, até porque Portugal nunca tinha estado no mais alto lugar do futebol de selecções no velho continente. Contudo, e não querendo esquecer de ninguém, são inúmeras as figuras ligadas ao universo do futebol que têm ‘oferecido’ a sua imagem à Associação. Os magriços que em 1966 terminaram o campeo-nato da Europa em terceiro lugar foram alvo de diversas homenagens na Póvoa de Lanhoso e marcaram presença em inúmeros actos da Associação. António Simões, que foi campeão europeu de clubes pelo Benfica, marcou novamente presença num acto da Associação, tendo sido igualmente homenageado nestas comemorações do 21.º aniversário. Para além de figuras campeãs de selecção, recorde-se ainda também o presidente do Futebol Clube do Porto - Pinto da Costa, também campeão europeu de clubes, é outro dos ilustres que também    ‘oferece’ a sua imagem à Associação.
Esses méritos são da própria Associação, que consegue conquistar o coração dos campeões, porque ela própria é uma campeã na entrega e da devoção a pessoas especiais. Mas todos podemos ser campeões no apoio...

Festa de 21 anos da associação

Fernando Santos
homenageado pela AADVDB


A homenagem ao seleccionador  nacional de futebol e campeão europeu Fernando Santos, foi o momento alto das comemorações dos 21 anos da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga AADVDB), que ontem decorreram na Póvoa de Lanhoso.
Como prenda, a associação precisa, agora de adquirir uma carrinha de transporte. “Temos um objectivo que é conseguir um carro de sete lugares. Já temos apoio da Segurança Social e da Câmara Municipal, temos que arranjar mais verbas. Neste momento temos sete mil euros mas precisamos de 21 mil (o valor da viatura)”, adiantou Domingos Silva. Perante cerca de 200 pessoas, entre utentes, dirigentes e funcionários, e vários convidados, o  presidente da AADVDB, Domingos Silva, referiu que se tratou de uma homenagam “a um ser humano imparável e que ajuda várias causas. A ajuda que ele nos tem dado sensibilizou-nos bastante”, disse o dirigente associativo.
Fernando Santos mostrou-se visivelmente emocionado e referiu- se a Domingos Silva como um homem “com grandeza de carácter, que consegue ver mais com o coração do que com os olhos”. Ao Correio do Minho. o seleccionador nacional de Futebol frisou que “é motivo de orgulho ser distinguido, mas essencialmente fiquei emocionado com o trabalho desenvolvido pela associação. Tomara o país ter muita gente assim. Faz falta gente desta na sociedade portuguesa. Fernando Santos agradeceu ainda o apoio dado pelos portugueses à selecção nacional duranto o Europeu do ano passado em França. “Foi uma vitória de todos nós. Vocês têm muito mérito  nesta vitó-ria e por isso queria agradecer o apoio do povo portguês”, disse o seleccionador.
Entre os homenageados esteve também o antigo jogador de futebol, António Simões. Um hormem que, segundo o presidente da AADVDB, Domingos Silva, “muito tem contribuido para ajudar a associação”.
O antigo jogador, que integrou a equipa nacional ‘Os Magriços’ que disputou o Mundial de Futebol em Inglaterra em 1966, lembrou que há uns anos “vim à Póvoa de Lanhoso e trouxe uns amigos. Fui muito bem recebido e senti que havia muito mais a fazer”, disse António Simões.
A associação homenageou também o antigo comandante dos Bombeiros Voluntários, António Lourenço, por ter apoiado a colectividade essencialmente ao nivel dos transportes associados.
O convívio contou ainda com a presença do secretário de Estado do Desporto e da Juventude, João Paulo Rebelo. O governante constatou que “o que vocês (associação) anunciam na página de internet, cumpre-se aqui, nomeadamente no que se re-fere à solidariedade e à responsabilidade social”. O secretário de Estado anunciou ainda que o Governo está a apostar na criação de condições para que os jovens possam conciliar as carreiras académica e desportiva.  “Criamos um projecto piloto que foram as unidades de apoio ao alto rendimento nas escolas. O objectivo é apoiar os jovens de forma a que possam conciliar os estudos com a prática desportiva”, anunciou João Paulo Rebelo.
O presidente da Assembleia Geral da AADVDB, Joaquim Barreto, referiu que “a associação serve os que mais precisam de forma desinteressada” e lançou um repto aos deputados e autarcas presentes: “Podemos promover uma festa  solidária distrital com desporto, eventos culturais e com a presença de vários artistas. Seria uma forma de ajudar as associações do distrito”, disse Joaquim Barreto.
O presidente da Câmara, Manuel José Baptista defendeu que Domingos Silva poderia ser considerado “o comendador da Póvoa de   Lanhoso. A Póvoa de Lanhoso pode-se orgulhar de ter muitas individualidades nacionais a visitar o nosso concelho e a dar apoio a esta associação”.

Entrega de duas casas na avenida da república

Habitação social chega 
aos mais necessitados

No dia 24 de Janeiro, foram suprimidas necessidades ao nível habitacional de dois agregados familiares da Póvoa de Lanhoso, através da atribuição de fogos sociais.
Através da resposta da Habitação Social dos serviços de Acção Social e Saúde da Autarquia, o IHRU - Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana atribuiu mais duas casas sociais no Bairro existente na Avenida da República, na vila. Para além das pessoas beneficiárias, esta entrega juntou o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, e representantes do IHRU, assim como pessoal técnico da área social da autarquia.
 Esta atribuição aconteceu na sequência das sinalizações que os serviços de acção social da Autarquia realizaram junto do IHRU, enquanto entidade proprietária do Bairro Social.
 Os dois fogos sociais foram entregues a agregados que se encontravam numa situação de carência habitacional, algo que ficou ultrapassado com o acesso às referidas habitações.

Centenário do nascimento do escritor

Workshop de Escrita Criativa
homenageou António Celestino


Terminou, no dia 28 de Janeiro, o Workshop de Escrita Criativa, integrado nas comemorações do centenário de nascimento do escritor povoense, António Celestino. Esta acção começou no dia 7 de janeiro com oito formandos.
“Na terceira sessão já todas as pessoas participantes estavam a escrever para, como produto final e palpável do seu empenho, ser editado um opúsculo com um conjunto de pequenos contos, cujo mote é: ‘Um dia conto-te o quanto gostei de ti!’. Este opúsculo será divulgado na Feira do Livro, em Março próximo”, revelou a autarquia.
“Agradeço aos formandos a sua participação e o seu empenho, que, juntamente com o monitor, Dr. José Abílio Coelho, dedicaram à forma-ção”, considera o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues, explicando que “este momento marca o arranque das comemorações do centenário de nascimento de António Celestino e tem como objectivo formar os povoenses e estimular a sua participação no concurso literário municipal, cujos trabalhos devem ser entregues entre 1 de Março e 15 de Abril”.
A última sessão ficou marcada pela entrega dos certificados de participação. O escritor e historiador José Abílio Coelho orientou o referido workshop.
“A escolha dos temas”; “Os contos têm uma estrutura própria: o conto ao longo dos tempos”; “Como começar e terminar um conto”; “A pontuação e a grafia: a importância da leitura”; “A dimensão do conto”; “A utilização das novas tecnologias na escrita criativa”; “Como publicar um conto em livro, jornal ou revista ou como apresentá-lo a um concurso literário” foram os pontos que constituíram o programa desta formação.

Teatro

‘A Turista’
é a proposta que se segue


No âmbito do CONTE – Concurso Nacional de Teatro, que decorre, até 4 de Março, sobe ao palco, nesta Sexta-feira, dia 3 de Fevereiro, a peça ‘A Turista’, um  drama destinados a maiores de 12 anos, trazido a palco pelo Grupo Mérito Dramático Avintense. Com um texto assinado por Francisco Manto e numa encenação de Manuel Ramos Costa,’A Turista’ fala de um casal e de uma rapariga que, para ultrapassarem o isolamento e o enfado quotidianos se entretêm a pregar partidas a todas as visitas que pedem para pernoitar na sua casa. Em dada ocasião, a brincadeira não correu bem a acabou por os conduzir ao lugar onde a tragédia mora.
‘Yerma’, um texto de Francisco Garcia Lorca é a proposta para a noite de Sábado, apresentada pelo ACAL. Um drama, encenado por Mónica Gomes e Valdemar Mota.
Recorde-se que, ao longo destes dias 9 espectáculos sobem ao palco do Theatro Club da Póvoa de Lanhoso na disputa dos prémios a concurso, nomeadamente o Prémio Ruy de Carvalho, entregue à produção vencedora. Drama, comédia e épico musical são os géneros que podem ser apreciados no Theatro Club.
Melhor Desenho de Luz – Prémio Orlando Worm; Melhor Ambiente Sonoro; Melhor Cenografia; Melhor Guarda-Roupa; Melhor Interpretação Principal Feminina; Melhor Interpretação Secundária Feminina; Melhor Interpretação Principal Masculina; Melhor Interpretação Secundária Masculina; Melhor Encenação; Pré-mio Prestígio Personalidade – Fundação Inatel; Prémio Maria da Fonte – Júri Popular; e Prémio Ruy de Carvalho – Produção Vencedora do Concurso Nacional de Teatro, são os prémios do CONTE.

Novo recorde desde o início da agere

Reciclagem aumenta
4,7% em 2016


Durante o ano de 2016 a Braval recolheu 15.438 toneladas de resíduos recicláveis nos ecopontos existentes na área de abrangência da Braval (Amares, Braga, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho e Vila Verde), mais 697 toneladas do que em 2015, quando foram recolhidas 14.741 toneladas. Este aumento, na ordem dos 4,7%, estabelece um novo recorde desde o início desta actividade, no ano 2000, quando foram recolhidas 1.000 toneladas e depois de atingido o pico de 15.154 toneladas, em 2011.
No total, tudo o que foi para valorização: vidro, papel e embalagens, juntamente com a recolha de outros resíduos recicláveis: Resíduos Eléctricos e Electrónicos, Pilhas, Círios e Velas e Óleos Alimentares Usados, atingiu, pela primeira vez, cerca de 16.000 toneladas. Este resultado é muito significativo, depois dos resultados dos últimos anos, o que dá bons indicadores no que diz respeito ao cumprimento das metas de reciclagem, no entanto, ainda muito longe de atingir as 25.000 toneladas até 2020.
A recolha de Vidro aumentou 28 toneladas comparativamente a 2015. O maior crescimento diz respeito ao Papel e Embalagens tendo sido recolhidas mais 409 toneladas do que em 2015.
A recolha de óleos alimentares usados sofreu um ligeiro decréscimo de 444 litros, tendo sido recolhidos 73.630 litros. Nos contentores instalados nos cemitérios foram recolhidas 71 toneladas de círios e velas, menos 8 toneladas do que em 2015.
Em termos de Resíduos Eléctricos e Electrónicos e Pilhas, a quantidade recolhida deste tipo de resíduos voltou a aumentar. Foram recolhidas 254 toneladas. Apesar deste aumento, o desvio ilegal deste tipo de resíduos continua a ocorrer. Esta proibição e infracção deverão estar previstas nos regulamentos municipais de resíduos ou, então, pela legislação nacional, de forma a desincentivar este tipo de comportamentos. Os resíduos, quando são colocados na via pública pelos munícipes, é na perspectiva do seu tratamento/valorização.
Relativamente à recepção de pneus usados, a quantidade recebida diminuiu para 1.240 toneladas, menos 699 toneladas comparativamente a 2015.
A valorização energética do biogás produzido no aterro sanitário e na Central de Valorização Orgânica permitiu a introdução de 7373 KWh de energia na Rede Eléctrica Nacional.
Globalmente, 2016 foi um ano muito positivo, em termos de reciclagem. A Braval felicita a população que tem contribuído para estes resultados, aqueles que separam os seus resíduos, colocando-os nos ecopontos, e apela a quem ainda não aderiu à separação de resíduos, que o passem a fazer, pois as metas estabelecidas pelo PERSU 2020 (Plano Estratégico de Resíduos Sólidos), são bastante ambiciosas e, caso não sejam cumpridas, como ainda é o caso da Braval, obrigarão à punição dos sistemas de gestão de resíduos, através do agravamento da taxa de gestão de resíduos (TGR), o que se reflecte num aumento da tarifa de resíduos.

Castelo de Lanhoso

Núcleo Museológico visitado 
por mais de 12.500 pessoas

O Núcleo Museológico do Castelo de Lanhoso estabeleceu, em 2016, mais um recorde de visitantes, já que perto de 12 500 pessoas passaram pelo seu interior. Em 2015, cerca de 10 mil pessoas visitaram o referido local emblemático.
“Este aumento justifica-se por uma aposta contínua na divulgação e na promoção do nosso património, de que o Castelo de Lanhoso é exemplo”, refere o Vereador da Cultura e Turismo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues, acrescentando ainda “o bom trabalho dos técnicos municipais” e o “saber receber do nosso concelho”.
O ano de 2016 ficou ainda marcado por uma programação diversificada, sendo que o destaque foi para a comemoração dos 20 anos do Núcleo Museológico do Castelo, através da realização de actividades diversas, como a instalação artística “Manto de Papoilas”, o I Concurso de Fotografia, a Caminhada com História, o Mercado Medieval, Exposições e Concertos. Os Serviços Educativos do Castelo de Lanhoso, cada vez mais próximos e adaptados aos mais variados níveis de ensino, inclusive às Universidades Seniores, mas também aos Escuteiros, contribuíram igualmente para o incremento da procura deste ex-libris concelhio.
De relembrar que, no alto do seu trono, na condição de vigilante do tempo e da história, o Castelo de Lanhoso assume-se como um dos monumentos militares medievais mais emblemáticos da consolidação e ampliação das linhas de fronteira do Condado Portucalense, sendo, simultaneamente, um dos que melhor evoca a memória de D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal. Para os interessados em saber mais sobre este espaço municipal e em manter-se actualizado, pode seguir a página do Facebook do Castelo de Lanhoso.

Suplementos Freguesias


EDITORIAL

António Celestino: 
homenagem merecida


Paulo Monteiro
A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso está a promover uma série de iniciativas para não deixar passar em claro o centenário do nascimento de António Celestino, um grande poeta povoense falecido há três anos. Durante todo o ano, são várias as iniciativas marcadas e que valem a pena ser seguidas. Celestino nasceu em São João de Rei a 24 de Maio de 1917 e cedo emigrou para o Brasil. Notabilizou-se na Banca, por lá casou, teve três filhas e uma vida social e cultural muito activa onde conheceu muitas personalidades das letras, entre eles Jorge Amado. Foi ele que trouxe à sua terra natal o escritor brasileiro e que ali passou férias e onde se deliciou com o Bacalhau na brasa e outras iguarias no restaurante de Vítor Peixoto, mesmo ao lado da casa de António Celestino e da sua mulher Maria da Conceição. Foi na Póvoa de Lanhoso que Jorge Amado arranjou inspiração para muitas das suas obras e sempre com o apoio do seu grande amigo.
António Simões Celestino da Silva, de nome completo, é um homem da Póvoa, com um currículo cultural de fazer inveja a qualquer um. Por isso vale a pena perdermos algum do nosso tempo e passar pela Póvoa de Lanhoso em vários momentos. Todos os meses, a Biblioteca Municipal apresenta uma exposição diferente onde são mostradas as várias facetas da vida deste escritor. Este mês vale a pena ver ‘Vida e obra de António Celestino’. ‘As paixões de Celestino’ é o tema de Fevereiro e, em Março, ‘O pai e o poeta’. ‘Cultos e religiões’ é a proposta para Abril enquanto que Maio recebeu a exposição ‘Mamãe Virgínia Simões Pedrosa’. Em Junho temos ‘Português de suave sotaque’. Para Julho e Agosto o tema é único: ‘A arte e os artistas’.
‘Os amigos de uma vida longa’ (Setembro), ‘O leitor e a biblioteca’ (Outubro); ‘António Celestino e as suas crónicas’ (Novembro) e ‘António Celestino: cem natais’ (Dezembro) completam os 12 meses de exposições dedicadas ao ilustre poeta.
Mas há mais iniciativas e que valem a pena ser descobertas e, entre elas, destaco, também, um workshop de escrita criativa (modalidade de conto), excelentemente orientado por José Abílio Coelho, um profundo conhecedor da vida e obra de António Celestino. Estão todos de parabéns por esta excelente iniciativa.
Um programa recheado e que merece ter um público à altura. Vamos lá conhecer a vida e obra de António Celestino.
Aqui fica lançado o repto.
Eu vou. E tu?

Alunos e mediadores supervisionam e incentivam

Alunos combatem
desperdício alimentar


A hora do almoço no refeitório da EB 2,3 Professor Gonçalo Sampaio, em Póvoa de Lanhoso, passou a ser supervisionada por ‘alunos mediadores’, que pretendem tornar mais calma e disciplinada a utilização daquele espaço e combater o desperdício alimentar.
A escola explica que esta acção se trata do alargamento de um projecto de mediação de conflitos e de prevenção do ‘bullying’, que no ano lectivo anterior se cingiu aos intervalos.
Durante o período de funcionamento do refeitório, diferentes equipas de ‘alunos mediadores’, mais de 40 alunos do 8.º e 9.º ano, organizam e orientam os estudantes nas filas, ajudam os mais pequenos na organização dos tabuleiros e apoiam no controlo das senhas. Paralelamente, incentivam a que todos comam a sopa e fruta, a que não desperdicem comida e a que não sujem as mesas ou desarrumem o espaço.
As equipas aplicam um sistema de alertas, utilizando sinais amarelos ou vermelhos sempre que um aluno não cumpra alguma das regras do Código de Conduta definidas para o refeitório. O sinal amarelo é apresentado ao aluno em incumprimento, para que este se iniba de continuar, e o sinal vermelho é apresentado quando o aluno não acata a orientação e não assume uma conduta correta. Neste caso, a ocorrência será comunicada ao diretor de turma que, posteriormente, deve fazer com o aluno um trabalho de autor-reflexão sobre o seu comportamento.
Os alunos mediadores continuam também a actuar nos intervalos, com o objectivo de minorar os níveis de conflitualidade e de indisciplina. Actuam ao nível da gestão de conflitos, tentativas de vandalismo e de incumprimento do Código de Conduta da escola e na prevenção do ‘bullying’ e do ‘cyberbulling’.
Para José Fonseca, aluno coordenador dos Jovens Mediadores que actuam no refeitório, este projecto está a ser “muito importante”, porque já se notam “muitas melhorias na postura dos alunos”. Acrescenta que antes “ha- via alunos que deitavam comida fora”, chegando a aparecer “peças de fruta inteiras no balde do lixo”.
Da mesma forma, o aluno coordenador das equipas de gestão e mediação de conflitos no recreio, João Oliveira, refere que as ocorrências diminuíram. “Nota-se que os alunos já assumem uma postura mais adequada e isto deve-se ao projecto”, sublinha.
O comunicado refere que o projecto de Gestão e Mediação de Conflitos nos recreios e no refeitório tem contribuído para que a escola seja “um verdadeiro espaço de cidadania activa”. “Ouvir os alunos, aceitar e apoiar os seus projectos, envolvê-los em dinâmicas inovadoras, icentivar o voluntariado e o trabalho de equipa e de inter-ajuda, faz da escola um espaço vivo em que se formam cidadãos muito para além das competências académicas”, lê-se no comunicado.
Em breve, este projecto será alargado a todos os centros escolares do agrupamento, contemplando os alunos do 1.º ciclo.

Nove espectáculos no palco do Theatro Club

Póvoa de Lanhoso é palco
do Concurso Nacional de Teatro


De 28 de Janeiro a 4 de Março, a Póvoa de Lanhoso é o centro do teatro de amadores, com a realização da XIII edição do Concurso Nacional de Teatro (CONTE), numa parceria que une a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Federação Portuguesa de Teatro e Fundação Inatel. Durante estes dias, 9 espectáculos so-bem ao palco do Theatro Club da Póvoa de Lanhoso na disputa dos prémios a concurso, nomeadamente o Prémio Ruy de Carvalho, entregue à produção vencedora. Drama, comédia e épico musical são os géneros que podem ser apreciados no Theatro Club.
Na apresentação do cartaz do CONTE, André Rodrigues, vereador da Cultura do município da Póvoa de La-nhoso, revelou que a aposta no teatro é algo que o município quer manter, dado que se trata de um concelho com tradição no teatro de amadores. Aquele responsável vincou que as expectativas são altas dado o número de espectadores presentes no ano passado, cerca de 1200, facto esse que diz muito da qualidade dos espectáculos apresentados.
Anabela Teixeira, da Federação Nacional de Teatro, deu conta de que é o CONTE “é já uma montra dos melhores espectáculos de cariz associativo e carácter amador. Aquela responsável vincou que, sem o apoio do município e da Fundação Inatel, não poderiam realizar o concurso.
A cerimónia de encerramento está marcada para as 21 horas, do dia 4 de Março, num momento em que, para além dos prémios a concurso, será também entregue o prémio Ibéria, que premia um texto espanhol.
“Que seja um concurso de sucesso e que fique na história da Póvoa de Lanhoso”, salientou Anabela Teixeira.
Carla Raposeira, da Federação Inatel, revelou que aquela entidade irá proporcionar um apoio financeiro para a digressão a realizar pela companhia vencedora do CONTE.
“O Concurso Nacional de Teatro é uma iniciativa cultural que está consolidada e que muito nos orgulha, por-que o teatro é uma forte tradição na Póvoa de Lanhoso, quer na formação quer na divulgação do teatro, pelo que este concurso é um dos momentos altos da aposta cultural a autarquia”, destacou Gabriela Fonseca, vice-presidente da Câmara Municipal.
Melhor Desenho de Luz – Prémio Orlando Worm; Melhor Ambiente Sonoro; Melhor Cenografia; Melhor Guarda-Roupa; Melhor Interpretação Principal Feminina; Melhor Interpretação Secundária Feminina; Melhor Interpretação Principal Masculina; Melhor Interpretação Secundária Masculina; Melhor Encenação; Prémio Prestígio Personalidade – Fundação Inatel; Prémio Maria da Fonte – Júri Popular; Prémio Ruy de Carvalho – Produção Vencedora do Concurso Nacional de Teatro, são os prémios do CONTE.

Associação de Invisuais

Domingos Silva empossado 
para novo mandato

Tomaram posse, no dia 7 de Janeiro, os elementos dos corpos gerentes da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga, localizada na vila da Póvoa de Lanhoso, para o quadriénio 2017/2020. O acto eleitoral, realizado a 10 de Dezembro, ditou a recondução de Domingos Silva, no cargo de presidente da direcção daquela instituição. A Assembleia Geral mantém-se com Joaquim Barreto na presidência e o Conselho Fiscal fica sob presidência de Humberto Carneiro.
No momento dos discursos, Domingos Silva, presidente da instituição, revelou que a AADVDB pretende adquirir uma carrinha de 7 lugares, contando já com o apoio financeiro do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e lançou o repto à autarquia e a empresários do concelho, para que se associem à causa e contribuam financeiramente para a aquisição da referida via tura.
Joaquim Barreto, que anunciou o falecimento de Mário Soares, antigo presidente da República,  mostrou-se abalado com a triste notícia, revelou-se sentir-se orgulhoso e honrado por presidir à Assembleia Geral, dando ainda conta de que ao longo destes anos, a instituição tem crescido, no número de associados, na qualidade e nos serviços prestados.
Agradecendo aos elementos que cessaram funções nos corpos gerentes da instituição, Domingos Silva destacou alguns dos elementos que agora deixam de exercer funções, nomeadamente António Rodrigues, Artur Rocha, prof.º Cunha e prof.º José Carlos. A Câmara Municipal também não foi esquecida, com Domingos Silva a agradecer, na pessoa do presidente Manuel Baptista, todo o apoio recebido.
Depois de um minuto de silêncio pelo falecimento de Mário Soares, Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, deixou uma palavra especial a Domingos Silva e deu conta do seu orgulho por ter uma associação como a AADVDB no concelho,   que tem feito um trabalho notável a favor de quem dela precisa.

Rendufinho

Nova carrinha
ao serviço de freguesia


A Junta de Freguesia de Rendufinho presenteou a população com uma prenda no primeiro dia do ano: uma carrinha de nove lugares para apoio às actividades da freguesia, no-meadamente às crianças e aos mais idosos.
A cerimónia de inauguração, que decorreu no final da eucaristia, contou com a presença dos elementos  da Junta de Freguesia, do presidente da Câmara Municipal e do povo da freguesia. O padre Salvador Mota procedeu à bênção da nova viatura.
A necessidade de aquisição de uma nova viatura decorre da lei, que impossibilita o transporte colectivo de crianças em viaturas com mais 16 anos. Esse era o caso de Rendufinho. À Junta de Freguesia junta-se a autarquia povoense que atribuiu um subsídio de 1500 euros e, mensalmente, durante 48 meses, uma verba de 200 euros. Para além de Rendufinho, a autarquia povoense apoiou a aquisição das carri-nhas de Covelas e S. Martinho do Campo.
Diariamente, o funcionário da Junta de Freguesia transporta os mais pequenos desde as suas habitações até à paragem no centro da freguesia, onde aí um autocarro os transporta até ao Centro Educativo do Cávado, em Monsul. Além dos mais pequenos, é também realizado o transporte dos mais velhos até ao Centro de Convívio, que funciona no edifício da sede de Junta de Freguesia. A aqui-sição – cerca de 26500 euros, representa um enorme esforço financeiro para  aquela Junta de Freguesia mas a segurança dos seus habitantes está em primeiro lugar.

Requalificação da rede viária
A intervenção na rede viária da freguesia continua a ser umas das prioridades. A Rua do Amarelos e o Beco dos Amarelos são os locais a requalificar. Na Rua dos Ama-relos a intervenção contem-pla a substituição da calçada à portuguesa por calçada à      fiada e a colocação de condu-tas para canalização das águas pluviais. No Beco dos Amarelos as obras incidem no alargamento e na pavimentação em calçada, uma vez que a via estava em terra batida.

Misericórdia da Póvoa de Lanhoso

Bloco Operatório
em funcionamento


Integrado na nova Unidade Médico-cirúrgica, inaugurada a 5 de Setembro de 2016, já entrou em funcionamento o novo Bloco Operatório do Hospital António Lopes, na vila.
A Misericórdia da Póvoa de Lanhoso esclarece que “após mais de um ano de obras de intervenção no edifício, foi finalmente possível transferir este serviço para a nova ala, que oferece melhores condições de trabalho e de prestação de serviços”.
Relembra-se que esta nova unidade, que preenche o último piso do novo edifício  engloba o bloco operatório com duas salas de cirurgia, unidade de cuidados pós anestésicos, unidade de ambulatório e serviço de esterilização. “Toda a unidade está equipada com tecnologia de última geração. A primeira cirurgia foi realizada no âmbito da especialidade de Oftalmologia pelo cirurgião, Dr. Luís Gonçalves, e respectiva equipa de trabalho da qual também integrou a Directora do Bloco Operatório, Drª Fernanda Gil, Médica Anestesiologista”, destaca a Misericórdia povoense, adiantando que a cirurgia inaugural do novo bloco operatório contou com a presença do Provedor, Dr. Humberto Carneiro, do Administrador delegado, Agostinho Vieira e o Director Clínico, Dr. Mário Almeida, que vestidos a rigor quiseram presenciar o momento e marcar a data.

EDITORIAL

‘Maria da Fonte’: 131 anos de história

No dia 3 de Janeiro de 1886 nasceu o jornal ‘Maria da Fonte’. Já lá vão 131 anos. E mais de um século empre com o mesmo princípio: defender e informar as gentes da Póvoa de Lanhoso. Por isso hoje prestamos homenagem a todos aqueles que passaram por este jornal reproduzindo o primeiro ‘Programma da Redacção’ escrito no primeiro número por Azevedo Coutinho, redactor principal. O administrador era Álvaro Guimarães e director responsável, Francisco Manoel Martins D’Oliveira.
“Com um fim elevado, grandioso e patriotico entramos hoje na arena da imprensa periodica.
O Minho, esta bella e encantadora provincia, que engrinalda a rugosa fronte do vetusto Portugal, tem mostrado sempre quão valorosos e arrojados são os seus dilectos filhos, tornando-se assim respeitada e temida das outras provincias suas irmãs.
E a patria dos Berredos, dos Ozorios e dosa Godinhos tem sido sempre o braço mais poderoso para repellir odiosas  oppressões e restaurar as regalias populares.
Vamos, pois, levantar um monumento commemorativo dos feitos heroicos d’este povo; e, avivando na memoria de todos, factos que jamais devem olvidar-se, legaremos ás gerações vindouras as tradições gloriosas dos seus antepassados.
A memoria da Maria da Fonte, d’essa mulher varonil, que, excitando os ánimos, já em convulsão latente, fez surgir uma revolução popular, que, em pouco tempo, ganhando poderosos alentos, abalou um throno, e que abateria um sceptro se não fôra a ntervenção estrangeira, a memoria d’essa heroina vae ser emfim perpectuada n’esta folha semanal, que vê hoje a luz da publicidade.
Mas a Maria da Fonte, surgindo agora n’este pelago de ideias, n’este esboroar dos mais solidos principios e das mais firmes crenças politicas, não será, como a heroína d’outr’ora o braço direito d’um partido, mas sim - a gloria do passado, o echo do presente, a aspiração do futuro.
A sua politica será pugnar incessantemente pelos interesses da Povoa de Lanhoso, pelo progredimento da sua terra natal; e, tendo por lemma - a imparcialidade, - jámais deixará de ser fiel a seus principios.
O Castello de Lanhoso, cedendo o seu logar á Maria da Fonte, lega-lhe egualmente todas as suas ideias, e por isso os nossos leitores encontrarão n’este semanario a mais inabalavel firmeza de principios”.

Aproveito para desejar a todos os leitores e anunciantes do ‘Maria dsa Fonte’ um excelente 2017 cheio de saúde e muito sucesso.

DA CÂMARA MUNICIPAL

Bebés do concelho recebem apoio

Foram 43 as famílias que, no dia 29 de Dezembro, receberam os certificados do “Naturalanhoso”, uma medida instituída em 2013 pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, que visa premiar a natalidade e impulsionar o comércio local. Neste ano de 2016, 108 bebés receberam o apoio da autarquia da Póvoa de Lanhoso, num investimento de mais de 58 mil euros.
Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, acompanhado dos vereadores Gabriela Fonseca e André Rodrigues, entregou os apoios às famílias povoenses, desejando as maiores felicidades a todos. A ‘prenda’ de Natal varia consoante o número de filhos: 500 euros para o primeiro e segundo filho; 750 euros para o terceiro e 1000 euros a partir do quarto filho.
Ana Beatriz, de 6 meses, residente em Taíde, foi uma das bebés premiadas pelo ‘Naturalanhoso’. “Sem dúvida que este é um apoio importante. Todos os apoios são importantes para ajudar a criar os nossos meninos. É importante que o valor seja gasto no comércio local pois se somos ajudados também devemos ajudar o comércio do concelho ”, referiu a mãe, Isabel Oliveira Pereira. No caso desta família, o valor será gasto em leite e fraldas. Para Giselda Fernandes, de Taíde, esta medida é importante pois vem apoiar as famílias e também o comércio local. No seu caso, a verba será usada nas vacinas, leite e outros bens essenciais da pequena Clara, de 6 meses.  Residente na vila da Póvoa de Lanhoso, Liliana Couto, mãe da Maria João, de 7 meses, considera importante este apoio. “Em vez de irmos para longe, fazemos as nossas compras no concelho pois aqui encontramos tudo o que precisamos”, referiu.
Mais de 200 mil euros foi o valor  despendido pela Câmara Municipal desde a implementação do Naturalanhoso.

Misericórdia

88 anos assinalados com
homenagem ao administrador


O descerramento do retrato do actual administrador do Hospital António Lopes, Agostinho Vieira, foi um dos momentos que marcou as comemorações, na manhã de Sábado, dia 31 de Dezembro, dos 88 anos da fundação da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso.
Foi a 31 de Dezembro de 1928 que o Governador Civil de Braga, Capitão José Ri-beiro Barbosa, aprovou os primeiros estatutos da Santa Casa, dando início, como referiu o Provedor Humberto Carneiro, a “uma instituição de benemerência que, de então para cá, geriu o melhor que soube o legado do benemérito António Lopes e, nomeadamente, o Hospital que tem o seu nome”.
O evento, integrado nas comemorações do Centenário do Hospital António Lopes, consistiu na reunião de Mesa Administrativa, aberta ao público; a entrega de diplomas aos Irmãos da Misericórdia; e o descerramento do retrato do actual Administrador do Hospital António Lopes.
Na referida reunião, sob proposta do provedor Humberto Carneiro, foi aprovado, por aclamação, o reconhecimento do dia 31 de Dezembro de 1928 como a data da fundação da Misericórdia povoense. Sob proposta da vice-provedora e presidente da Comissão Executiva das Comemorações, Armandina Machado, foi aprovada a atribuição de um diploma aos Irmãos, que ateste essa condição, elaborado a partir da matriz do primeiro diploma da instituição, e a colocação do retrato do actual administrador-delegado, Agostinho Monteiro Vieira, na galeria dos administradores daquela unidade de saúde, ao lado dos seus antecessores.
O zelo e o bom desempenho de Agostinho Monteiro Vieira, ao longo destes 15 anos como administrador, foram referidos pelos elementos da Mesa Administrativa.
Referindo que a Misericórdia nasceu de uma recomendação do fundador, António Lopes, Humberto Carneiro vincou que, “ao longo destes 100 anos, o Hospital António Lopes tem-se transformado num dos melhores hospitais comparado com os da sua dimensão, continuando ainda em obras de modernização da sua parte mais antiga, as quais lhe permitirão prestar um serviço de maior qualidade e maior abrangência”.
“Um verdadeiro homem de Misericórdia”. Foi desta forma que o provedor se referiu ao administrador Agostinho Monteiro Vieira, atendendo às suas qualidades humanas e profissionais e à sua enorme dedicação à instituição.