EDITORIAL

O querido Mês de Agosto

Rui Miguel Graça
Terminaram as férias e começa agora outro tipo de romarias. Mas antes de abordar o que vem aí, deve-se analisar o que se passou, nomeadamente neste período de Verão. Por um lado, o concelho viveu dias intensos, marcados por diversos momentos festivos, culturais, tradições vividas e sentidas por todo o tipo de gerações.
Notou-se claramente que a Póvoa de Lanhoso cresceu, ganhou nova vida neste período, tornando o concelho mais visível no plano turístico. Ao nível económico percebeu-se também, e de forma clara, que os estabelecimentos comerciais registaram maior afluência. Quer de dia, quer de noite, com as esplanadas cheias, dando ainda maior colorido à programação nocturna que  foi preparada no cardápio de Verão. A Noite das Gerações, a Moda Lanhoso, a Festa do Emigrante e também a da Francesinha são exemplos do sucesso que o concelho viveu nestes últimos meses, que colocaram a região no mapa de diversos turistas de outras localidades. Para além disso, fez igualmente as delícias dos povoenses, radicados no concelho ou daqueles que trabalham no exterior ou até fora do país.
Contudo, ao longo deste período houve uma situação que culminou no dia 5 de Setembro, com o adiamento das celebrações dos Bombeiros, tudo em prol da comunidade. Os Bombeiros cancelaram a sua festa dos 112 anos, porque em todos os momentos a sua missão é a defesa da população. A eles, um forte abraço, um profundo agrade-cimento pelos actos heróicos praticados e pelo seu altruísmo eterno.
Nesta análise do que se passou, não só no concelho, mas também em Portugal, refira-se que, mais uma vez, a situação dos incêndios florestais tem tanto de dra-mática como de inexplicável. Encontrar soluções? É imperioso.
Agora o concelho vai regressar à normalidade, com a azáfama diária, com o regresso às aulas, com pequenos petizes a entrarem pela primeira vez nesse circuito, com outros em processo de continuidade e outros ainda a experimentar novos voos. A todos os agentes, sem excepção, um bom ano escolar, recheado de sucesso.

INAUGURAÇÃO DA UNIDADE MÉDICO-CIRÚRGICA

Misericórdia iniciou 
comemorações dos 100 anos 
do Hospital 

A inauguração da Unidade Médico-Cirúrgica, no dia 5 de Setembro, marca o arranque das comemorações do centenário do Hospital António Lopes, da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso. Um programa vasto e diversificado, que se estende ao longo de 365 dias, e que pretende, tal como referiu o provedor Humberto Carneiro, homenagear António Lopes, fundador do Hospital, bem como todos aqueles que deram seguimento à grande obra.
A cerimónia de inauguração foi presidida pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo.
Recorde-se que, no dia 5 de Setembro, festejam o seu aniversário as duas instituições mais emblemáticas do concelho – Bombeiros e Misericórdia. Este ano, face aos inúmeros incêndios no concelho, as comemorações do aniversário dos bombeiros foram adiadas.
Na nova Unidade Médico-Cirúrgica já funcionam novos serviços, nomeadamente as Unidades de Internamento, Endoscopia Digestiva, Cardiologia e Medicina Física e de Reabilitação. O novo Bloco Operatório entra em funcio namento no final do ano. Segundo Humberto Carneiro, com a entrada em funcionamento das duas novas valências, a Misericórdia da Póvoa de Lanhoso concretiza dois objectivos, a permanente procura da melhoria da qualidade dos serviços e o proporcionar o acesso a diversos meios complementares de diagnósticos e terapêutica aos utentes do Serviço Nacional de Saúde. Na sessão solene, usaram também da palavra o Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, assim como Manuel Lemos, presidente da União de Misericórdias que salientou, de entre outras, que “o nosso permanente desafio na cooperação com o Estado é fazer mas fazer ao nível de excelência”.
As comemorações integraram ainda o hastear da bandeira, romagem ao cemitério, missa e homenagem a António Ferreira Lopes, com deposição de flores junto ao seu monumento, no Largo António Ferreira Lopes. O Coro da Misericórdia abrilhantou a missa, assim como a cerimónia de inauguração da nova Unidade Médica Cirúrgica.

Manuel Baptista, presidente da CM Póvoa de Lanhoso

“Hoje é um dia em que temos
um duplo sentimento”


As primeiras palavras de Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, foram dirigidas aos Bombeiros, agradecendo à corporação povoense e a todas a que a ela se juntaram, assim como aos militares do exército, “o trabalho incansável que estão a fazer para nos proteger destes terríveis fogos florestais”.
O autarca deu conta do duplo sentimento vivido naquele dia. “De alegria e satisfação, porque duas das nossas principais instituições assinalam mais um aniversário da sua fundação. E de tristeza e preocupação, porque nas últimas horas o nosso concelho tem sido castigado com graves fogos florestais”.
“Os povoenses e este território ficam a ganhar com esta nova unidade de saúde, sendo um contributo muito importante para termos serviços de saúde de proximidade, especialmente num concelho com características do nosso”, salientou Manuel Baptista, que deixou uma palavra de reconhecimento e agradecimento a Humberto Carneiro, provedor da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso.
“O senhor Provedor prova, mais uma vez, que está sempre a pensar no futuro, na sustentabilidade das várias valências, encontrando soluções que a modernizem e que respondam às necessidades destes tempos”, disse.
De entre outras considerações, Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, pediu para que o Governo mantenha a Consulta Aberta no Hospital António Lopes, que assegura os cuidados primários nos períodos complementes ao Centro de Saúde.

Em alguns pontos do concelho

Chamas obrigam 
à retirada de moradores

Os dias 4, 5 e 6 de Setembro foram dias de imenso trabalho para os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso. Ao início da tarde, um incêndio em Moure, que se estendeu às freguesias a Águas Santas e Ferreiros andou pró-ximo das habitações, com os moradores de algumas casas, em Águas Santas, a serem retirados por uma questão de precaução. E quando combatiam as chamas no baixo concelho, um incêndio, que assumiu grandes proporções, no chamado ‘Monte das Agras’, no lugar de Aldeia, na vila da Póvoa de Lanhoso, estendendo-se aos Moinhos Novos e à freguesia de Fontarcada. Um incêndio que mobilizou os bombeiros povoenses, assim como várias corporações de bombeiros da região (Famalicenses, Barcelos, Fão e Riba d’Ave) e o exército português.
Fernanda Silva, residente nos Moinhos Novos, juntamente com um vizinho, o Sr. Abel, forneceram o pequeno-almoço a mais de 30 bombeiros que descansavam próximos das suas habitações, na manhã de segunda-feira, dia 5 de Setembro.
“Ia fazer a minha caminhada e vi ali vários carros de bombeiros. Vi o meu vizinho muito preocupado em direcção ao carro. Disse-me que estavam ali mais de 30 bombeiros sem tomar o pequeno-almoço. Fui de carro com ele comprar coisas, desde leite, sumos e croissants. O dinheiro mais bem empre-gue é no apoio aos bombei-ros”, disse aquela moradora.
Na noite de 4 de Setembro, ocorreram ainda incêndios na União de Freguesias de Esperança e Brunhais, Taíde, Sobradelo da Goma e S. João de Rei. No dia 5, dia em que os bombeiros celebram o seu aniversário, as atenções estiveram voltadas para o incêndio dos Moinhos Novos, devido aos reacendimentos, assim como a incêndios nas freguesias de Taíde, S. João de Rei, Serzedelo, Verim e Calvos.
Na terça-feira, os soldados da paz viram-se a braços com vários incêndios, nomeadamente em Sobradelo da Goma, Monsul e Verim.
Em Monsul, o incêndio estendeu-se à freguesia de Gerás e obrigou também à retirada de alguns moradores. Naquela ocasião, uma habitante de Gerás, sentiu-se indisposta e foi transportada ao hospital. Em Verim, nessa tarde, viveram-se momentos de aflição. Um incêndio colocou em risco pelo menos seis habitações, com a GNR a retirar dois idosos das suas habitações por questões de segurança. Um combate intenso, com os populares e a própria GNR a juntar-se aos bombeiros no combate às chamas. Tractores com cisternas e mesmo baldes de água. Tudo serviu para combater as chamas que ameaçavam as habitações.
Na tarde de quarta-feira, dia 7, os soldados da paz mantinham-se em Verim, devido aos reacendimentos que ocorriam em alguns locais. Jorge Silva, residente na Travessa dos talhosos mantinha-se no local do incêndio, acompanhado de dois amigos, também moradores naquela freguesia.
“O campo onde eu moro ainda ardeu. A casa não foi por sorte. As videiras foram todas. Não há explicação. A sorte foram os bombeiros. Foram momentos de aflição. Não víamos nada com o fumo. A um metro de distância não se via nada. Os militares da GNR também ajudaram a apagar. Foi uma tarde de aflição”, referiu o morador.

A TRADIÇÃO VOLTOU A CUMPRIR-SEEM TAÍDE

Melões e bifes na ementa

Os bifes e o melões ‘apimentaram’ o último dia da romaria de Nossa Senhora de Porto de Ave, na freguesia de Taíde, Póvoa de Lanhoso que culminou com as celebrações religiosas.
Para abrir o apetite, os melões casca de carvalho fizeram as delícias de muitos que os procuram todos os anos nesta altura. Que o diga Duarte Nuno que vai todos os anos de Famalicão a Porto de Ave, na Póvoa de Lanhoso, vender os seus melões que garante “são os melhores da região”. Duarte levou uma carrinha carregada de melões e “quanto mais tivesse, mais vendia”.
Os bifes do Vitor Fernandes do ‘Fafense’ já fazem parte da romaria. “Já venho cá desde os meus 5 anos com o meu pai. Eu continuei o negócio da carne e da restauração”.
Vitor Fernandes explica que “a tradição que já vem de família é levar o gado para a romaria e o cliente pede para partir a peça antes de ir para o tacho ou para a grelha”. Quanto à qualidade da carne quanto mais velha melhor, assegura o empresário e a preferência recai na carne de vaca ou boi. A forma de confeccionar normalmente é frito com cebolada, como manda a tradição do bife à Porto de Ave.
Jorge - o Campeão vem de S. Torcato e é presença habitual na romaria de Porto de Ave. Intitula-se o feirante mais antigo a percorrer o Minho e “com melhores condições e melhor qualidade na carne e no bacalhau”.
Na montra dos bifes, Jorge destacou o do vazio alto. “É um bife tenrinho, para quem tem os dentes fracos, este bife mastiga-se como marmelada. E só na casa do Campeão é que se encontra este bife”.
Na montra da doçaria, os tradicionais doces de romaria invadem as principais ruas até à igreja de Porto de Ave.
Elisa Ribeiro é da Póvoa de Lanhoso e já confecciona estes tradicionais doces de romaria desde muito pequena, cuja receita aprendeu com a mãe.
Para Elisa a crise também bateu à porta dos doces porque as carteiras estão mais vazias e as pessoas compram menos por causa da diabetes. “Nota-se uma quebra no negócio. Se por um lado as pessoas têm menos dinheiro, por outro as doenças relacionadas com a diabetes, que tem vindo a aumentar, são também uma causa para a quebra no negócio dos doces que é aquilo que eu sei fazer”.

Vieira da Silva, que visitou a IPSS ‘Em Diálogo’

Ministro promete reforçar 
acordos com IPSS’s

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, promete novo reforço dos acordos de cooperação com as IPSS’s do país no Orçamento de Estado de 2017, à semelhança do que aconteceu no orçamento de 2016 - que viu esta área ser contemplada com mais 16 milhões de euros. O compromisso foi ontem assumido pelo membro do governo durante uma “visita de trabalho” à ‘Em Diálogo’ - Associação para o Desenvolvimento Social da Póvoa de Lanhoso.
Uma visita que serviu para o ministro conhecer mais de perto o trabalho social desenvolvido pela instituição no concelho povoense, onde dá várias respostas à comunidade desde 1998, desde formação aos mais jovens e aos desempregados ao apoio domiciliário e lúdico aos idosos, entre outras acções.
Recentemente, a instituição viu ser reprovada uma candidatura para a criação de um lar de idosos no concelho da Póvoa de Lanhoso - uma resposta que a própria rede social local sente como uma necessidade premente para corresponder àquilo que os mais idosos precisam neste momento e tanto Clarisse Matos, presidente da ‘Em Diálogo’, como o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, deixaram ‘no ar’ o desafio de em breve o ministro Vieira da Silva poder estar de volta ao concelho mas para “uma inauguração”.
Seja como for, ambos os responsáveis povoenses, fizeram questão de deixar uma palavra de “gratidão” ao ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, pelos projectos que tem apoiado no concelho povoense - que, no caso do PARES - Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais - viu quatro candidaturas aprova-das. “Não podemos esquecer o papel desta economia social, que está sempre presente e que valoriza os recursos locais e que é muitas vezes quando os ventos são mais adversos que mostram o ‘peso’ da acção social”, sublinhou Vieira da Silva, destacando também o trabalho dos profissinais destas instituições.
O ministro Vieira da Silva garantiu mais “estabilidade” para o sector social, apontando para o reforço dos acordos de cooperação no sentido de que as instituições façam o seu trabalho “sem que sejam obrigadas a comercializar a sua actividade, pois essa é uma obrigação pública”.

Projeto Geração Lanhoso

Balanço positivo da participação 
na Semana da Juventude

As crianças inscritas na Ação 11 - Estratégias direcionadas para as crianças e jovens, promovendo estilos de vida saudáveis, do Projeto Geração Lanhoso terminaram, da melhor forma, a sua participação na Semana da Juventude, que foi promovida pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso em parceria com outras entidades entre os dias 6 e 12 de agosto.
Desta forma, o Projeto Geração Lanhoso dinamizou algumas atividades para estas e outras crianças que já estavam a participar no Campo de Férias “Férias Ativas”, iniciativa da Câmara Municipal, sendo que o objetivo comum foi promover estilos de vida saudáveis em crianças e jovens do Município Povoense.
A participação na Semana da Juventude ficou marcada pelo espírito jovem, pela diversão, pela aprendizagem, pelo dinamismo e interação positiva entre todos os participaram e os técnicos. O balanço é, pois, positivo.
Assim, para ocupar de forma divertida e saudável o tempo livre das crianças e jovens participantes, o Projeto Geração Lanhoso desenvolveu Ateliers de Dança, de Estampagem e Transformação de T-shirts, um Workshop sobre Suporte Básico de Vida, um Showcooking sobre Alimentação Saudável, Sessões com a GNR, como a Operação STOP e a sessão sobre Prevenção e Segurança Rodoviária, e ainda uma sessão dinamizada pelos Bombeiros Voluntários. Para além destas atividades, as crianças tiveram a oportunidade de integrar nos torneios de Subbuteo, matraquilhos, FIFA’16 e Ténis de Mesa.