Tragédia em São Martinho do Campo

Grupo de peregrinos atropelado: 
um morto e cinco feridos

— condutor da viatura fugiu mas já se entregou à GNR em Braga


Promovido pela Câmara Municipal 

‘Férias Activas’ são um sucesso


Jogos Paralímpicos Londres’2012

Domingos Vieira recebido na AR


Castelo de Lanhoso 

Requalificação concluída: 
a aposta é no turismo

EDITORIAL


Armindo Veloso


Parecer(es)

Fruto da minha idade, não sou velho mas não sou criança, e de alguma posição profissional, chamam-me muitas vezes doutor. Não gosto. E não gosto não porque tenha algo contra os doutores mas simplesmente porque não sou. Digo muitas vezes que prefiro ser um senhor, a sério, do que um senhor doutor a fingir. Fiz o segundo ano complementar dos liceus que era o antigo sétimo ano, à antiga portuguesa, e depois o décimo segundo ano, também à antiga portuguesa. Em habilitações académicas fico-me por aqui.
Tem havido mais do que nunca escândalos e mais escândalos, uns mais artificiais do que outros, uns com maior conveniência mediática do que outros, mas todos eles bem à portuguesa.
Quem me conhece bem já me ouviu vezes sem conta  brincar com as licenciaturas que saem como brindes no ‘Skip’. Até os meus filhos já brincam com isso.
Não tenho dúvida que nas idades mais avançadas até terá algo de pedagógico atribuir diplomas através de equivalências. Refiro-me às novas oportunidades que, no meio de tanta facilidade, resulta muitas das vezes em reconhecimentos merecidos. Só que, meus amigos, quem trepa pela política acima, umas vezes com mérito outras com o pseudónimo de ‘boy’ as coisas mais tarde ou mais cedo vêm ao de cima. Então se mexerem em interesses que digam respeito a empresas de comunicação social, como é o caso do ministro Relvas, ó vespeiro...
Sabem uma coisa? Vou-me deixar de pruridos e: como gestor de órgãos de comunicação social e com quase quinhentos artigos/crónicas escritos acho que já posso pedir equivalência para a licenciatura ou melhor para o doutoramento em comunicação social. E como lido constantemente com burros ‘doutores’ quem sabe chega para me equipararem, a par de Alberto João Jardim, a veterinário.
Até um dia destes.
CASTELO

Férias Activas

O Programa ‘Férias Activas’ da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso proporciona, aos mais novos, um conjunto de actividades que englobam, entre outras, idas à piscina, visita a instituições e museus, contacto com diversas profissões, jogos de mesa, assim como a visita a locais de interesse. Mais do que ocupar os tempos livres, a iniciativa dá a conhecer alguns dos locais emblemáticos das Terras da Maria da Fonte, bem como a sua história.
CASTELO DE AREIA
Acidentes
Uma viatura despistou-se, em S. Martinho do Campo, e atropelou vários peregrinos que se dirigiam para o São Bento da Porta Aberta, provocando uma vítima mortal. As vítimas, que seguiam na sua mão, usavam coletes reflectores e foram apanhadas pela viatura desgovernada. Neste mês de Julho e Agosto, são muitos os peregrinos que percorrem as nossas estradas em direcção ao S. Bento da Porta Aberta, cumprindo as suas promessas.

Castelo: Obras de requalificação Concluídas

Dinamizar o turismo local

O  Castelo da Póvoa de Lanhoso sempre desenvolveu um papel preponderante no turismo local. É essa aposta que a autarquia  de lanhoso deseja manter com as obras de requalificação e conservação efectuadas no espaço.
As obras de requalificação centram-se na torre de menagem do castelo, com a remodelação da área museológica e com a instalação de luz eléctrica, o que vai permitir a rentalibização do espaço com a realização de espectáculos de animação nocturnos.
Para Fátima Moreira, vereadora da cultura e do turismo da autarquia da Póvoa de Lanhoso, a requalificação do castelo é importante na medida “em que vai consolidar a estratégia que o município tem vindo a adoptar, onde assume o castelo como porta de entrada do concelho em termos turísticos e do património”. A vereadora sublinha, ainda, que, “o castelo é preponderante na economia da região, já que as pessoas que vem assistir aos espectáculos realizados no Monte do Pilar, vão comer e pernoitar na Póvoa de Lanhoso, o que irá gerar claros di-videndos para a economia local.
O fim da conclusão das obras foi assinalado com uma cerimónia de abertura de uma exposição retrospectiva de pintura sobre o Castelo de Lanhoso, localizada na praça central do castelo. A cerimónia serviu ainda para a apresentação do vídeo ‘Castelo de Lanhoso’, bem como da programação de verão, que irá preencher e animar o espaço. A inauguração encerrou com excertos da produção ‘O Desejado - El Rei D. Sebastião’.
A realização da obra só foi possível através do esforço da câmara da Póvoa de Lanhoso e da ajuda financeira do programa QREN.

Projecto já está em execução no concelho

PROVE já entrega cabazes

Os produtos hortícolas e frutícolas, oriundos de produtores do concelho, já chegam à mesa das famílias povoenses, fruto do projecto PROVE, que já está em execução no concelho da Póvoa de Lanho-so. Às sextas-feiras, entre as 17h30 e as 18h30, os vários cabazes são entregues aos consumidores inscritos no projecto.
Com um peso entre os cinco e os nove quilos, consoante a escolha do consumidor, cada cabaz integra legumes para a sopa e salada, assim como frutas e até ervas aromáticas.
Do quintal dos pequenos produtores saem os produtos frescos directamente para a mesa dos consumidores, numa oferta em que a relação preço qualidade é muito atractiva, conforme dá conta a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, em nota de imprensa.
Contribuir para a revitalização dos meios rurais e dos circuitos de proximidade, articulando produtores agrícolas locais e consumidores é um dos objectivos do projecto, promovido pela ATAHCA (Associação de Desenvolvimento das Terras Altas do Cávado e do Homem), com a mediação e apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso através do Gabinete de Apoio ao Bioagricultor.

Consumidores e produtores satisfeitos
A vereadora da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Fátima Moreira, é uma das consumidoras e destaca as vantagens do projecto. “Agora sei que os produtos que consumo são produtos com qualidade e, acima de tudo, de produtores locais, produzidos com os devidos cuidados. São produtos de confiança”, refere, salientando que “em casa, já sentem a diferença. Os produtos são melhores e consumimos mais legumes”. Além disso, refere que começou a utilizar as ervas aromá-ticas que vêm no Cabaz. “As crianças já sentem a diferença, pois começámos a comer mais legumes. Também já fazemos chá com as ervas aromáticas. Tudo é melhor e conheci produtos que não conhecia como o limonete”. Maria José Lourenço também já está inscrita como consumidora. “Relativamente aos produtos estou muito contente e a qualidade dos mesmos é superior aos que habitualmente comprava e além disso isto é uma forma de apoiar os produtores locais. Sempre que possível divulgo esta iniciativa junto dos colegas e até já consegui que uma se inscrevesse”, refere. Esta professora também já explicou aos filhos o porquê desta iniciativa e a razão de ter aderido. Elvira Santos também participa. “Estou muito contente com esta iniciativa. Noto que estes produtos são mais frescos. E gosto de ver os produtores locais a vender estes produtos”, considera, revelando que já divulgou o projecto a familiares e que estes também vão aderir. Marco Abreu também é consumidor. “O principal propósito de ter aderido é, sem dúvida, apoiar o produtor local. Estamos muito contentes com os produtos”, salienta, considerando positiva esta iniciativa e referindo que “a forma mais rápida de dar a volta à economia começa por aqui”.
Da parte de quem produz, as expectativas são boas. Maria Emília, 42 anos, de São João de Rei, é uma das produtoras aderentes. Depois de ter to-mado conhecimento deste projecto, frequentou a formação e as reuniões preparatórias, tendo resolvido aderir por acreditar nesta medida, já que dispunha de terreno disponível, com árvores de fruto e ervas aromáticas. Participa porque quer rentabilizar os seus terrenos e alargar o cultivo. João Domingos Silva, 37 anos, de Friande, já é empresário agrícola pelo que o cultivo não é novidade. Salienta que já produzia, mas que agora já vende. Refere ainda que tem mais terrenos e que está preparado para aumentar a produção e até alargar os terrenos. “Gostaria de ter estufas para poder produzir mais”, afirma ainda. Isabel Oliveira, 27 anos, de Taíde, produz em terrenos próprios. Tem uma pequena horta e decidiu participar para poder escoar todos os produtos que tem nos seus terrenos. Pretende produzir e vender mais.

Rotary Clube

Fátima Moreira preside

O  Rotary Clube da Póvoa de Lanhoso realizou na terça-feira, dia 10 de Julho, a cerimónia de transmissão de tarefas, com Fátima Moreira a suceder, no cargo de presidente do clube rotário, a António Lourenço.
A cerimónia, realizada pelas 20h30, na Quinta Maria da Fonte, contou com a presença de elementos do clube rotário povoense, assim como de outros clubes rotários da região, nomeadamente o Rotary Clube de Braga, Braga Norte, Guimarães, Caldas das Taipas e Fafe, que não deixaram de se associar a um dos momentos mais importantes da actividade rotária: a transmissão de tarefas.
O momento de transmissão de tarefas integrou, também, a entrega do diploma de sócio-honorário do Rotary Clube da Póvoa de Lanhoso a Lima Marques, past-governador. António Lourenço convidou Cristiano Lopes, primeiro presidente do rotary povoense, para o acompanhar na singela distinção a Lima Marques.
No passar de testemunho, António Lourenço, deu conta do cumprimento dos obje-ctivos traçados para este ano um ano em que se procurou a sustentabilidade no número de sócios, mais do que novas entradas, bem como a solidificação do projecto da Universidade Sénior.
O trabalho das companheiras Rosa Maria e Magda Taxa, no âmbito da Universidade Sénior, foi também destacado por António Lourenço.
“O Rotary Clube da Póvoa de Lanhoso está a dar passos significativos de representatividade na sociedade da Póvoa de Lanhoso. Tenho a certeza que Fátima Moreira irá fazer um bom trabalho”, salientou António Lourenço, na passagem de testemunho.
No início da sua intervenção, a nova presidente do Rotary Clube da Póvoa de Lanhoso, Fátima Moreira, deixou uma mensagem de “reconhecimento público a todos quantos ao longo destes 16 anos de vida deste clube contribuíram para a sua construção, sobretudo para aquilo que somos neste momento”.
Fátima Moreira agradeceu ainda “o empenho, dedicação e trabalho voluntário que todos os rotários e as suas famílias têm demonstrado, fazendo deste clube um activo membro do Distrito 1970”.
“A paz através do serviço” é o lema para o novo ano rotário. “Somos agora desfiados a servir e, através desse serviço, encontrar a paz”, referiu a nova presidente.
Referindo que os clubes, ao nível local, necessitam de sair da sua linha de conforto, Fátima Moreira salientou a necessidade das reuniões serem mais produtivas e dos clubes adaptarem-se à nova realidade e às novas gerações.

Para contactar com os mais jovens

JS iniciou ‘Roteiro Concelhio’

Com o objectivo de contactar com a população, em especial com os mais jovens, a Juventude Socialista da Póvoa de Lanhoso iniciou, no dia 7 de Julho, um roteiro pelo concelho.
O ‘Roteiro Concelhio’, como assim se designa a iniciativa, prevê, e de acordo com os responsáveis da JS, a visita a todas as freguesias do concelho da Póvoa de Lanhoso.
“A JS defende e encara o desempenho desta missão com a pro-actividade indispensável para credibilizar a política e mostrar que é possível mobilizar os cidadãos, em especial os jovens, para os desafios futuros”, refere Gilberto Anjos, coordenador da Juventude Socialista da Póvoa de Lanhoso.
Esperança, Sobradelo da Goma e Brunhais foram as freguesias visitadas no arranque do ‘Roteiro Concelhio’.
“A principal conclusão a que os elementos da JS chegaram foi a de que estas freguesias são sem dúvidas as que mais têm sentido o abandono por parte da população mais jovem. Se nada for feito o envelhecimento das mesmas poderá não ter retorno”, pode ler-se na nota de imprensa.
“Os principais locais visitados foram a praia fluvial e o campo de futebol em Esperança (infra-estruturas claramente degradadas pelo pouco uso); alguns caminhos pedestres e a zona do Pontão em Sobradelo da Goma e a antiga escola primária e o Lar Estrela do Paraíso, em Brunhais, no qual a JS se apercebeu que o investimento particular que veio ajudar a colmatar uma lacuna do nosso concelho teve muitas promessas por parte da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, e nenhuma delas foi concretizada”, referem os responsáveis da JS.
Para o dia 18 de Agosto está agendada a visita às freguesias de Galegos e Vilela.

S. Martinho do Campo: condutor fugiu...

Peregrinos atropelados

— Um morto e cinco feridos

Uma mulher morreu e cinco pessoas ficaram feridas, num acidente ocorrido na madrugada de domingo, em São Martinho do Campo, na Póvoa de Lanhoso.
O condutor pôs-se em fuga, mas acabou por apresentar-se na GNR, em Braga, mais de 48 horas depois, levando consigo a viatura envolvida no acidente mortal.
Pouco passava das 00.30 horas de domingo quando seis pessoas, que integravam um grupo de cerca de 20 peregrinos, foram colhidas por um automóvel que se despistou.
Segundo relato de testemunhas no local, o automóvel seguia no sentido Taipas - Póvoa de Lanhoso, quando se despistou e colheu as pessoas que seguiam na cauda do grupo, no sentido contrário, com destino ao santuário de São Bento da Porta Aberta, em Terras de Bouro.
Uma das mulheres, de 48 anos, residente em Pevidém (Guimarães), teve morte imediata.
“Quando vim ao portão vi logo que a senhora estava morta. Os outros feridos estavam espalhados pela estrada”, relatou ao ‘Maria da Fonte’ (MF), uma testemunha.
Um outro habitante disse ter ouvido uma das vítimas a dizer ao condutor: “ah, ladrão, tu mataste o pessoal todo”.
Segundo a mesma fonte, depois de chocar com o grupo, “o carro ficou de frente para o passeio, ele depois meteu a marcha-atrás e foi embora.”
O condutor pôs-se em fuga e a GNR, através do Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação (NICAV) do Destacamento de Trânsito de Braga estava já no seu encalço quando este se apresentou na GNR de Braga, acompanhado pelo advogado.
O condutor - um homem de 37 anos residente em Oliveira Santa Maria, concelho de Vila Nova de Famalicão - foi constituído arguido e sujeito a termo de identidade e resiência.
O automóvel da marca - um Nissan Almera de cor cinzenta - foi submetido a perícia pelo Núcleo de Apoio Técnico (NAT) do Comando Territorial de Braga da GNR para recolha de indícios.
O inquérito prossegue pela mão do NICAV. No local do acidente, estiveram os bombeiros da Póvoa de Lanhoso e das Taipas, as VMER’s de Braga e Guimarães e a GNR da Póvoa de Lanhoso.
A zona onde ocorreu o acidente é considerada perigosa pelos moradores da zona.
Uma longa recta, no sentido Póvoa de Lanhoso - Taipas, termina numa curva à direita e contra-curva, levando os condutores a circularem com alguma velocidade e a realizarem manobras de emergência para manterem os carros na estrada. No sentido contário, uma depressão existente em plena curva, já ocasionou alguns despistes.
Os moradores acreditam que tenha sido isso (aliado a algum eventual excesso de velocidade) a causar o despiste. Além disso, o troço onde aconteceu o acidente não dispõe de passeio nem berma num dos lados da via.

Promovido pela Câmara Municipal

‘Férias Activas’ são um sucesso

Promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através do Espaço Jovem, o Programa Férias Activas é já um programa de sucesso. Visando ocupar os tempos livres dos mais novos, por ocasião das férias escolares, a iniciativa tem cativado o interesse de muitos pais. A qualidade do programa apresentado, com actividades de carácter desportivo, lúdico e pedagógico é um dos factores de sucesso do ‘Férias Activas’.
Limitado quanto ao número de participantes, por razões de logística, o ‘Férias Activas’ vem solucionar o problema de alguns pais por ocasião das interrupções lectivas e assume-se como uma excelente alternativa para ocupar os tempos livres dos mais jovens.
Iniciado a 2 de Julho, o Programa ‘Férias Activas Verão’ estende-se até ao final de Agosto, regressando, posteriormente, aquando das interrupções por ocasião das férias de Natal e Páscoa.
“A nossa preocupação é com as pessoas. Constatamos, na generalidade, que os pais têm alguma dificuldade em ocupar os filhos nas interrupções lectivas. Há alguns anos atrás, começamos, no Centro Ambiental de Calvos, com algumas actividades e, depois, resolvemos criar o Programa Férias Activas. Aí, a iniciativa ganhou outro alcance, outra projecção e outra qualidade”, explica Gabriela Fonseca, vereadora da Juventude e Desporto.

Balanço muito positivo
Quanto ao balanço da iniciativa, Gabriela Fonseca aponta que “o balanço é muito positivo”.
“Em todas as interrupções, as semanas têm estado sempre cheias. Temos um limite de inscrições, que é condicionado pelos funcionários que temos disponíveis e afectos às Férias Activas, de forma a que as crianças e jovens sejam bem acompanhados”, explica a vereadora da Juventude.
A qualidade das actividades proporcionadas às crianças e jovens é  destacada por todos. “Procuramos diversificar as actividades. Há sempre uma ou outra que poderá repetir-se, de uma interrupção para a outra ou de um ano para o outro, mas tentamos diversificar ao máximo. Ao longo da semana, têm actividades lúdicas, recreativas, culturais, pedagógicas e desportivas. Estamos a falar da visita a instituições do concelho, como os Bombeiros Voluntários e a GNR, como idas à piscina, jogos de mesa, ateliers de reciclagem, piqueniques, mini-cruzeiro no Douro e a visita a museus”, dá conta Gabriela Fonseca, revelando que a verba paga pelos pais apenas se refere ao custo de entrada em alguns dos locais visitados, como os museus ou o Parque Biológico de Gaia.
“A restante verba é suportada pela Câmara. Tem um custo social, que é suportado pela Câmara, quer com os transportes, quer com os funcionários que os acompanham”, revela Gabriela Fonseca.

Inscrições limitadas
As inscrições, em cada semana, estão limitadas a 20 crianças e jovens. Gabriela Fonseca considera que se o limite fosse maior teriam certamente mais participantes. “A ideia que tenho é que se tivéssemos capacidade para uma resposta maior teríamos mais crianças e jovens a participar. Por outro lado, há uma certa fidelização dos pais e das crianças a este programa. Quem faz um, acaba por fazer os outros”, explica.
Através dos relatórios entregues pelos funcionários afectos ao ‘Férias Activas’ e dos inquéritos de satisfação preenchidos pelos pais, a vereadora Gabriela Fonseca vai-se inteirando da opinião dos pais e da forma como decorrem as actividades.
“Tenho esse feedback, indirectamente, através do relatório que me é enviado e ele é muito positivo. Daí que, os pais continuam a depositar confiança nas pessoas que estão à frente do Programa Fé-rias Activas e continuem a colocar lá os seus filhos por-que sabem que estão bem entregues, em segurança e têm um conjunto de actividades que são muito interessantes para os seus filhos”, revela.
Para além da visita a empresas do concelho, como forma de dar a conhecer algumas profissões, o Programa Férias Activas contempla a visita a locais e instituições do concelho, nomeadamente à Câmara Municipal, Castelo de Lanhoso, Sala de Interpretação do Território, Bombeiros Voluntários e GNR.
“É uma forma dos mais novos s conhecerem o concelho e as suas instituições e perceberem melhor a história de alguns monumentos”, revela Gabriela Fonseca.

Qualidade é razão de sucesso
“Inicialmente, o ‘Férias Activas’ destinava-se a ocupar as manhãs e as tardes e não incluía almoço. Alguns pais sentiram a necessidade de que também almoçassem.  Os que querem, podem almoçar. Temos dois preços, com almoço e sem almoço”, adianta.
A qualidade é pois apontada como uma das razões do sucesso do programa.
“Ao fazer, fazemos com qualidade. O que fazemos, queremos fazer bem, com qualidade e segurança. Procura-se que o programa, para além de diversificado, vá ao encontro daquilo que as crianças mais gostam mas também, de alguma forma, sejam pedagógico, mesmo sem o parecer. Tenta-se que seja o mais diversificado possível”, revela a vereadora da Juventude e Desporto.

‘Férias Activas’

Pais e crianças satisfeitos

A visita aos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso foi uma das iniciativas que mais cativou o Lucas Vieira, de 8 anos, residente na vila da Póvoa de Lanhoso. Foi a mãe quem, no ano passado, teve conhecimento da existência do Programa Férias Activas, promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
O Lucas experimentou e gostou. Este ano, repete a participação. Jogar à bola é um dos seus desportos favoritos e o Lucas sonha, um dia, vir a ser futebolista. As várias visitas foram também do agrado deste jovem povoense. Quando aqui chegou, apenas conhecia dois dos participantes. Agora, são vários os amigos que ganhou ao longo destes dias. Para além de gostar das várias actividades, o Lucas aponta também a grande ajuda dada por todos os monitores do Programa Férias Activas.

Águas Santas

Junta proporcionou passeio

A Junta de freguesia de Águas Santas organizou, no passado sábado, dia 21 de Julho, o tradicional passeio da freguesia, aberto a todos os moradores. Tratou-se, de mais um momento de convívio entre os habitantes da freguesia. O destino deste ano foi Ponte de Lima, com visita ao santuário de Nossa Senhora da Boa Morte, onde aí se realizou o tradicional almoço-convívio. O momento, que já se vem repetindo há vários anos, promoveu o convívio e o estreitar dos laços de ami-zade entre os moradores da freguesia de Águas Santas. A finalizar o almoço-convívio, a Junta de Freguesia presenteou os participantes com um bolo comemorativo, com vista a assinalar mais uma edição do passeio-convívio.

Festa de S. Bento Os momentos religiosos da Festa de S. Bento, em Águas Santas, estão assegurados para este ano de 2012, quando alguns apontavam que a festa não se iria realizar. Na missa vespertina de sábado, dia 7 de Julho, o padre Elias Amaral apelou à compressão e colaboração de todos os moradores, revelando que um grupo de festeiro decidiu levar em frente a festa em honra de S. Bento. Os momentos religiosos são uma certeza. Quanto à parte lúdica, aguarda-se por novidades, uma que o grupo de festeiros realizou, no domingo, dia 8 de Julho, um peditório pela freguesia.

Olímpicos e Paralímpicos

Atletas recebidos na AR

Os atletas da selecção Olímpica e Paralímpica, acompanhados dos respectivos técnicos, foram recebidos, no dia 13 de Julho, pelo presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e pela primeira-dama, Maria Cavaco Silva. A recepção aos atletas de Jogos de Londres 2012 teve lugar no Palácio de Belém, em Lisboa. Depois da recepção pelo Presidente da República, os atletas dirigiram-se para S. Bento, onde aí foram recebidos pela Presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves.
“Os dois atletas paralímpicos do Sporting Clube de Braga, José Carlos Macedo e Domingos Vieira, acompanhados por Roberto Mateus e Paulo Morais, integraram a comitiva oficial. Para além desta recepção pelos mais altos magistrados do país, José Carlos e Domingos Vieira, integrados na comitiva paralímpica, foram recebidos ainda pelo presidente da Câmara Municipal de Loures”, destaca a secção de Desporto Adaptado do Sporting de Braga.
A delegação paralímpica portuguesa conta, actualmente, com 17 atletas seleccionados, ficando a faltar a selecção dos restantes 13, que totalizarão os 30 atletas a representar Portugal nos Jogos Paralímpicos. De entre os vários atletas da selecção Paralímpica encontra-se o povoense Domingos Vieira, que participa na modalidade de Boccia.

Garantia do presidente do clube, Luís Machado

“Maria da Fonte não vai acabar”

O futuro da equipa sénior do Maria da Fonte não está em causa, apesar de algumas dificuldades de foro financeiro que levaram a direcção, nos últimos dias, a rever o processo de preparação da nova  época. Mas é garantido que o clube vai manter todas as actividades.
Jogadores, equipa técnica e até associados chegaram a  ser informados que a equipa sénior do Maria da Fonte iria apresentar-se para a nova temporada no passado sábado, mas a direcção entendeu adiar o acontecimento depois de uma “análise profunda” ao actual momento do clube.
O treinador, Alberto Fernandes, inclusive, teve de cancelar o primeiro jogo de preparação, programado para o próximo sábado com o Limianos. A incerteza sobre a continuidade da equipa sénior, com plantel já quase definido, chegou a pairar no ar, mas esse panorama está apagado. “O Maria da Fonte não vai acabar”, garantiu Luís Machado.
Adiantou ainda que “não está em causa sequer o futuro da equipa sénior e vamos manter toda a actividade do clube”.
No entanto, o dirigente diz estar “com os pés bem assentes na terra” para planear com rigor a época desportiva. Nos últimos dias tem-se desdobrado em contactos para “obter apoios de vária ordem” por forma a “fazer uma época tranquila e com responsabilidade”. Luís Machado faz questão de salientar que “à semelhança de outros clubes, o Maria da Fonte tem algumas dificulades e de nada vale tapar o sol com a peneira”.

Associação de Apoio aos Deficientes Visuais

I Caminhada Solidária AADVDB

A Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito levará a cabo no próximo dia 5 de Agosto a “I Caminhada Solidária da AADVDB” com o intuito de publicitar a sua existência, dar a conhecer a sua actividade mas principalmente sensibilizar a comunidade para as problemáticas relacionadas com a deficiência visual, promovendo a mudança de atitude da mesma. O encontro está marcado paras as 9h30 na Praça Eng. Armando Rodrigues tendo a caminhada duração de 1h30, sensivelmente, numa extensão de 6,5 km.
As inscrições poderão ser feitas na sede da AADVDB (no Caminho da Moleira, Edifício Póvoa Pão – Moinhos Novos), na ATPL (Associação de Turismo da Póvoa de Lanhoso), na Lavandaria Gémeas, bem como através de email ou telefone. Estas poderão ainda ser efectuadas na data e local da caminhada, pondendo ainda imprimir a folha de inscrição, disponível na nossa página no Facebook, e entregá-la, no dia 5, à organização, juntamente com o montante referido.
A inscrição tem um custo de 3€ e as primeiras 100 pessoas a realizarem-na terão direito a uma t-shirt do evento.
A verba recolhida destina-se ao apoio de pagamento de combustível para transporte dos Utentes da AADVDB, que é assegurado pela Instituição.
Poderá também enviar um donativo para o NIB: 0007 0000 00234093884 23, solicitando o respetivo recibo em: aadvdb@hotmail.com Facebook: www.facebook. com/ aadvdbraga. aadvdb. Telefone: 253 634 792
Manuel Baptista está de volta à presidência da câmara
“Acho que estávamos todos 
com saudades uns dos outros”

PS da Póvoa de Lanhoso
Lídia Vale representa a mudança 

Atleta do Sp. Braga reside em S. João de Rei
Domingos Vieira prepara-se 
para os Jogos Paralímpicos

EDITORIAL


Armindo Veloso


Historinhas

Uma pessoa de quem eu gosto contava-me há dias um pouco da sua história de vida.
Disse-me ele que aos seis anos foi servir para um lavrador. Escusado será explicar o que quer dizer a palavra ‘servir’.
Aos 12 foi para Lisboa trabalhar para um restaurante no Cais do Sodré onde fazia, como é fácil de adivinhar, as tarefas mais básicas.
Dezasseis meses depois, e sem ganhar cheta, servia sopas ao balcão que eram distribuídas do outro lado pelo patrão.
Certo dia, o patrão, como de costume, pediu-lhe uma sopa para um cliente. Depois de a pôr onde sempre as punha, no balcão, o patrão deixou-se ficar a conversar com outro cliente e quando foi servir a sopa ela estava fria. A culpa foi do empregado dele, claro. Depois de pôr uma segunda  sopa, quentinha, no balcão, as coisas passaram-se a papel químico. Aí o patrão desancou-o. Só que, o rapazito, ele, foi buscar a dignidade que tinha, e tem, e pregou com a sopa nas trombas do patrão.
- E eu, ala que se faz tarde...
Fugiu para um outro restaurante de um senhor que entretanto conhecera. Pessoa de outras entranhas, acolheu-o e deu-lhe trabalho pelo qual lhe pagava 600 escudos por mês. Um advogado, cliente desse restaurante, prontificou-se a fazer valer os seus direitos no primeiro. Foi-lhe dito que o trabalho de 16 meses ficava para os pratos que o rapaz partiu.
Hoje esse senhor tem uma família e uma vida lindíssimas em França.
Esta historinha, a par de milhões parecidas com esta, faz-nos bem ouvi-las para relativizarmos certas crises...
Até um dia destes.
CASTELO

Manuel Baptista

Manuel Baptista regressou à Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, depois de quatro meses de ausência, devido a problemas de saúde. Aquando do seu regresso, o presidente mostrou-se com vontade de trabalhar e de lutar pelos interesses dos povoenses. Falando dos problemas que o afectaram, o autarca guarda no coração o apoio recebido dos povoenses e de vários amigos.
CASTELO DE AREIA
Desemprego
São cada vez mais as empresas que fecham as suas portas, fruto dos tempos conturbados que assolam o nosso país, atirando cada vez mais pessoas para o desemprego. A área da construção civil é uma das mais afectadas e são cada vez mais os povoenses que atravessam as fronteiras, procurando novas oportunidades de vida lá fora.

Cuidados Paliativos

ISAVE com pós-graduação

O ISAVE, localizado em Gerás, tem abertas as inscrições para a pós-graduação em Cuidados Paliativas, cujo início ocorre a 21 de Setembro.
“Com um corpo docente reconhecido e dez unidades curriculares, sendo uma delas um estágio numa unidade de cuidados paliativos, a pós-graduação tem uma componente sobretudo prática para dotar profissionais de saúde de diferentes áreas de competências reais em cuidados paliativos”, destacam os responsáveis.
“A Pós-graduação em Cuidados Paliativos do ISAVE surge para dar resposta à necessidade de formação dos profissionais de saúde nesta área e ao desenvolvimento de unidades e equipas de Cuidados Paliativos, tão necessárias e importantes no sucesso da prestação de cuidados à pessoa em fase final de vida”, referem ainda.
Estruturada por módulos, multidisciplinar, os formandos podem inscrever-se em unidades curriculares isoladas, sendo creditados por essas unidades, podendo adaptar a pós-graduação a uma formação avançada nas unidades curriculares: Práticas e Princípios em Cuidados Paliativos, Suporte Efectivo em Cuidados Paliativos, Controlo Sintomático em Cuidados Paliativos, Gestão e Organização dos Cuidados Paliativos, Comunicação e Dinâmicas Interrelacionais em Cuidados Paliativos, Ética e Espiritualidade em Cuidados Paliativos, Investigação em Cuidados Paliativos.
Para licenciados em diversas áreas da saúde, enfermagem, medicina, psicologia, farmácia, serviço social, gerontologias, e para quem desejar aprofundar saber sobre cuidados paliativos, as inscrições decorrem até início de Setembro para um número máximo de 30 vagas.

Actividade decorre no dia 21

Passeio pelo Cávado

No âmbito da iniciativa “Caminhar pelo Concelho” realiza-se no dia 21 de Julho, sábado, o Passeio Pedestre do Cávado, num evento promovido pela Câmara Municipal, através do Posto de Turismo.
“Através de caminhos rurais que se estendem desde S. João de Rei a Verim, num percurso não muito exigente, com cerca de 7 km, alcançaremos, nas margens do Rio Cávado, a pujante «Boca de Saída», obra do Homem que «desvia» a natureza. Daí, rumaremos a norte, por caminhos abrigados pela floresta e ao som das águas que nos guiam até à Praia Fluvial de Verim”, revelam os responsáveis.
O encontro está agendado para as 9 horas, na Praça Engenheiro Armando Rodrigues, na vila, com a autarquia a assegurar o transporte até ao local do início do passeio. A participação é gratuita.
Depois do Passeio pelo Cávado, segue-se, no dia 18 de Agosto, o Passeio do Ave, e, no dia 25 de Agosto, um Passeio Nocturno.

Quatro meses depois dos problemas de saúde

Manuel Baptista de regresso...

Foi um Manuel Baptista tranquilo que o “Maria da Fonte” encontrou, na tarde de terça-feira, dia 3 de Julho, minutos antes da realização da reunião de Câmara.
Quatro meses depois dos problemas de saúde que o afectaram, decorrentes de uma intervenção cirúrgica, o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso mostra-se apto para desempenhar as suas tarefas, no comando do executivo camarário povoense. No coração, guarda o apoio da população, amigos e familiares, apoio esse fundamental para a sua rápida recuperação.
A força de vontade e o empenho são, também, dois dos segredos da rápida recuperação. Desde há cinco semanas que Manuel Baptista participa em sessões de fisioterapia, com vista a adquirir massa muscular.
“Tenho que agradecer muito pelo facto de não ter ficado com mazelas. Com os tratamentos, com as intervenções que tive consigo estar a 100%”, refere o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. Para trás, ficam os quatro meses de ausência marcados, como contou aos jornalistas, por três intervenções cirúrgicas e dois meses e meio de coma induzido.
“Estive quase dois meses e meio em coma induzido. Tive que fazer três cirurgias, foi complicado mas tudo foi ultrapassado. Neste momento, já não penso no passado mas penso no presente e no futuro. Em termos de saúde, sinto-me bem”, revelou o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.

Forte onda de solidariedade deixou o autarca 
emocionado e agradecido
A onda de solidariedade, que extravasou as fronteiras do concelho, deixa Manuel Baptista emocionado. “Dá-me energias e forças para outros voos e para outras iniciativas”, revela o presidente povoense, destacando o apoio e o carinho recebido nos últimos tempos.
Hoje, Manuel Baptista foca a sua atenção no presente e na Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. Reassumindo a presidência da autarquia, Manuel Baptista salienta que “nestes quatro meses muita coisa mudou”, pelo que, junto dos vereadores da autarquia, irá inteirar-se nos próximos tempos das alterações opera-das.
“Vou retomar as minhas ta-refas. Com estas mudanças todas do governo, tudo tem que ser pensado ao milímetro. Para mim, o importante é lutar pelos interesses dos povoenses”, destacou Manuel Baptista.
Com menos trinta quilos de peso, o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de La-nhoso parece já ter ultrapassado os problemas relacionados com a tensão arterial que o apoquentavam antes da realização da cirurgia. Com menos peso, mas com a boa disposição e o sorriso que o caracterizam, Manuel Baptista mostra-se pronto para tomar conta do leme da autarquia da Póvoa de Lanhoso.

Manuel Baptista abre o coração e fala do futuro

“Acho que estávamos todos
com saudades uns dos outros”

De regresso ao comando da autarquia povoense, Manuel José Baptista abre o coração ao ‘MF’ depois de um período complicado da sua saúde. Restabelecido do precalço, o presidente está com a força do costume para continuar a sua missão na Câmara Municipal.

Maria da Fonte - Está de regresso à Câmara Municipal, depois de quatro meses de ausência, devido a problemas de saúde. Como foi este regresso?
Manuel Baptista - Foi muito emotivo, senti um carinho enorme por parte dos trabalhadores da autarquia e de muitos povoenses que vieram à câmara para me cumprimentar. Acho que estávamos todos com saudades uns dos outros. Foi bom, foi um regresso com vontade de trabalhar e de continuar o projecto.

MF - Neste período de tempo, teve oportunidade de se inteirar dos assuntos mais prioritários da autarquia?
MB - Claro que sim. Os vereadores foram incansáveis e diariamente tinha informações das questões mais importantes e das alterações profundas ocorreram na ges-tão municipal e que são agora a nossa prioridade. 

MF - A lei dos compromissos e as novas regras do QREN podem condicionar os investimentos da autarquia. Já está a par destes assuntos? Que implicações têm nos projectos da autarquia?
MB - Todos já percebemos que o país está a sofrer muito em consequência de ter chegado quase à bancarrota. É bom não esquecer que há pouco mais de um ano o anterior Governo pediu ajuda externa para poder pagar as despesas do Estado. Isso levou a que hoje toda a administração pública e o sector privado tenham de se adaptar a uma nova realidade. O país não tem recursos e por isso as autarquias serão também afectadas. As novas regras que referiu e em especial a Lei dos Compromissos, não deixam a autarquia tomar as decisões livremente pois estamos condicionados a vários níveis. Infelizmente, como já o tenho dito publicamente, os próximos anos serão de grande dificuldade e a autarquia terá de se adaptar a estas novas realidades. Não tenho dúvidas que teremos de fazer opções e que os apoios da autarquia serão muito afectados, mesmo contra a nossa vontade. Não se trata de uma opção, são regras que teremos de cumprir.

MF - Durante estes meses, foram várias as mensagens de apoio deixadas pelos povoenses nas redes sociais. Quer deixar alguma mensagem a todos eles?
MB – Tenho tentado responder a todas essas mensagens e é com muita emoção que reforço os agradecimentos a todos que tiveram essa atenção. Esse carinho demonstrado tem sido muito importante na minha recuperação e tem sido uma grande ajuda para a minha família. Estou profundamente agradecido a todos.

São Martinho do Campo

Festas Sr.ª Rosário e S. Frutuoso

A freguesia de S. Martinho do Campo vive, de 27 a 30 de Julho, as tradicionais festividades em honra de N.º Sr.ª do Rosário e S. Frutuoso. Jorge Ferreira é a grande atracção das festividades.
No primeiro dia, as atenções centram-se no conhecido grupo “Minhotos Marotos”, que prometem trazer muita animação.
No sábado, a partir das 8 horas, os bombos “Os Baketas” percorrem os vários lugares da freguesia. A procissão de velas, pelas 22 horas, com Sermão a N. Sra. do Rosário, é o acto em destaque. Segue-se a actuação do trio “Zona Minho”, às 23 horas, e do artista Jorge Ferreira, às 23h30. Depois da sessão se fogo, às 00h30, continua a actuação do trio “Zona Minho”.
A missa cantada, em honra da Sra. do Rosário, com pregação em honra de S. Frutuoso, tem lugar pelas 11 horas de domingo, principal dia de festejos. Às 14 horas, entra no recinto as Bandas de Música de Calvos e dos Bombeiros Voluntários da P. Lanhoso e às 16 horas, é a vez da Fanfarra dos Escuteiros de Louredo.
Depois da oração da tarde, às 17 horas, realiza-se, às 17h30, a grandiosa procissão, abrilhantada por diversos andores e figurantes, alusivos às figuras vivas da ‘Mesa dos Apóstolos’.
Findo o acto religioso, tem lugar um grande concerto pelas duas bandas de música, numa actuação que se estende até às 24 horas.
O último dia de festa, no dia 30 de Julho, segunda-feira, é dedicado ao emigrante, como missa, pelas 20h30.

Lídia Vale ganhou concelhia do PS

“Vencer autárquicas de 2013...”

Maria da Fonte - Que razões a levaram a apresentar uma lista à Comissão Política concelhia do PS?
Lídia Vale - Encabecei uma lista composta por 78 militantes que corporizaram uma proposta de revitalização para o Partido Socialista da Póvoa de Lanhoso. Eu fui simplesmente o rosto da vontade desses e de muitos outros militantes. A minha candidatura não foi individual até porque sempre tive uma grande apetência por projectos colectivos. O PS tem na sua génese a vontade e preocupação de trabalhar em conjunto com todos: militantes, simpatizantes e sociedade civil, na prossecução do bem comum. Pensamos e trabalhamos em conjunto com quem se sente bem com esta filosofia de vida. Foi assim até agora e continuará a ser assim no presente e futuro. Esta foi só a primeira de muitas etapas que teremos que percorrer. Vencer as eleições autárquicas de 2013 é outra etapa, bem mais importante. Este é um processo que não parará.

MF - Venceu por 4 votos. Que comentário lhe merece o resultado alcançado?
LV - Uma eleição que mobiliza perto de 5% dos eleitores povoenses revela que o PS é uma grande força na P. Lanhoso. O nosso slogan durante a campanha foi ‘PS - Força Positiva’. Foi isso que o PS foi nestas eleições, uma enorme ‘Força Positiva’. Quem ganhou foi todo o PS. A partir de agora, executaremos tudo a que nos propusemos e para que fomos eleitos, essencialmente no que toca a apresentarmos um projecto inovador e vencedor para as próximas eleições autárquicas em 2013.

MF -  Já há muito que não se via uma eleição tão disputada. Tal facto não poderá provocar divisão?

LV - Esta eleição demonstra que no PS se respira democracia e pluralismo. Quem tem propostas alternativas deve apresentá-las e deixar que sejam os militantes a decidir o caminho a seguir. Infelizmente, nem todas as organizações políticas funcionam assim. Há partidos que continuam fechados e onde não se pode pensar ou agir de forma diferente da maioria. Por vezes surgem publicamente testemunhos dessa triste realidade… Mas todos os socialistas povoenses sabem que no PS prevalece a democracia e que não há vencedores nem vencidos. Há socialistas, homens e mulheres livres, muito orgulhosos do seu partido e da sua terra, que sabem respeitar os resultados de uma eleição interna e que têm a consciência plena de que só a união faz a força. O PS conta com todos e cada um, para garantir o sucesso deste novo tempo e para afirmarmos seriamente o PS como alternativa política ao actual executivo camarário. Só um PS uno e coeso conseguirá objectivar e levar a cabo um projecto que culmine num futuro de sucesso. O PS é de todos e como já foi referido é uma ‘Força Positiva’. A política é a arte de somar, e nós saberemos aproveitar a grande militância que se sentiu nesta eleição para lançar o partido com segurança, para voos bem mais importantes para todos como é a eleição autárquica de 2013.

MF – A palavra mudança é muito associada à sua candidatura...
LV - O slogan associado à nossa candidatura era ‘PS - Força Positiva’. É assim que encaramos a nossa acção política, pela positiva. Afirmaremos as nossas ideias pela positiva sempre, sem o habitual criticar por criticar de quem faz oposição, trabalharemos intensamente para afirmar as nossas ideias e as alternativas que temos a propor, estabeleceremos as nossas metas com ambição mas realismo, e faremos o nosso caminho, baseado no respeito e na troca de ideias e opiniões. Mas sempre pela positiva. Estaremos com as pessoas, vamos ouvi-las e de- monstrar-lhes que somos a melhor opção no futuro próximo para o concelho. Colocaremos a Póvoa e os povoenses sempre em primeiro lugar. Esse é o nosso compromisso de honra. Encaramos como sendo deveres do PS, estar, ouvir e ser a voz das pessoas na tentativa de lhes resolver os seus problemas e de lhes dar o conforto e a esperança de uma mudança de realidade. Teremos de fazer uma oposição forte mas absolutamente responsável, não contem connosco para o bota-abaixo inconsequente. Connosco só há um caminho, o caminho da afirmação pela positiva da alternativa que queremos ser. A palavra mudança será utilizada a partir de agora, mas para o exterior. Precisamos mudar o rumo que o concelho tomou nos últimos 7 anos. É hora de mudar e devolver a P. Lanhoso aos povoenses. O PS quer representá-los a partir de 2013 com competência e dedicação. (...)

Assembleia Municipal — Associações:

Subsídios geram discussão

A análise da actividade do município e sua situação financeira; a análise e votação da proposta de Regulamento Municipal de Arquivo; o pedido de autorização para a abertura de procedimentos concursais sob proposta do órgão executivo; a informação sobre os compromissos plurianuais assumidos; a apreciação e deliberação sobre proposta da Câmara Municipal para a aprovação da consolidação de contas da EPAVE; e apreciação e deliberação do acordo de regularização de dívida à empresa DACOP foram os pontos que constaram da última Assembleia Municipal, realizada a 29 de Junho, num acto em que o CDS/PP não se fez representar.
O pedido para a abertura de procedimentos concursais foi o tema quente da sessão, com o período antes da ordem do dia a gerar, também, a troca de “mimos” entre os deputados, com alguns a fazer alusão a “problemas de memória”.
Antes de se partir para a ordem de trabalhos, as atenções estiveram voltadas, de entre outros aspectos, para os protocolos de atribuição de subsídios às associações do concelho, prazos de pagamento a fornecedores, obras nas freguesias, fundos comunitários, reforma administrativa, protoloco com a EPAVE no âmbito das Actividades de Enriquecimento Curricular e a não entrada em funcionamento do Conselho da Comunidade do ACER’s.
No que diz respeito à ordem de trabalhos, o consenso marcou presença quanto ao Regulamento Municipal de Arquivo e ao acordo de regularização de dívida à DACOP. Com a abstenção do PS e os votos favoráveis do PSD, a consolidação de contas da EPAVE foi aprovada por maioria. A abertura dos procedimentos concursais apenas mereceu os votos favoráveis da bancada social-democrata.
A informação prestada pela Câmara Municipal relativamente aos compromissos plurianuais assumidos foi considerada, pela oposição, como escassa.
Os protocolos da Câmara Municipal com as associações do concelho da Póvoa de Lanhoso foi um dos temas abordados por Patrícia Pereira, líder da bancada socialista na última Assembleia Municipal, realizada no dia 29 de Junho. O motivo da abordagem deveu-se a uma reunião realizada no dia 11 de Junho, entre a autarquia e os responsáveis das associações povoenses, de entre as quais se encontra a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso.
“No dia 11 de Junho, a Câmara Municipal reuniu com todas as associações concelhias com o objectivo de cancelar, reavaliar todos os protocolos de subsídios que são atribuídos a todas as associações”, revelou Patrícia Pereira, dando conta que “aquilo que se passou na reunião não foi claro porque ouvindo diferentes pessoas que lá estiveram as interpretações não são as mesmas”.
“Há quem diga claramente que foi dito pelas senhoras vereadoras presentes que os protocolos terminariam e há quem tivesse entendido que não terminariam, que iam ser suspensos pelo prazo de dois meses e reavaliados”, disse ainda Patrícia Pereira.
“Sabemos que a Lei dos Compromissos e os Pagamentos em atraso vêm impor às autarquias uma mudança de hábitos, muitos deles negativos que impunham uma mudança. Contudo, tal não justifica tudo. Não justifica que atropele a cultura, a tradição, a identidade e até a segurança de um povo”, referiu Patrícia Pereira, pedindo explicações à Câmara Municipal sobre o caminho a seguir no que diz respeito aos protocolos de atribuição de subsídios às instituições do concelho.
Revelando que todas as associações têm a sua importância e pegando no caso dos Bombeiros Voluntários, a líder da bancada do PS revelou que “por certo sofrerá um grande abalo na sua estrutura, na sua organização, correndo o risco de por em causa a segurança de todos nós se o subsídio que a Câmara lhe tem atribuído lhe for cortado ou lhe for reduzido”.
“Nós iremos fazer aquilo que estiver ao nosso alcance, fruto daquilo que a lei dos compromissos nos deixar fazer: Nunca foi nossa intenção deixar de apoiar as associações, nomeadamente a dos Bombeiros. Como compreende, neste momento vivemos um grande grau de incerteza. A legislação é diária, é avulsa, pouca clara mesmo no cálculo dos fundos disponíveis não há ainda uma definição definitiva clara quanto a isso… naturalmente que, estamos atentos e tudo faremos para não deixar ficar estas associações desprotegidas”, respondeu Gabriela Fonseca, vice-presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.

Prazo médio de pagamento em discussão
O prazo médio de pagamentos a fornecedores foi outro dos assuntos abordados no período antes da ordem do dia. Citando um jornal do distrito, Patrícia Pereira, do PS, apontou que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso é a autarquia do baixo Minho pior pagadora, com o prazo médio de pagamentos, no final de 2011, a situar-se nos 230 dias.
Destacando os prazos médios de pagamento de outras câmaras municipais, como os casos de Braga, Fafe e Guimarães, a líder da bancada socialista apontou que “esta Câmara Municipal é má paga- dora”, questionando ainda o executivo sobre os motivos de tal situação.    
“Há que ter a noção dos investimentos feitos superiores a 2 milhões e meio de euros e de que, quando entra uma factura num montante elevado, às vezes respeitante a vá-rios autos de medição e enquanto se aguarda o reembolso dos fundos comunitários é natural que o prazo médio de pagamento aumente temporariamente. Ou seja, existe alguma volatilidade no prazo médio de pagamentos”, referiu Gabriela Fonseca, em resposta a Patrícia Pereira.
Contrapondo os dados divulgados por Patrícia Pereira, a vice-presidente da Câmara, munida dos dados constantes da plataforma do SIIAL (Sistema Integração de Informação das Autarquias Locais), referiu que no 4.º trimestre de 2011 no município da Póvoa de Lanhoso era de 129 dias e no 1.º trimestre de 2012 o prazo é de 127 dias.

Gabriela Fonseca: há projectos que vão aguardar

Fundos reprogramados

Os fundos comunitários foram outro dos assuntos debatidos. Perante as últimas notícias vindas a público, fruto da reprogramação dos fundos comunitários, a bancada socialista, através de Patrícia Pereira, solicitou esclarecimentos à Câmara Municipal, no tocante aos projectos concelhios.
A vice-presidente da Câmara Municipal, Gabriela Fonseca, esclareceu que os municípios foram chamados a uma reunião da CCDRN e convidados a, livremente, “deixarem cair ou desistirem” de algumas candidaturas fruto, também, da situação que o país vive e que os municípios vivem.
De acordo com Gabriela Fonseca, os municípios foram “convidados” a deixarem cair aquelas candidaturas que não tenham viabilidade de serem executadas, tendo os municípios manifestarem-se contra tal situação.
“Relativamente à Póvoa de Lanhoso, há candidaturas que caíram por natureza porque as regras do QREN dizem que, depois de uma candidatura aprovada as obras têm que iniciar-se no prazo de 6 meses e concluídas no prazo de dois anos. Uma das candidaturas que a Póvoa de Lanhoso «deixou cair», que não se reflectiu no Plano e Orçamento, foi a da regeneração urbana, que era superior a 2 milhões de euros. De resto, temos em fase de conclusão várias candidaturas que encerram ainda este ano. Relativamente às candidaturas  dos centros cívicos, fizemos essas candidaturas e ainda não foram aprovadas. Teremos que aguardar”, explicou Gabriela Fonseca.

PDM atrasado
Questionado quanto ao estado da revisão do Plano Director Municipal (PDM) da Pó-voa de Lanhoso, Armando Fernandes, vereador da Câmara Municipal, informou que os trabalhos estão atrasados. “Já fizemos uma proposta de ordenamento há mais de dois anos, já reunimos com os presidentes de Junta, que nos deram os seus contributos para essa proposta”, esclareceu, vincando que nas entidades da administração central o atraso é muito e a análise é muito lenta.
Depois de concluído o pro-cesso de análise no terreno, o vereador Armando Fernandes esclareceu que promoverá uma nova reunião com os presidentes de Junta para os inteirar do desfecho do trabalho.

PSD está a elaborar proposta 
para Reforma Administrativa
Na última Assembleia Municipal ficou a saber-se que o PSD povoense está a trabalhar numa proposta relativa à reforma administrativa autárquica.
Por outro lado, pelas vozes de Gabriela Fonseca e Armando Fernandes, sabe-se que a Câmara Municipal não tomará a iniciativa de apresentar uma proposta relativa à reforma administrativa mas não se alheará do assunto, emitindo, como prevê o artigo 11, o competente parecer.
“A Câmara Municipal não tem intenção de apresentar uma proposta. A Câmara terá que dar um parecer se surgir uma proposta, no âmbito da Assembleia Municipal ou de um partido”, explicou Gabriela Fonseca, quando questionada por Patrícia Pereira, do PS. “Entendemos que a questão da reforma administrativa deve ser discutida neste âmbito, no âmbito da Assembleia Municipal. Já houve uma tentativa de entendimento mas fracassou e creio que não por culpa do PSD”, atirou Armando Fernandes.
No papel de vereador da Câmara Municipal, Armando Fernandes, assegurou que não está a fazer qualquer contacto ou a trabalhar na reforma administrativa. “Quem está neste momento a trabalhar a reforma administrativa é o presidente da Comissão Política do PSD, Armando Fernandes”, disse, referindo-se a ele próprio, uma vez que preside à Comissão Política local do PSD.

Câmara: dependem da disponibilidade financeira

PS quer obras para freguesias

Paulo Gago, presidente de Junta de Oliveira, dirigiu-se aos deputados da Assembleia Municipal em nome dos presidentes de Junta eleitos pelo Partido Socialista “relembrando o total esquecimento ou o completo abandono a que este executivo consagrou muitas das nossas freguesias e as suas respectivas populações”.
“Isto muito me entristece porque gostaria de estar aqui hoje a dar os parabéns à Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso pelo seu trabalho, pelas obras realizadas nas freguesias, independentemente da sua cor partidária mas, infelizmente, não o posso fazer. Esta Câmara Municipal é selectiva na execução das poucas e pequenas obras que faz”, atirou Paulo Gago.
O abastecimento de água e a limpeza das estradas municipais foram alguns dos assuntos trazidos a debate. “Os investimentos nas freguesias pararam no tempo”, vincou Paulo Gago.
Respondendo a Paulo Gago, e dando conta das obras realizadas nas freguesias nos últimos anos, a vice-presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso lembrou que “os investimentos nas freguesias são feitos de acordo com as disponibilidades financeiras e as prioridades defendidas”.
“Naturalmente, que gostaríamos de ter feito muito mais e contamos fazer se assim nos for possível”, disse ainda Gabriela Fonseca.
“Era nosso desejo que a rede de água e saneamento fosse mais alargada do que aquilo que é hoje. Os constrangimentos económicos da empresa gestora das águas em alta tem, também, contribuído para que o alargamento da rede não seja tão célere quanto aquilo que seria desejado. No entanto, fruto das nossas disponibilidades e mediante as nossas disponibilidades vamos fazendo aquilo que nos compete no alargamento da rede em baixa mas temos dado prioridade, fundamentalmente, áquilo que entendemos que é prioritário e entendemos que é prioritário neste momento o equilíbrio das contas”, explicou Armando Fernandes.
Quanto à limpeza de bermas, Armando Fernandes apontou o ano adverso para a limpeza de bermas, referindo que a limpeza das bermas das estradas municipais está algo atrasada.
“A presente proposta não via o aumento do número de trabalhadores da autarquia, não representa, sequer, o aumento de custos. Tem como único objectivo a manutenção de serviços de vital importância para o município. Temos um conjunto de trabalhadores que terminam os seus contratos de trabalho a termo certo no decorrer do último trimestre deste ano. A autarquia, por imperativo legal, não poderá renovar esses contratos e há um conjunto de serviços que ficam em risco se não forem encontradas soluções” explicou Armando Fernandes, vereador responsável pelos recursos humanos, destacando que as áreas que podem ser afectadas se estendem à limpeza urbana, jardinagem, apoio informático à preparação do novo ano escolar, avaliação de desempenho, controlo dos fluxos de gestão documental, georreferenciação, entre outros. Deste modo, a autarquia propõem-se a abrir 23 procedimentos concursais, aos quais poderão concorrer trabalhadores que mantêm com a autarquia um vínculo precário, trabalhadores que estão numa carreira inferior e reúnam as condições ou quaisquer outros candidatos que nunca tiveram qualquer vínculo com a autarquia.
“O compromisso que quero assumir hoje, perante todos vós, é que este procedimento irá decorrer dentro das mais basilares regras da transparência, que este procedimento ira decorrer com absoluto respeito pelos candidatos mas não permitirei nem aceitarei que se use este procedimento concursal como uma arma de arremesso de baixa política…”, referiu ainda o vereador.
O responsável apontou, e referindo a obrigatoriedade de redução de 3% nos trabalhadores, que à data de 31 de Dezembro de 2011 a Câmara Municipal tinha 199 trabalhadores no quadro, tendo que encerrar este ano com 193 trabalhadores, situação que vai acontecer, tendo em conta o número de trabalhadores que se reformaram e os contratos que terminam e não serão renovados.
Patrícia Pereira, do PS, não ficou convencida e apontou que o quadro de pessoal da Câmara é excedentário. “Entendemos que gastar cerca de 4 milhões de euros por ano com o pessoal é muito”, disse, apontando como solução a reorganização dos serviços.
Depois de esclarecido pela Câmara, Nuno Aguilar apontou que a bancada social-democrata votaria favoravelmente. António Carvalho, da bancada socialista, deixou como sugestão, para uma maior transparência nos concursos, a inclusão de um vereador PS no júri dos concursos.

José Luís Machado eleito em lista única

M. Fonte já tem direcção

José Luís Machado é o novo presidente da direcção do Sport Clube Maria da Fonte. Ao acto eleitoral, que decorreu no dia 5 de Julho, apenas foi apresentada uma lista a votação, liderada por José Luís Machado que, na época passada desempenhou as funções de director desportivo do clube.
De acordo com o presidente da Assembleia Geral, o advogado Rui Rebelo, a lista a sufrágio, designada de Lista A - foi eleita com 44 votos a favor.
A cerimónia de tomada de posse dos órgãos sociais tem lugar esta sexta-feira, dia 13 de Julho, pelas 21h30, no dia em que o clube celebra o seu 87.º aniversário.
Os órgãos sociais ficaram assim constituídos:

Mesa da AG
Presidente – Rui Manuel de Macedo Rebelo - nº295
Vice-Presidente – João Ferreira Gomes – nº 75
1º Secretário – José Antunes da Silva - nº133
2º Secretário – Fernando Cardoso de Matos - nº472

Direcção
Presidente – José Luís da Cruz Machado – nº 630
1º Vice-Presidente – Francisco Manuel Costa Vieira Martins – nº 538
2º Vice-Presidente – João Carlos da Silva Matos Oliveira - nº 366                        
Secretário-Geral – Luís Gabriel Martins Soares – nº 106
Secretário – Domingos Sérgio Montenegro Rodrigues – nº 433
Tesoureiro – Paulo Jorge Pereira Silva – nº 599               
Vogal – Avelino Cruz Machado – nº 623
Vogal – Manuel Fernando Silva Tinoco – nº 566
Vogal – Augusto Laurentino Alves Henriques – nº 694
Vogal – Armando José Alves Antunes – nº 456
Vogal – Davide Gomes do Vale – nº 613
Vogal - José Gomes do Vale – nº 256
Vogal – José Manuel Fernandes Costa – nº 266
Vogal – Fernando Manuel Alves Vale – nº 859
Vogal – José João Pereira da Silva – nº 420
Suplente – Sandra Raquel Leite Ferreira – nº 986
Suplente – Caroline Helene Machado Lima - nº 987


Conselho Fiscal
Presidente – Arnaldo Francisco Sousa Silva – nº 101
Vogal – José Manuel Lago Moreira - nº 344
Vogal – João Carlos Garcia de Barros – nº 585
Suplente - Jorge Miguel da Rocha Henriques – nº 637
Suplente – Abílio António Pereira de Carvalho – Nº285

Comemorações do 87.º aniversário
O programa comemorativo do 87.º aniversário do Sport Clube Maria da Fonte, no dia 13 de Julho, integra, pelas 10 horas, a cerimónia de Hastear da bandeira, na sede social do clube, seguindo-se a romagem ao cemitério para homenagear os dirigentes, atletas, associados e simpatizantes já falecidos.
Às 19 horas, celebra-se uma missa de sufrágio na Igreja Matriz da Póvoa de Lanhoso.
As comemorações finalizam, pelas 21h30, com a cerimónia de tomada de posse dos órgãos sociais do clube.

Assembleia Geral no dia 26 de Julho
Está agendada, para o dia 26 de Julho (quinta-feira), a Assembleia Geral Ordinária do Sport Clube Maria da Fonte. Com início marcado para as 21 horas, a sessão realiza-se na sede do clube, na Rua Comandante Luís Pinto da Silva, na vila da Póvoa de Lanhoso.
Da ordem de trabalhos consta a análise e votoação do Relatório de Gestão e Contas do exercício/época 2011/2012, bem como o parecer do Conselho Fiscal; e a apreciação, discussão e votação do Plano de Actividades e Orçamemto para o exercício/época de 2012/2013, bem com o parecer do Conselho Fiscal.
“Se à hora designada não estiver presente o número de Associados imposto pelos Estatutos em termos de quorum deliberativo, a Assembleia Geral reunirá, em segunda convocação, no mesmo local e a mesma Ordem de Trabalhos, meia hora depois com qualquer número de Associados presentes”, pode ler-se na convocatória.

Jovem reside em São João de Rei

Domingos nos Jogos Paralímpicos

A Póvoa de Lanhoso estará representada na 14.ª edição dos Jogos Paralímpicos, que se realizam em Londres, de 29 de Agosto a 9 de Setembro. Domingos Vieira, residente em S. João de Rei, e atleta de Boccia, na classe BC4 – individual e Pares, do Sp. Braga, é um dos 5000 atletas que marcam presença na competição. O atleta povoense envergará a camisola da selecção nacional, naquela que é a sua primeira experiência nos Jogos Paralímpicos.
Com 28 anos, Domingos Vieira, que sofre de distrofia muscular, é voluntário na Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da P. Lanhoso, desde 2005. Durante as manhãs é Domingos Vieira quem atende as chamadas de socorro na corporação povoense.
Com o 9.º ano concluído na Escola EB 2,3 Prof. Gonçalo Sampaio, na P. Lanhoso, a atleta de Boccia concluiu um curso de Secretariado, Design Gráfico e Multimédia.
Incentivado por um amigo, Domingos iniciou a sua incursão no Boccia em 2003. Campeão Nacional na época 2010/2011 e Medalha de Bronze na Taça do Mundo em Belfast, Irlanda do Norte, Domingos Vieira conquistou o  4º lugar na Taça da Europa na Noruega (Novembro de 2011)  e o 1º lugar Torneio Internacional da Tunísia.
Actualmente, e com o aproximar da competição, passou de 3 a 5 treinos por semana. A Escola Secundária Carlos Amarante e o Complexo Desportivo da Rodovia são os locais que acolhem a preparação para os Paralímpicos.
A prática desportiva tem sido importante para Domingos Silva, tal como o contacto com os bombeiros.
“Para além de me valorizar, trouxe-me uma forma de estar diferente. É uma forma de ultrapassar as limitações e de provar que sou capaz”, refere o atleta, dando conta da importância do Boccia na sua vida.
“Sinto-me bem. Vai ser uma boa experiência. Vou dar o meu melhor e vamos ver como corre. Estou confiante mas tenho noção que é complicado. Todos os que chegam a esta fase são bons atletas”, adianta, quando confrontado acerca da participação nos Paralímpicos.
Centro Social Teresiano de Verim organizou festa 
Arraial à moda do Minho
 
Em Dialogo faz parceria com o IEFP 
Gabinete de Inserção Profissional

Câmara Municipal dá apoio ao arrendamento 
Famílias receberam subsídio

II Rally Slot Póvoa de Lanhoso no Espaço Jovem 
Carrinhos de pista em destaque

EDITORIAL


Armindo Veloso


Europas

Há duas europas em que eu acredito.
A primeira, uma Europa Federal onde exista uma união política a sério, com um governo central que promova direitos e deveres semelhantes para todos.
Sei que não é fácil dadas as disparidades claras entre cada Povo/Nação/Estado cujas especificidades múltiplas teriam obviamente de ser mantidas. Mas, não tenho dúvidas que com vontade política de líderes europeus, fortes, teriam de ser outros..., não levaria mais de duas décadas a termos no terreno essa grande Europa. Lembremos o que aconteceu com a unificação alemã que ainda foi ontem...
Essa grande Europa, com quase 600 milhões  de habitantes, o dobro dos EUA, bem liderada,  também ultrapassaria em pouco tempo em termos económicos este país e ombrearia com as duas grandes potencias demográficas, a China e a Índia, que se estão a tornar gigantes económicos com especial destaque para a China que já o é.
A segunda, uma Europa das fronteiras, que vi-gorou no passado, onde cada país viva no essencial fechado sobre si próprio. Essa Europa é necessariamente uma Europa muito mais pobre, muito mais egoísta, perigosa e nada solidária.
Uma coisa é certa, só uma destas europas terá futuro.
A que temos, que não é carne nem é peixe, não vai a lado nenhum.
Cá para mim, estes líderes que temos pela Europa fora, e os que a representam nos respectivos órgãos comunitários, querem é viver um dia de cada vez e logo se verá.
Não são líderes destes que glorificam a história dos povos.
Se pensasse como eles, o Sr. Helmut Koll nunca teria reunificado a Alemanha. Que dores de cabeça ele teve; que insónias ele teve. Ah, no final perdeu as eleições.
A história é feita destes líderes!
Até um dia destes
CASTELO

Solidariedade

Mesmo em tempo de crise, os povoenses continuam a ser solidários e a participar nas campanhas de recolha de alimentos do Banco de Voluntariado da Póvoa de Lanhoso.
Com os alimentos recolhidos, o Banco de Voluntariado, através da Loja Social, apoia as famílias mais carenciadas do concelho. Os tempos são de crise mas também de esperança num futuro melhor. Na hora de ajudar quem mais precisa, os povoenses continuam a marcar presença.
CASTELO DE AREIA
Burlas
Uma povoense ficou, há dias, sem 400 euros e um cordão em ouro, depois de ter caído no conto do vigário, confiando nuns indivíduos que se fizeram passar por “doutores” da Segurança Social. A desculpa foi de que as notas de cinquenta euros iam mudar, tal como o contraste do ouro. Na vila e em Serzedelo, duas pessoas foram enganadas com falsas encomendas para familiares. Os esquemas utilizados têm sido divulgados para que as pessoas tomem as devidas cautelas e não caiam no conto do vigário. Todo o cuidado é pouco.

Parceria com o IEFP

‘Em Diálogo’ com Gabinete 
de Inserção Profissional

O Gabinete de Inserção Profissional, resultante da parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, é a mais recente resposta da “Em Diálogo” – Associação para o Desenvolvimento Social da Póvoa de Lanhoso, cuja entrada em funcionamento ocorreu no início deste mês de Junho. A funcionar nas instalações do Centro Comunitário do Vale do Cávado, em Monsul, o GIP (Gabinete de Inserção Profissional) da “Em Diálogo” funciona de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.
Proporcionar à população jovem e adulta o apoio na definição e desenvolvimento do seu percurso de inserção e reinserção profissional, nos jovens ou adultos desempregados, à procura de primeiro emprego, novo emprego ou de oportunidades de formação é o principal objectivo do GIP.
De acordo com a “Em Diálogo” são também objecto de apoio as empresas ou outras entidades à procura de capital Humano (gestão de ofertas de emprego). Desta forma, o GIP coloca ao dispor dos seus utentes intervenções especializadas em diferentes âmbitos, nomeadamente a informação profissional para jovens e adultos desempregados; apoio à procura activa de emprego; acompanhamento personalizado dos desempregados em fase de inserção ou reinserção profissional; divulgação de ofertas de emprego e colocação de desempregados nas ofertas disponíveis e adequadas; encaminhamento para ofertas de qualificação; divulgação e encaminhamento para medidas de apoio ao emprego, qualificação e empreendedorismo; e divulgação de programas comunitários que promovam a mobilidade no emprego e na formação profissional.
“No dia-a-dia, trabalhamos em prol da criação de novos recursos e serviços, ao dispor da comunidade, tendo sempre presente o nosso foco de intervenção: a melhoria efectiva da qualidade de vida dos cidadãos do concelho, com vista à consagração do conceito de cidadania social, que postula o direito ao trabalho, a um rendimento mínimo, ao exercício dos direi-tos e deveres cívicos, à cultura, à participação na vida social e cultural, em suma a uma plena (re) inserção na vida em sociedade”, revela Clarisse Matos Sá, presidente da ‘Em Diálogo’. “Pretendemos ser uma máxima na ajuda à comunidade com problemas de integração e reinserção no mercado de trabalho, além da conjuntura económica do país, pretendemos inverter esta tendência desmotivadora que paira na população desempregada”, revela ainda a presidente da “Em Diálogo”.
O GIP da “Em Diálogo” é o segundo no concelho. Sedeado na freguesia de Monsul, o Gabinete de Inserção Pro-fissional tem como área de abrangência as dez freguesias do baixo concelho (Águas Santas, Monsul, Moure, Ferreiros, Covelas, Friande, Ajude, Gerás, Verim e S. João de Rei), Rendufinho, Frades, Calvos, Serzedelo e parte da freguesia da Póvoa de Lanhoso.
De referir que, para além do GIP, a “Em Diálogo” tem a funcionar um Gabinete de Apoio Social, em Monsul, e possui uma Empresa de Inserção na área da Jardinagem. Esta nova resposta vem, aumentar o leque de ofertas na ajuda aos desempregados do concelho.

Ana Maria Oliveira criou ‘Sentimentos em Poesia’

Professora lançou-se na escrita

Sentimentos em poesia’ é título da obra com a qual a povoense Ana Maria Antunes Oliveira iniciou o seu percurso no mundo da escrita.
Nascida na freguesia de Santo Emilião, na Póvoa de Lanhoso, Ana Maria Oliveira trocou as Terras da Maria da Fonte pela cidade de Braga para prosseguir os estudos.
Depois do Magistério Primário, seguiu-se a licenciatura em Administração Escolar, exercendo, actualmente, a profissão de professora.
As suas raízes não foram esquecidas e, depois da apresentação na cidade de Braga, onde reside, seguiu-se a apresentação no concelho que a viu nascer: a Póvoa de Lanhoso.
Rodeada de amigos de infância e vários conhecidos, Ana Maria Oliveira deu a conhecer, na tarde de sábado, dia 16 de Abril, na Casa da Botica, a sua primeira obra: Sentimentos em Poesia.
Mulher de grande sensibilidade, como ficou comprovado pelo testemunho dos amigos, Ana Maria Oliveira, transportou para o papel os seus sentimentos e as folhas de papel em branco foram preenchidas por simples mas belos poemas.
Os momentos vividos, os pedaços da sua vida, os afectos e os seus sonhos, num entrelaçar da realidade com a fantasia, dão corpo a uma obra onde os temas, segundo a autora, são tratados com levez na alma e apelo ao amor.
A apresentação da obra ficou a cargo de Maria Torcato Baptista. Para além de destacar a ligação afectiva à escritora povoense e à Póvoa de Lanhoso, Maria Torcato Baptista incentivou os responsáveis da autarquia a promover um encontro de escritores povoenses. Na sua intervenção, destacou que a obra tem muito de afecto, coração e sentimentos.
“Este livro é muito da criança que há dentro da Ana, que se transmite em cada poema, que é um pedacinho de vida, um pedacinho dela”, disse Maria Torcato Baptista.
Depois da intervenção da autora, que deu a conhecer o seu percuros de vida e as razões que a levaram a iniciar uma caminhada no mundo da escrita, seguiu-se a intervenção de Fátima Moreira, vereadora da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Destacando que a Póvoa de Lanhoso é uma terra em que o teatro e as artes estão sempre presentes e que o povo deste concelho é um povo que gosta de teatro e das artes, a responsável pela pasta da Cultura revelou que há muita gente a querer ousar através das artes, dando como exemplo o Festival de Talentos.

Pelouro de Acção Social da Câmara Municipal

Famílias receberam subsídio 
de apoio ao arrendamento

Mais de trinta famílias povoenses foram contempladas com o subsídio de apoio ao arrendamento, numa medida que visa apoiar estratos sociais desfavorecidos. A entrega foi realizada, no dia 6 de Junho, nos Paços do Concelho da Póvoa de Lanhoso, pela vice-presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Gabriela Fonseca, e pela vereadora da Acção Social, Fátima Moreira.
“Aquelas responsáveis explicaram o essencial desta medida social de apoio às famílias, procedimentos e esclareceram dúvidas das pessoas presentes, algumas das quais a receber aquele subsídio pela primeira vez”, refere a Câmara Municipal, salientado que os processos aprovados se referem a renovações e, em alguns casos, a novos processos. De entre as informações transmitidas, conta-se a da alteração do valor máximo atribuído que passou de 100 para 75 euros, como forma de se poder beneficiar mais agregados.
Os requerimentos podem dar entrada nos serviços ao longo de todo o ano, não se definindo quaisquer prazos para a entrega dos mesmos. Para além destes e de outros aspectos, foi ainda referido que este apoio tem a duração de um ano poderá ser eventualmente renovável, a requerimento do interessado renovável e que as pessoas que beneficiarem do escalão A também podem solicitar à Câmara Municipal, junto do Gabinete de Apoio ao Munícipe, reduções no âmbito do Tarifário Social de Água e de Lixo,” esclarece a autarquia, revelando que, em 2011, a autarquia investiu cerca 84 mil euros no apoio ao pagamento das rendas às famílias carenciadas do concelho.

Fontarcada

População venerou S. João

Depois do Santo António, na Arrifana, a população de Fontarcada venerou S. João, com os festejos a decorrerem na sua capela, no lugar de Valbom, nos dias 23 e 24 de Junho.
No passado domingo, dia 24, os actos religiosos estiveram em evidência, com a realização da missa, com sermão, em honra de S. João, e da procissão.
“Nós, cristãos, valorizamos muito pouco aquilo que é a vida destas personalidades, destes modelos de homens e mulheres que a Igreja propõe como santos”, recordou o padre Albino Carneiro, responsável pelo sermão alusivo a S. João. “Nós, os cristãos, ficamos normalmente pela festa, pelo exterior, por aquilo que, por vezes, nos faz distrair do essencial. João Baptista não é o santo festeiro, o santo borguista que nós celebramos”, vincou o padre Albino Carneiro.
“João Baptista é o homem da autenticidade, da coerência, da verticalidade, da honra. Devemos aprender de João Baptista a humildade que nos faz grandes perante os outros”, referiu.
Depois da missa e sermão voltados para a vida e o exemplo de S. João Baptista, seguiu-se a procissão, abrilhantada pela Fanfarra dos Escuteiros de Fontarcada, na qual se incorporaram os devotos de S. João Baptista.
O principal dia de festejos ficou ainda marcado pela actuação do Rancho Folclórico Maria da Fonte, de Fontarcada, e do Rancho Rusga de Joane. Uma sessão de fogo encerrou as festividades para este ano de 2012.

Na noite de 17 de junho, na E.N. 2O5

Capotamento em Águas Santas

Uma viatura ligeira despistou-se e capotou, na noite de domingo, dia 17 de Junho, na freguesia de Águas Santas. O capotamento ocorreu na Estrada Nacional 205, na Avenida de Águas Santas. As razões do despiste, seguido de capotamento, ainda estão por apurar mas o excesso de velocidade poderá estar na origem do acidente.
O som do embate alertou os clientes de um estabelecimento comercial que se deslocaram para o local do acidente e verificaram que o condutor não sofreu qualquer ferimento. Os prejuízos estendem-se à viatura e a um muro de uma propriedade.
A viatura, que ficou capotada na via foi depois retirada e deixada na berma. O acidente ocorreu na noite de domingo, dia 17 de Junho, mas só na terça-feira é que o automóvel foi removido.
Na tarde de quarta-feira, dia 20 de Junho, deu-se também um despiste e capotamento de uma viatura ligeira, próximo do lugar de Lacaó, em Monsul. A condutora foi transportada ao hospital devido ao estado de ansiedade em que se encontrava.

Verim em festa com grande tradição

Arraial animou Centro Teresiano

A tarde de sábado, dia 16 de Junho, foi de grande festa no Centro Social Teresiano de Verim.
O arraial minhoto reuniu colaboradores e utentes da instituição, bem como moradores da freguesia, que não deixaram de se associar à festa.
Naquela tarde, pequenos e crescidos subiram ao palco e proporcionaram momentos de grande animação.
Os mais pequenos foram os primeiros a subir ao palco com “Brancas de Neve e os Anões” e a dança rock.
Os mais velhos não ficaram atrás e trouxeram aos presentes as marchas populares e a música pop, com momentos de dança que contagiaram a plateia.
A estes, seguiram-se momentos de ginástica, por um grupo de utentes, assim como a apresentação de  “A tua cara não me é estranha”, por um grupo de jovens; as marchas populares, pelos alunos do pré-escolar; as anedotas, a música e a rábula “Os Homens da Luta”, por um grupo de jovens; assim como a actuação das crianças da catequese, dos alunos finalistas do pré-escolar e do Rancho Folclórico de Verim.
Na freguesia de Verim viveram-se momentos de grande animação, alegria e enorme tradição, numa iniciativa que permitiu o aprofundar dos laços de amizade entre os participantes.

Festival dos Infantários

Crianças foram estrelas na piscina

Realizado na tarde de sábado, dia 23 de Junho, o Festival dos Infantários, organizado pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, na Piscina Coberta, contou com a participação de cerca de cem crianças.
No festival, iniciado pelas 15 horas, as crianças foram as estrelas e deram a conhecer as suas habilidades dentro de água, perante o olhar embevecido de pais e familiares, que ficaram deslumbrados com a agilidade dos mais novos dentro de água.
Sob o olhar atento dos monitores, os mais novos realizaram várias actividades, dando a conhecer o trabalho desenvolvido ao longo do ano.
O momento foi também de convívio entre todos os intervenientes, com momentos de grande alegria por parte dos mais pequenos, que ficaram radiantes por poderem dar a conhecer aos seus familiares as suas aptidões na piscina.
O momento foi também acompanhado pelos professores e educadores de infância das entidades presentes na iniciativa.

Oliveira - Diverlanhoso

Piscinas descobertas abriram

Já estão em funcionamento as piscinas descobertas do Diverlanhoso, o maior parque de desporto aventura da Península Ibérica, localizado na freguesia de Oliveira. As duas piscinas – uma para adultos e uma para crianças – vem alargar o leque de ofertas do Diverlanhoso.
“Rodeadas de espaço verde, em local amplo, as piscinas do Parque Aventura DiverLanhoso, com parte para crianças e para adultos, têm bar e balneário, permitindo a todos os que queiram passar um dia calmo os meios necessários e apropriados. Inseridas no DiverLanhoso, as piscinas também são mais um meio de aventura, ou repouso, depois de um dia que pode ser de adrenalina pura nas múltiplas actividades do parque”, destacam os responsáveis do Diverlanhoso.
“Para a utilização das piscinas há um valor de entrada de seis euros que pode ser redu-zido com a realização de diferentes actividades no DiverLanhoso. Assim, por cada aventura que realize no parque no próprio dia tem o desconto de um euro, o que significa que se realizar seis actividades, pode desfrutar da piscina durante todo o dia, podendo ser o tempo de um banho refrescante o início de mais uma aventura”, referem ainda os responsáveis do Diverlanhoso.