EDITORIAL



Armindo Veloso




AFABILIDADES

Todos nós conhecemos pessoas que são afáveis e até pretensamente amigas, em quem depositamos confiança, e que, na primeira oportunidade, nos desiludem pelo seu carácter.
Há deste tipo de gente em todos os estratos sociais e a desempenhar as mais variadas actividades.
São essas pessoas que devemos temer, não os inimigos declarados. Desses, com maior ou menor dificuldade, sabemos defender-nos.
Em relação aos primeiros, temos de prevenir, de noite e de dia, porque, com as suas falinhas mansas e com o seu charme intrínseco, dão a volta a situações incríveis.
Quantas das vezes, nós, sabendo de fonte segura, das trapacices de videirinhos e, estes, depois de uma cantadinha, quem sabe com choro à mistura, nos dão a volta até à próxima, às vezes maior, recaída.
Na minha opinião, o primeiro ministro de Portugal, cabe que nem uma luva neste grupo de pessoas a temer. Ele é charmoso; ele é, quando quer, afável; ele é bem falante; ele é, aqui e ali, competente. Mas, ele é, tem-no demonstrado, um homem com défice de carácter.
Não sou suspeito de antipatias gratuitas porque o admirei no passado e revelei-o neste mesmo espaço.
Como pode um homem com carácter contradizer-se, voluntariamente, no espaço de horas? Como pode um homem com carácter mentir descaradamente sem o mínimo pudor? Como pode um homem com carácter ser um autêntico camaleão fazendo do branco preto e do preto branco de acordo com as circunstâncias? Como pode um homem com carácter perante a situação dramática que vivemos tentar entreter-nos com ridicularias de décimas em índices muitas das vezes maquilhados?
Para quem acompanha com atenção o fenómeno político em Portugal, fica com uma volta no estômago ao ver o nosso mais alto governante a dizer e a desdizer, a fazer e a desfazer, a acusar tudo e todos dependendo dos interesse de cada momento.
Sabemos que a arte de fazer política obedece a muitas ‘regras’ de marketing mas haja o mínimo de bom senso!
O Eng. Sócrates tem, de facto, uma personalidade que defini no início. Ele dá a volta às pessoas. Ele entra pelos média adentro quando quer e como quer dizendo, às horas que quer, aquilo que bem lhe apetece sem o mínimo de rubor na cara. Passados dez minutos é ver os semblantes de cepticismo dos seus receptores.
A história lembra estes homens nas suas páginas mais sombrias.
Até um dia destes
CASTELO

Joana Cruz


No dia 28 de Setembro, a povoense Joana Cruz estreou-se nas passerelles inter-nacionais. Depois de vencer o concurso da SIC 'Face Model of The Year', a jovem de Esperança integrou o lote de manequins internacionais que desfilou a colecção Primavera/Verão 2011 de Fátima Lopes. A cidade Luz, Paris, uma das principais capitais da moda, recebeu o desfile da estilista com Joana Cruz a pisar, pela primeira vez, os principais palcos da moda internacional. Para além de vencer o concurso da SIC, a jovem povoense é agora uma das novas caras da Face Models, agência de modelos de Fátima Lopes.
CASTELO DE AREIA
PIDDAC


A Póvoa de Lanhoso continua sem receber um cêntimo do PIDDAC. Os valores a distribuir em 2011 já foram divulgados. O Laboratório Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, e a Capital Europeia da Cultura, Guimarães, recebem dois terços do PIDDAC (Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central) para o distrito de Braga que este ano recebe, 19,3 milhões de euros, ao invés dos 31 milhões no ano transacto. A par da Póvoa de Lanhoso também os concelhos de Vieira do Minho, Terras de Bouro e Vila Verde não recebem qualquer verba.

Póvoa de Lanhoso


Alegria dos idosos supera
um quilómetro de estrada

A Câmara Municipal de Póvoa de Lanhoso tornou-se terça-feira um dos sete municípios portugueses funda-dores do projecto "Vencer o tempo nas sete cidades" que visa prevenir e educar para a saúde na velhice.
O protocolo fundacional foi assinado no Centro de Convívio de Friande, frequentado por cerca de duas dezenas de idosos que, às terças e sextas-feiras, ocupam os seus tempos livres com actividades lúdicas e úteis ara os seus agregados familiares.
Este programa pretende instaurar em Portugal, de uma forma proactiva um envelhecimento saudável — em contacto cm as novas gerações — através do conceito "Cidade amiga dos idosos" que foi lançado em 2005 pela Organização Mundial de Saúde.
"Persuadir o maior número de idosos a manter-se activos física e psicologicamente e incutir em cada um o desejo de se manter útil e 'vivo' na comunidade em que vive e incentivar a prática solidária, a curiosidade e confirmar a generosidade própria da juventude através de voluntariado criativo e permanente" constituem alguns dos objectivos deste programa.
O protocolo entre o município da Póvoa de Lanhoso e a Associação "Vencer o tempo" foi assinado por José Manuel Baptista e Ivone Ferreira, responsáveis dos dois organismos, respectivamente, numa sessão que contou com a presença da vereadora Fátima Moreira e do presidente da Junta de Friande, Francisco Silva...

Póvoa de Lanhoso acolheu
abertura do ano escutista

O Núcleo do CNE da Póvoa de Lanhoso foi o núcleo anfitrião da Abertura Regional do Ano Escutista, no dia 15 de Outubro. Naquele dia, a vila da Póvoa de Lanhoso ganhou outra vida e movimento, com os escutistas da região a dar um colorido diferente à sede do concelho. O Parque do Pontido foi o local escolhido para a realização da missa campal, que contou com a presença de mais de 7000 escuteiros pertencentes a 180 agrupamentos da região.
“Onde nos leva a Palavra – Testemunho de Madre Teresa” é o tema do novo ano escutista, cuja abertura foi apadrinhada por D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga, que presidiu á celebração eucarística.
Com o bom tempo a fazer-se sentir, o manto verde do Parque do Pontido ficou repleto de jovens, que acompanharam a Eucaristia celebrada naquele espaço A par dos jovens escutistas, foram mui-tos os familiares que assistiram à cerimónia religiosa, na qual participaram 180 agrupamentos de toda a região.
Fazendo alusão ao tema do novo ano escutista, o responsável máximo da Arquidiocese de Braga, incentivou os jovens a “seguir o exemplo” de Madre Teresa de Calcutá. “Na caminhada da vossa vida imitai-a, procurai viver como ela viveu, procurai também vós ser testemunho de um mundo diferente. Procurai, também, no meio da juventude gritar a este mundo que é possível construir algo de diferente, algo de maior justiça, de maior igualdade, de mais fraternidade e de mais interesse pelos outros”, pediu D. Jorge Ortiga.
“Infelizmente, hoje a juventude na caminhada da sua vida deixa-se nortear por exemplos de vida medíocre e superficial. Deixam-se nortear por coisas a que chamam a razão de ser da sua vida, que parece que dá um prazer no imediato mas, passado pouco tempo, desaparece. Infelizmente, há muitos jovens que se deixam nortear por esses esquemas de vida, longe de uma vida estruturada segundo os valores da Igreja”, referiu o Arcebispo Primaz de Braga.
Fazendo alusão ao caminho que cada um percorre ao longo da sua vida, D. Jorge Ortiga frisou que “normalmente, o caminho nunca se faz sozinho. Caminhamos uns com os outros.”
“O dia de abertura é, certamente, colocar-se perante um caminho, um caminho que já vem sendo percorrido, mas um caminho que certamente vos reserva novas aventuras”, disse dirigindo-se aos milhares de escuteiros presentes na cerimónia.
Vincando que “um escuta é alguém que caminha e se é alguém que caminha, deve ser conhecer o caminho, os trilhos que calca, por onde anda, o que pretende e o que deseja”, D. Jorge Ortiga apelou aos jovens para que cada um deles “se apaixone por conhecer verdadeiramente o caminho que deveis trilhar “.
“Sabendo que é o caminho que conduz à vossa própria felicidade, tendes direito a ser felizes, mas também sabeis que a vossa felicidade depende muito daquilo que sereis capazes de fazer pelos outros, ou seja, do contributo que podeis dar para uma sociedade mais justa e mais fraterna”, disse...

Verim: crianças e idosos
unidos na desfolhada

Recordar tradições antigas e dar a conhecer aos mais novos as várias actividades agrícolas foi o objectivo da desfolhada promovida pelo Centro Teresiano de Verim, no passado dia 6 de Outubro. Na tarde daquele dia, e depois do almoço-convívio, os mais velhos mostraram aos mais novos as actividades dos seus tempos de juventude. Num ambiente de muita alegria, acompanhado por várias cantigas, os utentes do Centro Teresiano de Verim promoveram uma desfolhada, com os mais novos a ajudar no debulhar das espigas.
O reviver de tradições foi do agrado de todos os presentes. Maria da Luz Abreu, de 83 anos, residente em Verim, mostrava-se satisfeita pela iniciativa. “É como recordar os tempos antigos. Antigamente, íamos cortar o milho ao campo e depois juntávamo-nos todos na eira a desfolhar o milho. Às vezes, durava a noite toda. Era muita borga”, disse Maria da Luz.
Juntamente com Maria da Luz estava Maria das Dores, de 77 anos, também ela residente em Verim. “Era um tempo muito alegre”, disse...

Patrícia Eliana Pereira, Presidente da Associação Cultural da Juventude povoense























Mais próximos da comunidade!

O Encontro de Teatro António Francês, que se prolonga até 6 de Novembro, é um dos momentos altos da actividade da ACJP – Associação Cultural da Juventude Povoense, que este ano completa 25 anos. Patrícia Eliana Pereira, advogada, de 30 anos, assumiu, em Janeiro de 2006, a presidência da ACJP, cargo que ocupa até Janeiro de 2012. O ‘MF’ conversou com Patrícia Eliana Pereira, presidente da ACJP, que traçou o balanço do mandato, assim como das actividades que integram as comemorações do 25.º aniversário da associação.

Maria da Fonte - A ACJP é uma das mais marcantes associações do concelho. Como surgiu a ida para a presidência desta instituição?
Patrícia Eliana Pereira - A decisão de me candidatar à presidência da ACJP surgiu de forma natural, tendo sido fundamental para essa decisão o facto de pertencer ao grupo de teatro e de estar ligada à Associação há muitos anos.

MF - Que objectivos foram delineados para o mandato?
PEP - O principal objectivo deste mandato foi a preparação das comemorações do 25.º aniversário da ACJP. Pretendemos com esta comemoração recordar e homenagear o passado, mas também relançar e projectar o futuro. Pretendemos, também, que estas comemorações representem um ponto de viragem na história da ACJP, e que, além do mais, tenham a virtualidade de fazer renascer nos jovens povoenses a consciência da importância da intervenção cívica e cultural na nossa sociedade. No ano de 2010, o primeiro do mandato, preparamos 25 actividades/iniciativas, resgatando muitas das actividades de maior sucesso do passado, mantendo actividades já desenvolvidas por esta direcção e apresentando algumas actividades inéditas.

MF - Neste ano, a ACJP completa o seu 25.º aniversário. O programa comemorativo integra a realização de 25 iniciativas até ao final do ano. Quais as propostas que se seguem?
PEP - Estamos a apresentar a IV Edição do Encontro de Teatro António Francês, duas tertúlias, uma sobre o Centenário da República e outra sobre a vida e a obra de António Bernardino Sousa e Silva - António Francês. Até ao final do ano vamos ainda organizar, entre outras actividades, o Rally Paper, o Magusto e uma exposição de fotografias.

MF - O Festival de Teatro António Francês é uma das iniciativas mais marcantes. O que podemos esperar este ano do festival?
PEP - O Encontro de Teatro António Francês é um dos pontos altos das nossas comemorações, por um lado, porque o teatro é – e sempre será – a actividade de maior importância da ACJP, e reunir alguns grupos de teatro, todos de muita qualidade, com os quais fazemos intercâmbio, é sempre um motivo de orgulho para esta direcção. O Encontro decorre aos sábados, entre os dias 16 de Outubro e 6 de Novembro, e vão participar o Teatro Olimpo, com a peça “O Que Há Mais São Homens”, de Casimiro Simões e Luís Veríssimo (16 de Outubro); o Grupo de Teatro Palha de Abrantes, com a peça “Dois Irmãos”, de Fausto Paravidino (23 de Outubro); a ACJP, com a peça Brandos Costumes, de Cunha de Leiradella (30 de Outubro); e O Teatro Experimental de Mortágua, com a peça o “O Pecado de João Agonia”, de Bernardo Santareno (6 de Novembro). Os espectáculos vão decorrer no Theatro Club, às 21h45...

São João de Rei


Homem morre
em queda de motorizada

Residente no lugar de Cancelos, em S. João de Rei, António Joaquim Silva Costa, de 53 anos, apareceu sem vida a escassos metros da sua habitação. O corpo do homem foi encontrado ao início da manhã de domingo, dia 10 de Outubro, num terreno situado dois metros abaixo do caminho que, diariamente, usava para aceder à sua habitação. Tudo indica que o homem, que se deslocava na sua motorizada, tenha-se despistado e caído ao terreno situado um pouco abaixo do estreito caminho que usava quando regressava à sua casa. Apesar das buscas realizadas pelos seus familiares, só na manhã de domingo é que António Joaquim Costa foi encontrado, já sem vida.
Segundo foi possível apurar, o homem de 53 anos terá saído de casa na manhã de sábado, dia 9, para participar numa vindima. De acordo com um vizinho, o homem conhecia bem a zona e que por ali passava todos os dias. “Quando saía de casa ia pela estrada do lugar, mas no regresso vinha sempre por aqui”, revelou o vizinho.
De acordo com algumas pessoas no local, o homem tinha por hábito desligar a motorizada quando entrava no estreito caminho. Tudo indica que se terá tratado de um despiste, pelo que o caso está a ser investigado pelo Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação da GNR.
Dado que António Costa tinha por hábito chegar a casa ainda de dia, os familiares estranharam a sua ausência à hora de jantar. Durante toda a noite, os familiares procuraram António Costa, mas sem sucesso...

Sobradelo da Goma


GNR deu conselhos
aos mais velhos

Alertar os mais velhos para o perigo das burlas e transmitir à população as regras a seguir para evitar que as mesmas acontecem foi um dos objectivos da campanha de sensibilização levada a cabo pela Secção de Programas Especiais do Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso. A acção, que teve lugar domingo, dia 16, pelas 10h30, no salão da Junta de Freguesia de Sobradelo da Goma, teve uma grande adesão, com a população, maioritariamente idosa, a mostrar-se interessada em aprender algumas das regras de segurança a cumprir, na habitação e na rua, para evitar os roubos e as burlas.
Para além do cabo Rodrigues e do guarda Mota, da secção de Programas Especiais, a acção de sensibilização contou com a presença do cabo Malheiros e do guarda Costa, do posto da GNR da Póvoa de Lanhoso. Os militares deram a conhecer alguns exemplos de burlas praticadas e relataram alguns dos casos que têm ocorrido nos últimos tempos no concelho. “Estamos aqui para vos ajudar a proteger”, referiu o Cabo Rodrigues, no início da sessão. Segundo o mesmo, e dando conta de dados estatísticos, a maioria das burlas são praticadas de segunda a sexta-feira, numa ocasião em que os idosos estão mais desprotegidos, com muitos dos familiares ausentes por questões profissionais...

Póvoa de Lanhoso assinalou
100 anos de República

A realização das Jornadas de Cultura Local e de uma ses-são do Parlamento Jovem foram os momentos altos das comemorações do centenário da República na Póvoa de Lanhoso, numa organização da Câmara Municipal em colaboração com a Assembleia Municipal, que se estendeu de 4 a 15 de Outubro.
“Divulgar informação histórica e aprofundar os conhecimentos dos acontecimentos relevantes, quer no momento da implantação da República quer nas várias etapas do processo histórico que marcaram a evolução da sociedade portuguesa; criar espaços de reflexão e de partilha sobre os valores de cidadania que incentivaram a pro-clamação da República e os valores republicanos e trazer à discussão os velhos temas da virtude cívica, da dedicação à causa pública e da participação na política activa como forma de defesa dos direitos fundamentais foram os objectivos destas comemorações” conforme revela a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.

Parlamento
Jovem deu voz
a 20 jovens
do concelho

O Parlamento Jovem, na tarde de 5 de Outubro, trouxe até ao Salão Nobre dos Paços do Concelho 20 jovens de diversas freguesias, que, organizados em duas bancadas representativas do alto e do baixo concelho, debateram três temas (Empreendedorismo e Fixação de Jovens, Centralização vs Descentralização de Equipamentos Públicos e Participação dos jovens na Política) e apresentaram argumentos vários.
Despertar nos mais novos o interesse para a sua participação cívica nos órgãos autárquicos concelhios foi um dos objectivos deste Parlamento e foi o que ressaltou das intervenções do presidente da Câmara Municipal, Manuel Baptista, e do presidente da Assembleia, Humberto Carneiro.
Ainda a este respeito, a Câmara Municipal vai proporcionar àqueles jovens uma visita à Assembleia da República de modo a ficarem a conhecer também os órgãos de soberania nacionais.

Jornadas de Cultura Local e exposições

Realizadas em duas sessões, a 4 e 15 de Outubro, as Jornadas de Cultura Local, realizadas no auditório da Casa da Botica, deram a conhecer temas como “1.ª República – Esperanças e Desilusões”, “Ecos da Implantação da República na Póvoa de Lanhoso”, “A Toponímia da Póvoa de Lanhoso na 1.ª República” e “Hino da Maria da Fonte – O Hino da República!?”.
Ainda no arranque das comemorações, saliente-se a abertura da exposição “Letras e Cores, Ideias e Autores da República”, na Biblioteca Municipal, que resulta de uma colaboração entre a DGLB e a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, através da qual se apresenta esta mostra em que, a partir de textos de autores que marcaram decisivamente a cultura humanístico - literária em Portugal no final do século XIX e início do século XX, a DGLB convidou dez ilustradores a tratar plasticamente dez temas representativos do contexto social, político, cívico e cultural da época: Ultimatum, Monarquia, 5 de Outubro, Igreja, Educação, Mulheres, Modernismo, Grande Guerra, Chiado e Revistas...

Povoense brilhou em Paris
O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, esteve no primeiro desfile de Joana Cruz, a jovem povoense vencedora do Programa da SIC “À Procura do Sonho”, que desfilou em Paris criações de Fátima Lopes. O autarca assistiu ao evento e à estreia da jovem povoense nas passerelles mundiais...

Câmara Municipal dinamiza
Hortas Biológicas Comunitárias

Desde Maio deste ano, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso tem vindo a dinamizar o projecto das Hortas Biológicas Comunitárias, que existem em terrenos da autarquia no exterior do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos. Amélia Carvalho, de 64 anos, e Céu Rodrigues, de 40 anos, fazem parte do grupo de uma de-zena de pessoas que colabora no cultivo, no âmbito de um Programa de Serviço Comunitário. Os produtos frescos recolhidos integram os cabazes distribuídos pela Loja Social...

Recolha de alimentos para
assinalar Dia Internacional
para a Erradicação da Pobreza

A Câmara Municipal procedeu, no passado domingo, ao início da recolha de alimentos, num momento que pretendeu assinalar o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza. Para além dos alimentos, os povoenses podem doar brinquedos e livros infantis. Leite, enlatados, açúcar e sal, azeite e óleo, arroz e massa, farinhas, feijão e grão são os alimentos mais em falta, devendo, os interessados dar preferência àqueles que apresentam maior durabilidade em termos de prazo de validade. Os alimentos recolhidos, para além de integrar a ajuda alimentar atribuída regularmente, vão fazer parte dos cabazes de Natal entregues, todos os anos, pela autarquia às famílias mais carenciadas do concelho, conforme revela a Câmara Municipal. De acordo com a nota de imprensa, os donativos de brinquedos e de livros infantis devem ser entregues na Loja Social...

Bem-vindos ao ISAVE
No dia de 7 de Outubro, o ISAVE – Instituto Superior do Alto Ave, localizado em Geraz do Minho, deu as boas-vindas aos novos alunos da instituição. Este ano, são cerca de 200 os caloiros que frequentam as 9 licenciaturas do ISAVE. Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Análises Clínicas, Radiologia, Prótese Dentária, Higiene oral, Terapia da Fala e Terapia ocupacional são as licenciaturas disponíveis neste ano lectivo.
A cerimónia oficial de abertura do ano lectivo foi conduzida por Virgílio Alves, que integra o Conselho da Instituição, em substituição de José Manuel Henriques, presidente do ISAVE, ausente, por questões profissionais, em Lisboa.
“Para alguns, o último ano. Para outros, o início. O processo é longo mas queremos que seja de sucesso”, disse Virgílio Alves. “Desejo que consigamos todos fazer aqui uma grande escola, um grande instituto”, referiu ainda aquele responsável. Virgílio Alves aproveitou ainda o momento para dar a conhecer o nascimento da Escola Superior de Desporto de Braga. “Está criada a nossa irmã e vamos todos apoiar para fazermos uma grande instituição, uma vez que a saúde e o desporto têm toda a razão para estar unidos e queremos que estejam unidos”, disse.
“O ISAVE é liberdade, é a vossa liberdade, são os vossos desejos, os vossos passos em volta, em volta dos vossos sonhos e dos sonhos dos outros. Queremos que o ISAVE crie o vosso sorriso, a vossa forma de estar e ser, que crie a vossa diferença. O ISAVE fará de vós profissionais qualificados, claro, mas acima de tudo diferenciados pela vossa qualidade humana, ética e profissional”, disse Ana-bela Rodrigues, presidente do Conselho Científico, por ocasião dos discursos.
Finda a cerimónia oficial seguiu-se a actuação da Caricatuna, tuna académica daquela instituição de ensino, e o piquenique na Quinta ISAVE. De tarde, as atenções estiveram voltadas para a prova de orientação, com o apoio do Clube de Orientação do Minho.
A latada, pelas principais ruas da vila da Póvoa de Lanhoso, no dia 13, foi outro dos momentos altos da abertura oficial do ano lectivo no ISAVE...

III Divisão Nacional

Maria da Fonte
afunda-se em Viana

O Vianense derrotou, no passado dia 10 de Outubro, o Maria da Fonte, por 4-0, e agravou a ‘crise’ de resultados da equipa da Póvoa de Lanhoso. Ainda não venceu qualquer jogo este campeonato e ocupa a penúltima posição na tabela. O ‘pesadelo’, começou quando Sérgio derrubou Tiago Lenho na área do Maria da Fonte e viu cartão vermelho. O árbitro assinalou a grande penalidade e daí nasceu o primeiro golo da turma de Viana do Castelo. A equipa da Póvoa de Lanhoso foi-se abaixo e o poderio do Vianense aumentou. Luís Coentrão e Marcos estiveram em particular destaque, na condução do jogo ofensivo da equipa do Alto Minho. O Vianense aproveitou as fragilidades do Maria da Fonte e, até ao intervalo, chegou à goleada (4-0). Na segunda parte, os locais abrandaram o ritmo e limitaram-se a gerir a vantagem. O Vianense saltou para o quarto lugar na classificação...

Cem anos de República (19)

Razões da falência
imediata da República

Formado em Lisboa um Governo Provisório, após a aclamação da República, no Minho e na sua capital, de- corriam plácidos e ordeiros os primeiros dias, ainda fascinados com a presidência do dr. Teófilo Braga.
Todavia, a paz era efémera, porque o principal acto deste Governo foi pôr em execução as leis do Marquês de Pombal e Joaquim António de Aguiar, sobre a extinção das ordens religiosas que, mercê da protecção dada pela monarquia, viviam em Portugal ministrando o ensino, umas, dedicando-se à enfermagem nos hospitais, outras.
Seguidamente, vêm as leis de protecção à família, com a criação do registo civil — uma guerra tremenda com a Igreja Católica que detinha o monopólio do Registo com os cartórios paroquiais — separação da Igreja do Estado, divórcio, etc, enquanto eram dados os primeiros passos para o reconhecimento da República — só existia a francesa e a helvética — numa Europa dominada por monarquias. A grande conquista foi a escola primária e universal que “liberta e emancipa o cidadão do obscurantismo”
Alguns monárquicos, re-feitos dos sustos das primeiras horas, começam a conspirar, combatidos em Braga e no Minho por grupos de rapazes criados para o efeito.
Em Braga pontifica esse inolvidável republicano e democrata, Justino Cruz, além de outros cidadãos como Luís Simões de Almeida, Tristão Manuel da Silva, Álvaro Augusto Ferreira Pipa (fundador do jornal Correio do Minho, em 6 de Julho de 1926).
No ano seguinte, reúne-se o primeiro Parlamento da República, constituinte, para o qual foram eleitos alguns bracarenses como Domingos Pereira, Joaquim de Oliveira, João de Freitas e João Palma.
A República foi benéfica para a cidade de Braga, com a conclusão do abastecimento de água, a tracção eléctrica (eléctricos), a electricidade nas aldeias e o embelezamento de vários jardins e largos da Roma Portuguesa, mas no interior este progresso ficou não chegou.

causas
do descrédito

As juntas de freguesias das aldeias limitaram-se, como as anteriores, a consertar santos e caiar igrejas, a reparar uns muros e caminhos vicinais, enquanto os municípios do interior limitavam a sua acção a resolver o expediente, impossibilitados de lançar investimentos mais avultados. Os velhos hábitos depressa se apoderaram dos novos representantes da República, como acontecia com o Governo Civil, que continuavam a ir receber o arcebispo quando ele regressava de uma viagem à sua terrinha, onde lhe beijavam o anel...
A falência do Estado reduziu as Juntas e as Câmaras Municipais a quase nada em termos de competências e depressa a esperança do 5 de Outubro de 1910 deu lugar à desilusão crescente, por várias razões. Apesar de lhes ter concedido a possibilidade do divórcio, a I República esqueceu as mulheres e travou uma guerra suicida contra o movimento operário que precipitou a sua queda — além da entrada de Portugal na I Guerra.
A sua queda anunciada na década seguinte, foi provocada pela incapacidade de mexer com o desenvolvimento económico e social do país, pela insensibilidade face à miséria dos operários e porque não soube democratizar o Estado...

EDITORIAL



Armindo Veloso




A ERA DOS MERCENÁRIOS

Os cinquentões, como eu, fazem parte de uma geração, a mais jovem para o que me traz cá, que se lembra bem do “amor à camisola”. Os mais novos já não sabem o que isso é. E esse amor à camisola não se resume ao futebol e a outros desportos. Vejamos.
No futebol, dantes também havia transferências de jogadores mas a grande parte jogava com amor à camisola. Mesmo nos grandes como o Benfica, Porto e Sporting respirava-se uma mística que ultrapassava em muito o dinheiro que ganhavam, nessa altura muito menos. Hoje, os jogadores estão num clube, mudam para o seu rival, e dizem, o que lhes mandam dizer, até ao ponto de confessarem que, lá no fundo, são desse clube desde pequeninos.
São os mercenários do futebol.
Na gestão de empresas, embora o termo gestor seja recente – havia o patrão e os empregados, quando muito existia o “bufo” do patrão que, por esse facto, tinha mais acesso à graxa e ao pano do pó do todo poderoso que de vez em quando lhe dava uma esmolita —, há alguns anos, o gestor de uma determinada empresa vivia-a com o coração.
Nos dias de hoje, defendem quem lhes paga, como diz um amigo meu gestor de um grande grupo económico. É legitimo. Mas, esse tipo de gestor só gere com a razão. Falta-lhe a emoção.
Que felizes são aqueles que podem juntar os dois sentimentos. Se se gerir com pragmatismo e com amor à empresa fazem-se coisas que de outra forma nem passariam pela cabeça.
Aqueles, são os mercenários da gestão, moderna.
Na política, por muito mal que alguns tenham feito, refiro-me até a ditadores, no passado, quem dedicava a sua vida à política, vivia-a com emoção e até com devoção. O interesse próprio e dos seus era relegado para segundo plano. Hoje, a maioria dos políticos desempenham essas tarefas, nobres, pelo seu interesse e pelo interesse do seu grupo de apaniguados.
Como justificar que, por exemplo em Portugal, os dois líderes do PS e do PSD não se reúnam e decidam fazer o que é necessário ser feito, e os dois sabem que é, para tirar Portugal de uma situação dramática que muitos ainda não levam a sério?
Será que os dois estão à espera de serem transformados em rapazes dos pregos do Fundo Monetário Internacional?
Não seria melhor entenderem-se e explicarem ao povo, em conferência de imprensa conjunta, o que se passa com as nossas contas públicas para que se entenda, de uma vez por todas, que temos, todos , à medida de cada um, fazer sacrifícios acrescidos?
Os líderes políticos, salvo honrosas excepções, são os mercenários da política.
O problema meus caros, é que a história conta-nos que só algumas batalhas foram ganhas com este tipo de soldados. Não me consta, no entanto, que tenham ganho alguma guerra!
Até um dia destes.

P.S. — Este texto foi escrito antes das medidas recentes tomadas pelo governo. Não mexi uma palavra. Infelizmente, na minha opinião, ainda se mantem actual, todo.
CASTELO

Escutismo


Este domingo, o escutismo vai ser rei na Póvoa de Lanhoso. A vila povoense acolhe a abertura regional do ano escutista, pelo que são esperados milhares de escuteiros nas terras da Maria da Fonte. A par das várias actividades que envolvem a abertura do ano escutista, o Núcleo do CNE da Póvoa de Lanhoso vive um momento especial, com a inauguração da sua sede. Estas duas situações, abertura do ano escutista e inauguração da sede, vêm comprovar, mais uma vez, que o escutismo no concelho está vivo e de boa saúde.
CASTELO DE AREIA
Dia do Concelho


Exceptuando as pessoas 'do costume', foram poucos os povoenses que participaram nas cerimónias oficiais do Dia do Concelho, na manhã de sábado, dia 25 de Setembro. No seu discurso, o presidente da Câmara, destacava que este era um contributo importante para que “as novas gerações sintam a sua identidade, valorizem o esforço dos seus antepassados e mantenham vivo o amor à nossa terra”. Mas, o que se viu foi um desinteresse quase total da população. Deixamos uma pergunta: se as comemorações integrassem um faustoso lanche, acompanhado da actuação de um rancho ou grupo musical, será que teríamos o mesmo número de presenças? Estamos certos que não.

Vieira do Minho

NIC da Póvoa de Lanhoso
pôs fim a plantação de cannabis

Militares do NIC da Póvoa de Lanhoso, apreenderam, ao final da tarde de terça-feira, dia 21 de Setembro, 184 pés de cannabis e 2100 sementes daquele produto estupefaciente.
A apreensão, realizada pelos elementos do Núcleo de Investigação Criminal da GNR, teve lugar na freguesia de Ruivães, no concelho de Vieira do Minho.
De acordo com o que foi possível apurar, as plantas encontravam-se num terreno agrícola e algumas delas estavam dissimuladas pela vegetação.
As plantas, com uma altura entre os 20 cm e os 3 metros, foram, posteriormente, conduzidas ao Destacamento Territorial da GNR da Póvoa de Lanhoso.
A par da apreensão do produto estupefaciente, foi ainda detido um indivíduo de 35 anos, residente naquela freguesia e proprietário do terreno onde se encontravam as plantas de cannabis.
Depois de cumpridas as formalidades legais, o indivíduo, que não tem antecedentes criminais, ficou sujeito a Termo de Identidade e Residência.
Apoio às famílias dá distinção
à Câmara Municipal

Numa cerimónia realizada no dia 22 de Setembro, na sede da Associação Nacional de Municípios Portugueses, em Coimbra, o município da Póvoa de Lanhoso foi distinguido como um dos municípios mais familiarmente responsáveis. As distinções, pelo Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis, abrangeram 17 autarquias, sendo que o município povoense foi o único no Minho que, este ano, recebeu tal distinção.
Tal como os restantes municípios distinguidos este ano, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso recebeu a bandeira verde respeitante à “Autarquia Mais Familiarmente Responsável 2010”. José Junqueiro, Secretário de Estado da Administração Local, apadrinhou a cerimónia que contou, entre outros, com representantes da Associação Nacional de Municípios, Associação Portuguesa das Famílias Numerosas e Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis.
Dando conta da continuidade da aposta nas medidas sociais, Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, referiu que a bandeira atribuída naquele dia representa o empenho de todos, desde técnicos, voluntários, assim como da vereadora da Acção Social e Saúde, Fátima Moreira...

Câmara intervém
na Rua 25 de Novembro

Eliminar um dos “pontos negros” nas estradas da vila é um dos objectivos da intervenção que está a ser realizada pela Câmara Municipal num troço da Rua 25 de Novembro. A intervenção naquela via visa, segundo a autarquia, “resolver problemas de congestionamento de tráfego e reduzir a possibilidade de sinistralidade, envolvendo, sobretudo, as crianças que frequentam a EB2,3 Professor Gonçalo Sampaio”.
“A Câmara Municipal está consciente de que esta situação, que trará melhorias à qualidade de vida dos cidadãos, implica, contudo, alguns constrangimentos, ainda que temporários, quer ao vel da circulação automóvel, com a necessidade de efectuar desvios, quer ao nível ambiental, pois terá de proceder ao abate de árvores”, revela ainda o município, em nota de imprensa.
“Consciente da importância da arborização para a estratégia de valorização ambiental dos nossos espaços públicos, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso informa que vai proceder, no futuro, à colocação de outras árvores naquele arruamento, de modo a manter aquele corredor verde, numa zona central da nossa Vila que será valorizada”, adianta ainda a autarquia...

Autarquia assinalou
Dia Europeu Sem Carros

Sob o lema “Mobilidade Inteligente, Uma vida melhor!”, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso realizou, no dia 22 de Setembro, um conjunto de iniciativas com vista a assina-lar o Dia Europeu Sem Carros, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade.
As actividades, desenvolvidas na Praça Engenheiro Rodrigues, cuja área circundante esteve parcialmente vedada ao trânsito, compreenderam um percurso sinalizado em cadeira de rodas, jogos tradicionais e atelier de pintura, assim como uma acção de sensibilização junto dos comerciantes daquela praça, informando-os sobre a importância e os objectivos do Dia Europeu Sem Carros. A par destas, foi ainda realizado um peddy-paper que levou os mais novos ao encontro de vários espaços municipais da vila.
A data de construção do antigo edifício dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, a data de inauguração da Sala de Interpretação do Território, a data da revolta da Maria da Fonte e da data da concessão da primeira carta de Foral, por D. Dinis, às terras de Lanhoso, foram algumas das questões apresentadas aos alunos.
Cláudio Macedo, de 12 anos, aluno da Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, foi um dos alunos participantes nas iniciativas. Segundo aquele aluno, “trata-se de uma boa iniciativa pois procura-se que haja menos carros a circular e por isso há menos poluição, o que é bom para o ambiente”. Aquele aluno participou ainda no percurso em cadeira de rodas. “Não imaginava que fosse tão difícil pois implica um grande esforço de braços”, disse, adiantando que aquele gesto serve para sensibilizar as pessoas para a dificuldade e os entraves que as pessoas com mobilidade reduzida encontram...

Jornadas Europeias do Património
com “um mapa da História”

Uma simulação de escavação arqueológica, a entrada gratuita em diversos espaços museológicos e a exposição “Os limites territoriais da Póvoa de Lanhoso”, inserida nas comemorações do Dia do Concelho, foram algumas das iniciativas realizadas pela autarquia, no sentido de se associar às Jornadas Europeias do Património, que ocorreram de 24 a 26 de Setembro.
No sentido de ir ao encontro do tema deste ano, “Património: Um mapa da História”, que pretendia, de acordo com a autarquia, vincar a estreita relação entre os sítios patrimoniais e os acontecimentos históricos que lhes estão associados, o programa comemorativo do Dia do Concelho integrou as comemorações das Jornadas Europeias do Património.
Realizada na sexta-feira, dia 24, a simulação de escavação arqueológica contou com a participação de 50 alunos da Escola EB 2,3 Professor Gonçalo Sampaio e desenrolou-se em duas sessões, às 10 e 15 horas, no Parque do Pontido, junto ao Espaço Jovem.
De acordo com os depoimentos recolhidos, a iniciativa foi do agrado dos participantes. Com 11 anos, Paula Gomes, declarou estar a gostar daquela actividade. “Já estive a recolher pedaços, já juntei terra e agora estou a colar os pedaços com a ajuda das minhas colegas. É algo que gosto e tinha curiosidade em saber com era”, disse...

Rotary club da póvoa de lanhoso


Universidade Sénior
deu-se a conhecer

Depois da apresentação solene, no dia 24 de Setembro, a Universidade Sénior da Póvoa de Lanhoso entra em actividade na próxima segunda-feira, dia 10 de Outubro, dia em que se iniciam as actividades lectivas. O projecto, levado a cabo pelo Rotary Club da Póvoa de Lanhoso, tem como parceiros a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e a Associação “Em Diálogo”. A apresentação solene contou, entre outras, com a presença do governador do distrito 1970, Armindo Carolino, do presidente das redes de universidades seniores rotárias, Ernesto Areias, de Fátima Moreira, em representação da Câmara Municipal, e de Clarisse Matos, presidente da “Em Diálogo”.
A Tuna Académica da Universidade Sénior do Rotary Club de Chaves animou o momento que contou, ainda, com uma palestra alusiva ao tema “Luta contra o Cancro em Portugal”, por Diamantino Gomes, chefe do departamento de cirurgia do IPO, no Porto. “É com satisfação que vejo a concretização de um projecto que fazia parte do nosso plano de desenvolvimento social, que estava delineado e era sentido pela comunidade como uma ânsia no âmbito dessa estratégia de conseguir uma resposta para aqueles que, com mais idade, ainda têm muito para dar à comunidade”, referiu Fátima Moreira, vereadora do Pelouro de Acção Social da Câmara Municipal, vincando ainda que se trata de um projecto que vai ser muito importante para a população com mais idade...

Foi no dia 25 de Setembro de 1292 que El-Rei D. Dinis outorgou o foral às Terras de Lanhoso


Homenagens no Dia do Concelho
Foi no dia 25 de Setembro de 1292 que El-Rei D. Dinis outorgou o foral às Terras de Lanhoso. Nesse dia, nasceu o concelho da Póvoa de Lanhoso. A partir deste ano, o dia 25 de Setembro será celebrado na Póvoa de Lanhoso como o “Dia do Concelho”.
As comemorações, iniciadas na manhã do dia 25, compreenderam o hastear das bandeiras, num acto que contou com a presença das bandeiras das 29 freguesias do concelho, assim como uma dissertação alusiva ao tema “O dia 25 de Setembro de 1292 e a Póvoa de Lanhoso”, pelo historiador Paulo Freitas, a homenagem a instituições e individualidades do concelho e a abertura da exposição “A evolução dos Limites Territoriais do concelho da Póvoa de Lanhoso”, na Sala de Interpretação do Território. A inauguração, pelas 16 horas, do Centro educativo do Cávado, encerrou o programa comemorativo e foi ponto alto dos festejos.
O Agrupamento de Escuteiros de Taíde, a Banda de Música dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso e a ACJP – Associação Cultural da Juventude Povoense foram as três instituições povoenses homenageadas pela Câmara Municipal. A par das três instituições, a autarquia povoense homenageou a Amélia Fernandes, também conhecida como a “Poetisa de Arosa”, que reside, há vários anos, no concelho da Póvoa de Lanhoso, e tem-se dedicado à escrita já lá vão 25 anos...

Intervenções


As intervenções tiveram início com o presidente da Assembleia Municipal da Póvoa de Lanhoso, Humberto Carneiro, que fez questão de dirigir as suas palavras ao órgão executivo, Câmara Municipal, no sentido de o “felicitar por ter manifestado a sensibilidade e a coragem de puxar pelas nossas raízes e de comemorar uma data tão marcante da história da Pó-voa de Lanhoso, instituindo o dia 25 de Setembro como o Dia do Concelho”...

Centro Educativo do Cávado
revoluciona educação

A inauguração do Centro Educativo do Cávado, em Monsul, no dia 25 de Setembro, foi um dos momentos mais marcantes do Dia do Concelho, instituído, este ano, pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
O ambiente era de festa. Centenas de pessoas deslocaram-se à freguesia de Monsul, no baixo concelho, para acompanhar a cerimónia de inauguração do Centro Educativo do Cávado, que recebe, na próxima segunda-feira, as crianças do pré-escolar e primeiro ciclo das dez freguesias do baixo concelho (Águas Santas, Monsul, Gerás, Ajude, Verim, Friande, S. João de Rei, Covelas, Moure e Ferreiros).
Dispondo de excelentes condições, adaptadas às actuais necessidades da comunidade escolar, o Centro Educativo do Cávado, com capacidade para cerca de 300 crianças, dispõe de 8 salas para o ensino básico e 4 para o pré-escolar, assim como de um conjunto de outras valências que passam, entre outras, pela biblioteca, sala de informática, cantina e refeitório. “Sempre defendi que as dificuldades desta parte mais rural do nosso concelho tinham de ser compensadas com investimentos de qualidade e com projectos que ajudem a fixar os povoenses nestas freguesias, não havendo, a este nível, diferenças com as demais freguesias da Póvoa de Lanhoso”, disse Manuel José Baptista, por ocasião dos discursos. Dirigindo-se aos pais, o autarca assegurou que “os vossos filhos vão ser felizes nestas instalações. Vão ter as condições que não podíamos assegurar nas pequenas escolas das freguesias”.
“Não poderíamos ter os melhores resultados pedagógicos com as actuais escolas. Desde logo, pela sua dimensão e pelo número reduzido de alunos em cada uma delas. Por isso, urgia avançar para este novo modelo de organização”, assegurou o presidente da Câmara Municipal.
Carlos Duarte, gestor do Programa Operacional Norte da CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional) deu conta dos 298 centros escolares financiados na região norte.
Com um custo de 2,3 milhões de euros, o Centro Educativo do Cávado foi financiado, tal como deu conta aquele responsável, em 80% pelos fundos comunitários através do Programa Operacional da região Norte...

“Com os olhos nas mãos”
apoia deficientes visuais

Num acto presidido pela Ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, a Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga (AADVDB) e a empresa Ouronor, de Travassos, assinaram, na tarde de sexta-feira, dia 24 de Setembro, um protocolo de comercialização de um coração em filigrana, no âmbito da campanha de solidariedade “Com os olhos nas mãos”, levada a cabo por aquela empresa de ourivesaria e joalharia.
O coração de filigrana multicolorido, trabalhado em macramé e criado por António e Joaquim Rodrigues, utentes da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga, o qual foi premiado no âmbito do concurso “Heart Parade”, lançado pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, serviu de inspiração para a criação do coração em filigrana.
“Com os olhos nas mãos” é uma campanha solidária resultante de um projecto de responsabilidade social lançado pela Ouronor, que visa apoiar a actividade desenvolvida pela AADVDB. Deste modo, 12% do valor de veda de cada peça reverte a favor da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga. “Desejamos que o nosso projecto de responsabilidade social beneficiasse uma instituição do concelho. Desde logo, sobressaiu a Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga. Somos conhecedores do meritório trabalho que esta instituição tem vindo a desenvolver e, por outro lado, esta- mos cientes que os deficientes visuais, apesar das evoluções verificadas nos últimos anos, ainda se deparam com sérias dificuldades no que toca a uma plena e perfeita integração na comunidade”, disse Álvaro Freitas, presidente do Conselho de Administração da Ouronor.
“Estamos convencidos que o projecto vai dar os frutos esperados e que a população saberá aderir a esta causa”, disse ainda aquele responsável da Ouronor...

FUTEBOL: Maria deixou dois pontos em Barcelos

Povoenses cederam
empate ao cair do pano

Um empate arrancado a ferros e mesmo ao cair do pano. Santa Maria e Maria da Fonte dividiram pontos, num duelo que ficou resolvido no último minuto dos cinco de descontos, com uma grande penalidade (clara) a favor da equipa da casa. Piloto não desperdiçou e selou a igualdade, depois de a formação da Póvoa ter estado em vantagem desde os 58 minutos, fruto de um golo de Pedrinho. Uma igualdade que acaba por colocar justiça no marcador.
O Santa Maria dominou todo o jogo - até marcou logo no primeiro minuto, mas Renato estava em posição irregular - criou as melhores oportunidades, dispôs mesmo de três ocasiões flagrantes desperdiçadas por Bruno Silva e Lamosa, mas acabou por pecar em termos de finalização. Aliás, no primeiro tempo só deu Santa Maria, perante um Maria da Fonte que apenas conseguiu levar algum perigo após um remate de Fredy. Como em futebol quem não marca sofre, Bruno Silva viu o poste travar um tiro com selo de golo ao minuto 57 e, na resposta, em contra-ataque, Pedrinho inaugurou o marcador, depois de uma finta sobre Hugo Veiga. Um golo contra a corrente de jogo, numa eficácia notória do Maria, que até poderia ter ampliado, não tivesse Salgueiro se aplicado para travar um remate de Pedrinho - o melhor em campo. O golo trouxe maior equilíbrio, mas o Santa nunca baixou os braços e intensificou a pressão nos minutos finais. Até que, Fredy na área cortou com o braço um potente remate de Christophe, penálti nítido convertido por Piloto.

Cem anos de República (18)

De Manuel Monteiro
até Gonçalo Sampaio

Que teve de fazer, em 1892, o ministro Dias Ferreira, quando a dívida pública absorvia metade das receitas do país? — perguntávamos na última crónica. Cortou 12,5% nos salários dos funcionários, aumentou 15% os impostos, enquanto a moeda é desvalorizada (deixando de ser comparada com o ouro) acompanhada de inflação galopante que atingia os mais pobres. Os acontecimentos de 1892 agravaram o pessimismo do povo e a profunda descrença nos governantes até ao dia 1 de Fevereiro de 1908, numa “tarde linda, azul, morna, diáfana” em que mataram o Rei D. Carlos e o príncipe Filipe, herdeiro do trono. O outro infante D. Manuel II é proclamado rei, aos 18 anos. Em Outubro, os republicanos ganharam em Lisboa e “num pais como Portugal, onde o peso da capital resumia toda a Nação, isso queria dizer o fim das instituições monárquicas”. No dia 5, o o rei fugia com toda a família “para não mais voltarem” — escreve, com amargura, Oliveira Marques.
Tudo começara, num caminho sem regresso, a 31 de Janeiro de 1891, no Porto, onde participaram alguns bracarenses, nessa luta encarniçada entre republicanos e a guarda municipal “com o fim de proclamar a República” (cf. Ménici Malheiro, in Braga Contemporânea, pp. 73 e ss.). Sobre o sangue derramado, o povo começa a perceber o que é a República — o governo do povo e pelo Povo — para acabar com “o luxo dos nobres, a avidez da Igreja, a estupidez de mistura com a ignorância mais crassa do burguês e dos filhos de algo, legando aos conventos, na intenção de alcançarem o céu, todos os seus bens” (...) que fez de Portugal “um país moribundo” em que “só a igreja medrava, à medida que aumentava o número de enjeitados”.

Republicanos
no Minho

Em Braga, “o Partido Socialista contribuiu poderosamente para que saísse do seu entorpecimento asqueroso, nostálgico e reaccionário em que não só a cidade como todo o distrito vinham arrastando-se de há séculos”.
Em 1889 estala em Braga a primeira greve, “da classe dos chapeleiros, que tinha por objectivo o aumento dos salários” mas é o fracasso que leva à criação de um Monte Pio e de uma Associação de classe “que teve de sustentar por vezes temerosas lutas com o patronato”.
Foram estes trabalhadores que criaram a Associação Fúnebre Familiar Bracarense que chegou a contar com cinco mil associados (para tratar do enterro dos filiados). A força da luta dos chapeleiros dá origem à criação da Liga das Artes Gráficas e de uma Cooperativa de Consumo — “Libertadora bracarense” —. Nesse tempo, já nomes como Manuel Monteiro e Simões de Almeida agitavam as consciências bracarenses numa cidade com “inúmeros parentes dos porcos de Epicuro”...