Mau tempo faz estragos
Mau tempo que se fez sentir na última semana no nosso país causou muitos estragos na Póvoa
de Lanhoso. Um pouco por todo o concelho os bombeiros povoenses tiveram que desbloquear estradas e socorrer várias famílias que viram as suas habitações inundadas.

NIC da GNR apreende armas
No âmbito de um inquérito de furto, o Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso, através do Núcleo de Investigação Criminal, efectuou duas buscas domiciliárias, em Geraz do Minho, na Póvoa de Lanhoso, e em Crespos, no conce-lho de Braga, das quais resultaram a apreensão de diverso material e a detenção de dois jovens, de 20 e 21 anos.

Desporto e saúde de mãos dadas
Promover saúde no contexto escolar, em particular na área do desporto, é um dos objectivos do projecto ‘Saúde.Escola’ apresentado, na semana passada, no Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio, na Póvoa de Lanhoso.

EDITORIAL


Armindo Veloso
 

Cumpridor

“A política é uma das coisas mais efémeras que há”.
Esta frase foi dita por José Manuel Fernandes, ex-presidente da Câmara de Vila Verde a desempenhar actualmente o lugar de deputado europeu.
Ele sabe do que fala.
O Eng. José Manuel Fernandes, Zé Manel para toda a gente que vier por bem, é um homem que estando a desempenhar um lugar com uma competência e dedicação raras, levando consigo, sem complexos de provincianismo, a sua terra e sua cultura, corre o risco de não fazer parte dos “eleitos” para os primeiros lugares da lista de candidatos a eurodeputado.
Sabendo como sabemos por experiências passadas que o partido de governo leva normalmente um cartão amarelo nos resultados alcançados particularmente nas eleições europeias, haverá muito provavelmente menos eleitos nas listas do PSD. Se juntarmos a isso o facto de ele, o Zé Manel, ter apoiado para presidente do partido Paulo Rangel e não Passos Coelho – as máquinas partidárias são quase sempre vingativas - estão montadas as condições para que Portugal e muito em particular o Minho deixar de ter o eurodeputado que mais o foi, na sua plenitude, que me lembre.
Se quisermos eurodeputados para gabinete e pouco mais, força, ponham lá os “tios” e as “tias” da política que vão para lá ou para outro sítio que lhes dê visibilidade, pelo menos. Se não é para isso o José Manuel Fernandes constará por mérito próprio, não tenho dúvidas, nos primeiros lugares da futura lista para deputados. A não ser que cumprir de “A” a “Z” com o que prometeu aos seus eleitores não conte...
Haverá justiça e bom senso?

Até um dia destes.
CASTELO

Socorro

O mau tempo, nos dias 18 e 19 de Janeiro, provocou inundações, quedas de árvores e deslizamento de terras e queda de muros em vários pontos do concelho. Durante longas horas, os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, a GNR e uma equipa de voluntários da Protecção Civil deram o seu melhor na salvaguarda de pessoas e bens. Um trabalho incansável que se estendeu a várias freguesias. É preciso também ajudar quem nos ajuda. Nas várias campanhas dos bombeiros, colaborem!
CASTELO DE AREIA
Vendas
O sector da construção civil continua mergulhado num clima negro. Cresce o número de insolvências no sector e cresce o número de desempregados. A tudo isto, junta-se, também, o decréscimo de casas vendidas. Em 2012, e de acordo com dados avançados pelo Sindicato de Trabalhadores dos Registos e Notariados, registou-se uma queda de 14% nos actos de compra e venda de imóveis em Portugal. Parece que a crise veio mesmo para ficar.

Luís Carvalho eleito

Conselheiro Nacional da JSD

Luís Carvalho, presidente da comissão política de secção da Póvoa de Lanhoso da JSD, foi eleito para o Conselho Nacional da Juventude Social Democrata, no dia 16 de Dezembro, no XXII Congresso Nacional da JSD, onde também Hugo Soares foi eleito presidente da comissão política nacional desta estrutura partidária de juventude. O jovem povoense, natural de Vilela, de 24 anos, atribui a eleição ao “reconhecimento e recompensa do trabalho que toda a equipa da JSD da secção da Póvoa de Lanhoso tem desenvolvido ao longo dos últimos 9 meses”.
Para o seu mandato, pretende fazer ouvir a voz dos jovens do concelho da Póvoa de Lanhoso e do distrito de Braga junto daquele que é o órgão máximo de decisão estratégica e fiscalização da actividade política da JSD. Luís Carvalho considera-o como o “seguimento daquilo que temos vindo a desenvolver a nível concelhio e regional e que terá, agora, projecção nacional”, recordando actividades desenvolvidas pela JSD da Póvoa de Lanhoso, como a campanha de sensibilização dos jovens para os comportamentos de risco, o torneio de futebol que envolveu cerca de 120 jovens a praticar desporto, a campanha de regresso às aulas e, mais recente, uma actividade de cariz social que envolveu a entrega de brinquedos a crianças carenciadas das freguesias do nosso concelho.
Quanto ao futuro da JSD da Póvoa de Lanhoso, Luís Carvalho referiu que tem um plano de actividades projectado desde o momento em que foi eleito líder da estrutura e que este visa, sempre, a dinamização da Póvoa de Lanhoso e dos interesses dos jovens povoenses. Acrescenta, ainda, que a actividade de cariz social já foi concluída, estando já em curso o planeamento de uma campanha de recolha de sangue, referindo que esta “é uma causa de elevada importância nos dias que correm e nós, JSD, estamos atentos e queremos contribuir”.
Aos jovens da Póvoa de Lanhoso e à população em geral, a JSD deseja um próspero ano de 2013, em que a irreverencia e a dinâmica estejam sempre presentes na luta por um futuro melhor e mais promissor para o nosso concelho, bem como para Portugal. 
Luís Carvalho é, agora, um dos 55 conselheiros com direito a voto no Conselho Nacional da JSD, para o qual foi eleito na lista A, subscrita pelo novo líder da Comissão Política Nacional da JSD, Hugo Soares.

Casa de Trabalho acolheu evento da câmara

Idosos cantaram os reis

Pelo terceiro ano consecutivo, a Casa de Trabalho de Fontarcada acolheu o Encontro de Cantares de Reis, numa iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. O evento, realizado na tarde de quinta-feira, dia 17 de Janeiro, reuniu cerca de 250 utentes das IPSS’s do concelho.
A quinta edição do Encontro de Cantares de Reis contou com a presença de 12 IPSS’s. Por estarem em período de férias, os utentes dos Centros de Convívio não marcaram presença. Os presentes pude-ram assistir a sete actuações. Os mais velhos foram as estrelas da festa, não deixando cair em desuso as tradições. Momentos de música, anima-ção e convívio deixaram felizes os mais velhos.
A festa contou com a presença dos utentes do Centro Social de Serzedelo, Taíde, Monsul, Verim, Sobradelo da Goma, Garfe e Calvos, assim como a Associação Em Diálogo, a Assis, a Comissão de Melhoramentos de Santo Emilião, Santa Casa da Misericórdia da P. Lanhoso e os anfitriões do evento, a Casa de Trabalho de Fontarcada.
As actuações iniciaram-se com os utentes da Casa de Trabalho de Fontarcada, com a música “Somos Estrelas”, seguindo-se “Os Reis da Assis”, pelos utentes da Assis, de Lanhoso, e “Do varão nas-ceu a varoa”, pelos utentes da Em Diálogo. A festa contou ainda com “Meu Jesus nasceste em Belém”, pelos Centros Sociais de Monsul e Verim; “O orgulho da nossa Al- deia”, pelo Centro Social de Taíde; “Os velhos mais novos do Lar de S. José”, da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso; e “Vimos de Serzedelo”, pelos utentes do Centro Social de Serzedelo.
Mensalmente, a Câmara Municipal da Póvoa de La-nhoso promove iniciativas voltadas para o público sénior do concelho. A próxima iniciativa ocorre no Carnaval.

Projecto aberto a toda a comunidade escolar

Desporto e saúde de mãos dadas

Promover saúde no contexto escolar, em particular na área do desporto, é um dos objectivos do projecto “Saúde.Escola” apresentado, na semana passada, no Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio, na Póvoa de Lanhoso. Depois da Escola Sá de Miranda, em Braga, segue-se o Agrupamento Gonçalo Sampaio na adesão ao projecto. Determinar a aptidão física para a prática de desporto é um dos objectivos do projecto, aberto a toda a comunidade escolar.
Segundo os responsáveis do projecto, em Portugal morrem cerca de 255 pessoas, por ano, a praticar desporto. Mostrando-se preocupado com o número crescente de crianças obesas, Emanuel Brandão, responsável pela secção de desporto escolar do Agrupamento Gonçalo Sampaio, considerou que este projecto vem responder a uma preocupação que é “saber se os miúdos estão ou não preparados para a prática de exercício físico”.
Óscar Lopes, do Centro de Medicina Desportiva do Minho e coordenador do projecto, revelou que o “Saúde.Escola” pretende responder a questões como a avaliação de diagnóstico e a educação para a saúde. Cada um dos participantes será sujeito a uma consulta de enfermagem e de medicina, sendo também necessário o preenchimento de um questionário de avaliação de diagnóstico. Peso, altura, tensão arterial e frequência cardíaca são alguns dos valores a avaliar. A estes, junta-se uma avaliação médica e um exame de despiste de patologia cardíaca. A frequência do projecto tem um custo anual de 10 euros, que integrará, também, sessões de esclarecimento e formação.
Até ao momento, cerca de 80 alunos do Agrupamento Gonçalo Sampaio estão inscritos no projecto “Saúde.Escola”.

Buscas em Geraz do Minho e Crespos (Braga)

NIC da GNR apreende armas

No âmbito de um inquérito de furto, o Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso, através do Núcleo de Investigação Criminal, efectuou duas buscas domiciliárias, em Geraz do Minho, na Póvoa de Lanhoso, e em Crespos, no concelho de Braga, das quais resultaram a apreensão de diverso material e a detecção de dois jovens, de 20 e 21 anos.
Das buscas resultaram a apreensão de uma arma de fogo, calibre 6.35mm; uma arma de alarme; uma faca borboleta, uma faca de abertura rápida; 35 munições de diversos calibres; 123 fulminantes por deflagrar; 3.95 gramas de haxixe, várias sementes de cannabis; 2 mocas; um LCD; 1 playstation; um motociclo e diversos componentes de motorizadas. Os dois indivíduos detidos prestaram termo de identidade e residência, tendo um deles sido notificado para comparecer na Comissão de Dissuasão de Toxicodependência, em Braga. Um terceiro indivíduo, de 31 anos, foi também notificado para comparecer na Comissão de Dissuasão de Toxicodependência. De acordo com fonte da GNR, os dois indivíduos estão referenciados em quatro furtos praticados em Novembro de 2012, nos concelhos de Amares (um estabelecimento), Póvoa de Lanhoso (uma residência) e Braga (um estabelecimento, na freguesia de Crespos).

Caminho em Serzedelo

Morador reclama pavimentação

A pavimentação do caminho está prometida há vários anos mas até ao momento é a terra que marca presença na Rua de Vertelo, em Serzedelo. O pó no Verão e a lama no Inverno deixam insatisfeito um dos moradores – António José do Vale Oliveira, emigrado na Suíça. O morador revela que, há dez anos atrás, aquando da construção da sua moradia teve que dar uma garantia para ver o seu projecto aprovado. “Não é preciso mais nada, só o pavimento”, declara, adiantando que teve que pagar do seu bolso para ter luz pública.
Trata-se, e segundo aquele morador, de um caminho com bastante movimento, sobretudo de tractores e motos, pelo que era importante a sua pavimentação.
O “Maria da Fonte” contactou Álvaro Vieira, presidente da Junta de Serzedelo, que informou estar a par das necessidades da freguesia em termos de rede viárias mas as intervenções são realizadas consoante as possibilidades.

Vários estragos no concelho

Garagens inundadas

Algumas garagens, de prédios situados na Avenida 25 de Abril, ficaram inundadas na noite de sexta-feira, dia 18 de Janeiro. Uma das proprietárias alertou o “Maria da Fonte” para aquela situação e apontou a subida do caudal do rio como a causa dos estragos.
De acordo com aquela moradora, a autarquia já foi avisada da situação mas os responsáveis contactados apontaram que deve ser o condomínio do prédio a resolver a situação. O condomínio, de acordo com a mesma pessoa, descartou-se da situação e nada foi feito.
As garagens, que se situam nas traseiras dos prédios, estão próximas ao Rio Pontido, que atravessa o centro da vila.
Com a subida das águas, a situação vai-se repetindo e os proprietários a arcar com as consequências.

Galegos: aqueduto entupido

O entupimento de um aqueduto, no cimo da Rua das Cortinhas, levou a que as águas fossem obrigadas a deslizar pela via pública.
Com as intensas chuvas, os problemas agravaram-se. Os proprietários de uns terrenos agrícolas, localizados próximos daquela rua, queixam-se que a água acaba por arrastar uma grande quantidade de terra e areia para as suas propriedades. Para que tal não voltasse a acontecer, colocaram uns “taipais” improvisados, obrigando a água a circular ao longo da Rua das Cortinhas, o que desagradou a alguns moradores daquela artéria. No local, a proprietária dos terrenos revelou que contactou a Junta de Freguesia, avisando do problema e pedindo que o aqueduto fosse desobstruído para evitar que a  terra e a areia não chegasse aos seus terrenos. Como nada foi feito, por mão própria colocou a vedação improvisada.
A situação ficaria resolvida com a desobstrução do aqueduto, evitando o mal-estar criado entre moradores.

Mau tempo provoca deslizamento de terra e...

Quedas de árvore

A chuva intensa e o forte vento se fez sentir no concelho, na noite de sexta-feira e na madrugada de sábado, dias 18 e 19 de Janeiro, provocaram a queda de árvores e o deslizamento de terras em vários pontos do concelho, obrigando à intervenção dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, dos voluntários do Serviço Municipal de Protecção Civil e da GNR. Em vários pontos do concelho, as águas galgaram as margens dos rios e ribeiros, criando cenários há muito não vistos. Várias garagens, na vila, sofreram inundações.
O deslizamento de terras nas freguesias de Garfe e Esperança foram as situações mais preocupantes.
Durante a tarde de sexta-feira, os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso foram solicitados para ocorrer a inundações na vila da Póvoa de Lanhoso, assim como na freguesia de Taíde. Perto da meia-noite, as atenções centraram-se no deslizamento de terras que ocorreu em Esperança.
A queda de árvores estendeu-se a várias freguesias do concelho, tendo, em muitos dos casos, sido solicitada a presença dos soldados da paz para desimpedir as vias.
Gerás, Esperança, Brunhais, S. Gens de Calvos, S. João de Rei, Rendufinho e Sobradelo da Goma, foram algumas das freguesias onde a queda de árvores obrigou à intervenção dos soldados da paz povoenses. Em Lanhoso, as intensas chuvas provocaram o deslizamento de terras e árvores na estrada de acesso ao lugar dos Tinocos, desde o loteamento de Via Cova. Os bombeiros foram também chamados, pelas 20 horas de sábado, para a limpeza de uma via, em Fontarcada. Em Vilela, verificou-se também o deslizamento de terras, obrigando à intervenção dos bombeiros.
A ponte de Nasceiros, que liga as freguesias de S. Martinho do Campo e Garfe ficou submersa. Em Santo Emilião, o aumento do caudal do rio provocou inundações em vá-rias habitações, tendo a Quinta Cedro do Ave sofrido elevados estragos.

No Natal para o comércio...

Emigrantes: lufada de ar fresco

A época natalícia contou, mais uma vez, com a vinda dos emigrantes que se deslocaram à sua terra natal para visitar os seus familiares e passar alguns dias de férias.
Nesta ocasião, estão em maioria os filhos da terra que escolheram a Suíça para se estabelecer na procura de uma vida melhor para as suas famílias.
O movimento de pessoas e veículos cresceu, sobretudo na última quinzena de Dezembro. Os lojas comerciais ganharam nova vida e a vinda dos emigrantes é uma verdadeira lufada de ar fresco para o comércio local que vê aumentar as suas vendas.
O “Maria da Fonte” contactou com alguns comerciantes da nossa vila e todos foram unânimes em afirmar que as vendas aumentaram na época natalícia, sobretudo com a vinda dos emigrantes. Passadas as festividades do Natal e do Ano Novo, fomos junto de alguns comerciais para fazer o “rescaldo” da época natalícia.
Cecília Rodrigues é funcionária de uma loja de utilidades, na vila da Póvoa de Lanhoso, a chamada “loja dos 300”.
O comércio povoense não passa ao lado da crise e Cecília Rodrigues afirma que a queda nas vendas já se sente de há dois anos para cá.
A última semana de Dezembro foi de trabalho intenso pois ainda há quem deixe as compras para a última da hora.
“Quem deixa para a última da hora acaba por não olhar para o preço daquilo que compra. Por vezes, até acabam por levar uma coisa que até não gostam muito. Se comprassem antes, conseguiriam melhores preços e mais oferta. Quem compra mais antecipadamente tem mais variedade”, explica, revelando que muitos clientes procuram prendas mais baratas para oferecer.
“Não digo que reduzem no número de prendas. Levam é mais barato e assim dá para mais gente. Por exemplo, se antes levavam prendas de vinte euros, agora procuram de cinco euros e assim podem comprar para todos”, revela, destacando a vinda dos emigrantes como um factor positivo nas vendas pois os filhos da terra ainda continuam a apostar no comércio tradicional.
Ricardo Castro é proprietário de uma pastelaria na vila e não notou muita quebra nas vendas nesta época natalícia.
“O bolo-rei normal continua a estar no topo das preferências dos povoenses mas te-mos também bolo-rei com frutos secos, chocolate e com creme. Cerca de 70 a 80% dos clientes continuam a comprar o bolo-rei tradicional”, explica, esclarecendo que “as novidades são apreciadas, sobretudo pelos mais jovens”.
“As pessoas procuram bolos-reis mais pequenos. Há dez anos atrás, os bolos-reis tinham um quilo ou mais. Agora, procuram mais pequeno para poupar. Pedem para fazer bolos-reis de meio quilo. Há dez anos era impensável. Agora somos nós próprios que fazemos, que apostamos em fazer bolos mais pequenos”, diz-nos Ricardo Castro, concordando que a vinda dos emigrantes aumenta o volume de negócios.

Garfe

Maria da Luz fez 101 anos

Nasceu a 12 de Janeiro de 1912, na freguesia de Garfe, onde permanece até aos dias de hoje. Maria da Luz Carvalho, a menina dos olhos da sua família, completou 101 anos. A centenária garfense foi notícia no “Maria da Fonte”, no ano passado, ano em que completou um século de vida. Mais uma vez, e num clima de grande alegria, os seus familiares reuniram-se para lhe cantar os parabéns. A aniversariante reside no Caminho do Carvalhinho, onde nasceu. A princesa lá de casa, como é tratada carinhosamente pela família, vive com a sua única filha, Maria Alice. 
Tem no padre Luís Peixoto Fernandes o seu grande amigo. No ano passado, as comemorações do seu 100.º aniversário ficaram marcadas pela celebração de uma missa de acção de graças e pelo cantar de parabéns que reuniu a população da freguesia. São 101 anos de uma vida recheada de recordações, de trabalho e luta.
Executivo liderado por Manuel Baptista 
desiludido com ex-vereadora
Luís Amaro da Costa
no lugar de Fátima Moreira


A reunião de câmara da passada segunda-feira, dia 7 de Janeiro, ficou marcada pela alteração da composição do grupo de vereadores. Luís Amaro da Costa, eleito na lista do PSD, assumiu funções na sequência da renúncia ao mandato de Fátima Moreira. O ‘Maria da Fonte’ sabe que esta alteração está a gerar grande polémica fruto de um aparente recuo por parte da ex-vereadora que alega, em carta enviada recentemente ao presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, não ter renunciado ao mandato, mas sim pedido a exoneração dos pelouros, mantendo-se como vereadora.

Pesa 5OO quilos:
‘Reco’ é atracção na P. Lanhoso


Com os seus 500 quilos de peso, o ‘Reco’ é já uma atracção e são muitos os que se deslocam até à propriedade de Acácio da Cunha Soares, na vila da Póvoa de Lanhoso, para o conhecer.

EDITORIAL


Armindo Veloso
 

Cair na real

Ora cá está ele. O 2013.
Como o mundo não acabou, mesmo com o adiamento – começou por ser para o dia doze de Dezembro e passou para o dia vinte e um do mesmo mês. Há mesmo gente que não tem o que fazer a não ser dizer disparates, como disse o nosso conceituado cientista Carlos Fiolhais – lá temos que fazer o melhor para que o ano dois mil e treze não seja o cabo das tormentas que muitos prognosticam.
Há tempos atrás dizia o mal amado António Borges – por muito que se discorde dele é um dos portugueses que nas últimas décadas mais prosperou no resto do mundo... - que o mais importante que era necessário fazer em Portugal estava feito.
Então a que se referia António Borges? Ao crescimento económico? Não. Também não poderia ser. Está à vista dos olhos. Seria às reformas estruturais? Negativo. Sendo fundamentais só darão resultados daqui a alguns anos. Seria aos juros no mercado secundário - nos prazos mais longos que são os que contam mais - terem baixado da casa dos vinte para os sete por cento? Não.
Era, isso sim, as pessoas terem mudado de mentalidade. Ou seja terem-se convencido que não podiam continuar a viver e a consumir como nos últimos quinze anos.
E isso, o mais importante segundo António Borges, já tinha sido conseguido. À custa de “sangue, suor e lágrimas”? Sim , mas tinha sido conseguido.
Vou cometer uma heresia: Concordo inteiramente com António Borges. E nunca trabalhei no Goldman Sachs nem no FMI...
A primeira das grandes reformas que era necessário ser feita em Portugal e no resto da Europa, antes de sermos engolidos pelos BRIC: Brasil, Rússia, Índia e China, pelo menos, era de facto cairmos na real e vermos que o mundo do consumo desenfreado e do dinheiro fácil não é tão cor de rosa como nos fizeram crer durante mais de uma década.
Passadas as dores do parto iremos ser mais felizes?
Até um dia destes.
CASTELO

Sinistralidade

No ano de 2012 morreram 580 pessoas nas estradas. Os dados foram divulgados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária e é necessário recuar à década de 50 para chegar a tais números. Recorde-se que, nessa época circulavam nas estradas cerca de 150 mil veículos contra os mais de 6 milhões existentes na actualidade. A redução do total de vítimas durante o ano de 2012, relativamente ao ano transacto, proporcionou ao país uma poupança estimada em cerca de 215 milhões de euros.
CASTELO DE AREIA
Larápios
O trabalho e empenho das gentes de Sobradelo da Goma foi por água abaixo devido à actuação dos “amigos do  alheio”. Estavam reunidos cinco mil euros para atender às necessidades mais prementes do Centro Social de Sobradelo da Goma. A verba seria utilizada para a renovação do telhado da instituição. O dinheiro, fruto de várias iniciativas realizadas em colaboração com as gentes da freguesia, foi levado pelos larápios e a substituição do telhado fica agora adiada.

Executivo desiludido com Fátima Moreira

Luís Costa é o novo vereador

A reunião de câmara da passada segunda-feira, dia 7 de Janeiro, ficou marcada pela alteração da composição do grupo de vereadores. Luís Amaro da Costa, eleito na lista do PSD, assumiu funções na sequência da renúncia ao mandato de Fátima Moreira.
O ‘Maria da Fonte’ sabe que esta alteração está a gerar grande polémica fruto de um aparente recuo por parte da ex-vereadora que alega, em carta enviada recentemente ao presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, não ter renunciado ao mandato, mas sim pedido a exoneração dos pelouros, mantendo-se como vereadora.
Manuel Baptista terá mesmo ficado desiludido com a postura da ex-vereadora pois a carta que esta enviou no início de Novembro a renunciar ao mandato é na sua opinião esclarecedora. O 'MF' teve acesso à missiva enviada ao presidente da Câmara por Fátima Moreira onde se pode ler “por motivos pessoais, venho por este meio, apresentar o meu pedido de renúncia ao cargo de vereadora a tempo inteiro da autarquia a que v.exa. preside, nos termos do nº 1, do artigo 76º da lei 169/99 de 18 de Setembro”. É esta referência à lei que, segundo fonte da autarquia, não deixa qualquer margem para dúvidas pois esse artigo refere-se expressamente à renúncia ao mandato e não à exoneração dos pelouros.
Nos corredores dos Paços do Concelho especula-se que esta tentativa de recuo, que acontece mais de um mês após a primeira carta, prende-se com a vontade de Fátima Moreira tentar condicionar o executivo nesta fase final do mandato, pois é certo, nas fontes que consultamos, que a ex-vereadora integrará uma lista contra a actual maioria nas próximas eleições autárquicas. “Não tenho dúvidas que é uma estratégia política que estava pensada há vários meses de afronta ao executivo, mas é incompreensível pois quem hoje diz uma coisa e amanhã o seu contrário não poderá augurar grande sucesso” revelou uma fonte próxima do executivo.

Volte-face de Fátima Moreira mereceu posição de Manuel Baptista
Em carta enviada ao presidente da Câmara da Póvoa de Lanhoso, datada de 17 de De-zembro, Fátima Moreira revela que foram trocadas “informações” via correio elec-trónico entre o presidente da Câmara e Manuel Ferreira, presidente da Mesa da Assembleia Geral da Régie Cooperativa Centro de Criatividade, e-mails esses que, no seu entender, mereciam um esclarecimento. A ex-vereadora afirma que não renunciou ao mandato, como tinha sido referido nessas “informações", e marca posição relativamente à sua posição no executivo povoense. “O meu pedido não é de renúncia ao mandato para que fui democraticamente eleita e que exerço com toda a honra e orgulho, mas sim corresponde ao pedido de exoneração do cargo de vereadora a tempo inteiro dos pelouros da Cultura e Turismo, Acção  Social, Saúde e Qualidade de Vida, por considerar que nas circunstâncias actuais, tendo em conta a situação financeira da Câmara Municipal, o seu abrandamento na generalidade das dinâmicas, projectos e acções, não é administrativamente indispensável para o município mas antes financeiramente prejudicial as funções a tempo inteiro do quarto vereador".

Presidente da Câmara diz que agiu em conformidade
Este volte-face da posição de Fátima Moreira mereceu uma resposta detalhada do presidente da Câmara Municipal, em carta enviada à ex-vereadora no dia 21 de Dezembro. Manuel Baptista nega qualquer “lapso” na interpretação do artigo citado por Fátima Moreira, revelando que “em momento algum", “nas várias conversas pessoais” que tiveram e nas “declarações publicas que prestou", Fátima Moreira “manifestou vontade contrária àquela que comunicou na carta de 5 de Novembro último".
Por outro lado, Manuel Baptista esclareceu que a autorização sobre a possibilidade do terceiro vereador exercer funções a tempo inteiro “é uma decisão do órgão executivo sob proposta do presidente da Câmara Municipal e não de uma decisão individual do respectivo vereador".
Por fim, o líder da autarquia povoense informou Fátima Moreira que, “em conformidade manifestada” pela ex-vereadora em carta datada de 5 de Novembro, e “cumprindo a lei, foram tomadas as diligências no sentido de ser substituída".

Iniciativa da Câmara Municipal

‘Férias Activas’ a apoiar famílias

Está concluída mais uma edição do programa “Férias Activas – Natal 2012”, promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso com o objectivo de ocupar os tempos livres de crianças e jovens com idades entre os 6 e os 16 anos, que decorreu de 17 a 28 de Dezembro.
Oferecendo um programa diversificado, que alia propostas pedagógicas com propostas lúdicas, de lazer e desportivas, o “Férias Activas” já faz parte das opções de pais e mães preocupados em ocupar de forma saudável os filhos e as filhas em período de férias letivas. Por isso, o programa é uma medida da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso que procura apoiar as famílias povoenses. O programa proposto foi cumprido conforme previsto. Desta vez, as propostas passaram bastante pela participação em ateliers e workshops bem como por ações de informação e de formação sobre temáticas distintas.
Assim, o Atelier de Caixas de Natal e o Workshop de Técnica do Guardanapo contaram com a colaboração da formadora Andrea Fernandes; a ação de sensibilização sobre Higiene Oral foi dinamizada pela Médica Dentista Diana Machado, sendo que as pessoas participantes fizeram um check up dentário; a Oficina das Profissões “Serralharia – Trabalhar o Ferro” contou com a participação de José Sousa; e a iniciativa “Anda Decorar a Biblioteca – Bolas Coloridas” foi coordenada por Sofia Freitas.
Quem participou teve diversas opções, para além das já referidas, como Jogos de Sala, Torneio Fifa 13 ou Play Zone; como uma Tarde Desportiva e Jogos Aquáticos na Piscina Municipal Coberta; ou como visitas à Aldeia Natal e a Garfe, Aldeia dos Presépios. Mais uma vez, as crianças e jovens que participaram gostaram do progra-ma e alguns pais e algumas mães já afirmaram que vão voltar a inscrever as crianças nas próximas edições do “Férias Ativas”.

Sobradelo da Goma

Telhado adiado devido a furto

O padre Albino Carneiro é o rosto da desolação. Os cinco mil euros arrecadados em iniciativas, e que seriam usados para responder a necessidades urgentes do Centro Social e Paroquial de Sobradelo da Goma, foram levados pelos larápios. A mudança das telhas no edifício do Centro Social seria a primeira reformulação a ser efectuada com a verba arrecadada ao longo de vários meses.
O furto foi descoberto na manhã de quinta-feira, dia 3 de Janeiro, pela directora técnica da instituição que, de imediato, alertou os responsáveis para o sucedido, tendo sido chamadas as forças de segurança ao local, para a recolha de vestígios e indícios que possam levar aos autores do furto.
Ao que tudo indica, e de acordo com o padre Albino Carneiro, os larápios acederam ao interior do edifício por uma janela, tendo, posteriormente, e depois de rebentar a janela de um dos gabinetes, acedido ao cofre. Estroncada a porta, os meliantes apoderaram-se do dinheiro e de um cheque que ali se encontrava, num furto que ascende aos 5 mil euros.
“O dinheiro tinha sido amealhado nas actividades desenvolvidas ao longo dos últimos meses, como uma feirinha, um almoço solidário e o magusto”, diz.
“O objectivo era reformular o edifício. Começaríamos por mudar o telhado”, esclarece o padre Albino Carneiro. O cheque foi cancelado mas como diz o padre Albino, o dinheiro não fala.
“Esse dinheiro era para responder a necessidades urgentes como era a mudança da telha, porque entra muita humidade e queríamos resolver esse problema no imediato. De momento, fica adiado. Dá pena. Foi o esforço, o trabalho e o sacrifício de muitas pessoas. As pessoas excederam as nossas expectativas. Esta comunidade tem sido excepcional. Estou aqui há um ano e a comunidade tem respondido às nossas solicitações. Temos que olhar à situação crítica que estamos a viver e as famílias têm as suas dificuldades mas têm correspondido e têm sido excepcionais. Dá pena porque custou tanto, tanta gente a trabalhar, tanto sacrifício da parte das pessoas que vêem, do dia para a noite, esse esforço ir por água abaixo”, diz o sacerdote, com desalento.

Fontarcada

Dois feridos ligeiros em acidente

O choque entre duas viaturas provocou, na manhã de sábado, dia 5 de Janeiro, dois feridos ligeiros. O acidente ocorreu, pelas 11h05, na Estrada Nacional 205, em Fontarcada, e envolveu um Fiat Punto e um Honda. Os condutores das duas viaturas, de 26 e 42 anos, ambos de Sobradelo da Goma, ficaram feridos e foram assistidos no local pelos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso e pela equipa médica da VMER de Braga.
O condutor da uma viatura que seguia em sentido contrário, e que presenciou o acidente, revelou ao “Correio do Minho” que o acidente ocorreu no momento da ultrapassagem de uma das viaturas. Ambos os veículos seguiam na direcção da Póvoa de Lanhoso. Depois do alegado to-que sofrido, o Fiat Punto embateu na vedação de um stand e acabou por capotar num  terreno agrícola junto à estrada. A segunda viatura, o Honda, entrou em despiste e um poste em cimento evitou que capotasse. Ambos os veículos ficaram com elevados danos.
Os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso foram chamados para socorrer os feridos e compareceram no local com 16 elementos, apoiados por três ambulâncias, uma viatura de desencarceramento e uma viatura de apoio. Apesar de não ter sido necessário desencarcerar as vítimas, os soldados da paz usaram o desencarcerador no apoio à estabilização de uma das viaturas, o Honda, e à extracção do condutor.
Os feridos, depois de assistidos no local, foram transportados ao Hospital de Braga. A GNR da Póvoa de Lanhoso esteve no local e tomou conta da ocorrência.

Póvoa de Lanhoso

GNR combate droga nas escolas

A vila da Póvoa de Lanhoso foi palco, na manhã de quarta-feira, dia 2 de Janeiro, de uma operação de combate à introdução e consumo de substâncias estupefacientes nos estabelecimentos de ensino desencadeada pelo Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso. No decurso da operação, desenrolada em duas unidades de ensino e dois estabelecimentos de restauração e bebidas localizados nas proximidades, a GNR apreendeu dez gramas de haxixe e 30 engenhos pirotécnicos, as chamadas “bombas de  carnaval”. Um jovem, de 16 anos, residente no concelho de Guimarães, foi detido pelos militares da GNR. Posteriormente, foi libertado e notificado para comparecer no Tribunal Judicial da Póvoa de Lanhoso.
Além da fiscalização, o Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso procurou sensibilizar os jovens alunos para os perigos associados ao consumo de substâncias estupefacientes, com a entrega de panfletos informativos. Os militares da GNR passaram revista a cerca de uma centena de alunos, que se encontravam no interior das salas de aulas e nos estabelecimentos de restauração e bebidas.
A operação envolveu militares do Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso (Secção de Programas Especiais, NIC e Posto da Póvoa de Lanhoso), assim como dois binómios cinotécnicos do Destacamento de Intervenção da GNR de Braga. O Joca e o Trovão deram o seu contributo na operação. Com o seu apurado faro, foram uma grande ajuda aos militares da GNR. A intervenção da GNR vem dar resposta às preocupações levantadas por professores e encarregados de educação, relativamente ao consumo de produtos estupefacientes por parte de alguns alunos.

Na Póvoa de Lanhoso

Com 500 quilos ‘Reco’ é atracção

Com os seus 500 quilos de peso, o “Reco” é já uma atracção e são muitos os que se deslocam até à propriedade de Acácio da Cunha Soares, na vila da Póvoa de Lanhoso, para o conhecer.
Tem cerca de 3 anos de idade e um porte que intimida mas o “Reco” é um animal afável e gosta muito de carinhos, como nos conta o seu dono, Acácio Soares. Na Rua de Bagães, na vila,  povoense, Acácio Soares e a esposa Maria Carminda mostram orgulhosos o “Reco”. Há cerca de um mês, a balança acusava os 500 quilos. Exemplar de grande apetite, o “Reco” conta na ementa diária com couves, batatas, erva e farelo. “Um porco destes não é só com erva e farinha que se põe assim. Tem que ser com ração”, explica Acácio Soares. O “Reco” é descendente de exemplares de grande peso. A mãe pesava mais de 300 quilos e o seu progenitor ultrapassou os 500 quilos de peso. E como diz o ditado: quem sai aos seus não degenera. O “Reco” conta com 500 quilos e não deixa os créditos por mãos alheias. Conhece bem os seus donos e mal sente a presença de Maria Carminda reclama para que esta lhe dê alimentos.
“Há pessoas, e com bastante idade, que dizem que nunca viram nada assim. Um senhor, de Oliveira, que foi ver o porco de S. Torcato, disse que este é superior. Quem o visita revela que no distrito não deverá existir um suíno com aquele porte”, diz-nos Acácio Soares.
Depois de 20 anos radicado na Suíça, Acácio Soares e Maria Carminda voltaram à Póvoa de Lanhoso, onde têm a sua habitação. O gosto pelos animais é partilhado pelo casal e é Maria Arminda quem se ocupa dos animais espalhados pela propriedade. Ao “Reco”, o rei do quintal, juntam-se várias espécies de patos, gansos, perus e até pavões.
“Gosto muito de os ver. Os animais não dão lucro, só dão despesa mas tenho gosto em tê-los. O tempo da minha esposa é passado a tratar dos vários animais”, revela Acácio Soares. “Tenho muito gosto pelos animais mas quantos mais arranjar mais trabalho dou à minha esposa pois é ela que se ocupa deles pois eu não posso trabalhar.A minha esposa partilha comigo o gosto pelos animais. Ela é muito querida para os animais. Se não fosse ela eu não teria estes animais”, adianta o dono do “Reco”.

Conjunto musical com origem em Calvos

‘Ritmo M80’: concerto solidário

Mais de uma centena de pessoas assistiu ao concerto de apresentação do Grupo Musical “Ritmo M80”, no passado sábado, dia 5 de Janeiro, no Theatro Club da Póvoa de Lanhoso.
Após alguns anos de interrupção, o “Ritmo M80”, com mais de 30 anos de actividade, sediado na freguesia de Calvos, presenteou o público com um concerto de apresentação.
Este concerto de apresentação teve uma vertente de solidariedade para com o Centro Social e Paroquial de Calvos. Assim, o valor angariado com a venda dos bilhetes reverteu totalmente a favor da construção das novas instalações do Centro Social.
 Por tal motivo, o Presidente da Direcção do Centro Social de Calvos, Padre Albino Carneiro, abriu este espectáculo, dando as boas-vindas aos presentes e agradecendo a participação de todos. O presidente da Instituição agradeceu também ao Grupo Musical “ Ritmo M80” o gesto nobre que teve para com o Centro Social, lembrando que também é um gesto solidário para todos aqueles que usufruem dos serviços prestados pela Instituição. Para terminar, o Padre Albino Carneiro agradeceu o apoio disponibilizado pela Câmara Municipal e seus técnicos na organização e divulgação do evento.
O “Ritmo M80” apresentou ao público um reportório com músicas dos anos 80, que animaram, e muito, todos os presentes.
Esta “prenda” oferecida pelo “Ritmo M80” ao Centro Social de Calvos foi mais uma prova da solidariedade que a população tem demonstrado para com a obra do novo Centro Social.
A direcção de Centro Social aproveita para mais uma vez agradecer ao “Ritmo M80” e à Câmara Municipal a realização deste concerto solidário.

Devido à crise

Sapateiros com mais trabalho

Como dizem muitos, o dinheiro faz-se pouco. Com os preços de bens e serviços a subir e os rendimentos mensais a baixar, é necessário encontrar algumas estratégias e adoptar comportamentos de anos atrás para se poupar alguns euros. É na roupa e no calçado que os povoenses vão encontrando forma de poupar algum dinheiro. Há dez anos atrás, o destino de algum calçado seria o lixo. Nos tempos em que estamos, com uma capas e umas solas e um bocadinho de cola, aos quais se junta a graxa, o calçado ganha nova vida para mais um tempo de utilização, impedindo que os seus proprietários os enviem para o lixo e desembolsem dinheiro para a aquisição de novos pares.
O mesmo caso passa-se também na roupa. Do fundo do baú são tiradas as peças que estavam guardadas e depois de uns retoques, e adaptadas ao estilo da actualidade, ficam como novas.
O ‘Maria da Fonte’ foi ao encontro de três profissionais da vila para saber como a tão propalada crise tem influenciado o seu trabalho.

Há 33 anos às voltas com o calçado
Trabalha por conta própria há 33 anos mas trabalha na arte do conserto de calçado desde os 7 anos. Armando Macedo do Vale aprendeu a arte na Sapataria Morais a partir dos 7 anos.
“Fui para a escola primária e gostei da arte. Hoje, talvez não escolheria esta arte. O futuro disto está quase a chegar ao fim. Eu digo o futuro da pessoa que sabe trabalhar de forma artesanal. Desde os sete anos que me lembro de fazer botas com ele para os emigrantes levarem para França. Custavam 270 escudos cada par de botas. Fazíamos botas de pneus”, diz-nos, orgulhoso do seu trabalho.
“Agora, há muitos habilidosos e isso não é arte. Fui para a escola primária e fui logo aprender a arte, mas as pessoas não valorizam isto. Não valorizam a qualidade do trabalho. A vida está difícil para toda a gente e olham para quem faz mais barato. Não prescindo da qualidade. Gosto de fazer bem feito. Tenho bons clientes e clientes do Porto e de Lisboa mas o maior forte são os emigrantes”, afirma Armando Macedo do Vale.
 Sente que há pessoas que levam o calçado a arranjar que anos antes deitavam ao lixo?, questionamos ao que o nosso entrevistado responde que “o  calçado chinês, e falando honestamente, veio tirar qualidade ao conserteiro, porque gosta de trabalhar num artigo bom e fazer as coisas bem feitas”.
“Compram um par de sapatos por dez euros e vêm cá para colar e eu não posso trabalhar de graça, tenho a minha vida. Levo 2,5 euros e eu não engano as pessoas. Quando não compensa, eu digo para deitarem fora. A tendência vai ser muito má se isto não der uma volta”, confessa.
Nos último tempos, nota que as pessoas trazem mais calçado para arranjar que, se calhar, numa outra ocasião deitariam fora e nem trariam para arranjar.
“Não engano ninguém. Digo o valor e as pessoas vêem se compensa arranjar. Ainda agora tiveram esse exemplo. Dois pares de botas baratas que não compensaram o arranjo”, revela.
“O trabalho já não é o que era. Fazem com que percamos trabalho pois compram barato e depois não compensa arranjar. Antigamente, era tudo em pele não havia sintéticos. Hoje em dia, temos que nos sujeitar ao que há”, diz-nos Armando Macedo do Vale.
“Há cerca de 15 anos veio cá a mãe pedir trabalho para o filho. Esteve 3 ou 4 dias e nunca mais apareceu. A partir daí nunca mais apareceu ninguém”, diz-nos, adiantando que a arte artesanal poderá ficar em causa no futuro.

Meio século a trabalhar no calçado
Devem faltar poucos meses para António Manuel Alves Morais completar cinquenta anos como sapateiro, num labor que passou de seu pai.
Sucedeu ao pai no negócio e permanece no centro da vila, no mesmo local onde o seu pai iniciou a arte.
“Fiz a quarta classe e vim para aqui trabalhar. Neste mesmo local. Nunca saí daqui. Vim trabalhar com o meu pai. Mal acabei a escola vim trabalhar para aqui. Esta loja existe há 60 anos. Nas férias grandes da escola já vinha para aqui”, dá-nos a conhecer António Manuel Morais.
“Continuo com muito trabalho. É demais para mim. Antigamente, ainda eu não estava aqui, eram quatro empregados. Agora, sou eu sozinho”, revela.
“Há certas coisas que hoje se faz que há 10 anos não se fazia. Havia mais dinheiro. Colocar solas é um dos exemplos. Há dez anos atrás, deitava-se o calçado fora. Se for uma bota de pele compensa mas se for uma boa sintética não compensa”, explica.
“Trabalho com qualidade e prefiro não fazer se souber que não fica bem. Ou faço em condições ou não faço. Só aceito calçado que compense o conserto e que veja que pode ficar bem. Prefiro dizer que não faço se souber que o trabalho não vai ficar bem feito”, diz peremptório, defendendo um trabalho com qualidade.

Cristina Castro - Engenheria Têxtil e Vestuário

Roupa adaptada às novas modas

Licenciada em Engenharia têxtil e vestuário, Cristina Castro abriu a própria loja há dois anos na vila da Póvoa de Lanhoso. Ao local de venda de fardamento, que ela própria também confecciona, juntou a vertente dos arranjos de roupa. Pela quantidade de sacos que se avistam, aquele serviço tem muita procura. Foi o juntar o útil ao agradável, como revela Cristina Castro.
As remodelações são uma das ocupações desta empresária. Pegar em peças arrumadas e adaptá-las à moda actual tem sido uma das preocupações de muitos povoenses.
“Nota-se, principalmente em roupas de marca e casacos, em que as pessoas procuram fazer uma remodelação. Não que essas peças estejam muito gastas ou usadas mas transformá-las em peças com mais moda, mais estilo, adaptá-las à realidade. Evita que comprem novas”, adianta Cristina Castro.
Aqui, as mãos habilidosas fazem de tudo um pouco. “Reforços, mangas, fechos. Todo o tipo de trabalho necessário à recuperação de peças”, esclarece.
“Nota-se um aumento, principalmente nos últimos seis meses. As calças à boca-de-sino agora usam-se estreitas. Vão ao baú buscar as calças para adaptar ao estilo actual. Acho que é uma área com futuro mas é necessário haver profissionais à altura. Há muitas pessoas ditas costureiras mas apenas sabem costurar à máquina. Neste serviço, é preciso saber um pouco de corte e de molde para ver onde se vai mexer nas peças”, salienta Cristina Castro, que se mostra satisfeita pela aposta.
Até ao dia 6 de Janeiro
Garfe uma aldeia de Presépios

Quinze presépios, espalhados pelos vários lugares da freguesia, voltam a transformar Garfe na 'Aldeia dos Presépios'. Até ao dia 6 de Janeiro, a paróquia do padre Luís Fernandes transforma-se num presépio gigantesco, assumindo-se como um ponto de passagem obrigatória na época natalícia.

Santa Casa da Misericórdia
Humberto Carneiro mais 3 anos

Humberto Carneiro foi empossado, na tarde de sexta-feira,  dia 14 de Dezembro, para mais um mandato à frente dos destinos da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso.  As obras de remodelação e ampliação do Hospital António Lopes foram uma das razões que levaram Humberto Carneiro a abraçar um novo mandato de três anos como Provedor da  instituição

EDITORIAL


Armindo Veloso
 


0123

Acho piada aos números que compõem o ano que aí vem. Espero que ao eu os ter colocado por ordem crescente no título desta crónica seja um bom presságio.
Francamente, na minha opinião será dos anos mais difíceis das últimas décadas e ou a coisa começa a dar para o bem e se vislumbram sinais de esperança ou teremos o caldo entornado e bem entornado.
A Europa, toda ela, está em crise mas o garrote que os países do sul têm suportado depois de anos de prosperidade fabricada à custa de dinheiros sujos - sim sujos, porque o dinheiro dos mercados quando impingido de forma irresponsável pelos bancos transforma-se em dinheiro sujo - terá de ter um fim.
Quando nos levantarmos do chão e olharmos para trás, a história está cheia de quedas e levantamentos, quem sabe não teremos saudades destes anos loucos de abundância aparente.
Ainda gostava de saber como os historiadores do futuro descreverão daqui a cem ou duzentos anos os últimos vinte. Será como as “dores de parto” de uma Europa Federal que resultou num grande estado de Nações unidas por interesses comuns e próspera ou será como o início de uma “tempestade perfeita” chamada Europa onde o estado social aí criado, e que nós hoje temos e defendemos, vai ser visto como uma ilusão que entretanto se esfumou?
Para já, peçamos um 2013 com o essencial.


BOM ANO NOVO!

Até um dia destes.
CASTELO

Natalidade


O NaturaLanhoso é a mais recente medida social apresentada pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. Por cada bebé que nasça em 2013 no concelho, as famílias irão dispor de um valor até mil euros para adquirirem no comércio local produtos para o recém-nascido.
A medida, e de acordo com a Câmara Municipal, procura também apoiar os estabelecimentos comerciais localizados no concelho.
CASTELO DE AREIA
Maus-tratos
De acordo com Deolinda Barata, da Sociedade Portuguesa de Pediatria, estão a aumentar os maus-tratos físicos e a negligência a crianças. Segundo aquela responsável, que preside à secção de pediatria social, 459 crianças foram alvo de maus-tratos. Os casos de negligência têm vindo a aumentar e os mesmos podem estar relacionados com as dificuldades que muitas famílias atravessam.

Conselho Local de Acção Socia (CLAS)

Novas políticas sociais

O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, presidiu à reunião do CLAS – Conselho Local de Acção Social.
Durante esta reunião de trabalho, as pessoas representantes das entidades parceiras ficaram a conhecer com mais pormenor novas políticas sociais como o NaturaLanhoso, projeto de incentivo à natalidade da Câmara Municipal, de entre outras.
As pessoas presentes foram ainda informadas sobre a apresentação da candidatura por parte do nosso município à OM S para a integração da Póvoa de Lanhoso na Rede Global das Cidades Amigas do Idoso, sendo que o certificado é entregue em janeiro de 2013.
Nesta reunião, abordou-se ainda uma proposta de trabalho a levar às Comissões Sociais Inter Freguesias, que engloba uma análise e discussão da situação socio económica concelhia, destacando os sinais sociais em que a crise se está a reflectir e as acções extraordinárias em curso accio-nadas para o atual contexto.
As pessoas presentes nesta reunião do CLAS foram ainda informadas sobre o ponto de situação das Comissões Sociais Inter Freguesias, de entre outros aspetos.
Esta reunião decorreu na Casa da Botica, na tarde de 18 de Dezembro.

Banco de Voluntariado da Póvoa de Lanhoso faz ligação entre o dar e o receber
Para assinalar o Dia Internacional do Voluntariado (5 de Dezembro), a Câmara Municipal, através do Banco de Voluntariado, promoveu a  apresentação dos resultados de um projecto de voluntariado e de educação artística promovido em Cabo Verde e de que foi uma das entidades parceiras.
Esta apresentação contou, de entre outras, com a colaboração do Banco de Voluntariado (BV) da Póvoa de Lanhoso.
O reconhecimento da importância do voluntariado levou à implementação pela Câmara Municipal do Banco do Voluntariado, em funcionamento desde 2006.
Esta resposta social representa o encontro entre pessoas que manifestam a sua disponibilidade e vontade para serem voluntárias e as instituições que promovem e disponibilizam contextos de voluntariado em áreas socialmente úteis.
Já são bem mais de 100 as pessoas voluntárias, com perfis, disponibilidades, motivações e interesses diferentes, e são diversas as entidades com abertura para acolher voluntários(as).

Santa Casa da Misericórdia da P. Lanhoso

Humberto Carneiro empossado

Humberto Carneiro foi empossado, na tarde de sexta-feira, dia 14 de Dezembro, para mais um mandato à frente dos destinos da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso. As obras de remodelação e ampliação do Hospital António Lopes foram uma das razões que levaram Humberto Carneiro a abraçar um novo mandato de três anos como Provedor da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso.
As obras a realizar pela Misericórdia povoense resultam, e de acordo com Humberto Carneiro, da necessidade de dotar a unidade hospitalar de novas valências e dar resposta às exigência colocadas pelos regulamentos das unidades hospitalares. O investimento rondará os 2,5 milhões de euros e trará novas valências e novas consultas de especialidade de cirurgias, internamento com 21 camas e duas salas de bloco operatório.
Duma valência deficitária, o Hospital António Lopes passou a ser a valência mais importante em termos de sustentabilidade da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso. O reconhecimento do Hospital António Lopes, como um “Hospital 5 estrelas” por parte da Administração Regional de Saúde foi também destacado pelo Provedor Humberto Carneiro.
“Esta distinção leva-nos a uma reflexão, hoje e no passado, e o seu contributo (das Misericórdias) nos serviços prestados à comunidade, o seu papel incontornável na cooperação com o Estado em prol da melhoria da qualidade de vida dos nossos concidadãos, contribuindo cada vez mais para o reforço do Estado Social”, referiu Humberto Carneiro.
Os acordos de colaboração, no âmbito da “Consultas a Tempo e Horas”, instituídos em Abril de 2011 mereceram uma reflexão por parte de Humberto Carneiro. Salientando que os mesmos permitiram a redução das listas de espera, o provedor da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso destacou que este vem permitir a comparação de preços entre o público e o privado.
“As Misericórdias fazem mais com menos, com a mesma qualidade e o mesmo humanismo”, revelou Humberto Carneiro, destacando que os preços praticados pelas misericórdias são significativamente mais baixos.
As cantinas sociais e o banco dos medicamentos foram outros dos assuntos abordados por Humberto Car-neiro que, no seu discurso, realçou o excelente trabalho desenvolvido por Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas, a sua total entrega, dedicação e paixão.
“Estamos certos e conscientes das dificuldades e dos enormes desafios que se nos colocam mas tudo iremos fazer com dedicação, carinho e espírito de servir para que os possamos ultrapassar”, disse ainda o Provedor da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso.
Para além de Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas, de António Pedras, presidente do Secretariado Regional da União das Misericórdias, a cerimónia contou com a presença, de entre outras, de Rui Barreira, director do Centro Distrital da Segurança Social de Braga, de Gabriela Fonseca, vice-presidente da Câmara Municipal, e do Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga. “Olhando para o exterior, podemos dizer que hoje é um dia de temporal, um dia de tempestade. Se isto acontece em termos climatéricos e se passarmos dessa dimensão para ambiente social, com certeza que também sem fazer juízos de qualquer espécie temos que reconhecer que a sociedade também se encontra um pouco agitada. Encontra-se agitada provocando algum medo, alguma perplexidade, algumas interrogações sobre o presente e sobre o futuro. Esta é uma realidade na qual nós estamos inseridos e na qual nos sentimos responsáveis também por ela”, revelou D. Jorge Ortiga. “Hoje os desafios são consistentes, mais sólidos mas também aí teremos, em nome da fé, que intervir para responder”, considerou.
“Não somos os únicos intervenientes na solução dos problemas. A questão do Estado Social, que teremos que reclamar, defender e porventura alterar mas o que é certo é que teremos uma palavra a dizer e demonstrar a nossa fé através das nossas atitudes”, disse ainda D. Jorge Ortiga.

Casa de Trabalho de Fontarcada

Utentes celebram Natal

Com vista a celebrar o Natal, a direcção da Casa de Trabalho de Fontarcada reuniu os utentes, colaboradores e amigos da instituição num almoço de Natal.
Foram momentos de alegre convívio, numa das festas mais aguar-dadas pelos cerca de 60 utentes da Casa de Trabalho de Fontarcada. Para além de conviverem com os presentes, os “meninos e meninas” da Casa de Trabalho aproveitam o momento para presentear os visitantes com as suas actuações.
Os amigos da instituição vieram mais uma vez junto dos utentes para participar nos festejos e partilhar do espírito natalício.
A Festa de Natal não foi excepção e os convidados puderam assistir a vários momentos musicais. A tarde de festa abriu com os votos de Boas-Festas por parte dos utentes da Casa de Trabalho a todos os presentes. O ritmo e a energia da música “É sexta-feira” contagiou os “artistas” em palco e a plateia, num momento muito animado. As tunas marcaram também presença e os utentes transformaram-se em verdadeiros alunos do ensino superior. Os amigos do “Cantares da Nossa Aldeia” associaram-se também à Festa de Natal da Casa de Trabalho e trouxeram à plateia a música tradicional. Momentos de grande animação e convívio marcaram a Festa de Natal da Casa de Trabalho de Fontarcada.

Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso

Valências celebraram o Natal

As valências da Infância e Seniores, assim como os utentes da Unidade de Convalescença da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso realizaram, no dia 15 de Dezembro, a tradicional Festa de Natal. A celebração de uma missa, pelo padre António Leitão, marcou  o início das festividades no Hospital António Lopes, na vila.
Pegando nos conselhos de S. João Baptista, o padre António Leitão aconselhou os presentes ao “despreendimento”. “Hoje, na nossa vida, este conselho deve servir para muitos de nós, para atender em caridade aqueles que precisam de nós”, referiu o sacerdote.
Atendendo aos momentos vividos no país, e à situação de carência de muitas famílias, o padre António Leitão aconselhou a que não nos deixarmos escravizar pelos bens e a não estragar o que nos sobra. “Devemos dar a quem precisa, tendo o cuidado para não alimentar vícios”, aconselhou, alertando, também, para não sermos dominados pelo consumismo.
A festa dos mais pequenos realizou-se no auditório de Fontarcada. Ali, a Cinderela encantou e deixou maravilhados os familiares e amigos presentes. Um momento de grande criatividade e animação, com os mais novos e os colaboradores da instituição a presentearem a plateia com uma magnifica encenação. A estes, juntaram-se os pais, com mome]ntos de dança, que deixaram os mais pequenos de “boca aberta” com a destreza dos seus progenitores.

Segurança

GNR aconselha comerciantes

Sensibilizar os comerciantes para a adopção de medidas de segurança foi um dos objectivos da iniciativa levada realizada pela GN, no dia 12 de Dezembro, na vila da Póvoa de Lanhoso. Acompanhado dos embaixadores EPAVE, o Cabo Nuno Cruz, da Secção de Programas Especiais do DTER da GNR da Póvoa de Lanhoso, entregou aos comerciantes da vila Póvoa de Lanhoso, um panfletos com algumas medidas de segurança a colocar em prática pelos comerciantes para a salvaguarda dos seus bens.
A iniciativa foi bem recebida pelos comerciantes e empresários da vila. “Acho uma iniciativa interessante e já devia ter sido feita há mais tempo. Nesta fase que estamos a atravessar, estamos todos sujeitos. É uma iniciativa louvável e o Cabo Nuno Cruz está a fazer um trabalho fantástico”, destacou Rogério Vieira, empresário ligado à área de seguros.
“Acho bem porque hoje em dia as coisas estão complicadas para o comércio e anda aí muita gente a enganar quem trabalha e estas iniciativas são bem-vindas, quer ao nível do comércio quer a título individual. É algo que tem que ser feito, repetido e insistido, considerou Daniel Teixeira, empresário ligado ao sector óptica.
“Acho importante pois cada vez há mais assaltos e há mais insegurança”, revelou também Teresa Oliveira, com loja localizada na Avenida dos Bombeiros Voluntários.
“Estamos a sensibilizar os comerciantes para adoptar algumas medidas de segurança e contamos com o apoio dos Embaixadores EPAVE para esse efeito. Queremos que os comerciantes tenham os estabelecimentos mais seguros”, revelou o Cabo Nuno Cruz, ao “Correio do Minho”, destacando que a época natalícia leva a um maior afluxo de pessoas junto dos estabelecimentos comerciantes e traz acrescido o facto de poder haver alguns ilícitos nesses momentos. Depois da campanha de rua, segue-se, na segunda-feira, dia 16, pelas 16h30, na Casa da Botica, na Póvoa de Lanhoso, uma acção de sensibilização no âmbito do programa “Comércio Seguro”.
A prevenção é, pois, a palavra chave no combate aos furtos. Numa acção realizada na Casa da Botica, na vila, no dia 17 de Dezembro, a Secção de Programas Especiais do Destacamento da GNR da Póvoa de Lanhoso deu a conhecer aos comerciantes presentes um conjunto de medidas como forma de proteger melhor os estabelecimentos e deixou alguns conselhos, nomeadamente à forma como se deve reagir em caso de assalto. Conhecer a situação dos comerciantes e promover uma maior aproximação entre aquela força de segurança e os comerciantes do concelho e sensibilizar para os diferentes tipos de criminalidade  foram alguns dos objectivos da iniciativa.
“Mais de metade dos furtos são efectuados por meio de arrombamento de portas e janelas ou utilizando chaves falsas e a maioria são cometidos entre a meia-noite e as cinco horas da manhã. Os estabelecimentos constituem alvos permanentes para os ladrões”, elucidou o Cabo Nuno Cruz, da Secção de Programas Especiais da GNR.
Portas e janelas sólidas, com boas fechaduras e a colocação de grades, a colocação de alarme e de sistemas de videovigilância foram alguns dos conselhos deixados.
Nesta sessão, o Cabo Nuno Cruz relembrou alguns dos procedimentos a seguir para a verificação de notas e de cartões de crédito e apresentou alguns vídeos de assaltos captados pelas câmaras de vigilância de estabelecimentos, dando a conhecer as formas de actuação dos larápios.

A não perder até ao dia 6 de Janeiro

Garfe é a Aldeia dos Presépios

Quinze presépios, espalhados pelos vários lugares da freguesia, voltam a transformar Garfe na “Aldeia dos Presépios”. Até ao dia 6 de Janeiro, a freguesia transforma-se num presépio gigantesco, assumindo-se como um ponto de passagem na época natalícia.
Da união e esforço dos moradores dos vários lugares nasceram quinze belas construções. Dos maiores aos mais pequenos, com imagens em tamanho real ou miniaturas, todos os presépios resultam do empenho e da criatividade das gentes de Garfe. Ao longo de vários meses, os habitantes daquela freguesia deitaram mãos à obra na confecção de roupas e na elaboração de novas figuras e estruturas para os vários presépios.
O resultado do esforço, do empenho e da arte dos habitantes de Garfe pode agora ser visitado, com os quinze presépios espalhados pelos vários lugares da freguesia.
De ano para ano, os moradores procuram incutir novidades nas várias construções, que na colocação de novos adereços e imagens, quer na remodelação do espaço.
Tal como em anos anteriores, a “Feira de Natal” leva junto dos visitantes os produtos da terra e o artesanato do concelho.
A inauguração da rotunda “Garfe – La Fare Les Oliviers”, que marca formalmente a geminação entre Garfe e aquela localidade francesa, assinalou o arranque de mais uma edição da “Aldeia dos Presépios”. Ao padre Luís Peixoto Fernandes, pároco de Garfe, juntou-se D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga, Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, e o presidente da Junta de Freguesia de Garfe, José Couto e Castro, bem como muitos populares que se associaram ao momento.
Uma das novidades deste ano prende-se com a anima-ção nas noites de sábado. Depois do concerto musical da Orquestra da Escola de Música da Banda Musical de Cal-vos, no dia 22, segue-se, neste sábado, dia 29, uma noite de fado e, a 5 de Janeiro, o encontro musical “Aldeia dos Presépios. Os espectáculos decorrem na Igreja Paroquial, pelas 21 horas.  Além das novidades, mantém-se a tradição da celebração da missa nos presépios.
“Não é necessário prémios. As pessoas trabalham com muito carinho e amor e fazem sempre melhor em cada ano e as pessoas de cada lugar dão tudo o que sabem e podem para fazer melhor de ano para ano. E é isso que acontece este ano. Há, de facto, presépios belíssimos”, referiu o padre Luís Peixoto Fernandes, aconselhando uma visita a partir das 18 horas pois, com a luz, os vários presépios ganham uma nova magia.
Elogiando a iniciativa, D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz de Garfe deixou o apelo para que as famílias coloquem no centro do Natal o presépio.
“Assim, como estes lugares se unem para construir o seu presépio todos os ano dife-rente, me parece que as famílias poderiam também ver nisto um exemplo para que a família fosse capaz de fazer o presépio”, disse D. Jorge Ortiga apelando a que cada um construa o seu presépio, à sua maneira, com o seu jeito e arte, colocando Jesus no centro do presépio.
“O concelho da Póvoa de Lanhoso é visitado nesta altura por muita gente. A Câmara Municipal associou-se a este evento, que já é uma referência nacional, e temos todo o gosto em colaborar com a Junta de Freguesia e a paróquia neste evento que são os presépios. Este ano, temos mais uma novidade que é a “Aldeia Natal”, do Diverlanhoso. É um novo acontecimento e a inauguração foi adiada por causa do mau tempo. É uma forma de trazer gente para a Póvoa de Lanhoso”, salientou Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. No ano passado, mais de cinquenta mil pessoas passaram por Garfe. Este ano, e se o tempo colaborar, espera-se um número maior de visitantes.

Restantes missas nos Presépios:
29 Dez. – Fonte Milho/Comanda/S. Pedro – 18 horas.
30 Dez. – S. Roque/Teire/ /Azenha Nova – 17 horas
1 de Janeiro 2013 - Pena.

Oliveira - Diverlanhoso

‘Aldeia Natal’ fascina pequenada

A época natalícia foi vivida, este ano, com mais intensidade no concelho da Póvoa de Lanhoso. À ‘Aldeia dos Presépios’, em Garfe, juntou-se a ‘Aldeia Natal’, do Parque Aventura Diverlanhoso, localizado na freguesia de Oliveira. Estas duas propostas transformaram o concelho da Póvoa de Lanhoso na “Estrela de Natal”. Este ano, o Diverlanhoso vestiu-se de tons natalícios. Os mais novos foram recebidos pelo Pai Natal que, depois de conversar com a pequenada, recebeu as várias cartas com os pedidos de prendas. Mas, a magia não se ficou pela Casa do Pai Natal. Ao longo do parque, as várias casas em madeira foram transformadas em lugares temáticos para alegria da pequenada. Além da Casa do Pai Natal, os visitantes ficaram a conhecer a Casa do Chocolate, a Casa da Criatividade, a Casa dos Brinquedos e o Cinema da Felicidade.
A tudo isto, juntou-se ainda a mina encantada, a mini-discoteca, o bar do Pai Natal, o Bar dos Gnomos, o slide, a escalada, os insufláveis e o Mercado de Natal, numa parceria com a Associação de Turismo da Póvoa de Lanhoso. Aproveitando o excelente localização do parque, em plena natureza, e as infraestruturas existentes, com várias casas construídas em troncos de madeira, os responsáveis do Diverlanhoso decidiram transformar as casas em madeira em vários espaços temáticos direccionados para os mais pequenos e alusivos à época natalícia.
“Tivemos uma grande procura em termos de instituições e tivemos uma grande aceitação por parte do público”, refere Paulo Fernandes, director do Parque Diverlanhoso, considerando que esta será uma iniciativa a repetir e com mais novidades.
Com 5 anos, o Tiago Almeida, residente na vila da Póvoa de Lanhoso mostrava-se satisfeito com a visita à “Aldeia Natal”. “Gostei muito. O que mais gostei foi a Casa do Pai Natal”, disse o Tiago, revelando que pediu uma “espada do Spiderman” ao Pai Natal.
Filipa Silva, de Rendufinho, partilhou também o gosto pela Casa do Pai Natal. “Pedi um nenuco”, revelou a Filipa, dando a conhecer o conteúdo da carta entregue ao “homem das barbas brancas”.
“O objectivo é divulgar a P. Lanhoso como um destino turístico desta altura do ano e, por outro lado, aproveitar a disponibilidade da Diverlanhoso para se associar a esta iniciativa da ‘Estrela de Natal’ para juntar o profano àquilo que já tínhamos de sagrado, com a celebração da Aldeia dos Presépios, em Garfe”, referiu o vereador Armando Fernandes, no momento da abertura da “Aldeia Natal”. “Pretendemos que seja um produto de referência para que as pessoas possam visitar a Póvoa de Lanhoso mas que não venham só cá pela «Estrela de Natal» mas venham cá porque a Póvoa de Lanhoso tem mais para oferecer”, adiantou ainda Armando Fernandes, referindo a excelente localização, gastronomia e paisagem.

Iniciativa do Moto Clube Maria da Fonte

Solidariedade chegou de moto

O passeio de Pais Natais, organizado pelo Moto Clube Maria da Fonte, ficou, mais uma vez, marcado pela solidariedade.
Realizado na tarde de domingo, dia 23 de Dezembro, o passeio de revestiu-se de tons natalícios e promoveu a angariação de alimentos para o Banco do Voluntariado da Póvoa de Lanhoso que, através da Loja Social, apoia as famílias mais carenciadas do concelho. Trazer um bem alimentar e aparecer vestido a preceito, com o fato de Pai Natal, eram as condições de participação no passeio de Natal.
O ponto de encontro foi a Praça Engenheiro Armando Rodrigues, onde dezenas de participantes marcaram presença, contribuindo, dessa forma, para uma causa social. Tirada a foto de família, os Pais Natais motards partiram em direcção a Oliveira, com passagem pela “Aldeia Natal” do Diverlanhoso, seguindo, posteriormente, para Garfe, onde aí visitaram os vários presépios. Visitas realizadas, os convivas partiram em direcção aos Paços do Concelho, na vila, onde aí teve lugar um pequeno lanche, como forma de assinalar mais um passeio de Pais Natais do Moto Clube Maria da Fonte.