Travassos em festa
Padre Jaime homenageado
pelos 50 anos de sacerdócio


Roubo em Monsul no passado dia 6 de outubro
Ladrões roubaram cofre da igreja

Distinção da Associação Nacional de Famílias Numerosas
Póvoa de Lanhoso
reeleita autarquia
familiarmente responsável

EDITORIAL

Armindo Veloso



A democracia da morte

Há pessoas que põem as suas vidas em risco todos os dias. Seja por velocidades loucas a andar de carro ou moto, seja por praticar desportos radicais, seja por alimentação reiteradamente desregrada, seja por consumo de drogas, etc., etc.
Essas, quando lhes acontece algum acidente ou até morrem, resta-nos a frase: é a vida...
Se pegarmos em exemplos de figuras mundialmente conhecidas, principalmente relacionadas com o mundo da música, lembramo-nos de nomes como Elvis Presley, Freddi Mercury ou mais recentemente Michael Jackson ou Amy Winehouse que se “puseram a jeito” e ficamos com o mesmo sentimento de aceitação.
Já me choca, violentamente, a morte de pessoas como Steve Jobs, fundador e dinamizador da APPLE, que morreu um dia destes, aos 56 anos, de cancro no pâncreas.
Qualquer cidadão comum perguntará: Como foi possível um dos homens mais ricos do mundo, com o mundo da ciência aos pés, morrer de cancro aos 56 anos?
Ele fez transplantes de órgãos vitais. Ele foi sujeito a autênticos milagres da ciência. Mas não fez o milagre de sobreviver. Morreu!
Todas as mortes nos devem fazer reflectir. Mas estas!...
Aquele homem foi um génio a todos os níveis. Até na morte soube sê-lo. Quando sabia que estava no único beco sem saída da vida, fez uma conferência de imprensa e delegou o seu império no seu número dois.
É, meus amigos, podemos ter tudo e mais alguma coisa. Até podemos prolongar a vida uns anitos, em relação a outros, se tivermos muito dinheiro, mas quando é para ser, é!
Chamei a este texto: “a democracia da morte”. É um facto. Ao menos nisso somos todos iguais. Se há igualdade absoluta, julgo que é só essa, entre ricos poderosos e pobres desgraçados, é nisso. Na morte.
Deus, seja Ele quem for, sabe o que faz.

Até um dia destes.
CASTELO

Padre Jaime Andrade

Como forma de comemorar as Bodas de Ouro Sacerdotais do padre Jaime Andrade, a população de Travassos presenteou o sacerdote com uma missa de acção de graças e um lanche-convívio, num momento em que aquele sacerdote se debate com problemas de saúde, que levaram ao adiamento da cerimónia prevista, inicialmente, para o dia 9 de Julho. Os gestos de carinho da população e dos colegas sacerdotes emocionaram o padre Jaime Andrade.
CASTELO DE AREIA
Incêndios

O concelho da Póvoa de Lanhoso tem registado, neste mês de Outubro, um número fora do normal de incêndios. Nos primeiros 17 dias deste mês, os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso registaram 108 ocorrências.
É preciso “mão pesada” para todos aqueles que destroem as nossas florestas e põem em perigo pessoas e bens.

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave


Arranque do ano lectivo marcado
pela acreditação dos cursos


Está em curso o processo de acreditação das licenciaturas do ISAVE – Instituto de Saúde do Alto Ave, localizado em Geraz do Minho, pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), cuja missão consiste em “garantir a qualidade do ensino superior em Portugal, através da avaliação e acreditação das instituições de ensino superior e dos seus ciclos de estudos, bem como no desempenho das funções inerentes à inserção de Portugal no sistema europeu de garantia da qualidade do ensino superior”.
Depois da avaliação do curso de Enfermagem, nesta semana, a avaliação dos restantes cursos de tecnologias de saúde. Estes dados foram transmitidos no decurso da abertura oficial do ano lectivo, que decorreu na manhã de terça-feira, dia 11 de Outubro, no auditório do ISAVE. Mostrando-se optimista com o desfecho do processo de acreditação, Jónatas Pego, presidente da instituição, e à margem da sessão solene, salientou a necessidade da submissão de novas formações.
O Mestrado em Radiologia, nas áreas de TAC e Ressonância Magnética, poderá ser a futura aposta daquela instituição de ensino superior.
Ensino, Investigação e Serviço à Comunidade são as três linhas mestras de actuação apontadas, no decurso da sessão solene, por Jónatas Pego.
“Esforçar-nos-emos para que o ISAVE seja mais ensino de qualidade superior, que a investigação seja cada vez mais focada e útil para a comunidade e que os serviços à comunidade sejam integrados com o ensino e com a investigação”, referiu o presidente do ISAVE. Pegando na sigla “SAS”, Jónatas Pego destacou que os profissionais de Saúde do ISAVE são “profissionais que sabem, são profissionais que aprendem e são profissionais que são”. “Hoje em dia não basta saber. É preciso saber aprender”, destacou ainda o presidente do ISAVE.

Agentes futuros da promoção da saúde
“Serão vocês os agentes futuros da promoção da saúde, da prevenção da doença, da reabilitação do doente e, porque não, da futura transmissão de conhecimentos a outros estudantes quando avaliarem estágios de futuros colegas ou mesmo como professores”, referiu Fernando Azevedo, vice-presidente do Conselho Pedagógico.
A abertura oficial do ano lectivo 2011/2012 contou, naquele dia, pelas 9h30, com a celebração da Eucaristia, seguindo-se a sessão solene, no decurso da qual foram entregues os diplomas de mérito referentes ao ano lectivo 2010/2011 a três alunas da instituição.
Célia Moreira, que concluiu a sua licenciatura em Enfermagem, deixou, no decurso da sessão solene, o seu testemunho pessoal.
Com licenciaturas em Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Higiene Oral, Prótese Dentária, Radiologia, Terapia da Fala e Terapia Ocupacional, o ISAVE conta, neste ano lectivo, com um total de 600 alunos.

Latada e Baptismo foi momento alto da recepção ao caloiro
A vila da Póvoa de Lanhoso recebeu, de 3 a 7 de Outubro, as cerimónias de recepção ao caloiro.
A latada e baptismo, na tarde de quarta-feira, dia 5 de Outubro, foi um dos momentos altos dos festejos que contaram, entre outros, com a serenata, nos Paços do Concelho, Piquenique, eleição de miss e mister caloiro ISAVE.
Com o objectivo de integrar os novos alunos, as cerimónias de recepção ao caloiro deste ano ficaram marcadas por momentos de grande animação e alegria, numa sã convivência de doutores e caloiros.

Universidade do Saber, da ‘Em Diálogo’

Workshop de Bonecas de Pano

Promovido no âmbito da Universidade do Saber, da Associação “Em Diálogo”, o 1.º Workshop de Bonecas de Pano contou com uma boa adesão. No total, foram 25 as pessoas presentes nesta primeira formação, numa participação deveras entusiástica. “Para além das pessoas que vivem no concelho da Póvoa de Lanhoso, este novo projecto do Centro Comunitário da Associação Em Diálogo, chamou até Monsul pessoas de diversos concelhos do distrito de Braga: Guimarães, Braga, Cabeceiras de Basto, Vila Verde, etc”, revelou a “Em Diálogo”, em nota de imprensa.
“O excelente trabalho e criatividade da formadora e designer têxtil Portuense – Teresa Delgado surpreendeu as participantes e permitiu que todas elas aprendessem a técnica de elaboração das “Marioskas” (designação do tipo de boneca elaborada) e que elaborassem um exemplar para levar para casa”, referem. De acordo com os responsáveis da “Em Diálogo” foram várias as pessoas que ficaram em lista de espera para uma segunda edição deste Workshop que deverá ocorrer, possivelmente, no mês de Novembro.

Distinção partiu da Associação Nacional de Famílias Numerosas


P. Lanhoso reeleita autarquia
familiarmente responsável


A autarquia da Póvoa de Lanhoso foi considerada, pelo segundo ano consecutivo, como uma das “Mais Familiarmente Responsável”.
A distinção partiu da Associação Nacional de Famílias Numerosas, através do Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis.
A cerimónia de entrega da respectiva bandeira ocorreu na quarta-feira, dia 19 de Outubro, numa cerimónia realizada no auditório da Associação Nacional de Municípios, em Coimbra.
“A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso implementou, ao longo dos últimos anos, um conjunto de medidas de que têm beneficiado os povoenses. A título de exemplo, há que referir o subsídio às rendas de casa sendo que, entre Janeiro e Setembro de 2011, o valor deste apoio situou-se na ordem dos 65 mil e 600 euros; e o Programa HabitaLanhoso – Atribuição de Apoios a Estratos Sociais Desfavorecidos ao nível da Habitação (recuperação e melhoria das condições habitacionais), que, desde o seu arranque, já apoiou oito dos 19 pedidos recebidos, com o valor concedido a situar-se já perto dos 37 mil euros. De destacar ainda que são cada vez mais os jovens (e, por consequência, as famílias) abrangidos pela Acção Social Escolar, sendo esta mais uma de entre inúmeras outras medidas de apoio às famílias em implementação pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso”, destaca a autarquia, em nota de imprensa.
“A família é a principal razão do nosso trabalho. Todas as políticas sociais da nossa autarquia visam melhorar a qualidade de vida das famílias Povoenses e ajudá-las a ultrapassar estes tempos mais difíceis”, referiu o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, na mesma nota.
Para Manuel José Baptista, “esta bandeira vem reconhecer o nosso trabalho, pelo segundo ano consecutivo, o que nos traz responsabilidades sociais acrescidas, sobretudo a de fazer mais e melhor pelas pessoas, pelas famílias, pelas gentes do concelho da Póvoa de Lanhoso”.

Verim


N. Sra. Fátima venerada pelos fiéis

Até domingo, dia 23 de Outubro, a imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima marca presença no Centro Social e Teresiano de Verim.
Depois de Serzedelo e Travassos, a imagem da Virgem Peregrina (n.º 2) foi conduzida, no domingo, dia 16, até à freguesia de Verim. Ali, os fiéis de Verim e de outras paróquias do baixo concelho marcaram presença para receber a Virgem Peregrina, num momento de grande devoção e emoção.
Os paroquianos de Travassos, acompanhados do padre Jaime Andrade, trouxeram até à freguesia de Verim a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima, num momento acompanhado pelos padres António Lopes e Elias Amaral.
Junto à capela de S. Sebastião, no lugar da Sarola, os fiéis foram-se concentrando para receber a Virgem Peregrina. Um belo tapete de flores dava as boas-vindas à Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima.
Saudando os presentes, o padre António Lopes, pároco de Serzedelo e responsável pela vinda da imagem para o concelho da Póvoa de Lanhoso, salientou que a Virgem Peregrina, que veio de S. Tomé e Príncipe, onde aí permaneceu cerca de dois meses, deixou “uma chuva de benções e graças”. Destacando a recepção rica, piedosa e linda, o padre António Lopes enalteceu os paroquianos de Travassos e Verim, destacando a festa sentida de despedida em Travassos e a calorosa recepção em Verim.
Depois da recepção e da presença na Capela de S. Sebastião, o andor de Nossa Senhora foi conduzido até ao Centro Social e Teresiano de Verim, onde permanecerá até domingo.
De 23 a 30 de Outubro, a imagem marcará presença novamente na paróquia de Serzedelo, onde aí termina a visita ao concelho da Póvoa de Lanhoso.
No dia 30 de Outubro (domingo), após a eucaristia e consagração da paróquia, a Imagem Peregrina de Nossa Senhora será novamente levada até ao Santuário de Fátima.

Responsáveis do Hospital de Braga


Visita à Associação de Invisuais

Conhecer os anseios e as dificuldades sentidas pelos deficientes visuais no acesso ao Hospital de Braga foi um dos objectivos da visita de Rui Raposo, presidente do Conselho de Administração, e de Mário Vieira de Carvalho, director clínico daquela unidade de saúde, no dia 12 de Outubro, à Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga (AADVDB), localizada na Póvoa de Lanhoso.
Depois da visita às instalações, os responsáveis do Hospital de Braga contactaram com os deficientes visuais que lhes transmitiram algumas das dificuldades sentidas daquela unidade hospitalar.
O acompanhamento durante a presença no Hospital de Braga foi um dos aspectos focados pelos deficientes visuais e pelos técnicos da AADVDB.
“Hoje, aqui, as preocupações deixadas prendem-se muito com o apoio aos doentes com necessidades especiais, o apoio dentro do Hospital de Braga. Foi aqui manifestada alguma preocupação e relatados alguns casos reais, em que as pessoas chegaram ao hospital e uma vez que são deficientes visuais sentiram-se perdidos no meio daquele mundo tão grande que é o Hospital de Braga”, referiu Rui Raposo, administrador do Hospital.
“Aquilo que me comprometi é de, mal chegue ao hospital, reunir quer com a direcção clínica quer com os serviços administrativos para que estejam sensibilizados para as necessidades destes utentes e para se encontrarem respostas, muito rapidamente, para que estes casos não se voltem a repetir”, revelou Rui Raposo.

Monsul


Larápios levaram cofre da igreja

A Igreja Paroquial de Monsul, no concelho da Póvoa de Lanhoso, recebeu, na madrugada de quinta-feira, dia 6 de Outubro, a “visita” dos larápios.
Através do arrombamento de uma das portas, por sinal uma das mais seguras, os larápios acederam ao interior do templo e levaram, de entre outros objectos, um cofre que continha dinheiro e várias peças em ouro e prata.
O furto, que terá ocorrido de madrugada, foi detectado, durante a manhã daquele dia, por um morador da freguesia.
Chamadas as autoridades, no local compareceram militares do posto da GNR da Póvoa de Lanhoso, do Núcleo de Investigação Criminal do DTER da Póvoa de Lanhoso e do Núcleo de Apoio Técnico.
O cofre, colocado na sacristia e levado pelos larápios, continua cerca de mil euros em dinheiro, assim como diversos objectos de prata e estanho (cálices, castiçais, lavanda e duas patenas) e de ouro (um trancelim, um fio, um par de argolas e um par de brincos).
Além do cofre, remexeram em vários locais da sacristia, tendo, ainda, arrombado um lampadário, daí retirando as moedas existentes, e levado uma caixa de esmolas.
O furto terá, ao que tudo indica, sido perpetrado por mais do que um indivíduo, dado o peso do cofre, que ultrapassa os 100 kgs, bem como a sua dimensão, de cerca de 1,2 metros de altura.
A meio da tarde daquele dia, o cofre e a caixa de esmolas foram detectados no Monte de S. Mamede, em Frades.
O alerta foi dado à GNR por caçadores que por ali andavam. O cofre, arrombado, tinha ainda no seu interior os objectos de arte sacra, em prata e estanho. Do dinheiro e das peças em ouro nem rasto.
Deveras desolado com o furto cometido na Igreja Paroquial, o Padre Marco Gil, alerta de que não se trata de um simples furto, mas do furto de parte do espólio de uma paróquia, do espólio de uma comunidade. Os objectos em ouro tinham sido oferecidos pelos fiéis, no cumprimento de promessas feitas.
Nos oito anos em que este sacerdote se encontra na paróquia de Monsul, este é o primeiro assalto concretizado na Igreja Paroquial. Em Dezembro de 2009, a igreja foi alvo de uma tentativa de assalto, com os larápios a não conseguir entrar no templo.

Dia da Prevenção das Catástrofes Naturais


Câmara faz acção nas escolas

A realização de uma sementeira e de uma acção de sensibilização foram as actividades que assinalaram as comemorações do Dia Mundial para a Prevenção das Catástrofes Naturais, numa organização da Câmara Municipal. A acção, desenvolvida no âmbito de uma estratégia de sensibilização para as questões ambientais e de protecção de pessoas e bens, contou com a participação de cerca de 65 crianças, das escolas do primeiro ciclo de Sobradelo da Goma e Travassos. O Parque de Lazer do Pontão, na Barragem da Andorinha, em Sobradelo da Goma, foi o local escolhido para as cerimónias. “Esta iniciativa teve um carácter essencialmente pedagógico, envolvendo uma acção de sensibilização e uma sementeira. O público-alvo foi a comunidade escolar e, por isso, foram convidadas a participar as escolas de duas freguesias banhadas pela Barragem das Andorinhas, Sobradelo da Goma e Travassos, onde também estudam as crianças de Esperança e de Brunhais”, destaca a Câmara em nota de imprensa.
“Apesar de ser uma iniciativa transversal do Pelouro do Ambiente e da Protecção Civil, entendo que também tem muito a ver com a Protecção Civil, sobretudo porque falamos de prevenção, de alertar as pessoas e de criar os meios para prever e actuar ao nível das catástrofes naturais. Felizmente, o nosso concelho e o nosso país não são muito propícios a este tipo de catástrofes, mas temos que estar atentos, porque não há ninguém que esteja imune às catástrofes naturais”, considerou o vereador da Protecção Civil, que acompanhou esta iniciativa. De acordo com Armando Fernandes, a Protecção Civil tem estado no terreno a preparar o Inverno. “Alguma coisa está a ser feita, embora, em termos logísticos, não haja muito a fazer, porque uma catástrofe natural é sempre imprevisível e não sabemos quais são as consequências. Este ano, o inverno está tardio e, quando começarem as chuvas, não temos grandes dúvidas de que vão ser intensas. Os serviços municipais de Protecção Civil estão atentos a essa situação e está a ser desenvolvido já um trabalho de limpeza, fundamentalmente na vila, e sobretudo de condutas, para combater ou eliminar os riscos de inundações”, revelou.
Para além de uma sensibilização sobre catástrofes naturais, o que são, suas causas e efeitos, bem como conselhos de prevenção, em que os mais novos foram chamados a partilhar e a adquirir conhecimentos sobre aquele tema, as crianças ainda participaram, com entusiasmo, numa sementeira de espécies ripícolas autóctones (como o freixo, o amieiro ou o salgueiro), destinadas a uma futura plantação nas margens da própria albufeira, depois do processo de germinação e de crescimento, nos viveiros municipais. Num processo simples e após as instruções, os mais jovens foram divididos por grupos e, acompanhados pelos respectivos professores, fizeram a sementeira em tabuleiros de quatro espécies diferentes. O objectivo foi de que percebessem como é que as árvores autóctones ripícolas promovem uma série de factores ambientais e funcionais do ecossistema nas zonas ribeirinhas e podem ser agentes importantes na prevenção de catástrofes naturais, como cheias e até desabamentos de terras. “No fundo, é o chamar a atenção às crianças destas freguesias banhadas pela albufeira, como Sobradelo e Travassos, para o tesouro ambiental que temos aqui e dar-lhes algumas dicas de como é que podem ajudar a Autarquia e o concelho a preservar estas zonas”, referiu a técnica Ambiental Municipal responsável por esta actividade. De entre outros aspectos, Melisa Costa explicou, ainda, que a autarquia tem actuado, por exemplo, ao nível da sensibilização e da reflorestação de zonas ardidas como forma de prevenir desabamento de terras; e ao nível da requalificação daquela albufeira (limpeza de espécies invasoras das margens, criação de pesqueiros para promover a arte da pesca, requalificação de algumas zonas com a plantação de espécies ripícolas) por forma a prevenir cheias e inundações.

Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso


Número anormal de incêndios

De 1 a 17 de Outubro, os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso registaram 108 incêndios florestais, um mero bastante elevado, comparativamente com o resto do ano e com anos anteriores. De Janeiro a 17 de Outubro, e no concelho, os soldados da paz combateram 280 incêndios, sendo que destes, 108 foram nos primeiros 17 dias de Outubro. A estes números, juntam-se ainda os 107 incêndios combatidos fora do concelho, na ajuda às corporações de concelhos vizinhos.
“Não tem comparação possível. Costumamos receber cerca de 300 a 400 alertas para incêndios por ano cuja incidência é sobretudo nos meses de Julho e Agosto. Quanto ao mês de Setembro, em alguns anos, é também um mês complicado. Nunca tivemos um mês de Outubro com um número tão grande de ocorrências. Tal situação tem a ver com muitas razões, de ordem climatérica, como é evidente, mas tem a ver, sobretudo, com as pessoas por-que, como eu digo há muitos anos, 99% dos incêndios são de origem criminosa”, refere António Lourenço, comandante dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso.
Na primeira quinzena de Outubro, as altas temperaturas, aliadas a uma baixa humidade facilitaram o alastramento do fogo e levaram a incêndios de maiores dimensões.
Um dos exemplos surgiu na passada segunda-feira, dia 17 de Outubro, no Monte Vermelho, em Friande. Recebido o alerta por volta das 7h30, o incêndio, que chegou a ter três frentes de fogo activas, só foi dado por extinto por volta das 17h30.
Apesar deste número elevado de ocorrências no mês de Outubro, regista-se uma área ardida inferior ao ano passado.
Com um dispositivo no terreno inferior aos meses de Julho e Agosto, António Lourenço revela que não tem sido fácil mas mostra-se muito satisfeito com a resposta dada pelos bombeiros povoenses. “Sempre que foi necessário conseguimos ter os meios indispensáveis para resolver os problemas. A resposta que os voluntários dão, que o corpo activo em geral dá, é uma óptima resposta que deixa o seu comandante muito feliz”, destaca António Lourenço.
Friande, S. Gens de Calvos, Lanhoso, Serra do Carvalho (este ano muito fustigada pelo fogo), Galegos e Garfe foram alguns dos locais onde se registaram os incêndios florestais que exigiram um maior esforço aos soldados da paz povoenses.

Esperança


Iniciou Presidência Aberta

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso escolheu a freguesia de Esperança, na passada sexta-feira, dia 14 de Outubro, para iniciar a Presidência Aberta. Durante os próximos meses, Manuel Baptista e os elementos do executivo camarário percorrem o concelho, visitando as 29 freguesias e contactando com autarcas, associações e população. A visita à freguesia de Esperança, iniciada pelas 14 horas, contou com uma reunião entre os elementos da Junta de Freguesia e Câmara Municipal. No decurso da mesma, José Alberto Pereira, presidente da Junta de Freguesia, e a restante equipa, transmitiu aos responsáveis camarários alguns dos projectos que gostaria de ver concretizados na sua freguesia. O abastecimento de água da rede pública, a construção de uma capela mortuária, o acesso lateral ao cemitério e a intervenção na zona de lazer foram algumas das ideias apresentadas pelos responsáveis da Junta.
Depois da reunião, a presidência aberta continuou com a visita ao Centro de Convívio e a alguns pontos da freguesia. O caminho de Várzeas, o caminho da Murteira, onde a Junta da freguesia pretende colocar contentores e ecopontos, o Largo da Igreja e a Rua da Ceboleirinha foram alguns dos locais visitados pela comitiva.
“O objectivo destas Presidências Abertas é o de uma maior proximidade às pessoas”, referiu Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, antes de reunir com as associações e colectividades da freguesia de Esperança.
Perceber no terreno quais as necessidades e priorizar as mesmas é um dos objectivos das Presidências Abertas, conforme destacou o presidente da Câmara Municipal. A prioridade vai, segundo o autarca, para as obras que possam ser candidatadas ao QREN, uma vez que têm uma comparticipação de 85%. Uma das grandes obras, a construção da capela mortuária, será concretizada até final do mandato, conforme assegurou Manuel Baptista.
Segundo dados fornecidos pela autarquia, desde 2006 até ao momento, foram investidos na freguesia de Esperança cerca de 204 mil euros. Ao protocolo de 60 mil euros, junta-se a intervenção no Largo da Igreja, a pavimentação de acesso ao campo de futebol, as intervenções no caminho do Forno e no caminho de Lourosas, entre outras.
Depois de Esperança segue-se a freguesia de S. Martinho do Campo, no dia 4 de Novembro.

Travassos


Padre Jaime: Bodas de Ouro

Os problemas de saúde que afectaram, nos últimos tempos, o Padre Jaime Andrade, obrigaram ao adiamento das comemorações das Bodas de Ouro Sacerdotais daquele pároco.
Previstas para o dia 9 de Julho, dia em que o padre Jaime Andrade comemorava os 50 anos de ordenação, as cerimónias foram adiadas. Com a melhoria do estado de saúde do sacerdote, a população uniu-se e presenteou o padre Jaime Andrade, no dia 9 de Setembro, com uma missa de acção de graças e um lanche-convívio. Aos moradores de Travassos e de outras freguesias vizinhas, juntaram-se vários sacerdotais que marcaram presença na Eucaristia presidida pelo padre Armindo Gonçalves, Arcipreste da Póvoa de Lanhoso.
Ainda não totalmente recuperado, o padre Jaime Andrade foi transportado de carro até à Igreja paroquial, onde aí o esperava a população e os colegas de sacerdócio. O momento foi de grande emoção, com os colegas sacerdotes a acarinhar o padre Jaime Andrade, que nos últimos tempos viu-se a braços com problemas de saúde. Daí, a sacerdote foi transportado em cadeira de rodas até ao altar, para acompanhar a cerimónia religiosa.
No decurso da Eucaristia de Acção de Graças, o padre Jaime Andrade agradeceu o carinho e a dedicação dos presentes, não esquecendo o apoio dado pela Junta de Freguesia, que se associou ao grupo de catequese, aos elementos da Obra do Amor Divino, ao grupo coral e à população na preparação de festa.
De coração aberto, o sacerdote falou do seu trajecto, desde a ida para o seminário até à vinda para o concelho da Póvoa de Lanhoso. De entre as várias considerações, o sacerdote destacou o “povo generoso, povo bom e empreendedor”.
Durante a cerimónia religiosa, o Padre Armindo Gonçalves desafiou os leigos a assumirem outros trabalhos e outros serviços na paróquia, unindo os seus esforços ao padre Jaime, num momento em que a sua saúde se encontra mais debilitada. Agradecendo todo o trabalho, dedicação e carinho do padre Jaime às suas paróquias, Travassos e Brunhais, o padre Armindo Gonçalves pediu para que Deus continue a dar saúde e força ao padre Jaime, para que este possa continuar o seu trabalho de evangelização. No final da eucaristia, de comemoração das Bodas de Ouro Sacerdotais, o padre Jaime Andrade foi presenteado com várias ofertas e com o carinho dos seus paroquianos e amigos.

3.ª Semana Aberta

‘Em Diálogo’ abre as portas

A Em Diálogo – Associação para o Desenvolvimento Social da Póvoa de Lanhoso, está a preparar a 3ª Edição da Semana Aberta.
Este ano, de 23 a 28 de Outubro, de domingo a sexta-feira, as diversas valências abrem as portas à comunidade, prontas a acolher todos os que pretendam contactar de perto com o mundo das instituições.
No domingo, dia 23, pelas 16 horas, primeiro dia das jornadas, a associação promove uma caminhada, intitulada “Pela Solidariedade e pelo Diálogo”, tendo como ponto de partida o Pólo do Centro Comunitário do Vale do Cávado, na vila, passando por Vilarinho, Fontarcada e outros locais e terminando no Anfiteatro do Parque do Pontido onde, todos os presentes, podem usufruir de uma aula aberta de Ioga.

Centro Comunitário do Vale do Cávado
Por sua vez, o Centro Comunitário do Vale do Cávado, em Monsul, nas manhãs dos dias 24, 25 e 26, recebe as diversas instituições de solidariedade social do concelho, possibilitando um intercâmbio de conhecimentos e partilha de saberes entre os nossos “mestres da sabedoria” – os idosos!
Paralelamente, ao longo de toda a semana, decorrem diversas acções de formação destinadas aos colaboradores das diversas valências e serviços da Associação.
“O culminar desta edição da Semana Aberta fica marcado pela homenagem a uma pessoa que trabalhou ao longo de vários anos ao serviço do desenvolvimento social do concelho e que deu um excelente contributo para a criação e expansão da Associação ‘Em Diálogo’ – Dra. Helena Maria Areias (ex-coordenadora da Segurança Social). Assim, será levado a cabo um jantar em sua homenagem que decorrerá no dia de aniversário da ‘Em Diálogo’, dia 27 de Outubro.
As inscrições devem ser feitas através dos telefones: 253 634 280/ 253 909 280/ 963 682334/ ou através do email: social@emdialogo.pt, até ao dia 25 de Outubro de 2011”, anunciam os responsáveis da ‘Em Diálogo’.

Augusto Henriques, presidente da Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Fontarcada


“A minha vontade é trabalhar”

A Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Fontarcada começou e escrever uma nova página na sua história no início de 2011. Depois de alguns anos de inactividade, a ACRD de Fontarcada ganhou nova vida em Janeiro, com a eleição dos novos órgãos sociais. Augusto Laurentino Alves Henriques é o novo presidente da ACRD de Fontarcada. O ‘Maria da Fonte’ foi ao encontro do responsável da ACRD para ficar a conhecer os projectos e anseios da nova direcção.

Maria da Fonte - É presidente da direcção da ACRD de Fontarcada desde Janeiro. O que já foi feito nestes dez meses de mandato?
Augusto Henriques – O mandato é de dois anos e já cumprimos cerca de dez meses de mandato. A primeira actividade oficial foi a 12 de Junho, com a caminhada pela freguesia. Os primeiros meses de mandato foram destinados à reestruturação, com a intervenção na sede da associação, no lugar da Costa, junto ao ringue. A associação esteve parada entre 5 a 6 anos o que levou a que o espaço ficasse destruído devido à infiltração de água. Ainda não está como queremos, mas temos que ir devagar pois os apoios, nesta ocasião, são poucos. Temos o apoio da Junta de Freguesia e Câmara Municipal pois estamos num contexto em que é difícil arranjar apoios dos privados. Nestes dois anos, queremos deixar aquele espaço melhor e acolhedor. Para além disso, no Carnaval, realizamos um jogo entre solteiros e casados e colaboramos nas várias actividades da Junta de Freguesia e Câmara Municipal sempre que o nosso apoio é solicitado, como foi o caso do Rallye Torrié. Organizamos, também, um torneio de sueca, ao ar livre, que teve muita adesão e foi do agrado dos participantes. Dado o sucesso, esta será, sem dúvida, uma actividade a repetir. Participamos, ainda, num torneio de futebol e nos Jogos Sem Barreiras promovidos pela ACJP. Além disso, criamos novos cartões para os sócios da associação.

MF - Do vosso plano de actividades, o que segue?
AH – A próxima actividade é no dia 29 deste mês, com a comemoração do 21.º aniversário da Associação. As comemorações serão realizadas com a “prata da casa”, com duas peças de teatro e música, onde não faltam os cantares ao desafio. Vamos também colaborar com a Junta de Freguesia na organização do magusto. As actividades já realizadas são de carácter recreativo e desportivo. A realização de actividades de carácter cultural é também um dos objectivos para o futuro. Recordo que, há anos atrás, a associação chegou a organizar exposições de fotografia.
Este ano está a chegar ao fim e temos que preparar o plano para o próximo ano. Temos algumas ideias que serão partilhadas com os restantes membros da associação pois este é um trabalho de equipa. Queremos alargar o leque de actividades e que as mesmas abranjam as várias áreas da associação, quer recreativa, desportiva e cultural.

MF - O que o levou a assumir este desafio de reactivar a associação?
AH – Esta era uma associação que tinha muita actividade. A freguesia de Fontarcada tinha duas associações e em determinado momento ficou sem nenhuma. Houve uma reunião e nessa reunião vi que existiam pessoas com vontade de trabalhar e foi uma das coisas que me levou a participar. A minha vontade é a de trabalhar. Vi várias pessoas com vontade para que esta associação voltasse ao activo.

MF - Que sócios tem a associação. O que pretendem fazer neste aspecto?
AH – Uma das fontes de rendimento da associação são os sócios, que pagam as suas quotas. Temos despesas mensais fixas, como a luz e a água e esses valores são pagos com a ajuda das quotas dos sócios. Neste momento, temos cerca de 140 sócios com as suas quotas actualizadas. Um dos objectivos passa, também, pela captação de novos sócios e pela actualização dos existentes. Muitos sócios já não pagam quotas há muitos anos pois a associação esteve inactiva. Decidimos que o pagamento só será feito a partir do momento em que assumimos a direcção.

MF - Que apoios conta a associação?
AH - Para além da Junta de Freguesia e Câmara Municipal, contamos com as quotas dos sócios e alguns patrocínios que dependem da actividade realizada. Queremos captar cada vez mais jovens para o associativismo. Debatemo-nos, também, com um problema que é a emigração, com muitos moradores a sair do país na procura de melhores condições de vida. A nossa freguesia sofre, tal como outras, com a saída dos nossos jovens. Há anos atrás, tínhamos duas associações em funcionamento, com muitos jovens a participar nas actividades realizadas.

MF - Que balanço fazem da caminhada pela freguesia?
AH - O passeio pelos caminhos de Fontarcada foi do agrado dos participantes e o balanço é positivo. Participaram entre 70 a 80 pessoas na caminhada. Era a primeira actividade e a divulgação apenas foi realizada na freguesia. Algumas das pessoas não passavam, há já vários anos, por alguns dos caminhos percorridos e alguns dos jovens nunca por lá tinham passado. “Pelos caminhos de Fontarcada” foi o nome dado à iniciativa que procurou dar a conhecer a freguesia aos participantes. Foram construídas novas estradas e pelos caminhos antigos quase ninguém passa.

MF - Que intervenção realizaram na sede da associação?
AH – Tivemos que resolver, com a colaboração da Câmara, de algumas pessoas da freguesia e dos membros da associação, os problemas de infiltração de água. Fizemos a ligação da luz eléctrica, que ainda não existia aqui, e do abastecimento de água. Pintamos o interior e renovamos, também, o exterior da sede. Tínhamos esquentadores que vieram da anterior direcção. Mandamo-los limpar e tinham sido reparados. Estavam prontos a funcionar mas fomos assaltados e ficamos sem três esquentadores, a máquina e o moinho de café, o que afectou a nossa actividade. Colocamos tela para revestimento, renovamos as portas e limpamos toda a área. A Junta de Freguesia intervencionou o caminho de acesso ao ringue, com a colocação de tapete fresado, o que leva mais pessoas a frequentar aquele espaço.
Miguel Macedo, Ministro da Administração Interna
presidiu à sessão evocativa

Póvoa de Lanhoso
comemorou 719 anos


Serzedelo em festa com obra social
Lar residencial foi inaugurado

Editorial

Armindo Veloso



Profetas da desgraça

Nouriel Roubini é um economista americano, da área democrata, que se celebrizou em todo o mundo por ter sido dos poucos que anteciparam a crise económica de 2008.
Diz ele que os planos de resgate da Grécia, Portugal e Irlanda apenas servem para comprar tempo.
Quanto a Portugal, continua Roubini, “bastam poucos anos para colapsar”. “Os líderes da zona euro poderão viver na ilusão por mais cinco anos, mas chegará o dia de tomar decisões muito difíceis”, disse o profeta da desgraça, como lhe chamaram.
Há tempos atrás, também Vasco Pulido Valente dizia no Público – baseando-se em estudos aprofundados de história nos quais é mestre – coisas mais concretas que iam desaguar na mesma conclusão.
Dizia Pulido Valente que o Estado Social quando foi criado tinha como base premissas completamente diferentes daquelas com que hoje nos confrontamos.
No meio de outros, dois exemplos inabaláveis:
Um, a esperança de vida era muitíssimo menor, logo, os encargos do Estado Social no que lhe diz respeito ao período temporal de reformas não eram comparáveis aos de hoje.
Outro, o custo do Estado Social com a saúde era residual comparativamente ao do tempo que vivemos. As pessoas morriam muito mais cedo, por um lado, e, por outro, a ciência estava a anos luz e não se faziam dez por cento dos exames complementares de dia-gnóstico, análises, etc. Basta ver a panóplia de exames que agora se fazem - às vezes para contentar o paciente e com intervalo de meses.
Os resultados das economias contemporâneas, que também aumentaram imenso, estão longe de compensar o aumento astronómico daqueles custos.
Sendo assim, ou o Estado Social passa a ser só para quem precisa, o que eu acho bem, ou a universalidade pretendida por muitos irá confirmar o diagnóstico de Nouriel Roubini. Para desgraça das novas gerações. E ainda da nossa.

Até um dia destes.
CASTELO

Padre António Lopes

A emoção tomou conta do padre António Lopes no passado dia 2 de Outubro. Naquele dia, não faltaram razões ao sacerdote para estar feliz. Celebrou 78 anos de vida, inaugurou o Lar D. João Paulo II e comemorou 50 anos de serviço na paróquia de Serzedelo. O povo juntou-se à festa e o sacerdote foi presenteado com várias prendas naquele dia. A maior das prendas foi o concretizar de um sonho antigo, do sonho de uma vida: o Lar João Paulo II, em Serzedelo.
CASTELO DE AREIA
Pagamentos

O PS, na última Assembleia Municipal, apontou o dedo à Câmara Municipal pelo atraso na transferência de verbas para algumas freguesias do concelho, que já realizaram obras, enviaram as facturas para a autarquia mas ainda não receberam a respectiva verba. Brunhais, Moure e Gerás foram as freguesias apontadas.

Verim


Idosos e crianças na desfolhada

Transmitir aos mais jovens uma actividade característica do meio rural e promover momentos de convívio foram alguns dos objectivos da desfolhada organizada pelo Centro Teresiano de Verim em colaboração com o Centro Social e Paroquial de Monsul. A iniciativa, promovida na tarde de sexta-feira, dia 30 de Setembro, contou com a presença de cerca de 50 idosos, aos quais se juntaram as crianças, os colaboradores das duas instituições e a comunidade em geral.
“Esta iniciativa surge no âmbito das actividades desenvolvidas ao longo do ano e tem por objectivo o convívio entre os diversos actores, revivendo memórias e tradições”, revelaram os responsáveis da iniciativa.
Naquela tarde, pequenos e crescidos envolveram-se na desfolhada, retirando as belas espigas de entre a palha. Para muitos, esta iniciativa permite o reviver de uma actividade marcante dos seus tempos de juventude. Visivelmente felizes, os mais velhos contaram com a “ajuda” dos mais pequenos no desfolhar das espigas. Como prova do carinho pelos mais crescidos, as crianças do Centro Teresiano de Verim presentearam os mais velhos com um bolo, por eles confeccionado, e algumas cantigas.
Os mais velhos não deixaram o crédito por mãos alheias e responderam com algumas das músicas cantarolas no seu tempo de juventude.
A iniciativa, que já vai no terceiro ano, enche de alegria o coração dos mais velhos. Para além do reviver de tradições, permite o convívio intergeracional e momentos de grande alegria. Para além do lanche, os mais velhos foram presenteados com uma rosa, como forma de assinalar a passagem do Dia Mundial do Idoso, comemorado no dia seguinte.

Centro Social está em fase de implementação
o Sistema de Gestão da Qualidade
Está em fase de implementação o Sistema de Gestão da Qualidade no Centro Teresiano de Verim, num processo que segue os Modelos de Avaliação da Segurança Social e a Norma NP EN ISSO 9001 2008.
Com este procedimento, o Centro Social Teresiano de Verim pretende garantir aos seus utentes, familiares, comunidade e colaboradores, a satisfação e a melhoria da qualidade de vida, indo ao encontro das necessidades reais de cada um deles.
“Todo o procedimento revela-se uma mais-valia, na medida em que garante que todo o funcionamento seja orientado segundo a legislação em vigor”, revelam os responsáveis da instituição.

Aleitamento Materno

Assinalada Semana Mundial

No âmbito da sua estratégia direccionada às questões da Saúde Pública e bem-estar das famílias Povoenses, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso assinala, de 3 a 9 de Outubro, a Semana Mundial do Aleitamento Materno, com actividades diversas ligadas à informação da população com os objectivos da promoção, protecção e apoio ao aleitamento materno”, adianta a Câmara Municipal, em nota de imprensa.
As comemorações, realizadas em parceria com Unidade de Cuidados à Comunidade – Coração do Minho do Centro de Saúde da Póvoa de Lanhoso compreendem um conjunto de iniciativas dirigidas, sobretudo, aos pais e mães ou futuros pais e mães.
“O leite materno é o melhor alimento, é o melhor remédio, para além de ser a melhor vacina. Além disso, o acto de amamentar é envolto em humanização, proporcionando o contacto olho no olho, o afago e o aconchego entre mãe e filho”, lembra a vereadora da Saúde da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Fátima Moreira. A iniciativa pretende sensibilizar para a importância do Aleitamento Materno nos primeiros tempos de vida da criança.
Depois dos dias 3 e 4, as acções de sensibilização, destinadas à população em geral têm a sua continuação na quinta e na sexta- feira, dias 6 e 7 de Outubro, das 14 às 17 horas, na Praça Engenheiro Armando Rodrigues. A par destas, as creches do concelho recebem esta sexta-feira, dia 7 de Outubro, das 9 às 13 horas, acções idênticas de sensibilização.
“O encerramento desta Semana acontece no dia 8 de Outubro (Sábado), pelas 10h30, na Casa da Botica (Biblioteca Municipal), com um Encontro Informal entre utiliza-dores do “Cantinho da Amamentação” e “Preparação para o Parto”, da UCC – Coração do Minho, do Centro de Saúde da Póvoa de Lanhoso”, bem como com a divulgação dos resultados do Concurso de Fotografia”, destaca a Câmara Municipal.
Recorde-se que, o Dia Mundial da Amamentação comemora-se a 1 de Agosto, na Europa. Uma vez que Agosto é um mês em que a grande maioria das pessoas se encontra de férias, as actividades da Semana Mundial do Aleitamento Materno são adiadas para a semana de 3 a 9 de Outubro.

Póvoa de Lanhoso


Mais de 200 deficientes visuais
reunidos em encontro nacional


Hoje a igualdade tem novos nomes” foi o tema da iniciativa desenvolvida pela AADVDB – Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga que reuniu mais de 200 deficientes visuais na Póvoa de Lanhoso. O encontro, iniciado na noite de sexta-feira, dia 23 de Setembro e que se prolongou até domingo, dia 25, trouxe à Póvoa de Lanhoso deficientes visuais de todo o país. Sensibilizar a sociedade para as problemáticas associadas à deficiência, fomentando a mudança de atitudes da população em geral face à deficiência; promover a integração e sociabilização dos cidadãos portadores de deficiência, reduzindo as taxas de exclusão social; e sensibilizar os parceiros sociais bem como a comunidade em geral para os direitos e deveres das pessoas com deficiência foram alguns dos objectivos associados à iniciativa.
Na sessão de abertura do encontro, realizada na manhã de sábado, dia 24, no Fórum dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, Joaquim Barreto, presidente da Assembleia Geral da AADVDB enalteceu o trabalho desenvolvido pelo presidente da associação, Domingos Silva, assim como de toda a equipa que o acompanha. Na sua intervenção, Joaquim Barreto considerou que a AADVDB é um “espaço de grande convivência social, de aproximação e solidariedade”.
“Uma instituição que não tem fronteiras no relacionamento com as instituições, com as comunidades e com o movimento associativo e com tudo aquilo que possa promover e projectar a associação e que ao mesmo tempo possa criar melhores condições para os seus associados”, destacou ainda Joaquim Barreto.
Visivelmente satisfeita com a iniciativa, Maria do Carmo Antunes, directora do Centro Distrital de Segurança Social, de entre outras considerações, apontou que a AADVDB é “uma associação que em termos de dimensão é uma associação pequena mas que tem uma enorme alma e que consegue mobilizar mundos”.
O nome da iniciativa – A Igualdade Tem Novos Nomes, foi do agrado de Maria do Carmo Antunes. “Igualdade tem que ter novos nomes e esses novos nomes passam por todos nós, pela alma de todos nós”, considerou aquela responsável.
Depois da intervenção de Armando Fernandes, vereador da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, seguiu-se a intervenção de Domingos Silva, presidente da AADVDB que, para além dos agradecimentos endereçados a todas as instituições e entidades que colaboram com aquela associação, apontou a certificação de qualidade e a construção de uma casa residencial como os grandes projectos da AADVDB.
“É importante que esta instituição seja certificada. Além do apoio que damos aos invisuais, possamos ter essa certificação que é um passo importante para cada vez mais possamos fazer as coisas de forma mais organizada e com mais eficácia”, destacou Domingos Silva. “A pobreza, exclusão social e a inclusão social na deficiência” e “A educação especial como factor promotor do emprego das pessoas com deficiência visual” foram os temas das palestras que marcaram a manhã de sábado, num dia que contou ainda com actividades com o ciclismo e a aeróbica, promovendo momentos de convívio e partilha entre os participantes.

Assembleia Municipal


Criada comissão
para reforma
administrativa


Na última Assembleia Municipal, realizada no dia 30 de Setembro, foi aprovada a criação de uma comissão even-tual, integrada por elementos dos três partidos com assento naquele órgão, para estudar a reforma administrativa e apresentarem uma proposta quanto ao concelho da Póvoa de Lanhoso. No início dos trabalhos, e após a leitura da correspondência, a bancada do Partido Socialista, através de Frederico Castro, apresentou uma proposta de criação de uma comissão eventual para estudar e apresentar uma proposta no que diz respeito à reforma administrativa local.
Atendendo ao prazo dado pelo poder central, de 90 dias, de Novembro de 2011 a Janeiro de 2011, às Assembleias Municipais e Assembleias de Freguesia para se pronunciarem, o PS apresentou, inicialmente uma proposta que acabou por ser reformulada e apresentada pelos três partidos presentes na Assembleia Municipal – PSD, PS e CDS/PP.
Na proposta inicial, o Partido Socialista propôs a criação de uma comissão com vista a uma “decisão e versão final desta reforma, mais justa, mais ponderada e de forma a contribuir para a compreensão e aceitação de todos os povoenses relativamente a uma matéria sensível mas absolutamente necessária”.
Naquele momento, o PS mostrou-se disponível para aceitar sugestões dos restantes grupos parlamentares, uma vez que se trata de uma preocupação transversal a todos os partidos. Humberto Carneiro, presidente da Assembleia Municipal, considerou aquela proposta extemporânea, uma vez que já tinha abordado aquela questão no discurso das comemorações do Dia do Concelho.
Depois da troca de argumentos, ficou decidida a apresentação de uma proposta conjunta pelos três partidos, a qual veio a ser aprovada. Recorde-se que, uma dos pontos da Reforma Administrativa é a diminuição do número de freguesias.

PS apontou o dedo aos ajustes directos
De entre outras considerações, António Carvalho, da bancada do PS, apontou o dedo aos ajustes directos realizados desde o início do ano. Fazendo uso de um mapa elaborado com os ajustes directos deste ano, aquele elemento do PS considerou que os ajustes directos beneficiaram 11 freguesias do PSD contra 3 freguesias PS. António Carvalho revelou que para as freguesias PSD foram realizados ajustes directos na ordem dos 888 mil euros contra os cerca de 49 mil euros das freguesias socialistas (Oliveira, Campo e Covelas).
Quanto às críticas tecidas por António Carvalho, no tocante à distribuição dos investimentos pelas freguesias, Nuno Aguilar, líder da bancada do Partido Social-democrata, deixou a explicação a cargo da Câmara Municipal e seus vereadores mas apontou que os números apresentados daquela forma são muito díspares e que o ajuste directo é apenas uma forma de realizar investimentos, faltando juntar os concursos públicos e os ajustes directos de serviços.
As críticas à Câmara Municipal prosseguiram, desta feita pela voz da deputada Patrícia Pereira, da bancada PS. A falta de cumprimento da Câmara Municipal para com algumas freguesias foi trazida a debate. A deputada socialista alertou para os casos das freguesias de Brunhais (30 mil euros), Gerás e Moure (19 mil euros) que realizaram obras, apresentaram as respectivas facturas à Câmara Municipal e ainda não receberam os referidos pagamentos.
Renata do Rosário, secretária da Junta de Freguesia de Moure, revelou que as facturas e autos de medição foram remetidos à Câmara Municipal em Novembro de 2010 e que até ao momento não receberam qualquer verba. Para além de apontar o dedo à falta de pagamento, apontou o dedo à falta de resposta aos vários ofícios dirigidos à Câmara Municipal. Segundo a secretária da Junta da Freguesia de Moure, dos mais de 30 ofícios enviados à autarquia, apenas receberam resposta, por escrito, a quatro dos ofícios enviados. A falta de limpeza das bermas das estradas municipais foi também mencionada por Renato do Rosário.
As críticas não se ficaram por aqui. Maximino Guimarães, presidente da Junta de Freguesia de Brunhais, destacou algumas obras que ainda não foram realizadas, nomeadamente no tocante à iluminação pública e a uma estrada cujo trânsito está proibido a pesados. Quanto ao debate, o presidente de Brunhais considerou que se devia falar mais nas freguesias.
No decurso dos trabalhos, José Eduardo Vieira, do CDS/PP, questionou a autarquia quanto à falta de resposta ao requerimento apresentado sobre o Castro de Santo Tirso. Aquele elemento do CDS/PP pediu também esclarecimentos quanto à não adopção do regime de fruta escolar, tendo sido devidamente esclarecido por Gabriela Fonseca, vereadora da autarquia, que apontou os motivos que levaram os agrupamentos de escolas a não aderir ao RFE.

Taxas de IMI não geraram consenso
Depois da Câmara Municipal, pela voz de Fátima Moreira, ter dado conta do trabalho realizado pela autarquia desde a última Assembleia Municipal, assim como da situação financeira, seguiu-se o segundo ponto da ordem de trabalhos, com a votação das taxas de IMI.
A proposta apresentada pela Câmara Municipal foi a da manutenção das taxas actualmente em vigor: 0.65 para os prédios avaliados antes da entrada em vigor do CIMI (digo do Imposto Municipal sobre Imóveis) e de 0.30 para os prédios avaliados ao abrigo do CIMI.
No tocante a esta matéria, o PS apontou que a posição do partido iria no sentido de alguma redução, no sentido de aliviar a carga fiscal dos povoenses, pelo que votou contra. Seguiu-se uma troca de argumentos, entre os elementos do PS e do PSD, com a proposta do executivo a ser aprovada por maioria, com os votos contra do PS e a abstenção do CDS/PP.

Serzedelo: Lar residencial


De sonho a realidade

O sonho que vinha acalentando, desde há muitos anos, o Padre António Pereira Lopes tornou-se realidade. Na manhã de domingo, dia 2 de Outubro, o Centro Social e Paroquial de Serzedelo inaugurou o Lar João Paulo II, num momento presidido pelo Ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares. O dia 2 de Outubro de 2011 ficará marcado para sempre na memória do Padre António Pereira Lopes. No dia em que comemorou os 78 anos de vida, o pároco celebrou as Bodas de Ouro Paroquiais e cumpriu o sonho de uma vida: a construção de um Lar Residencial.
A concretização da obra permitiu a criação de 30 lugares em regime de Lar Residencial, assim como de 20 lugares em Centro de Dia. A par destes, foi ainda alargado o Apoio Domiciliário, abrangendo, actualmente, 60 utentes. Construído ao abrigo do Programa Pares, o Lar João Paulo II obrigou a um enorme esforço financeiro do Centro Social e Paroquial de Serzedelo. A este, juntou-se a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, a Junta de Freguesia de Serzedelo e os paroquianos, que contribuíram financeiramente para uma obra orçada em mais de 1 milhão de euros.
A obra agora inaugurada é a verdadeira “menina dos olhos” do padre António Lopes. A sua concretização é apontada pelo sacerdote como de “crucial importância, quer pelos postos de trabalho directos que se criaram e outros que serão criados a breve prazo, diminuindo, assim, o flagelo do desemprego e contribuindo para impedir a desertificação destas zonas interiores”.
Depois do Lar, e aproveitando a presença do ministro da Solidariedade e Segurança Social, o padre António Lopes apontou a criação de uma creche com um dos objectivos futuros.
“Com a construção deste equipamento, com a entrada em funcionamento de um projecto semelhante na freguesia de Taíde, com a construção da Unidade de Longa Duração da Santa Casa da Misericórdia e com a construção do Lar para Deficientes em Lanhoso, o nosso concelho vê as principais necessidades sociais neste âmbito praticamente satisfeitas e fica dotado de relevantes equipamentos sociais, ao nível dos melhores do país”, destacou Gabriela Fonseca, vice-presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. Cerca de 500 mil euros foi a verba despendida pela autarquia povoense para apoiar os quatro projectos concelhios. Para Serzedelo, a Câmara Municipal contribuiu com uma verba de 140 mil euros.
“Esta instituição nasce com um espírito bonito, que me apraz sublinhar, que é o espírito da colaboração, de uma colaboração que tem como base a preocupação pelo bem-comum. Quando assim é, o bem comum se impõe e esta congregação de esforços acontece, podem nascer obras deste cunho, com esta grandeza e com esta beleza”, revelou o Cónego José Paulo de Abreu, no decurso da cerimónia de inauguração.
A obra inaugurada foi apontada pelo Cónego José Paulo de Abreu, como o “corolário de um esforço, de uma vida pastoral e de uma vida de entrega a esta população”. Em substituição do Arcebispo Primaz de Braga, impossibilitado de comparecer na cerimónia, José Paulo de Abreu deixou a homenagem em nome da Diocese de Braga ao Padre António Lopes, reconhecendo-o como um “elemento extremamente válido e de um coração muito grande”. Depois do descerrar da placa comemorativa, da bênção e dos discursos seguiu-se o cantar de parabéns ao pároco António Lopes. Posto isto, e depois de uma visita às instalações, os presentes rumaram até à Igreja Paroquial, onde aí teve lugar uma missa de acção de graças, celebrada pelo Cónego José Paulo de Abreu, num momento que contou com diversas ofertas ao padre António Lopes e a apresentação do livro “Igrejas e Capelas de Serzedelo”, numa obra do Instituto de História e Arte Cristãs da Arquidiocese de Braga.

Pedro Mota Soares


700 mil famílias com
factura da luz mais baixa


Um dos maiores desafios que o mundo global atravessa é o de saber responder ao envelhecimento das nossas populações. Queremos tentar inverter essa tendência mas, também, nunca nos esquecemos que temos que prestar o apoio e os cuidados que se impõem à terceira idade e aos nossos idosos.
Este é um desafio mundial mas é, também, uma realidade local, de todos nós e uma realidade a que todos nós temos que responder”, referiu o Ministro da Segurança Social, no início da sua intervenção, apontando, ainda, a necessidade de “redesenhar o papel do estado, numa articulação profunda com as instituições sociais, com aquilo que é chamada a economia social ou o terceiro sector”.
Em jeito de balanço, e passados 100 dias da apresentação do Programa de Emergência Social, o Ministro Pedro Mota Soares apontou, de entre outras medidas a concretizar, o descongelamento das pensões mínimas rurais e sociais, num total de 1 milhão de beneficiários, e o majoramento do subsídio de desemprego para casais em situação de desemprego e com filhos a cargo. Cerca de 5 mil casais encontram-se nesta situação em todo o país.
De acordo com o ministro da Solidariedade e Segurança Social, a partir de hoje, segunda- -feira, passam a vigorar os descontos sociais na energia, num apoio que abrange cerca de 700 mil famílias. Segundo Pedro Mota Soares, as famílias com mais necessidades vão passar a pagar menos nos consumos de energia do que pagavam mesmo antes do aumento do IVA imposto no acordo da Troika.
“Não foi uma opção deste Governo o aumento do IVA na energia. Era algo que estava previsto no programa de assistência financeira que o Estado português teve que subscrever com instituições internacionais para assegurar a sua solvência”, apontou aquele responsável do governo.
Cerca de 30 milhões de euros serão disponibilizados do Orçamento de Estado para “baixar a conta da electricidade e gás natural aos idosos com pensões mais baixas, às famílias com filhos e que têm rendimentos muito baixos, aos que estão há mais tempo confrontados com o fenómeno do desemprego e aos que recebem uma pensão de invalidez”. Esta será pois, uma medida de longe alcance, conforme apontou o ministro.

Póvoa de Lanhoso


Concelho comemorou 719 anos

A homenagem a ilustres povoenses e instituições que deram o seu contributo para o desenvolvimento do concelho da Póvoa de Lanhoso foi um dos pontos altos das comemorações do Dia do Concelho, a dia 25 de Setembro. Foi há 719 anos que o Rei D. Dinis outorgou a Carta de Foral que instituiu o concelho da Póvoa de Lanhoso. Miguel Macedo, Ministro da Administração Interna, presidiu à sessão evocativa do Dia do Concelho. O programa comemorativo integrou, na manhã daquele dia, uma visita às obras do Centro Educativo D. Elvira Câmara Lopes, em S. Martinho do Campo, e à Incubadora de Empresas, em Ferreiros. Pelo segundo ano consecutivo, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso elaborou um programa comemorativo para assinalar o dia da criação do concelho. O Concerto de Gala de Lançamento da Revista “Entre Notas”, pela Banda de Música dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, na noite de 24 de Setembro, e a “História da Nossa Terra”, junto dos alunos da EPAVE e da Escola Secundária marcaram, também, o programa do Dia do Concelho.
Neste ano, as homenagens foram prestadas ao padre Magalhães dos Santos, professora Olinda e António Machado. No tocante a instituições, os homenageados foram a Pocargil e o Grupo Desportivo da Goma, que comemoraram, neste ano, 25 anos de vida.
Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal, iniciou as intervenções. No seu discurso, o presidente da autarquia povoense, destacou a aposta da Câmara Municipal na criação de uma rede de modernos centros educativos, assim como nas áreas da cultura, modernização dos serviços municipais, requalificação urbana e requalificação dos centros cívicos das freguesias. “O caminho que te-mos seguido tem como principal objectivo melhorar as condições de vida dos povoenses sem prejudicar a saúde financeira que felizmente esta autarquia se orgulha de apresentar”, referiu Manuel Baptista.
“Apesar de todos os cortes orçamentais e contratempos que, como disse, hoje não vou partilhar, foi possível afirmar este concelho no palco regional e obter o reconhecimento dos povoenses sobre o trabalho que temos vindo a desenvolver. É com esta noção clara dos objectivos que pretendemos alcançar que estamos já a preparar o Plano e Orçamento do próximo ano”, apontou ainda o presidente da autarquia.

Ajustamentos
“Concluída que está a primeira fase do mandato, marcada por um necessário ajustamento financeiro, pela construção de dois centros educativos e pelo início da requalificação urbana, iniciaremos a segunda fase do mandato que terá como marca principal os investimentos nas freguesias. Aproveitando a importante fatia de comparticipação dos fundos comunitários, vamos candidatar uma nova fase de investimento no alargamento da rede de água e saneamento; vamos concluir a rede de Centros Escolares com a construção de mais um equipamento na freguesia em Taíde; bem como apostar em projectos de requalificação dos espaços públicos das freguesias”, destacou o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
“Enquanto Presidente da Assembleia Municipal é com muita satisfação que vejo o município valorizar e a transmitir aos mais novos o peso e o significado relevante da nossa história, que como sabemos, é rica em acontecimentos e em património”, referiu Humberto Carneiro, presidente da Assembleia Municipal da Póvoa de Lanhoso.
A reforma da lei eleitoral e a reforma administrativa do território foram dois dos assuntos abordados por Humberto Carneiro.
“Sou de opinião que, em cada concelho, se deve debater estas matérias e cada um, através dos seus órgãos autárquicos democraticamente eleitos, deve dar o seu contributo para estas duas reformas. Isto é, não devemos ficar à espera que, por decreto, o Governo fixe, unilateralmente, as regras por falta de contributos e acordos locais”, apontou ainda o presidente da Assembleia Municipal.
Destacando o trabalho desenvolvido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, nomeadamente na área da educação, na área social e na captação de investimentos para o concelho, o Ministro Miguel Macedo apontou a necessidade de “tentar inverter este novo ciclo de emigração que assola o país”.
“Nos últimos três anos, regressamos, em parte, a um ciclo negro de emigração de centenas de milhar de portugueses que, por não encontrarem condições de vida em Portugal, têm, outra vez, que virar as costas ao seu país e partir para outras paragens ao encontro de melhores condições para o seu futuro e para o futuro dos seus”, realçou o Ministro da Administração Interna.
“Hoje, somos menos soberanos porque não soubemos dirigir nem governar o nosso país. Hoje, dependemos em grande medida da aceitação e da determinação de entidades estrangeiras que dizem o que nós devemos fazer nos próximos tempos. Como português, não me conformo com isso. Agradeço muito a ajuda extraordinária, que era absolutamente necessária neste momento, mas quanto mais depressa nos livrarmos desta ajuda, melhor para todos”, apontou ainda Miguel Macedo, revelando que há um consenso político e social no país. “Temos um mar de problemas para ultrapassar mas vamos atravessar esses problemas justamente porque há um enorme consenso social e político de que é importante resolver esses problemas”, destacou o ministro da Administração Interna.
Depois da sessão evocativa, os presentes dirigiram-se para a Sala de Interpretação do Território, na Casa da Botica, onde se procedeu à abertura da exposição “Emigração Dos Anos 50/60/70”. O espectáculo do artista Zé Amaro, na Praça Eng. Armando Rodrigues, encerrou as comemorações.