Regi-cooperativa do Centro de Criatividade
Estratégia cultural vai marcar
o concelho da Póvoa de Lanhoso


Instituto Superior de Saúde do Alto Ave
ISAVE forma profissionais
de saúde há nove anos

EDITORIAL

Armindo Veloso



EMANADOS

Diz-se que os governantes/dirigentes de um determinado povo são o reflexo desse próprio povo.
Dito de uma forma mais popular: cada povo tem os governantes que merece.
Desgraçados de nós.
Reparem: nos últimos tempos, tivemos um Presidente da República que por melindre, legítimo, mas só o melindre, de não ter sido “auscultado” no PEC IV não fez nada para evitar uma crise política contribuindo, assim, para deixar o país de calças na mão.
Nos últimos tempos, tivemos um Primeiro-ministro que, suportado na recusa do PEC por parte da oposição, aguentou até ao limite do possível o pedido de ajuda externa, tão necessário e urgente, e só o fez depois do “lóbi bancário” o obrigar, recusando-se a continuar a financiar o próprio país. O mesmo país que saiu em socorro da banca quando foi necessário – leia-se BPN e BPP.
Nos últimos tempos, tivemos um líder da oposição que, por pressões internas do seu partido, fez do PEC IV a moção de censura que não teve coragem de apresentar na Assembleia da República, fazendo com que o governo se demitisse na altura pior para Portugal.
Nos últimos tempos, tivemos um presidente de uma grande instituição/clube, o Futebol Clube do Por-to, que, quando os adeptos apedrejaram a caravana benfiquista que rumava a Lisboa, em vez de condenar veementemente esses actos ironizou de uma forma deplorável.
Nos últimos tempos, tivemos responsáveis por uma instituição/clube, o Sport Lisboa e Benfica, talvez a instituição com mais adeptos do país, que de uma forma baixa, deixaram que a luz do estádio fosse cortada para evitar os festejos, legítimos e justos, dos atletas e adeptos portistas. Isto para não falar dos apedrejamentos, dos quais podem ser alheios, que precederam o jogo.
Meus caros, que raio de povo este que “fabrica” líderes desta estirpe.

Até um dia destes.
CASTELO

Idosos
Desde o passado sábado, dia 16, que os idosos de S. João de Rei estão mais acompanhados. O Centro de Convívio da freguesia vem permitir a criação de um local de convívio para os “mais crescidos” que, muitas das vezes, só têm como companhia a solidão. Cada vez mais, e fruto das alterações que se vêm verificado na sociedade, os mais velhos precisam de alguém que lhes dirija uma palavra de carinho, e com quem conversar.
CASTELO DE AREIA
Crise

O estado de depressão em que o nosso país mergulhou, e ao qual o nosso concelho não fica alheio, tem causado muito desânimo nos nossos empresários. A vinda da ajuda financeira internacional, e as medidas de austeridade apontadas diariamente na comunicação social, deixam os portugueses receosos do futuro. É preciso que soprem novos ventos, ventos esses que tragam confiança...

Celebrado a 7 de abril

Dia Mundial da Saúde

A Praça Eng. Armando Rodrigues, no centro da vila, recebeu, no dia 7 de Abril, as actividades comemorativas do Dia Mundial da Saúde. A par da sensibilização para diversas temáticas, a iniciativa contou com um conjunto de rastreios, gratuitos e abertos a toda a população.
As comemorações envolveram a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e alguns parceiros locais, dos quais se destaca o Centro de Saúde, que marcou presença com a Unidade de Saúde Móvel, e o ISAVE, que promoveu os vários rastreios de saúde, nomeadamente a medição da tensão arterial, índice de massa corporal e glicemia. A par destes, foi ainda proporcionado, por uma outra entidade, um rastreio visual.
“Ali estiveram profissionais e colaboradores das várias entidades envolvidas realizando acções de sensibilização da população sobre temas variados da área da saúde e rastreios. A Unidade Móvel de Saúde, o Centro de Saúde da P. Lanhoso, o ISAVE, a Santa Casa da Misericórdia da P. Lanhoso e a Unidade Móvel de Rastreio Visual da Central Ópticas foram os parceiros da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, com propostas destinadas a toda a população”, refere a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, dando conta das actividades desenvolvidas na Praça Engenheiro Armando Rodrigues.
Recomendações para uma alimentação diária saudável, proteja o seu coração, planeamento familiar, ondas de calor e as pessoas idosas e alimentação saudável e actividade física foram alguns dos conselhos deixados pela Unidade de Saúde Móvel.

Associação dos Bombeiros Voluntários

Situação económico saudável

A sessão ordinária da Assembleia Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso (AHBVPL), realizada a 14 de Abril, ficou marcada pela aprovação, por unanimidade, dos documentos relativos ao Relatório de Actividades e Contas de Gestão do ano de 2010.
Quanto ao resultado final do exercício de 2010, o mesmo foi “francamente positivo”, conforme dá conta, em nota de imprensa, o presidente da Assembleia Geral da instituição, o advogado Rui Rebelo. Ainda de acordo com a mesma informação, o ano de 2010 comportou um movimento de exercício no valor global de 747.348,12 euros.
“O colectivo de Associados assinalou com satisfação a situação económico-financeira saudável da Instituição”, revela ainda o presidente da Assembleia Geral da AHBVPL.
A par da aprovação dos documentos relativos ao ano de 2010, os associados aprovaram, por unanimidade, votos de pesar e silêncio pelos recentes falecimentos de Carlos Alberto Rodrigues Guimarães, esposo da Cármen Guimarães Lopes (ex-membro dos corpos sociais e benfeitora da Associação Humanitária) e de Maria da Conceição Peixoto Gomes Ribeiro Pereira, esposa do Dr. Luís Artur Ribeiro Pereira, presidente do Conselho Fiscal da AHBVPL. A estes, junta-se ainda um voto de pesar e gratidão, também ele por una-nimidade, a Manuel Dílio da Silva, falecido a 19 de Fevereiro deste ano. Recorde-se que Manuel Dílio da Silva, conjuntamente com sua esposa, Anita Adelaide Guimarães Lopes, doou à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso o prédio constituído pelo quartel antigo e Theatro Club, no Largo António Lopes, nesta vila.
Por unanimidade, foi ainda aprovado um voto de reconhecimento e louvor ao Comando, ao Corpo Activo e a todos quantos têm trabalhado e se têm empenhado na formação dos mais de 50 Cadetes e Infantes da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso.

Corpo activo teve Mais de 10 mil serviços num ano
Ao longo do ano de 2010, o Corpo Activo dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso efectuou 10.437 serviços, sendo: 358 incêndios, 144 acidentes, 2.419 pré-hospital, 7.381 transporte de recuperações, 80 limpeza de vias e 55 outras actividades inerentes aos serviços.
Tais números e conforme revela o presidente da Assembleia Geral, mostram a importância da corporação no concelho povoense, assim como o enorme desgaste de viaturas e outros materiais.
Com vista a colmatar esse desgaste, durante o ano de 2010 procedeu à renovação da sua frota adquirindo uma ambulância (ABTM), uma viatura de combate a incêndios pesado (VTTR) e uma viatura de combate a incêndios ligeira. A par das viaturas, foi ainda adquirido material de incêndio e material clínico e de transporte de cadáveres.

Verbas para Centro Social/Paroquial de Garfe


II Sarau Solidário

O Agrupamento Vertical de Escolas do Ave realizou, no passado dia 8 de Abril, no antigo auditório do ISAVE, em Fontarcada, o II Sarau Solidário, cujo início teve lugar pelas 21 horas. Perante a enorme participação da comunidade educativa daquele agrupamento, o espaço tornou-se pequeno para albergar as centenas de pessoas que ali marcaram presença, num dos momentos altos de solidariedade do Agrupamento de Escolas do Ave.
As verbas obtidas reverteram este ano para o Centro Social e Paroquial de Garfe.
“Este sarau tem ainda uma história muito curta. O primeiro realizou-se no ano anterior e realizou-se porque estávamos muitos sensibilizados e sensíveis aos esforços que uma instituição vizinha da Escola EB 2, 3 de Taíde estava a desenvolver para angariar verbas para acabar as suas instalações. Essa instituição foi o Centro Social de Taíde. Como sabem, eles moram mesmo ao lado de nós. Temos com o Centro Social uma parceria muito saudável e de há muitos anos e vendo aqueles esforços a direcção do agrupamento lançou o desafio a todos os professores e a todos os meninos do nosso agrupamento. Demos as mãos e juntamo-nos ao centro social através de uma contribuição que nós pudessemos fazer. Essa iniciativa foi muito bem recebida pela comunidade educativa”, explicou Maria José Lourenço, directora executiva do Agrupamento do Ave.
“Tal como eu disse o ano passado, nós acreditamos que para ser solidário não basta dizer que se é nem se ensina a ser. Só se pratica”, disse ainda aquela responsável na abertura do Sarau Solidário.
“O compromisso que assumimos o ano passado foi o de organizarmos todos os anos este Sarau e as verbas angariadas reverteram a favor de uma instituição de uma freguesia do nosso agrupamento. Temos todas as escolas a participar, o que significa que este espírito foi interiorizado por todos vós, foi valorizado pela nossa comunidade e, creio eu, que mais uma vez damos um bom exemplo do que é estar ao serviço do outros”, completou ainda Maria José Lourenço.
Depois da intervenção da directora executiva do Agrupamento do Ave seguiu-se o início das actuações.
A abertura do espectáculo contou com a participação da Fanfarra do Escuteiros de Garfe, à qual se seguiram as apresentações dos alunos das escolas do Agrupamento do Ave. A plateia foi presenteada com a declamação de poemas, rapsódia do Cancioneiro Popular, dança, diversos momentos musicais e encenações teatrais.
O momento contou ainda com a entrega de prémios de mérito escolar. A noite de solidariedade culminou com a actuação do Rancho Folclórico de Garfe.

Centro de Convívio em S. João de Rei

Centros são projectos de afectos

Depois de alguns anos encerrado, o edifício da Escola EB1 de S. João de Rei abriu novamente as suas portas. A partir deste momento, ao invés das crianças, o antigo edifício escolar recebe a população “mais crescida” da freguesia. Outrora local de ensino dos mais pequenos, o edifício da Escola EB1 de S. João de Rei transformou-se em Centro de Convívio, naquele que é o quarto Centro de Convívio do concelho da Póvoa de Lanhoso.
Na cerimónia de inauguração, no passado sábado, dia 16, José Paulo Macedo, presidente da Junta de Freguesia de S. João de Rei, deu conta da felicidade que sentia com a inauguração do Centro de Convívio da freguesia.
“Hoje é um dia muito feliz para S. João de Rei. Marca a recuperação deste edifício que esteve uns anos abandonado. Hoje conseguimos -lo de cara lavada”, referiu o presidente da Junta de Freguesia de S. João de Rei, agradecendo todo o esforço da Câmara Municipal, de todo o seu executivo e respectivos técnicos.
“Para que hoje possamos estar aqui foi importante construir o Centro Educativo do Cávado, onde estão as dez freguesias do baixo concelho. Os Centros de Convívio já têm sido criados noutras freguesias e agora chegou a vez de S. João de Rei. Há outras escolas no concelho que serão aproveitadas para outros fins pois nem todas podem ser Centros de Convívio, como devem calcular”, explicou, por sua vez, Manuel Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. “Que este seja um espaço para o povo de S. João de Rei, idosos e jovens”, referiu.
Ocupando a parte inferior do edifício escolar, o Centro de Convívio de S. João de Rei acolhe, numa primeira fase, doze idosos da freguesia que participam nas várias actividades que decorrem, à segunda e quarta-feira, das 14h30 às 16h30. Ginástica geriátrica, teatro, passeios, rastreios, canto e um conjunto diversificado de workshops são algumas das iniciativas que marcam presença nos Centros de Convívio, as quais se juntam às várias actividades desenvolvidas pelos monitores dos espaços.

Ocupar o tempo livre
Depois de vários anos a ensinar os mais pequenos, Fernanda Almeida prepara-se para entrar novamente numa sala de aula mas, desta feita, como utente do Centro de Convívio. “É sempre interessante conviver”, referiu Fernanda Almeida que, desta forma, pretende ocupar algum do seu tempo livre e conviver com outros habitantes da freguesia.
“O importante é sair de casa porque há pessoas que vivem isoladas. Por vezes, no Inverno, algumas pessoas passam o dia todo em casa”, disse ainda a utente.
Ocupar os tempos livre é uma das razões que levou João Baptista Mendes, de 77 anos, a participar no Centro de Convívio de S. João de Rei. João Mendes frequenta também, desde há dois anos, as actividades direccionadas para a idade sénior do Centro Comunitário do Vale do Cávado, em Monsul, actividades essas que pretende manter em paralelo com as do Centro de Convívio da sua freguesia. “Gosto muito disto. Sou viúvo, vivo sozinho e aproveito para conviver”, disse.
Volvidos quase trinta anos da sua construção, o edifício escolar de S. João de Rei ganhou nova vida. Para além dos idosos, a ala superior do edifício tem dispo-nível uma sala para as actividades dos mais novos.

Balanço positivo
É um balanço positivo que Fátima Moreira, vereadora da Acção Social da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, traça do funcionamento dos Centros de Convívio do concelho, que actualmente envolvem mais de cem utentes. “Acima de tudo, os Centros de Convívio são projectos de afectos, para pessoas, que de alguma forma estão em freguesias isoladas. Penso que é isso que falta à população sénior. As pessoas aqui estão contentes, conversam e socializam”, referiu a vereadora, destacando a importâncias das parcerias com várias entidades, nomeadamente as Juntas de Freguesias, para a realização destes projectos “feitos sem custos e que para os idosos são uma mais-valia”, frisou.

Segue-se Fontarcada
A freguesia de Fontarcada será a próxima a receber o projecto dos Centros de Convívio. Dentro de pouco tempo, entre um a dois meses, aquela freguesia recebe o quinto Centro de Convívio do concelho da Póvoa de Lanhoso.

Póvoa de Lanhoso


Rancho Folclórico vai a França

O Rancho Folclórico da Póvoa de Lanhoso participa, no dia 22 de Maio, na 10.ª Festa em honra de Nossa Senhora de Fátima, promovida pela Associação Franco-Portuguesa de Neuves Maisons, localidade onde estão radicados muitos povoenses.
Do programa festivo consta, às 10h30, a missa solene, à qual se segue a procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima. Findo o acto religioso, segue-se a oferta de um aperitivo pela associação franco-portuguesa. Mais tarde, a partir das 12 horas, tem lugar o almoço, no qual marcará presença a comida típica portuguesa. A animação mantém-se durante a tarde com a actuação, a partir das 14h30, da Fanfarra de Neuves Maisons, do Grupo Folclórico Português de Vandoeuvre, do grupo “West County Club” e do Rancho Folclórico da Póvoa de Lanhoso.

Saída a 20 de Maio
A saída da Póvoa de Lanhoso está agendada para o dia 20 de Maio, com o regresso a acontecer no dia 23. De acordo com informações recolhidas junto de um dos responsáveis, desde 1995 que o rancho povoense não se deslocava ao estrangeiro. Dezasseis anos depois, o Rancho Folclórico da Póvoa de Lanhoso volta a atravessar a fronteira, indo ao encontro dos povoenses radicados em Neuves Maisons. Este será, pois, um momento de confraternização com os povoenses radicados naquela localidade, assim como em localidades vizi-nhas. Fundado a 28 de Maio de 1979, o Rancho Folclórico da Póvoa de Lanhoso teve a sua primeira actuação no dia 26 de Junho daquele ano, na festa em honra de S. Pedro, no Horto. Depois da participação na Festa em honra de Nossa Senhora de Fátima, o Rancho Folclórico da Pó-voa de Lanhoso volta a França dias depois, participando no Festival de Folclore, no dia 5 de Junho, promovido pela associação dos portugueses em Montereau.

Fátima moreira - presidente da regi-cooperativa do centro de criatividade

“Foi um ano que exigiu muito”

Depois de um ano que “exigiu muito trabalho” a toda a estrutura, a presidente da direcção da regi-cooperativa do Centro de Criatividade da Póvoa de Lanhoso (CCPL), Fátima Moreira, também vereadora da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, está satisfeita com o projecto supra-partidário que dirige, destaca já a grande visibilidade do projecto cultural na região local, nacional e até além fronteiras, e aponta a sustentabilidade financeira como o caminho a seguir.
Maria da Fonte (MF) - O ano de 2010 foi um ano de funcionamento pleno do Centro de Criatividade (CC) como regi-cooperativa. Qual o balanço?
Fátima Moreira (FM) - A regi-cooperativa trouxe-nos a possibilidade de ultrapassarmos alguns constrangimentos com que nos vínhamos debatendo, que tinham a ver, sobretudo, com a prestação de serviços para além do serviço prestado pela Câmara Municipal. Se, anteriormente, era quase necessário haver protocolos de colaboração da Câmara Municipal com essas instituições, o dinheiro tinha que entrar e havia algum dificuldade em termos de tesouraria, em termos de procedimentos. A regi-cooperativa trouxe-nos essa facilidade em termos de procedimentos.
A regi-cooperativa acaba por ser um grande desafio, porque é quase o ousar trabalhar a cultura de uma forma quase empresarial, é caminhar para a sustentabilidade económica dum projecto cultural. Esse é o grande desafio da gestão do Centro de Criatividade, nesta filosofia de regi-cooperativa.
Olhando para o ano 2010, foi um ano que não foi fácil, foi um ano difícil. Certamente que não foi só para o CC, foi um ano difícil, em termos globais. Para nós, teve a ver com a necessidade de afinarmos alguns procedimentos, que têm a ver com a própria dinâmica do Centro. Assumimos que, não foi um ano fácil. Foi um ano que exigiu muito. Exigiu muito à equipa da direcção, que é muito coesa.
A regi-cooperativa, ao nível de direcção, é um projecto que se assume supra-partidário, porque é liderado por dois partidos. Tem membros do PSD e PS e tem sido um bom exemplo de gestão. Por isso, é possível que pessoas com diferentes filosofias partidárias encarem projectos como o mesmo rumo, digamos assim.
Por outro lado, além desta equipa de direcção, a equipa que está à frente dos destinos do CC, não só a equipa técnica como a equipa artística, com a sua dedicação e empenho, foram fundamentais para ultrapassarmos muitos constrangimentos que nos foram surgindo. Conseguimos chegar ao final do ano com um resultado positivo.

MF - A fundação da regi-cooperativa veio agilizar o estabelecimento de parcerias com outros municípios. Como está esse processo?
FM - O ano 2010 foi assumido pela direcção e pela estrutura do CC como o ano de expansão. O Centro de Criatividade foi sempre assumido como um projecto cultural local e continua a sê-lo. O Centro assume já uma visibilidade muito grande na região. Eu diria até que em muitos pontos do país já em conhecido e tem levado o nome da Póvoa de Lanhoso além fronteiras e ao longo do país. Para isso, foi necessário darmos, no ano passado, esse passo de expansão. Foi criada uma rede informal de parcerias com 11 autarquias aqui à volta e foi apresentado um projecto à Capital Europeia da Cultura, num trabalho que nasceu aqui no CC e teve uma aceitação muito satisfatória desses onze municípios. Há, de facto, uma vontade desses 11 municípios em terem uma estratégia idêntica e identificaram-se com esta estratégia do CC.
Esta expansão permitiu vincularmos já um trabalho efectivo num dos municípios, que foi Montalegre, onde criamos o Centro de Estudos do Alto Barroso. Foi constituído o centro e o ano passado foi um ano pleno de trabalho em Montalegre, que resultou na grande apresentação da sexta-feira 13, em Agosto. Paralelamente, em Maio do ano passado, constituiu-se um grupo de trabalho formal em Cabeceiras de Basto, que ainda funciona e que é o Centro de Teatro de Cabeceiras de Basto, que também é um projecto local mas que está, de alguma forma, assessorado pelo CCPL.
Para além disso, temos parcerias várias. Temos, neste momento, a trabalhar connosco dois estagiários que vieram do ISMAE, temos essa parceria com a Escola Superior de Formação em Artes e também com o Chapitô. Várias companhias contactam- -nos para darmos apoio ao nível da confecção de figurinos e outro tipo de apoios. Temos sido muito solicitados, mesmo ao nível local. Ao nível das escolas, tem sido feito um trabalho de parceria muito válido. As escolas estão cada vez mais despertas para a necessidade de trabalharmos de forma articulada. Iniciamos, no ano passado, um projecto muito interessante ao nível do Agrupamento do Ave, em que o Centro de Criatividade está, neste momento, a promover aulas de hip-hop em todas as escolas daquele Agrupamento.

MF - A que se propõem neste ano de 2011?
FM - O que se propõe é fazer o mesmo, pelo menos, com menos dinheiro. O que aconteceu relativamente a 2010 é que o CC, à semelhança doutras instituições que têm sido apoiadas pela Câmara Municipal, sofreu uma redução de 15% nas verbas transferidas. Por isso, esse já é um constrangimento. Mas, nós aqui no Centro de Criatividade temos quase a ousadia, a audácia, de caminhar para a sustentabilidade desta utopia e de sonhar com a sustentabilidade desta utopia que é o Centro de Criatividade.
A cultura custa dinheiro mas a cultura, quando nos deparamos com anos difíceis e de crise, é quase sempre a área onde as apostas são menores e onde é mais fácil cortar as verbas.
Mas, nós, a equipa que aqui está, acreditamos que, com determinação, com vontade, apesar de todo este constrangimento, vamos ter um ano melhor que o de 2010.
Temos em mente alguns projectos e não vamos deixar de concorrer a candidaturas que nos permitam encontrar outras saídas. Aliás, já o fizemos o ano passado e vamos tenta-lo novamente. No ano passado não tivemos sucesso em muitas candidaturas que fizemos mas este ano vamos voltar a tentar.
A direcção está empenhada. O ano de 2010 foi um ano de aprendizagem ao nível dos comportamentos e das rotinas do Centro de Criatividade. Este ano, estas aprendizagens já estão incutidas e acredito que, apesar de termos um orçamento mais reduzido, os resultados vão ser ainda melhores que no ano anterior. (...)

Encenador e director artístico do Centro de Criatividade da Póvoa de Lanhoso


Moncho Rodriguez
traça balanço positivo


Em declarações ao jornal “Maria da Fonte”, Moncho Rodriguez, encenador e director artístico do Centro de Criatividade da Póvoa de Lanhoso (CCPL), traçou um balanço positivo da actividade do CCPL em 2010.
“Em 2010, o Centro de Criatividade fez 60 apresentações para 80 pessoas. Estamos a falar de números que dificilmente as companhias subsidiadas ou projectos subsidiados pelo Governo central alcançam dentro deste país. Mais do que os números o mais importante é analisar e observar o que o Centro de Criatividade proporciona não só na Póvoa de Lanhoso mas dentro da região. A filosofia de trabalho, o projecto do CCPL é visto, hoje, como um projecto que deve ser replicado em vários locais. É um projecto que ensaia e se cria com as energias da Póvoa de Lanhoso”, referiu Moncho Rodriguez.
“Há uma esperança muito grande de que um dia possa haver o reconhecimento de vilas como esta, de lugares tão pequenos como este, e dos projectos tão importantes que desenvolvem que estão directamente ligados ao desenvolvimento comunitário”, adianta ainda aquele responsável.

Os novos projectos
Depois de Cavalinho Azul e Despertar de Primavera, o CCPL está envolvido na encenação de “O Pranto da Maria Prada”, numa co-produção com Gilberto Brito, conceituado actor brasileiro, que escolheu a Póvoa de Lanhoso para a montagem do seu espectáculo. “É um projecto interessantíssimo porque nos coloca, de alguma forma, além fronteiras. Vai ampliar a visibilidade que o Centro de Criatividade tem. Coloca a Póvoa de Lanhoso, de alguma forma, como um lugar priveligiado dentro de Portugal para parcerias internacionais. Vamos ter “O Pranto de Maria Prada” em co-produção com o Governo do Estado de Pernambuco e a Formação de Artes de Pernambuco, no Brasil”, explica o encenador.
“Temos um programa ainda este ano para dar visibilidade e divulgar o Castelo de Lanhoso e a história local. Dentro desse programa no mês de Maio, vamos ter um espectáculo que falará de D. Teresa”, anuncia Moncho Rodriguez.
Para o Verão, o Castelo de Lanhoso vai ser ainda palco da encenação “O Desejado”, que irá abordar o mito de D. Sebastião.
Ainda este ano, o CCPL retoma o programa com as crianças, como os pequenos a contar histórias a pequenos, sobre o Castelo e a memória local.

Oficinas envolvem mais de 500 participantes
Revelando que o objectivo é transformar a visão social pela cultura, pela evolução cultural, Moncho Rodriguez, encenador e director artístico do CCPL, revela que “neste momento são 520 os alunos que trabalham semanalmente com o Centro de Criatividade”. Alunos formais e informais que beneficiam das oficinas do CC.
Voz e Canto, Hip-Hop, Viola, Interpretação Teatral, Jogos Teatrais, Percussão, Sarau da Memória e Centros de Convívio são algumas das áreas das oficinas do CCPL, num total de 520 formandos.

Projecto educativo ultrapassa o concelho
“Este nosso projecto educativo está muito centrado na Póvoa de Lanhoso mas ultrapassa os limites do concelho. Já realizamos acções de sensibilização ambiental, com peças de teatro, em todas as escolas abrangidas pela AMAVE”, adianta o director.
O desafio para este ano, e segundo o encenador, passa por acções de sensibilização ambiental, na vertente teatral, tanto nas escolas de abrangência da AMAVE como da BRAVAL.
“Estamos a falar de mais de 150 apresentações, ainda este ano, em todas as escolas, no âmbito da sensibilização ambiental”, refere Rodriguez.

I Semana da Arqueologia da Póvoa de Lanhoso

Simulação de Escavação
e Atelier de Arqueologia

Experimental
deliciou crianças


Cerca de uma centena de jovens da Escola Eb 2,3 de Taíde, EB 1 de Rendufinho, da EB1 de Arrifana, em Fontarcada e da EB1 de Calvos estiveram envolvidas em simulações de escavação arqueológica e num atelier de arqueologia experimental, no âmbito da I Semana da Arqueologia da Póvoa de Lanhoso, numa organização da Câmara Municipal, que decorreu de 4 a 8 de Abril.
“A adesão e o entusiasmo dos participantes bem como a certeza de que os ensinamentos transmitidos terão contribuído para que também estes jovens estejam mais atentos e activos no que se refere à preservação e salvaguarda do património permitem fazer um balanço positivo desta iniciativa, dinamizada através do Gabinete do Património”, revela a autarquia.
“O local a “escavar” foi preparado previamente e os fragmentos cerâmicos foram ocultados. Antes da simulação, foi explicado aos mais novos, inexperientes neste tipo de actividade, os procedimentos a adoptar numa escavação arqueológica, os métodos de escavação e ainda como deviam proceder à remoção dos fragmentos cerâmicos que encontrassem. No final da “escavação”, foi possível reconstituir a peça encontrada”, explicam os responsáveis da autarquia.
Sensibilizar as crianças para a preservação e salvaguarda do património foi um dos objectivos da iniciativa, promovida pelo Gabinete do Património da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
“Esta actividade deixou todos os participantes entusiasmados e, com vontade de a repetir brevemente. Além do entusiasmo, alguns destes jovens manifestaram vontade em seguir a carreira de Arqueólogo, percebendo a importância da Arqueologia como ciência que estuda os antepassados da evolução humana”, adianta ainda a autarquia. Os jovens da EB 1 de Calvos participaram num Atelier de Arqueologia Experimental com barro, iniciativa que contou com a colaboração dos técnicos do Gabinete de Arqueologia de Vila do Conde. Antes de se iniciar esta actividade, foi-lhes explicado como seria a forma primitiva de trabalhar o barro, culminando na visualização de uma peça cerâmica do período do Calcolítico (Idade do Cobre). Seguidamente puderam manusear o barro tentando reproduzir uma peça idêntica à que tinham visualizado. Terminada a peça que lhes tinham pedido para executar, os alunos puderam manusear o barro livremente, pondo em prática toda a imaginação, criando peças interessantes e originais. Esta actividade foi bem acolhida entre os alunos participantes, demonstrando arte para manusear o barro.

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave

Isave: nove anos a formar
profissionais de saúde


O ISAVE – Instituto Superior de Saúde do Alto Ave, localizado em Geraz do Minho, comemorou, na passada terça-feira, dia 19, nove anos a formar profissionais de saúde. Num momento em que a instituição se vê a braços com um plano de viabilização económico-financeira, as palavras foram de união e tranquilidade. A figura de Monsenhor Eduardo Melo Peixoto, e o seu exemplo de força, foi também relembrada nos decurso das cerimónias comemorativas do 9.º aniversário do ISAVE.
“Permitam-me que nesta minha breve intervenção recorde aqui, e mais uma vez, o nosso querido Monsenhor Eduardo Melo Peixoto. Neste momento particular da vida do ISAVE, tem toda a pertinência apelar para a sua memória e recordar o seu exemplo de persistência, coragem e bom senso demonstrado ao longo de todo o processo complexo e difícil da implementação desta nossa instituição”, referiu Virgílio Alves, presidente do Conselho Científico daquela instituição, na cerimónia solene.
“Esta memória exige-nos a mais alta responsabilidade, obriga-nos a mantermo-nos unidos à volta do grande sonho que foi e ainda é o ISAVE, à volta deste grande projecto de desenvolvimento sócio-cultural para o concelho da Póvoa de Lanhoso e para toda esta região”, frisou ainda aquele responsável, que se mostrou confiante de que existem condições para “recolocarmos esta instituição no caminho da mais e melhores êxitos académicos”.
“Depois de tempos conturbados e com algumas indefinições, sentimos agora que o ISAVE está diferente. Diferente para melhor, mais intenso, mais vivo, mais directo, mais aberto, com sol e com futuro. A Associação de Estudantes do ISAVE tem tido com a Administração de Insolvência um contacto diário e em tudo somos chamados e tudo nos é explicado. Neste novo ISAVE não nos sentimos de parte, sentimo-nos como parte integrante de uma estrutura que se solidifica com ideias renovadas e coerentes”, referiu Ana Valente, vice-presidente da Associação de Estudantes do ISAVE (AEI), lendo algumas das palavras endereçadas pelo presidente da AEI, Tiago Couto.
As cerimónias comemorativas do 9.º Aniversário do ISAVE tiveram o seu início pelas 10h30, com uma missa de homenagem ao Monsenhor Eduardo Melo Peixoto, celebrada pelo Padre Marco Gil, à qual se seguiu a sessão solene, no auditório da instituição, que, para além dos intervenções, contou com a entrega dos prémios de mérito aos melhores estudantes do ano lectivo de 2009/2010 e a entrega dos diplomas.

Sobradelo da Goma


Grupo Desportivo da Goma
comemorou 25
anos

Decorreram
, nos dias 2 e 3 de Abril, as co-memorações do 25º aniversário do Grupo Desportivo da Goma.
As comemorações iniciaram-se com um animado jogo de futebol, durante o qual os dirigentes do G.D.G. enfrentaram antigos elementos ligados à asso-ciação, com excelentes momentos de diversão. Podemos dizer que, até parecia mesmo um jogo de futebol!
Seguiu-se o ponto mais alto do dia, com o jantar comemorativo no próprio salão do G.D.G. mostrando, uma vez mais, a validade das instalações. O jantar, aberto a toda a comunidade permitiu a presença de um grupo especial de convidados, os sócios fundadores desta colectividade. O jantar, que decorreu num ambiente familiar, foi embalado pela música ao vivo.
O momento foi ainda aproveitado pelos presentes para ouvirem histórias bem interessantes e contadas ao vivo pelos fundadores Aristides Costa e Manuel Rui Fernandes, que durante anos estiveram ligados a esta colectividade.
No dia seguinte, e ainda nas instalações, teve lugar a celebração da eucaristia dominical, realizada amavelmente pelo nosso Pároco Aquilino Pereira e com a participação dos Escuteiros de Sobradelo da Goma.
Na parte de tarde, realizou-se um percurso pedestre pela freguesia, jogos populares e o dia foi finalizado com um churrasco.
Apesar de atravessarmos momentos difíceis ao nível económico, o Grupo Desportivo da Goma continua a oferecer um plano de actividades bem interessante para toda a comunidade.
Em nome da direcção do G.D.G. e convém realçar que se trata de uma associação sem qualquer fundo lucrativo e sem fontes de receitas, resta-nos agradecer o apoio de um grupo de amigos, sócios, bem como o apoio das autarquias, local e concelhia.

Começa concurso “Póvoa e a sua herança”


Ilustres povoenses:
escolha em
marcha

Através de cupões publicados no jornal Maria da Fonte, começa hoje a votação do concurso “Pó-voa e a sua herança” que termina no dia 30 de Junho para escolher as figuras históricas e as personalidades povoenses mais relevantes. A apresentação das figuras históricas e personalidades povoenses eleitas decorre no dia 9 de Julho deste ano, numa iniciativa da “Em Diálogo – Associação para o Desenvolvimento Social da Póvoa de Lanhoso” que apresentou Segunda-feira este projecto na Casa da Botica.
Em parceria com escolas e autarquias, "A Póvoa de Lanhoso e a sua Herança", tem a duração de cinco anos, tendo-se já dedicado ao património construído, depois ao natural e paisagístico e no ano passado ao património artístico e etnográfico.
O projecto pretende estimular os povoenses a conhecer, reflectir e discutir o seu património (edificado, natural e paisagístico, artístico e etnográfico) e figuras históricas e personalidades do seu concelho — destacou Clarisse Matos de Sá.
A partir de hoje e até a 30 de Junho, decorre a promoção das 25 figuras históricas e personalidades povoenses pré-seleccionados, através de actividades e formas diversas.
Na votação, as pessoas escolhem as suas cinco preferidas: uma figura histórica e quatro personalidades povoenses.
Antes, a 20 de Maio, no Cine-Fórum dos Bombeiros Voluntários realiza-se a apresentação pública das 25 Figuras, através dos estabelecimentos de ensino do concelho.
Entre os parceiros desta iniciativa da “Em Diálogo”, contam-se as seguintes instituições: Agrupamento Vertical de Escolas do Ave, Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio, Associação de Turismo da Póvoa de Lanhoso, Bombeiros Voluntários, Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Confraria Nossa Senhora do Pilar, Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, Instituto Superior de Saúde do Ave, Jornal Maria da Fonte, Jornal Terras de Lanhoso, Rádio Castelo de Lanhoso, Real confraria de Nossa senhora de Porto de Ave, Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso, Sport Club Maria da Fonte e Nucleo do CNE da Póvoa de Lanhoso.
Freguesia de Taíde
‘Feira dos 25’ atraiu forasteiros
ao lugar de Quintela


Na rua Jorge Amado, no centro da vila
Homem baleado com dois tiros

No Parque do Pontido
Campeonato Regional de Rally Slot
passou pelo Espaço Jovem

EDITORIAL

Armindo Veloso



Vícios

O ser humano é um animal de vícios.
O povo di-lo com razão.
Há, no entanto, um vício quiçá dos que provocou mais destruição ao longo dos milénios, que habitualmente não é referido como tal. Refiro-me ao vício do poder.
À sombra do “Poder” somos capazes de tudo. Para o provar basta consultarmos, na diagonal, a história da humanidade.
Como não podia deixar de ser, nos tempos que vivemos esse vício também se faz notar ao virar da esquina.
Não será necessário referir os “Senhores” das ditaduras que ainda existem por esse mundo fora.
Falemos do poder exercido nas democracias. Na nossa democracia.
Quando José Sócrates foi eleito Primeiro-Ministro de Portugal começou por exercer o poder com liderança. Foi uma lufada de ar fresco num país então com um governo em pantanas. Referi-o neste espaço várias vezes.
José Sócrates começou a governar Portugal de uma forma tal que chegou a atingir mais de setenta por cento de aprovação junto dos portugueses.
Já numa fase menos boa, Sócrates foi reeleito. Aí, sem maioria absoluta.
Esquecendo-se que tinha maioria relativa, veio ao de cima o José Sócrates a exercer o poder sem lide-rança.
Avesso a negociações, as que houve foram sempre com a cara de outros, Sócrates cometeu um pecado mortal no chamado PEC IV.
Dizem muitos que o Primeiro-ministro provocou a crise para sair. Não sendo descabida essa hipótese, vou dar de barato que o Primeiro-ministro não é assim tão maquiavélico. O tal poder sem liderança levou-o ao ponto de ter elaborado, para Bruxelas ver, um plano de austeridade que obviamente deveria ser em primeiro lugar abordado, pelo menos, com o Parlamento e com o Presidente da República. Não colhe o argumento de ter que apresentar um plano na reunião em Bruxelas em tempo recorde, uma vez que se sabe que andaram três semanas a prepará-lo com uma equipa da Comissão, aqui no nosso país.
O poder com liderança foi-lhe, então, fundamental.
O poder sem liderança foi-lhe, agora, fatal.

Até um dia destes.
CASTELO

'Reflexão Pascal'
A chamada 'Comunhão Pascal' adquiriu, este ano, um novo formato e transformou-se em 'Reflexão Pascal', dando voz activa aos mais novos que elaboraram um conjunto de questões, relacionadas com a Igreja e toda a sua actividade. A sessão, realizada na EPAVE, contou com a presença do Cónego José Paulo Abreu que se mostrou à altura do desafio e esclareceu as dúvidas dos mais novos.
CASTELO DE AREIA
Festejos

Na noite de domingo, a rotunda junto ao Largo António Lopes recebeu os festejos dos adeptos portistas, que comemoraram o título de campeão nacional. Deram largas à sua alegria, num clima de grande euforia. No entanto, houve quem aproveitasse a situação para lançar, desde a varanda de um apartamento, na Av. dos Bombeiros, as chamadas 'bombas de carnaval', bem ruidosas, que assustaram algumas das pessoas que transitavam na via.

Rua Jorge Amado, no centro da vila


Homem baleado com dois tiros

Um homem, de 50 anos, residente na vila da P. Lanhoso, foi baleado, com dois tiros, no início da madrugada de 2 de Abril. O caso está entregue à Polícia Judiciária. Desconhecem-se as razões e a forma como tudo aconteceu. Apenas se sabe que os Bombeiros Voluntários da P. Lanhoso, foram chamados à Rua Jorge Amado, na vila, pela GNR, para transportar o homem ao hospital.
O homem, que estava consciente, foi baleado com dois tiros, que atingiram o abdómen e uma perna, mas sem grande gravidade.
Tudo aconteceu nas proximidades da residência da vítima, na Rua Jorge Amado, por volta da meia-noite e meia, em circunstâncias que estão por apurar.
No local, alguns dos vizinhos negaram ter ouvido qualquer barulho.
Uma moradora, que não se quis identificar, terá ouvido um tiro, mas pensou que estava a sonhar e, só na manhã daquele dia, quando ouviu o relato é que se apercebeu que o que sentiu era real.
Quando a patrulha chegou ao local, encontrou a vítima – António Fernandes, de cerca de 50 anos, que tinha sido alvejado com dois tiros.
A patrulha da GNR encontrou-o consciente e alertou os Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso que o socorreram e o transportaram ao hospital de Braga.
A vítima não assumiu conhecer o atirador. Disse apenas que o autor dos disparos se pôs em fuga, a pé.
Assalto ou desavença, está por esclarecer, sendo certo que acabou ao tiro. A investigação está na alçada da Polícia Judiciária que esteve no local do crime e procedeu à inspecção judiciária.

Gestão Urb@nística

Câmara Municipal premiada

Uma cartaz apresentado pelos serviços municipais da autarquia da Póvoa de Lanhoso sobre a temática da “Gestão Urb@nística – Georreferenciação de processos de obras” obteve o prémio de melhor poster (conteúdo técnico), conforme revela a Câmara Municipal, em note de imprensa.
O cartaz foi integrou um concurso promovido pela ERSI Portugal.
“Mostrar o trabalho desenvolvido, ao nível dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG), por cada instituição foi o objectivo deste concurso. Para o município povoense, a atribuição deste prémio representa o reconhecimento do trabalho que tem vindo a desenvolver, que se destaca do ponto de vista da implementação do Sistema de Informação Geográfica, e que está a trabalhar com sucesso a este nível”, refere a Câmara Municipal.
As distinções foram entregues aos vencedores, no início do mês de Março, em Lisboa. O Município da Póvoa de Lanhoso submeteu o seu cartaz ao concurso EUE 2011, que se realizou no âmbito do Encontro de Utilizadores ESRI.
O Gabinete Municipal de Informação Geográfica (GMIG) iniciou em Abril de 2009, inserido na Divisão de Estudos Projectos e Planeamento, mas ligado, directamente à Presidência da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Trabalha com todas as Divisões da Câmara Municipal, desde a Divisão de Ambiente, com o cadastro de água e saneamento e as rotas de reco-lha dos Resíduos Sólidos Urbanos, desde a Divisão de Gestão Urbanística, com a publicidade e georeferenciação de processos de obras, desde a Divisão de Cultura e Turismo, com o apoio a georreferenciação do património, etc.. A ESRI Portugal é uma empresa ligada à oferta de tecnologia de Sistemas de Informação Geográfica em Portugal, a qual comercializa o software SIG que o Município utiliza.
Anualmente, esta entidade promove um encontro no sentido dos seus utilizadores mostrarem os projectos que estão a desenvolver.

Centro de Criatividade da Póvoa de Lanhoso

Brasileiro prepara espectáculo

“O Pranto de Maria Parda” é o espectáculo que está a ser preparado, na Póvoa de Lanhoso, pelo reconhecido actor brasileiro Gilberto Brito. De acordo com a Câmara Municipal, Gilberto Brito, um dos grandes actores do teatro brasileiro, premiado em diversas ocasiões pela crítica e em festivais de teatro do Brasil, escolheu o Centro de Criatividade da Póvoa de Lanhoso (CCPL) para a montagem do seu próximo espectáculo, “O Pranto de Maria Parda”. A estreia do espectáculo está marcada para o dia 13 de Maio, pelas 21h30, no Theatro Club, num produção que integra o Programa das comemorações dos 10 anos da reabertura e de programação regular do Theatro Club da P. Lanhoso.
“O Pranto de Maria Parda” será uma co-produção Brasil/Portugal, que pretende dar uma nova roupagem ao texto de Gil Vicente, interpretado pelo referido actor. “Trata-se de um grande desafio e que coloca o CCPL (projecto cultural da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso) no circuito internacional de co-produções teatrais. O investimento da montagem será suportado pelo Governo do Estado de Pernambuco, através da FUNARTE, cabendo ao CCPL o acolhimento do actor em Residência Artística e ao encenador Moncho Rodriguez a direcção geral do espectáculo”, revela a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
“Com este desafio de uma nova montagem do texto vicentino “O Pranto de Maria Parda”, que pretende acentuar a ligação cultural entre Portugal e o Brasil, principalmente com o Nordeste Brasileiro, depositários de grande parte do nosso memorial ancestral, a produção do espectáculo prevê uma longa carreira pelos principais teatros do Brasil. Com esta produção, o CCPL passa a ser um parceiro privilegiado da FUNDARPE (Fundação de Artes de Pernambuco) para projectos de intercâmbio entre Portugal e o Brasil. Os ensaios iniciaram-se em Março. O espectáculo terá a estreia e algumas apresentações na Póvoa de Lanhoso, como a que está agendada para o dia 14 de Maio, pelas 21h30, no Theatro Club”, dá ainda conta a autarquia.

Campeonato Regional

Rally Slot no Espaço Jovem

O Espaço Jovem, no Parque do Pontido, recebeu, no dia 26 de Março, a visita do Campeonato Regional de Rally Slot 2011. Numa actividade que contou com o apoio da autarquia, a terceira prova do campeonato rally slot realizou-se no Espaço Jovem. Com a organização a cargo do Clube Slot de Braga e do GT Team. “Foi uma tarde de sábado bem passada, que deu a conhecer aos povoenses esta modalidade que está em franco desenvolvimento em Portugal”, dá conta a Câmara Municipal.
"Foi com muita satisfação que recebemos esta prova do Campeonato, que foi do agrado dos concorrentes e das entidades organizadoras. O feed-back é bastante positivo. Alguns dos participantes não conheciam o local e ficaram agradavelmente surpreendidos, tendo tecido opiniões bastante favoráveis e simpáticas para com o Espaço e sua envolvente bem como com as condições que lhes foram proporcionadas. De tal forma que, o convite que lhe foi formulado para uma nova edição foi bem recebido. Espero que tenha sido a primeira de outras provas que certamente se realizarão no futuro próximo e que contribui para a divulgação da modalidade, do Espaço Jovem da sua dinâmica e da P. Lanhoso", referiu a Vereadora da Juventude e do Desporto da Câmara, Gabriela Fonseca. A prova contou com 12 participantes já mais experientes e com oito na classe de iniciados, sendo que dois destes já se tinham estreado em provas de Rally, os pequenos César Amorim e Simone Amorim. Os Grupos em disputa neste Rally Slot Car foram o Super N e os Clássicos da SCX.
Os primeiros a saírem para a pista foram os Clássicos, que fizeram a 1ª e 2ª PEC e só depois entraram as verdadeiras máquinas, os Super N, que fizeram a 1ª e 2ª PEC, dando lugar novamente aos Clássicos, que fizeram a 3ª e 4ª PEC, em sentido contrário às primeiras, terminando os Super N a 3ª e 4ª PEC também em sentido contrário em relação à primeira passagem.
A prova foi muito animada em ambos os grupos, tendo registado um despique muito interessante entre o Emídio Peixoto e o Paulo Mendes, os quais acabaram a primeira etapa, em cada um dos grupos, com menos de um segundo de diferença entre ambos, seguidos de Augusto Amorim. A segunda etapa, com as passagens a fazer-se em sentido contrário, já foi mais favorável a Emídio Peixoto com um Alpine muito bem afinado a terminar com oito segundos de vantagem para o segundo classificado, Paulo Mendes, em Renault e com 21 segundos de diferença para o terceiro classificado, Augusto Amorim, também com um Renault isto no Grupo Clássicos SCX. Nos Super N, Emídio Peixoto, com um Peugeot 207 da Avant Slot muito bem preparado, terminou com quatro segundos de vantagem para Paulo Mendes, em Mitsubishi EVO X da Avant Slot, e seis segundos de vantagem para o terceiro classificado, Augusto Amorim, em Mitsubishi EVO X da Avant Slot. O quarto lugar do Grupo Super N foi ocupado por um inspirado Rui Mota em Peugeot 207 da Avant Slot, seguido de Miguel Queirós em Mitsubishi EVO X da Avant Slot.
Destaca-se ainda o quarto lugar de José Pedro Marques em Renault Alpine no Grupo Clássicos SCX, bem como o sexto lugar de Nuno Aguilar nos Super N, o melhor povoense em Prova.

Póvoa de Lanhoso

Recolha do lixo com alterações

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso implementou, desde 14 de Março, um novo sistema de recolha de resíduos sólidos urbanos na vila da Póvoa de Lanhoso. Nesse sentido, foram estabelecidos 38 locais para a colocação dos lixos domésticos. Nas várias artérias foram colocadas, no pavimento, placas indicativas onde devem ser colocados os sacos com os resíduos, deixando, por isso, de existir a chamada “recolha porta a porta”.
“Esta recolha continua a ser efectuada todos os dias, excepto domingos e feriados (não coincidentes com sábados ou segundas–feiras), a partir das 21h00. Contudo,desde 14 de Março, o lixo doméstico tem obrigatoriamente que ser colocado nos locais indicados, que estarão sinalizados por uma placa indicativa, entre as 20h00 e as 21h00”, esclarece.
“Este lixo doméstico deve estar em sacos de plástico resistentes e devidamente fechados de forma a não existirem derrames”, alerta a autarquia.
Quanto aos resíduos passíveis de reciclagem (papel/cartão, vidro e embalagens), o mesmo deve ser “obrigatoriamente depositado nos ecopontos existentes para o efeito, não sendo este lixo levantado pelo camião de recolha de lixo doméstico”. “Atenta à qualidade de vida de todos os povoenses, a Câmara Municipal exercerá uma fiscalização atenta e os infractores estarão sujeitos a coimas”, revela a Câmara Municipal, em nota de imprensa.

Taíde


Feira dos 25 muito concorrida

A tradicional “Feira dos 25”, realizada em Quintela, na freguesia de Taíde, continua a ser uma das festividades que atrai muitos forasteiros àquela freguesia. Apelidada como a Feira Anual dos 25, aquela festividade em honra de Nossa Senhora da Graça, realizou-se de 24 a 26 de Março, no lugar de Quintela. O ponto alto dos festejos foi o dia 25, principal dia de festa, onde os actos religiosos estiveram em destaque.
A feira do gado e a corrida de cavalos, no dia 25, são duas das actividades marcantes da festividade, que atraem muitos visitantes, tanto do concelho como de concelhos vizinhos.
O programa deste ano contou, no dia 24, quinta-feira, com música gravada durante o dia e com a actuação, à noite, do Rancho Folclórico de Porto d'Ave, daquela freguesia de Taíde. Na sexta-feira, dia 25 de Março, realizou-se a feira e o concurso pecuário, com a entrega de prémios a ter lugar no final da manhã daquele dia. De tarde, as atenções estiveram voltadas para a missa em honra de Nossa Senhora da Graça e a majestosa procissão, na qual participaram vários andores e figuras alegóricas. A noite daquele dia ficou marcada pela actuação do grupo musical “Akisom”.
O último dia de festa, sábado, dia 26, contou com o convívio dos amigos do cavalo e com a bênção dos cavalos em frente à capelinha de Nossa Senhora da Graça. Tal como noutras festividades, os vendedores ambulantes marcaram presença, dando ao espaço um colorido diferente e alegrando a centenária festividade.

Taíde


Sede de junta em construção

A freguesia de Taíde prepara-se para, dentro em breve, deixar de ser a única freguesia do concelho que não dispunha de sede de junta. O edifício, que irá albergar a actividade da Junta de Freguesia, encontra-se em construção, na Rua da Igreja, e tudo aponta para que a primeira fase da obra esteja concluída no Verão.
De acordo com a Câmara Municipal, a construção daquele equipamento envolve, numa primeira fase, uma verba que ronda os 141 mil euros, valor esse estimado em projecto e suportado pela autarquia povoense e pela Junta de Freguesia de Taíde.
“No próximo Verão deve estar concluída a primeira fase, de modo a que os serviços da Junta de Freguesia já se possam instalar na mesma altura no novo local. Para além de uma comparticipação financeira, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso doou terreno, elaborou o projecto da Sede de Junta, acompanha a obra e vai participar nos arranjos dos espaços verdes exteriores”, dá conta.
Na referida nota, Sérgio Soares deixa o seu agradecimento à Câmara Municipal pela ajuda no concretizar de uma sonho, e numa obra que faz falta e que será uma mais-valia para aquela freguesia.
Até ao momento, o atendimento era realizado em três espaços distintos: às quartas-feiras, quinzenalmente, em Quintela; às terças-feiras, nos correios em Porto d’Ave; e às quintas-feiras na residência paroquial. Este novo equipamento vai dispor de um balcão de atendimento, de uma sala de reuniões, de quatro áreas de trabalho, de um arquivo, de duas casas de banho, de espaço para arrumos e de garagem. Na parte de cima, está prevista a criação de um pequeno anfiteatro. Numa segunda fase, está prevista a construção de uma sala polivalente para eventos, nos terrenos localizados numa área acima da construção.

Póvoa de Lanhoso


Dia Internacional das Aves

A Sociedade Coluómbófila da P. Lanhoso marcou presença, no Centro Ambiental da Carvalho de Calvos, na tarde de dia 2 de Abril, associando-se à comemoração do Dia Internacional das Aves, numa organização da Câmara Municipal da P. Lanhoso. No local marcou presença Belarmino Marques Leite, que preside à Sociedade Columbófila da P. Langoso, assim como Fátima Moreira, vereadora da Câmara, e diversos columbófilos do concelho.
A iniciativa teve com objectivo divulgar a modalidade, a segunda mais antiga no concelho, a seguir ao futebol, conforme deu conta Belarmino Marques Leite. Na-quela tarde, os presentes puderam apreciar o “encestamento”, como se designa na gíria, com os vários pombos a passar no controlo e a serem colocados nas vários estruturas metálicas colocadas no camião da sociedade columbófila. Depois de passarem no “check-in”, o Funerário, a Pequenina, o Cego, o Cubano, o Romário, o Liedson, entre outros, estavam prontos para rumar ao Algarve, onde aí se disputava uma prova na manhã de domingo. “Os pombos estão a passar no controlo e a serem colocados na carrinha que os levará até ao ponto de encontro no distrito. O distrito está dividido em três blocos e nós voamos no bloco 1, pelo que a concentração para a partida para a prova tem lugar hoje, pelas 18 horas, em Guimarães. Depois, são colocados junto com os pombos de Fafe, Guimarães, Vizela e partem em direcção a S. Bartolomeu de Messines, onde amanhã de manhã serão soltos”, explica Belarmino Leite. Segundo aquele responsável, naquela prova marcaram presença cerca de 20 mil pombos do distrito de Braga. A P. Lanhoso participou com cerca de 400 pombos.

Modalidade cara
“A crise afecta toda a gente mas este ano conseguimos aumentar um columbófilo em relação ao ano passado. A política de gestão desta colectividade permita que isso aconteça. Este é um desporto caro e como tal leva à desistência de muitos columbófilos”, referiu Belarmino Leite.
Questionado quanto às razões que tornam aquele desporto caro, Belarmino Leite explicou que as despesas com os pombos compreendem a alimentação, a medicação e a vacinação, assim como a inscrição para as provas.
“A alimentação de um pombo fica, em média, dez euros por ano. Se eu tiver 100 pombos, são mil euros por ano só para a alimentação. A estes custos, acrescem ainda as vacinas, que são caras. Os pombos têm que estar em perfeita saúde para competirem nas provas”, disse.
“Todas as semanas os pombos levam medicação e também suplementos, tal como os atletas de alta competição, pois estão sujeitos, às vezes, a provas de 900 kms. A prova de amanhã é uma prova de 480 kms e pode exigir aos pombos entre 7 a 8 horas de voo”, explicou.

Colectividade jovem
“Acho que somos a colectividade com a média etária mais baixa do distrito e eu diria mesmo a nível nacional. Temos conseguido manter a paixão de muitos jovens”, disse, orgulhoso, Belarmino Leite. “Esta é uma modalidade desconhecida para a maioria das pessoas. Esta sociedade foi fundada em 1959 e sempre esteve no activo. Esta é a segunda modalidade desportiva no concelho, a seguir ao futebol. No entanto, só uma pequena percentagem das pessoas sabe que existe na P. Lanhoso”, referiu ainda Belarmindo, dando conta de que, ao fim-de-semana, entre provas e treinos, cruzam os céus da Póvoa de Lanhoso milhares de pombos.