CASTELO DE AREIA
Incêndios
Estamos em plena Primavera, e já os Bombeiros, um pouco por todo o país, não têm mãos a medir. Na Póvoa de Lanhoso, entre os dias 16 e 23 de Março, os soldados da paz povoenses foram chamados para acorrer a cerca de 20 fogos florestais, tendo também ajudado corporações vizinhas no combate a incêndios. Não me falem de temperaturas altas, mas de queimadas sem cuidados e muitas mãos criminosas.
CASTELO
Festas de S. José

As Festas de São José, que animaram a Póvoa de Lanhoso entre 14 e 22 de Março, são sempre motivo de grande orgulho para as gentes do concelho. Uma vez mais, o que de bom se faz em terras da Maria da Fonte ficou demonstrado nos vários passos do programa deste ano. O bom tempo ajudou à festa, as gentes saíram à rua. Apenas uma nota: quem participa na procissão (figurantes e público) deve saber o lugar que ocupa. É um acto de fé, não um desfile alegórico.

Armindo Veloso




PORTUGAL DOS PEQUENINOS
Neste número vou partilhar com os meus leitores dois casos da vida real, à portuguesa.
Primeiro, um familiar meu, trabalhador qualificado no ramo da construção civil há mais de trinta anos em França, mesmo não pondo a hipótese de vir morar para sempre em Portugal, resolveu construir uma casa na sua terra, nossa terra.
Adjudicou a obra em três fases a uma pequena empresa do ramo.
Numa das muitas visitas para acompanhar o desenvolvimento das tarefas e uma vez que se estava a desenvolver uma fase que ele conhecia de trás para a frente, arregaçou as mangas e trabalhou com os operários.
Quando estava a trabalhar, era a sério. Quando fazia intervalos para descansar ou beber uma cerveja, intervalava a sério.
Os operários da empresa contratada, por sua vez, não faziam intervalos porque tinham medo que o patrão chegasse.
No entanto, numa altura que o tal meu familiar estava a trabalhar, a sério, um dos funcionários perguntou-lhe se ele em França trabalhava assim. Respondeu-lhe que, naturalmente, sim.
Espantado respondeu-lhe: — Ai é?!... mas aqui não é assim. As coisas aqui não são para se fazer, são para se ir fazendo...

Segundo, um juiz decretou a penhora de um sexto de um salário a um determinado senhor que tinha uma dívida a terceiros. O visado, não contente com a decisão, fez ver ao magistrado que o dinheiro que lhe ficava disponível por mês não lhe chegava para fazer face às necessidades primárias da família. O juiz reconsiderou e deliberou a favor do devedor, alterando a decisão anterior, que se penhorasse um quinto.
Assim vai a matemática do juiz e assim vai o Portugal dos pequeninos...
Até um dia destes.
sábado, dia 14 de março
Festas de S. José
arrancaram com todo-o-terreno


Pelo terceiro ano consecutivo, o grupo TT Lanhoso organizou um passeio todo-o-terreno pelo concelho da Póvoa de Lanhoso, naquela que foi a primeira actividade das Festas de S. José deste ano.
Para garantir uma melhor qualidade, as inscrições foram limitadas e a edição deste ano contou com 68 jipes e 150 participantes que se aventuraram pelas Terras da Maria da Fonte, num dia de muita emoção e adrenalina.
“Vimos sujos… mas de alma lavada” continua a ser o lema do TT Lanhoso que, ao longo de um trajecto de média/alta dificuldade, deu a conhecer a todos os participantes as belas paisagens do concelho.
Depois da concentração na vila, os participantes dirigiram-se a Oliveira, tendo passado por Serzedelo, Frades, com passagem pelo Monte de S. Mamede, Friande, Rendufinho, Calvos e Geraz do Minho, num percurso de média/alta dificuldade.

XXV Concurso
de Pesca Desportiva


Pelo segundo ano consecutivo, a Pista de Pesca de Santo Emilião recebeu o concurso de pesca promovido pela secção de Pesca do Sport Clube Maria da Fonte e que integrou o cartaz das Festas de S. José. O concurso realizou-se no dia 14 de Março, entre as 14h30 e as 17h30, tendo os participantes capturado 6,810 Kg, com a vitória, em termos individuais, a pertencer a Alexandre Ribeiro, da “Pesca de Beire”, da região do Porto, posicionado no sector A, que consegui 670 g.
Estiveram presentes nesta prova 56 pescadores, pertencentes a catorze clubes de pesca da região.
Durante a prova, os pescadores inscritos mostraram os seus dotes ao longo dos quatro sectores que integram a pista de pesca. Góbios, barbos, trutas e bogas foram as espécies mais capturadas ao longo do concurso, mas em quantidades bastante inferiores ao ano transacto.

- Parque do Pontão
com novas ofertas

O Parque de Lazer do Pontão, em Sobradelo da Goma, conta, desde o dia 14 de Março, com novas ofertas, atraindo novos públicos e dinamizando, dessa forma, aquele espaço situado na Barragem das Andorinhas.
A Escola de Canoagem e Mergulho resultou da parceria entre a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e a Diverlanhoso, empresa de animação turística sediada em Oliveira.
A inauguração ocorreu na manhã de sábado, dia 14, pelas 11 horas, e, a partir desse momento o Parque de Lazer do Pontão conta com novas ofertas, ambas preparadas para receber pessoas com deficiência.
A Escola de Canoagem está disponível para toda a população, a partir dos seis anos e funcionará duas vezes por semana, com um número máximo de 25 participantes por turma. Por 25 euros por mês os interessados na prática deste desporto têm a possibilidade de praticar uma actividade que tem um grande número de adeptos. No caso das pessoas com deficiência, as aulas ocorrem uma vez por semana e cada turma poderá contar com 10 participantes. Adaptação ao meio aquático, aquisição de competências para a prática de canoagem, técnicas base de canoagem e regras de segurança serão alguns dos conhecimentos a transmitir no decurso das aulas.
No caso da Escola de Mergulho, as primeiras aulas serão realizadas na Piscina Municipal da Póvoa de Lanhoso, que garante mais condições de segurança. A iniciação ao mergulho para iniciação com simulação gravidade zero funcionará uma vez por semana, durante uma hora, estando cada turma limitada a cinco pessoas. O material didáctico e o equipamento necessário serão fornecidos pela escola cujo programa de ensinamento pretende proporcionar a adaptação ao meio subaquático, respiração de mergulho, comunicação no mergulho, planeamento e técnicas de mergulho assim como regras de segurança.
“Com estas novas ofertas pretendemos dinamizar o espaço e rentabilizar o investimento. Este ano a exploração do espaço está entregue à Junta de Freguesia de Sobradelo da Goma e espero que esta parceria dê frutos”, frisou Manuel José Baptista, presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, que destacou ainda a importância da criação de um parque de estacionamento. “Essa será a segunda etapa deste projecto e para a sua concretização teremos que adquirir terrenos”, salientou o autarca.
As inscrições podem ser efectuadas directamente na Diverlanhoso, em Oliveira, ou no Posto de Turismo da Póvoa de Lanhoso.

Festival de Natação contou com 70 participantes


Uma das novidades deste ano, em termos desportivos, foi a realização do I Festival de Natação, nas Piscinas Municipais, que contou com a presença de 70 atletas, frequentadores daquele espaço. A competição foi direccionada para os utentes dos 4 aos 18 anos e realizou-se entre as 14h30 e as 16h30.
Para os mais pequenos, e menos experientes, foi construído um percurso de actividades aquáticas, tendo os participantes que ultrapassar vários obstáculos.
Aos mais velhos foi-lhes proporcionada uma mini-competição, tendo-se realizado 20 provas em vários estilos.
domingo, dia 15 de março
Dia de correrias

A Escola Professor Gonçalo Sampaio, na Póvoa de Lanhoso, sagrou-se campeã na categoria Infantis Masculinos no XIV Grande Prémio de Atletismo de S. José, numa actividade desenvolvida pela Câmara Municipal em parceria com o INATEL Braga, obtendo o 2.º, 3.º e 7.º lugar em termos individuais. A prova, que se desenrolou ao longo das várias artérias do centro da vila, contou com a presença de trezentos atletas, pertencentes a 27 equipas, que competiram nas categorias de Infantis, Jovens, Seniores e Veteranos I, II e II, nas vertentes feminina e masculina.
Em termos colectivos, o Centro Recreativo, Desportivo e Cultural Santiago saiu vencedor nas categorias Jovens Masculinos e Seniores Masculinos. Na categoria Infantis Femininos o Ginásio da Trofa saiu vencedor ao colocar três dos seus atletas no 1.º, 2.º e 8.º lugar, ao passo que a Escola Professor Gonçalo Sampaio sagrou-se campeã na categoria Infantis Masculinos, obtendo o 2.º, 3.º e 7.º lugar em termos individuais.
Em Jovens Femininos o Moreirense Futebol Clube arrecadou o 1.º lugar, com atletas posicionados no 2.º, 6.º e 7.º lugar.
Com o 1.º, 5 e 6.º lugar, a Portugal Telecom sagrou-se vencedoras em Veteranos II, com o Grupo Desportivo “Os Unidos do Cano” a conseguir arrecadar o 1.º prémio colectivo na categoria Veteranos I. Na categoria Veteranos II o CCD Candoso S. Tiago foi vencedor em termos colectivos.
A entrega de prémios decorreu na P. Eng. Armando Rodrigues e contou com a presença de Manuel José Baptista, presidente da Câmara, da vereadora do Desporto, Gabriela Fonseca, assim como de representantes do INATEL. Para além dos vários troféus e prémios monetários, a Câmara entregou um prémio ao melhor atleta do concelho em cada uma das categorias.


quinta, dia 19 de março
Dia de S. José

A Póvoa registou uma verdadeira enchente no dia de S. José, feriado municipal. Durante a manhã, as atenções centraram-se na Feira Franca e no Concurso Pecuário, que levou centenas de pessoas ao Parque do Pontido, para apreciar os exemplares bovinos a concurso. Pelas 10h30, os Paços do Concelho receberam as autoridades civis e religiosas, por ocasião do hastear da Bandeira, e, pelas 11 horas, tiveram lugar os actos religiosos, com a Missa Solene de S. José, no Salão Paroquial.
O momento alto das festas ocorreu pelas 15h30, com a saída da Majestosa Procissão, que percorreu várias artérias da vila. O dia contou ainda com a actuação do Rancho Infantil da P. Lanhoso, dia em que celebrou o seu aniversário, das Bandas de Música de Calvos e dos Bombeiros Voluntários da P. Lanhoso, e do conjunto “Estrelas da Madrugada”, responsável pela animação musical naquela noite.

D. António Couto
presidiu missa solene


A Missa Solene em hora de S. José foi presidida por D. António Couto, bispo auxiliar de Braga, que direccionou as suas palavras na figura e no exemplo de S. José e na necessidade de escolher novos caminhos e rumos para a humanidade. O acto religioso foi concelebrado pelo padre Armindo Gonçalves, Arcipreste e pároco das freguesias de P. Lanhoso e Galegos, e contou com a presença das autoridades civis a religiosas, bem como de dezenas de fiéis.
No decurso da homilia, D. António Couto frisou que “S. José era um homem entretido por dentro, um homem com luz no seu interior e não um homem vazio” e que hoje assistimos “a uma humanidade bem vestida por fora mas vazia por dentro”. “José era ainda um homem que meditava na Palavra de Deus e a Palavra de Deus é um som que nunca se ouviu e um silêncio que nunca se calou”, disse D. António Couto que salientou a importância de termos S. José como exemplo pois ele foi um modelo de pai e de esposo. “Um homem habituado ao silêncio, um homem que escuta o coração, que pensa, reflecte e reza”, foram algumas das características apontadas a S. José.
Como mensagem final, D. António Couto apontou a necessidade de ouvir a humanidade que por vezes anda à procura do seu caminho.

Procissão foi ponto alto

Num dia marcado sobretudo pelos actos religiosos, a Majestosa Procissão em honra de S. José foi, sem dúvida, o momento alto das festividades, com as ruas a encherem-se de pessoas para acompanhar a passagem dos andores.
A presença dos andores dos padroeiros das 29 freguesias, tal como aconteceu no ano transacto, veio dar um brilho maior ao acto, numa cerimónia em que os quadros litúrgicos foram dedicados ao ano Paulino. Ao repto lançado pela Câmara, as freguesias marcaram presença com os seus andores, assumindo-se a Festa de S. José como a festa do concelho e das 29 freguesias.
Com guarda de honra pela GNR a cavalo, a procissão saiu às ruas da Póvoa de Lanhoso pelas 15h30, num percurso que teve que ser alargado devido ao elevado mero de andores e participantes no acto religioso.
Foram 31 os andores presentes na procissão de S. José, cujo andor foi transportado pelos soldados da paz povoenses, contando ainda com a presença dos Infantes e guarda de honra.
A par destes, a procissão contou ainda com a presença dos elementos do executivo e Assembleia Municipal e das Juntas de Freguesia do concelho, que se fizeram representar pelos seus presidentes e respectivas bandeiras. As Confrarias, instituições e associações do concelho marcaram também presença no acto religioso, que assume uma sumptuosidade cada vez maior.
sexta, dia 20 de março
Jovens dominaram trabalhos
na Assembleia Municipal


Cerca de quarenta jovens do concelho participaram, na tarde de sexta-feira, na sessão didáctica intitulada “Parlamento Jovem – Nação e Cidadania”, promovida pela Câmara Municipal, em parceria com a Assembleia Municipal e agrupamentos de escolas.
Com intervenções onde as cores partidárias foram deixa-das fora de portas, os jovens presentes trouxeram a debate temas como as políticas de emprego/desemprego, igualdade de oportunidades para todos, a discriminação da mulher e as assimetrias entre o baixo e o alto concelho.
Para além de integrar o cartaz das Festas de S. José, esta actividade inseriu-se no programa de comemoração dos 900 anos do nascimento de D. Afonso Henriques, contando ainda com a apresentação das bandeiras, desde a nacionalidade até aos dias de hoje, a distribuição de folhetos sobre a heráldica da Póvoa de Lanhoso e sobre o Hino e a Bandeira Nacional, tendo ainda sido entoados, pelos alunos presentes, o Hino Nacional e o Hino da Maria da Fonte.
Na sessão parlamentar, realizada no Salão Nobre dos Paços do concelho da Póvoa de Lanhoso, os jovens tiveram a oportunidade de trazer a debate os problemas com que se debatem no dia-a-dia, os problemas das suas freguesias, deixando, também algumas propostas para o poder político.
A presidência do Parlamento Jovem foi ocupada pelo jovem Fernando Novais, da freguesia de Lanhoso, que conduziu de forma exemplar os trabalhos. Cláudia Ramos, de Taíde, e Cláudia Oliveira, de Lanhoso, foram as secretárias da mesa da Assembleia Jovem.
Da parte dos jovens foi lançado o desafio da realização de outras sessões do Parlamento Jovem, de foram a deixarem as suas sugestões e os seus desabafos pois, como alguns disseram, os jovens estão cada vez mais afastados da vida política.

Verbena
de S. José
foi momento
de glamour


O glamour e a sofisticação tomaram conta do Theatro Club da Póvoa de Lanhoso, na noite de sexta-feira, com a realização da Verbena de S. José, que contou com o tradicional Baile de Gala. Trata-se de uma iniciativa recuperada em 2007, que visa recordar as antigas Verbenas que tinham lugar por ocasião das festas de S. José até finais dos anos 60.
De ano para ano, a iniciativa tem vindo a ganhar lugar de destaque e a edição deste ano contou com cerca de duzentos participantes. O desfile de moda, com peças de filigrana de vários artesãos do concelho foi um dos momentos altos da noite, a par da performance das danças de salão, que contou com a presença de quatro pares de bailarinos, entre os quais o povoense Augusto Henriques.
A animação do evento ficou a cargo da turma de danças de salão da Associação de Funcionários da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
sábado, dia 21 de março
Póvoa a pedalar em BTT

Cerca de mil e cem betetistas participaram, na manhã de sábado, na quinta edição do passeio de BTT “Pelos Trilhos da Maria da Fonte”, organizado pela Associação de Cicloturismo BTT Póvoa de Lanhoso, num percurso, de cerca de 40 km, que permitiu a passagem pelos belos e exigentes trilhos da Póvoa de Lanhoso e pelos imóveis históricos-culturais, num trajecto único e irreverente.
“Um percurso com um vel de dificuldade exigente, mas divertido, dinâmico e enriquecedor numa perspectiva histórica e de interacção com as comunidades locais. Os participantes tiveram a oportunidade de pedalar pelos trilhos e caminhos rurais, atravessando os lugares típicos do concelho, contemplando a história e cultura local”, revela Eduardo Oliveira, presidente da direcção do BTT Póvoa de Lanhoso.
A partida da Póvoa de Lanhoso ocorreu pelas 11h30 com os betetistas a dar um colorido diferente ao centro da vila. S. Gens de Calvos, Serzedelo, o Monte de S. Mamede, em Frades, S. João de Rei e Lanhoso foram alguns dos pontos de passagem dos participantes do “Pelos Trilhos da Maria da Fonte”, que tiveram, na escala de 0 a 5, um passeio de dificuldade física de grau cinco com a dificuldade técnica a atingir grau 4. Os Paços do Concelho da Pó-voa de Lanhoso foram o local escolhido para a chegada dos betetistas, depois de um passeio onde o desporto foi parceiro da alegria e boa-disposição.
Depois do passeio, os organizadores procederam à limpeza do trajecto realizado pelos participantes, contribuindo para um ambiente mais saudável.

festival
de Folclore


Os seis ranchos do concelho da Póvoa de Lanhoso subiram ao palco da Praça Engenheiro Armando Rodrigues e proporcionaram um excelente festival de folclore, mostrando em palco as suas melhores danças e cantares, perante centenas de pessoas que ali se deslocaram.
O Festival de Folclore, iniciado pelas 14h30, contou com a presença dos Ranchos Folclóricos de Covelas, Garfe, Verim, Póvoa de Lanhoso, Maria da Fonte, de Fontarcada, e Porto d’Ave, da freguesia de Taíde.
Depois do desfile, desde os Paços do Concelho até à Praça Engenheiro Armando Rodrigues, os ranchos apresentaram-se ao público presente passando, um a um, pelo palco colocado no local.
De seguida, cada uma dos ranchos presentes apresentou o seu reportório de cantigas e danças, com o Rancho Folclórico de Covelas a ficar responsável pela abertura do festival.
A Chula, o Viradinho, o Vira, o Malhão e as Modas passaram pelo palco do festival, com os participantes a darem a conhecer o melhor folclore que o concelho tem para oferecer.
O Festival de Folclore é já um ponto de referência das tradicionais Festas em Honra de S. José e atraiu centenas de pessoas ao centro da vila para apreciarem o desempenho dos ranchos do concelho, sobretudo gente mais velha a quem o folclore os faz lembrar os seus tempos de juventude.
Entre a assistência encontrava-se José Rodrigues, residente em Mesão Frio, no concelho de Guimarães. “Gosto muito de folclore e vim de propósito para assistir ao festival”, disse José Rodrigues que fez questão de afirmar que nasceu na freguesia de Garfe, do concelho da Póvoa de Lanhoso, mas foi trabalhar, ainda muito jovem, para Mesão Frio e por lá permanece até aos dias de hoje.
Apesar de a assistência ser constituída quase na totalidade por pessoas mais maduras, foram muitos os jovens que integraram o festival de Folclore, contribuindo para a salvaguarda das tradições e dos usos e costumes da região minhota.
Enquanto aguardava a sua vez de subir ao palco, a jovem Daniela Baptista ia dando uns passitos de dança. Com cinco anos, e residente na freguesia de Fontarcada, esta futura dançarina confidenciou que quando for grande quer continuar no rancho. “Gosto muito do rancho e gosto muito de dançar”, disse a Daniela, cuja paixão pelo rancho foi herdada dos avós, dos pais e dos tios que também integram o rancho.
A par do festival de folclore, o dia de sábado ficou ainda marcado pelo Torneio de Tiro aos Pratos, Corrida de Cavalos a galope e, à noite, pela actuação do grupoSantamaria”, no Campo da Feira.
Agrupamento do CNE de S. Miguel de Taíde fundado há cerca de 23 anos

“Ser escuteiro hoje é ser
sempre, aqui ou ali…”


Foi no dia 16 de Junho de 1985, graças ao dinamismo do Padre Luís Peixoto Fernandes e ao entusiasmo de algumas pessoas da freguesia de Taíde, que a Póvoa de Lanhoso viu nascer um novo grupo de Escuteiros – o Agrupamento do Corpo Nacional de Escutas de S. Miguel de Taíde, ao qual foi atribuído o nº 817, aquando da sua filiação.
Desde a sua fundação que o Agrupamento de Escutas de Taíde tem participado em inúmeras actividades escutistas e comunitárias, dentro e fora da freguesia. Acampamentos, caminhadas, participação em procissões, animações eucarísticas, organização de actividades desportivas/sociais/culturais são alguns dos exemplos do trabalho desenvolvido.
Actualmente, o grupo é constituído por 70 elementos: Lobitos – 17; Exploradores – 15; Pioneiros – 12; Caminheiros – 9; Chefe – 17 e a sua sede encontra-se instalada num edifício do século XVII, cedido pela Real Confraria de Nossa Senhora do Porto d´Ave.
José Manuel Matos Pereira é o chefe de Agrupamento, com Vítor Manuel Mendes Macedo a ocupar as funções de secretário e Sérgio Carlos Amaral Pereira como tesoureiro do agrupamento. O Padre Augusto Freitas Baptista é o assistente do Agrupamento desde 1995.
No passado dia 22 de Março, o Agrupamento 0817 realizou um piquenique com os familiares, na Barragem de Queimadela, em Fafe. Em Abril, as actividades estarão voltadas para a construção e montagem do símbolo pascal. No dia 3 de Maio será prestada uma homenagem às mães e a todas as mulheres em geral, e, no dia 17, o Agrupamento 0817 irá integrar a procissão ao Pilar.
Em Junho, de 20 a 21, será realizado um acampamento com as actividades e encerrar nos dias 18 e 18 com o acampamento do Ano Escutista, no qual estarão presentes as famílias.
GNR mais rápida que larápios

Dois indivíduos, de 26 e 45 anos, residentes no concelho de Famalicão, foram detidos em flagrante pela GNR da Póvoa de Lanhoso, quando se encontravam no interior de uma lavandaria industrial, que actualmente se encontra encerrada, supostamente a furtar cabos de cobre.
A detenção em flagrante ocorreu pelas 15h45, de sábado, dia 14 de Março, no lugar de Mirão, na Póvoa de Lanhoso. Os indivíduos poderão ter aproveitado o facto das forças policiais estarem ocupadas com a coordenação do trânsito, por ocasião da passagem do Grande Prémio de Ciclismo de Fafe, para realizarem o furto.
Alertadas para o facto, rapidamente as patrulhas da GNR se dirigiram para o local, tendo cercado o edifício e constatado que se encontravam dois indivíduos no seu interior.
Segundo apuramos, os referidos indivíduos encontravam-se na zona da lavandaria e junto deles estavam alguns cabos de cobre enrolados e outros estavam a ser arrancados da instalação também para serem subtraídos. A par disso, as forças policiais apreenderam várias ferramentas supostamente usadas na concretização do furto.
Os dois indivíduos faziam-se transportar num Audi A3 que tinha na bagageira um cabo de cobre descarnado.
Depois de detidos e identificados foram libertados e notificados para comparecer no Tribunal Judicial da Pó-voa de Lanhoso na próxima segunda-feira.
No espaço de poucos me-ses esta é a segunda vez que aquele edifício é assaltado.
No dia 17 de Dezembro foram detidos três indivíduos por furto de cobre e diverso material da lavandaria.
Pelo Espaço Jovem…
Actividades para as férias da Páscoa

O Espaço Jovem, em colaboração com o Programa Territórios In, vai promover, de 30 de Março a 9 de Abril, durante a tarde, um programa de ocupação para os tempos livres dos jovens nas férias da Páscoa.
As inscrições são limitadas e os jovens têm à disposição actividades como o ténis, capoeira, BTT, escalada, percurso pedestre, entre outras.
Para mais informações os interessados deverão dirigir-se ao Espaço Jovem, onde poderão consultar a programação desta actividade.

Baptismo de voo
em helicóptero
no dia 4 de abril


Alguma vez sonhaste em andar de helicóptero? Se sim, vais ter a oportunidade de concretizar esse sonho na tarde do dia 4 de Abril. Naquele dia, o Espaço Jovem vai proporcionar um baptismo de voo em helicóptero, continuando, desta forma, a apostar em actividades que normalmente não estarão ao alcance da maioria das pessoas.
“Larga os simuladores e vem embarcar num helicóptero de verdade”, desafia o Espaço Jovem.
As inscrições são limitadas e os menores devem ser portadores de uma autorização escrita dos pais ou encarregado de educação.
Esperança
Rede viária alvo de intervenção

A Rua do Poço da Mina, na freguesia de Esperança, está a ser alvo de intervenção que, para além do alargamento nos locais mais necessários, contempla a construção de muros e a pavimentação em betuminoso. Esta é uma das obras previstas pela Junta de Freguesia para o corrente ano, cujo pagamento, segundo nos disse Bernardino Fernandes, presidente da Junta de Freguesia, será paga com a verba que irá ser transferida pela Câmara Municipal para as Juntas de Freguesia.
Para além desta obra, e com a colaboração da Câmara Municipal, foi intervencionada a Rua do Forno, com a colocação das condutas da rede de água, pequenos alargamentos e pavimentação em betuminoso.
Segundo o presidente da Junta, a Câmara Municipal colocou tapete betuminoso no alargamento realizado próximo da escola de ensino básico, assim como no caminho de ligação à Igreja Paroquial, no lugar de Várzeas.
A par destas intervenções, a Associação Desportiva de Esperança viu concretizado, no final do ano passado, um sonho que vinha acalentando há já algum tempo.
A concretização da pavimentação de um dos caminhos de acesso ao Campo de Futebol da Esperança há muito que era ansiado pela direcção da associação, que endereça agradecimentos ao executivo municipal pela concretização da obra e pelo cumprimento de uma promessa assumida num dos aniversários do clube.
Ferreiros
Obras na Igreja Paroquial
avançam a bom ritmo


A obra de ampliação da Igreja Paroquial de Ferreiros avança a bom ritmo e a intervenção no exterior do templo está prestes a ficar concluída, com os trabalhos a incidir, actualmente, na área envolvente.
Depois do alargamento e intervenção no exterior, as intervenções passam para o interior daquele espaço religioso com as com os trabalhos a incidir no soalho, pintura, restauro dos altares e colocação de bancos, uma vez que aquela era a única igreja do concelho que ainda não dispunha de bancos.
Recorde-se que esta é uma obra que resulta do empenho da paróquia, Junta de Freguesia e Câmara Municipal, contando ainda com o impres-cindível apoio dos emigrantes da freguesia.

Cemitério necessita de alargamento

O cemitério da freguesia de Ferreiros dispõe apenas de três sepulturas vagas, pelo que a Junta de freguesia local pretende realizar um alargamento do mesmo, criando cerca de 30 novas sepulturas, conforme nos disse José Manuel Alves, presidente da Junta de freguesia.
Paralelamente ao alargamento, a Junta de Freguesia de Ferreiros pretende reformular o espaço existente, dando uma nova dignidade ao espaço.

Rede viária continua a ser aposta

A freguesia de Ferreiros não foge à excepção e a rede viária continua a ser a grande aposta daqueles que gerem os destinos da freguesia. Depois do caminho de Primavera e Souto, a Junta de Freguesia, contando novamente com o apoio da Câmara Municipal, pretende intervir na estrada das Boucinhas, em que a segunda fase irá contemplar o alargamento e a colocação de tapete betuminoso.
repto lançado pela Quercus

Formação
em Agricultura Biológica


O Centro Ambiental de Calvos é palco de uma acção de formação sobre Agricultura Biológica promovida pela Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, que conta com o apoio da autarquia povoense.
A formação, que decorre aos sábados, das 14h30 às 17h30, iniciou-se no dia 21 de Março continuando amanhã, sábado, dia 28, estendendo-se ainda pelos dias 4 de Abril, 30 de Maio, 6 e 13 de Junho.
Segundo dados avançados pela Câmara, trata-se de uma formação teórico-prática de 18 horas, dividida em sessões semanais, aos sábados, destinada a todos os que possuam terreno onde pretendam cultivar segundo este modo de produção, para consumo próprio, às escolas que pretendam implementar uma Horta Biológica Escolar, aos proprietários agrícolas que pretendam converter as suas explorações para este modo de produção e a todos os interessados pelo tema.
“Dotar os participantes dos conhecimentos necessários para criarem e manterem o seu Quintal Biológico, obtendo assim produtos mais saudáveis para a sua alimentação, ao mesmo tempo que contribuem para um melhor ambiente e para uma actividade de ar livre extremamente saudável, são objectivos desta acção”, revelam os responsáveis.
“Este curso sobre Agricultura Biológica, que vai na sua 3ª edição, tem sido do agrado dos formandos, aos quais permite o contacto experimental no terreno, preparando o terreno, semeando, tratando e, no final do curso, colhendo, vendo assim o resultado do seu trabalho e o sucesso das técnicas aplicadas”, dizem. Durante a formação serão abordados os seguintes temas: A Agricultura Biológica (história, conceitos, contexto português); a importância das hortas na cidade; o Nosso Quintal (solo, água, clima, culturas antecedentes); a Compostagem (conceitos e experimentação, vermicompostagem); preparação do solo (mobilizações, alfaias, siderações, aditivos orgânicos…).
HÁ 200 ANOS — a guerra mais terrível da nossa história
Do Pinheiro até Covelas

A população da freguesia de Covelas evocou Domingo a batalha de Carvalho d'Este, um dos momentos mais dramáticos das invasões francesas que, durante seis anos, deixaram quase 200 mil mortos em Portugal, a nossa indústria e agricultura destruídas e milhares de vagabundos por todo o território, conforme sublinhou o dr. Jorge Gomes, na palestra que assinalou a sessão solene. "Foi a guerra mais terrível que Portugal sofreu dentro das suas fronteiras" com 200 mil mortos em seis anos. A Guerra colonial — durante 13 anos — causou seis mil mortos entre 10 mil soldados.

EXPOSIÇÃO ITINERANTE

Num auditório cheio, a sessão realizada na sede de Junta de Covelas constituiu uma homenagem à memória dos milhares de bracarenses e povoenses que deram a sua vida na principal batalha antes da conquista de Braga, junto ao campo de futebol.
A sessão comemorativa incluiu o hastear das bandeiras, ao som da banda dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, seguindo-se o descerramento de uma placa que evoca a bata-lha da Serra do Carvalho e a inauguração de uma exposição sobre aquela batalha no contexto da segunda invasão francesa que vai visitar todo o concelho.
À palestra sobre a segunda invasão gaulesa pelo dr. Jorge Gomes assistiram, entre outras personalidades, os presidentes da Câmara e Assembleia Municipais da Póvoa de Lanhoso, o presidente da Junta de Freguesia de Covelas, Jaime Oliveira, principal dinamizador desta iniciativa, o Padre António Rodrigues Couto, bem como a vereadora Fátima Moreira e o comandante dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso e candidato do PS às próximas eleições municipais, António Lourenço.
Jorge Gomes proporcionou aos presentes uma "magnífica lição de história" que incluiu os antecedentes, as invasões e as consequências da chamada guerra peninsular, para utilizar a expressão final do presidente da Câmara, Manuel Baptista. O autarca, concluiu que esta sessão "contribuiu para reforçar o nosso orgulho de ser português e povoense", tendo em conta a forma heróica como os nossos antepassados defenderam e protegeram esta terra.

PAPEL DOS PADRES

Depois de descrever a primeira invasão, a fuga da família real para o Brasil, a destruição e desorganização do exército num país que ficou sem Marinha e Cavalaria, Jorge Gomes destacou o papel do clero na resistência aos franceses, não só porque eram contra a Revolução Francesa mas sobretudo porque perdiam dez por cento de tudo quanto era produzido pelos agricultores. Jorge Gomes mencionou o nome dos padres António To-más da Cunha e Joaquim Pereira, entre os que morreram na Batalha de Braga, além de muitos padres Oratorianos.
No Porto, por exemplo, existia um batalhão constituído só por 200 padres que foram todos mortos.
Depois da retirada dos franceses, em Agosto de 1808, com os sinos de todo o país a tocar em festa, os portugueses pensaram que os franceses não voltavam. Puro engano, depois de Soult vencer na Corunha e preparar a segunda invasão, por Valença em direcção ao Porto.
Sem marinha e exército, com as armas de caça todas interditas desde Dezembro de 1807, os conventos eram obrigados a alimentar o nosso exército, como aconteceu em Braga com Convento da Graça cujas freiras tinham de alimentar diariamente cem soldados com água, luz e sal. Não havia cavalos nem armas nem quartéis e os melhores oficiais portugueses tinham sido levados para França. "Tudo o que cheirasse a Liberal via a casa incendiada e era morto" — assegura Jorge Gomes, destacando que "em Braga foi uma mortandade tremenda".
Em Janeiro de 1808, aquele que era uma dos melhores estrategas militares de sempre, o Marechal Soult, conquista a Galiza, deixando para trás uma impressionante colecção de vitórias militares desde Austerlitz. Valença, Cerveira e Caminha resistem em Fevereiro de 1809 e im- pedem a sua caminhada em direcção ao Porto.
Crianças plantam árvores em Verim

Antecipando o Dia da Árvore, que se comemorou a 21 de Março, cerca de cinquenta crianças do Jardim-de-Infância e Escola EB 1 de Verim colocaram mãos à obra e na quarta-feira, dia 18 de Março, ajudaram a plantar espécies autóctones nas margens do Rio Cávado, em plena Praia Fluvial de Verim.
Freixos e amieiros foram as espécies plantadas como forma de combater a invasão das mimosas (acácia), numa acção concertada da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e da Junta de Freguesia de Verim, à qual se associaram as crianças.
A técnica da autarquia povoense responsável pelos jardins e espaços verdes, Natália Costa, explicou que “a praia fluvial está infestada de uma espécie invasora que não é do nosso país”.
Por isso, e para renaturalizar a margem do rio, apostou-se em espécies característica de linha de água.
Para os mais novos, foi uma maneira de passar à prática a teoria aprendida na sala de aula, explicou o professor da EB1 de Verim, Vasco Castro.
Cada grupo de alunos que ajudou a plantar, ficou a ser o padrinho da árvore e o jardim-de-infância ficou incumbido de elaborar umas placas para assinalar a plantação das árvores. Ao todo, foram planta-das cerca de 40 árvores, entre freixos e amieiros, ao longo da margem.
O presidente da Junta de Freguesia de Verim, Carlos Sousa, sublinha a importância de preservar a praia fluvial, uma das poucas ‘oficiais’ do distrito de Braga.
Maria da Fonte
alimenta esperança


O Maria da Fonte conseguiu, na tarde de domingo, uma importante vitória para as suas aspirações ao derrotar, em casa, a formação do Caniçal, por 3-2.
A partida colocava frente a frente duas formações que precisam de pontos para tentar fugir à despromoção e, por isso mesmo, o encontro prometia muitas emoções e duas formações a darem o máximo para marcar golos e vencer.
E foi precisamente isso que se viu nos Moinhos Novos. Uma primeira parte de grande nível, com bons momentos de futebol e quatro golos apontados, e uma segunda metade mais tranquila, mas na mesma com muita luta, várias oportunidades de golo e boas jogadas de entendimento.
Foi mais feliz a formação da casa que acabou por conseguir marcar por três vezes, por intermédio de Alan Dinamite, Hélder e Filipe, aos 12, 17 e 53 minutos, respectivamente, e viu o Caniçal marcar duas vezes, por Wanderson e Rui Manuel, aos 28 e 31 minutos.
O Maria Fonte jogou bem, controlou a partida e cedo chegou aos golos, depois de ter várias oportunidades desperdiçadas.
Com dois golos de vantagem, permitiu que o Caniçal empatasse e viu-se obrigada a sofrer até ao minuto 53 quando Filipe, numa excelente jogada individual, fintou dois adversários e rematou cruzado para o fundo das redes de Nuno Carrapato.
O Maria da Fonte controlou até ao final do jogo e assegurou uma vitória importante e que ajuda a pensar na manutenção.


Armindo Veloso



Surpresas
Lembro-me, como se fosse hoje, de estar parado horas numa fila interminável de carros que ligava a praia a Braga. Quem não se lembra das dificuldades de passar em Barcelinhos num domingo de Verão?...
Ensopados no ar condicionado que as janelas abertas do carro proporcionavam ouvi, de fio a pavio, o discurso de Aníbal Cavaco Silva, vencedor do congresso do PSD que decorreu nesse fim-de-semana, o célebre congresso da Figueira da Foz, o qual ganhou por uma unha negra a João Salgueiro.
Detestei o homem. Não gostei do discurso e fiquei espantado como aquele senhor antipático e hirto ganhou o congresso.
O que é certo é que com o país em frangalhos e com o fim do bloco central, Cavaco ganhou com trinta e poucos por cento de votos as eleições e tornou-se Primeiro Ministro de Portugal.
Paulatinamente, a imagem de antipático foi-se diluindo na de homem competente e sério.
Estas últimas características passaram a prevalecer e nas eleições seguintes, duas, ultrapassou os cinquenta por cento de votos expressos. É obra.
Não sei porquê e, sendo as circunstâncias completamente diferentes, olhando para a dra. Manuela Ferreira Leite vejo algumas características semelhantes.
Muito provavelmente nada se passará de parecido. O mundo e o Portugal de hoje vivem na era do mediatismo o que não acontecia então e o mediatismo faz lei.
No entanto, ainda faltam uns meses – como todos constatamos, dois ou três meses podem mudar o mundo – para as eleições legislativas e pelo andar da carruagem nunca se sabe o que poderá acontecer.
Quem imaginaria Zapatero a presidente do governo espanhol? Quem acreditava na vitória de Obama? Quem daria alguma hipótese a Gordon Brown na Inglaterra que não tendo ido a eleições começa a ver luz ao fundo do túnel? Quem apostaria no regresso de Berlusconi em Itália?
A dra. Manuela Ferreira Leite está a gerir a imagem ao contrário do que os media querem e não é uma figura mediática. O PSD, urbano, não está a gostar da forma dela actuar.
Mas, se a crise se agudizar ainda mais ou se cair um “Freeport”, a sério, na cabeça de José Sócrates, ainda a vamos ver a primeira ministra.
O voto silencioso é que decide as eleições não são as sondagens.
A vida é uma caixa de surpresas. E a política faz parte da vida. A ver vamos.
Até um dia destes.
CASTELO
Ruy de Carvalho
Terminou de forma célebre o Festival de Teatro de Amadores. A presença do prestigiado actor Ruy de Carvalho é fantástica. Para além de entregar o prémio com o seu nome à produção vencedora, o grande homem do teatro português foi homenageado com o prémio prestígio e personalidade, criado na edição deste ano. Homem simples, afável e de trato fácil, permitiu que o festival terminasse com chave de ouro. Mais um passo enorme na cultura povoense.
CASTELO DE AREIA
Assembleia Municipal
Executivo e oposição continuam a 'gladiar-se' na Assembleia Municipal. São vários os episódios ao longo dos tempos e constantemente os 'laranjas' acusam as 'rosas' de colocarem espinhos no caminho do executivo. Desta feita, os socialistas acusam o presidente da câmara de faltar a um compromisso assumido com os presidentes de junta, ao que Manuel Baptista contra-ataca e acusa os opositores de chantagem. Triste fado da política povoense.

Estudo da autarquia é base da iniciativa

Câmara promoveu
reflexão sobre têxteis

A falta de mão-de-obra qualificada, a dificuldade em recrutar pessoal especializado, a necessidade de novas acessibilidades, nomeadamente na ligação de Póvoa de Lanhoso a Guimarães e a inexistência de um espaço em que as pequenas e médias empresas possam exercer as suas actividades a baixos custos são algumas das dificuldades com que se debatem as indústrias têxteis do concelho da Póvoa de Lanhoso.
Estes dados fazem parte do estudo, realizado pela autarquia da Póvoa de Lanhoso, com vista a apurar o impacto sócio-económico da indústria têxtil no concelho, que foi dado a conhecer no decurso de uma reflexão promovida pela Câmara Municipal.
Atenta à crise que atravessa o país e nomeadamente o concelho da Póvoa de Lanhoso, onde a área têxtil tem uma grande expressão, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso promoveu, terça-feira, dia 3 de Março, à noite, no auditório da Casa da Botica, uma sessão de reflexão sobre os têxteis, que contou com uma forte presença de empresários concelhios.
Com 88 empresas ligadas ao sector têxtil, que empregam 1567 trabalhadores, é nas freguesias de Taíde, Campo, Pó-voa de Lanhoso e Santo Emilião, que se concentra o maior número de empresas.
Do estudo realizado pela autarquia povoense, apresentado por Marta Veloso, constata-se que o tecido empresarial é constituído por empresas de pequena ou média dimensão que trabalham a feitio ou são subcontratadas, essencialmente, pelas grandes empresas do concelho. Malhas, embalagem têxtil e têxtil lar são as principais áreas de intervenção das referidas empresas.
“Este estudo surge da consciência que a Câmara Municipal tem do papel e o peso que a indústria têxtil tem no concelho da Póvoa de Lanhoso. Estamos num período difícil, que é conhecido por todos, mas a realidade sócio-económica da Póvoa de Lanhoso passa pelo conhecimento profundo das indústrias têxteis neste concelho”, revelou marta Veloso, que adiantou ainda que o mesmo será um instrumento de apoio à decisão que permite à Câmara Municipal desenvolver iniciativas que certamente apoiarão os empresários.
A sessão de reflexão sobre os têxteis teve como moderador, Manuel José Baptista, presidente da Câmara Municipal, profundo conhecedor do sector, e contou com a presença de Freire de Sousa, professor universitário e especialista em internacionalizações de empresas, e Manuel Teixeira, director-geral do CENIT – Centro de Inteligência Têxtil.
Manuel José Baptista, presidente da Câmara Municipal, mostrou-se preocupado com situação do têxtil no concelho, revelando que a autarquia “precisava de sentir as necessidades dos empresários têxteis e os seus problemas”.
Aproveitar o conhecimento das universidades; criar um rótulo de protecção ambiental e social; maior empreendedorismo; maior qualificação; produtos inovadores; criatividade; a necessidade de tratar os problemas a nível local e a necessidade de pensar em marcas, com uma leitura do mercado e do consumidor, foram algumas das ideias deixadas pelos oradores nesta sessão de reflexão.
Uma linha de crédito para exportações para S. Tomé e Príncipe, fundo de fusões e aquisições e uma linha de reforço de capital de risco foram alguns dos instrumentos, divulgados por Jorge Oliveira, do IAPMEI, que estão à disposição dos empresários têxteis.
A necessidade de um local a baixos custos para fixarem a sua actividade foi uma das preocupações trazidas a blico por alguns empresários que se mostram dispostos a trabalhar para encontrar soluções para ultrapassar a crise que vem afectando o sector.
Manuel José Baptista, presidente da Câmara Municipal, mostrou-se solidário com os empresários revelando que estão empenhados em arranjar soluções, nomeadamente através da revisão do PDM. “Queremos ser um aliado. Conto com vocês e vocês podem contar connosco. As nossas preocupações são as vossas”, disse ainda o presidente da autarquia da Póvoa de Lanhoso que deu conta da necessidade de se realizarem mais iniciativas deste género.

TEATRO Ruy de Carvalho apadrinhou certame


Festival terminou em beleza

Terminou em festa o V Festival Nacional de Teatro de Amadores da Póvoa de Lanhoso, na noite de 28 de Fevereiro, no Theatro Club: festa do Teatro Amador e dos premiados, festa por receber na Póvoa de Lanhoso Ruy de Carvalho, que apadrinha o certame, e festa de aniversário do próprio actor, que apagou, já depois da meia noite, 82 velas e recebeu de presente das mãos do Presidente da Câmara Municipal o seu monograma em bordado de filigrana.
De forma inegável, a noite ficou marcada pela figura do grande mestre do Teatro e da Cultura, Ruy de Carvalho, cuja simplicidade, humildade, talento e tamanho coração tocaram a todos os presentes. O actor entregou o galardão com o seu nome, novidade desta edição. “Não calculam como estou honrado por ter um prémio com o meu nome. Realmente, chegar à minha idade, 82 anos, e receber um prémio destes é uma grande honra para mim e muito belo para mim e ficar a ser todos os anos dado um prémio com o meu nome, pelo menos quando eu partir, fica cá qualquer coisa e fica, sobretudo, o amor que eu tenho pela minha profissão e pelo meu país”, referiu Ruy de Carvalho, que também foi agraciado com o Prémio Prestígio Personalidade 2009.
No capítulo da competição, recorde-se que ao longo de cinco fins de semana, uma dezena de grupos de todo o país subiu ao palco do Theatro Club, com os seus trabalhos. Segundo o Presidente da Câmara, a aposta nesta organização, em colaboração com a ANTA (Associação Nacional de Teatro de Amadores), contribui para a defesa da Cultura e da Tradição Locais: “A Póvoa de Lanhoso tem um sonho, o de ser Vila das Artes. De ser um palco para a representação, para a arte da filigrana, do folclore, da escrita, da música popular e de todas as artes que ajudem a desenvolver este concelho e o seu Povo. Estamos a trabalhar para atingirmos esse objectivo e o aumento da qualidade deste Festival é uma motivação adicional”, referiu.
A sessão de encerramento começou com a apresentação da peça “As Guitarras de Alcácer Quibir” de Horácio Manuel, extra-concurso, pelo Teatro Artimanha de Pinhal Novo. O grupo foi o vencedor do Prémio de Melhor Cenografia em 2008. “Hoje estamos aqui para uma grande festa: uma grande festa do teatro e uma festa da amizade e da união. É esta união dos grupos da ANTA que nos faz percorrer vários quilómetros e que nos faz trazer aqui boas peças de teatro”, referiu João Gomes daquela Associação.
Tendo como novidade a criação dos Prémios Ruy de Carvalho e Prémio Prestígio Personalidade, o Júri do V Festival Nacional de Teatro de Amadores, composto por Carla Oliveira, José Igreja e Fernando Soares, deliberou atribuir os seguintes galardões:
Teatro Meia Via - Felizmente Há Luar - Prémio Prestígio
Personalidade 2009: Ruy de Carvalho
Encenação: Manuel Ramos Costa/Contacto Água Corrente - Auto da Alma
Interpretação Feminina: Rute Lourenço/Companhia de Teatro Poucaterra - O Solário
Interpretação Masculina: Carlos Maia/Teatro Meia Via - Felizmente Há Luar
Desenho de Luz: Teatro Infantil de Braga - O Velho Mágico
Cenografia: Teatro Infantil de Braga - O Velho Mágico
Guarda-Roupa: Contacto Água Corrente - Auto da Alma
Menções Honrosas
Interpretação Feminina: Elvira Oliveira - Yerma -Teatro Ensaio Raul Brandão
Adriana Carmesim - O Vizinho Toca Sempre 2 vezes - Cale Estúdio Teatro
Encenação: Elsa Vieira - Felizmente Há Luar - Teatro Meia Via
Melhor Espectáculo: Auto da Alma - Contacto Água Corrente

Espaço Jovem já tem logótipo

Ricardo Magalhães foi o autor

O jovem povoense Ricardo Magalhães foi o vencedor do concurso para a criação do logótipo do Espaço Jovem. Com 19 anos, e a frequentar o ensino superior, no curso de Design Gráfico, no IPCA, em Barcelos, Ricardo Magalhães inspirou-se no espaço verde que envolve o edifício e no facto de se tratar de um local que oferece diversos serviços ao público jovem.
Foi através de um amigo que o jovem Ricardo soube do concurso e dado que aquele é um sítio que gosta, decidiu arriscar, saindo vencedor do concurso.
A par da frequência do curso de design gráfico, Ricardo Magalhães tem desenvolvido vários trabalhos, entre eles, as imagens corporativas do TT Lanhoso, BTT Maria da Fonte, Rali do Alvarinho e Grafipóvoa.

Atelier de Iniciação ao Hip-Hop/Dança Moderna

Nos dias 14, 21 e 28 de Março e 4 de Abril, o Espaço Jovem promove um atelier de iniciação ao hip-hop/dança moderna, cuja coordenação está a cargo de Anita Vieira.
As sessões realizam-se das 10h30 às 12h30, estando à disposição dos participantes os baneários situados no piso inferior. As inscriações são limitadas e esta actividade conta com a colaboração do projecto Territórios In.
Paint Ball, cama elástica/ trampolim, pinturas faciais e trotinete com motor são algumas das propostas do Espaço Jovem para assinalar o Dia da Juventude, que se comemora a 28 de Março. O Espaço Jovem propõe, desta forma, uma tarde diferente a quem ali se desloque. Para os mais pequenitos as propostas são as pinturas faciais, a cama elástica e o trampolim, podendo ainda dar uma volta numa trotinete a motor.
Para os mais velhos o desafio é um jogo de paintball. “Forma a tua equipa e inscreve-te” é o desafio lançado pelo Espaço Jovem.

Trocar o computador e a consola pelos jogos tradicionais

Relembrar e proporcionar aos mais jovens um contacto com os jogos que entretinham as crianças e alguns adultos no passado é um dos objectivos da iniciativa que irá ser levada a efeito pelo Espaço Jovem, nas manhãs de 30 de Março a 9 de Abril. O pião, a macaca, elástico, corrida de sacos, malha, corridas de andas, corrida de sacos e o jogo do lencinho são algumas das propostas apresentadas ao público mais jovem.

Património

Pedra Formosa na Sala
de Interpretação do Território



Dois fragmentos contíguos da pedra formosa do balneário do Alto de Quintães, na Póvoa de Lanhoso, encontram-se, actualmente em lugar de destaque, na Sala de Interpretação do Território, na Casa da Botica, na Póvoa de Lanhoso.
O Balneário do Alto de Quintães encontrava-se próximo do Castro de Calvos, demolido em 2000 e identificados os seus vestígios por Pereira Dinis, em 2001.

Fragmentos de pedra formosa - Alto de Quintães, Calvos

Os edifícios conhecidos como balneários castrejos, ou saunas castrejas, eram pequenos espaços associados à prática de banhos rituais, na Proto-história. São, por norma, conjuntos edificados bastante ostensivos e complexos, constituindo o melhor exemplo da arquitectura e da arte castreja. Grande parte dos povoados proto-históricos aparentam não ter tido um balneário, ou o mesmo não é conhecido, na maior parte dos casos. Não é portanto seguro afirmar-se uma massificação da construção destes edifícios, que seriam, pelos menos nos povoados maiores (as “citânias”) um elemento fulcral do conjunto urbano. O Castro de Calvos evidencia a sua importância económica ou geo-estratégica pela localização de um edifício de banhos, do qual apenas restam alguns fragmentos.
A pedra formosa era uma grande estela, com a face exterior decorada, na maior parte dos casos (daí a curiosa designação), que funcionava como parede divisória entre a câmara de sauna e a antecâmara. Junto do solo, na zona inferior da estela, localizava-se uma pequena abertura, que constituía o único acesso ao interior, sob o qual os utilizadores faziam deslizar o corpo para dar entrada na câmara.
A pedra formosa do Alto de Quintães seria uma das mais profusamente decoradas, com motivos horizontais em 8, ladeando a passagem, frisos lisos definindo molduras laterais, um motivo em espinha conservado no rebordo lateral direito (com uma eventual simetria no rebordo esquerdo da peça original), precedido por uma decoração em sobreposições de SS confrontantes. Sobre a passagem definia-se um aparente painél central liso, ou cuja decoração se desconhece. Pelas suas características, o balneário do Alto de Quintães, e a pedra formosa que o integrava, é um conjunto enquadrável nos banhos monumentais detectados na bacia do Ave, em que se incluem os banhos de Briteiros (Guimarães) e do Alto das Eiras (Famalicão).

Gastronomia

Mês do Cabrito à S. José

O Cabrito à S. José é o prato de eleição neste mês de Março em nove estabelecimentos de restauração do concelho da Póvoa de Lanhoso, no âmbito da iniciativa “Fins-de-Semana Gastronómicos”, promovida pela Associação de Turismo da Póvoa de Lanhoso (ATPL).
Dado o sucesso da iniciativa no ano transacto, a ATPL aposta novamente no Cabrito à S. José como o prato privilegiado do mês de Março. Durante o mês de Março, aos fins-de-semana, os restaurantes aderentes incluem o famoso cabrito nas suas ementas.
A ATPL lança o repto para que não deixem de saborear o Cabrito à S. José nos vários estabelecimentos aderentes da iniciativa acompanhado do vinho verde, proveniente dos vinhedos do concelho da Póvoa de Lanhoso.
“Saboreie o Cabrito à S. José e receba um vale para uma prova de vinhos na Cave do Vinho Verde”, é o repto lançado pela ATPL.
ABBA, Avenida, Diverlanhoso, Dona Melozinha, Montenegro, Victor, Prontinho, Velho Minho e Tasquinha S. Pedro são os estabelecimentos aderentes deste ano.
Desta forma, a ATPL pretende assumir a gastronomia como uma atracção turística, aliando o Cabrito à S. José ao vinho verde da região.